Frases sobre memórias

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da memória, vida, vida, outro.

Melhores frases sobre memórias

Milan Kundera photo

„A luta do homem contra o poder é a luta da memória contra o esquecimento.“

—  Milan Kundera 1929

Milan Kundera citado em "Ponche verde" - página 47, Janer Cristaldo - Nórdica, 1986, ISBN 8570070764, 9788570070760 - 279 páginas
Atribuídas

Machado de Assis photo

„A saudade é o passar e o repassar das memórias antigas.“

—  Machado de Assis, livro Dom Casmurro

Dom Casmurro
Variante: a saudade é isto mesmo; é o passar e repassar das memórias antigas.

Abraham Lincoln photo
Adélia Prado photo
Cecília Meireles photo
Ingrid Bergman photo

„Felicidade é uma saúde boa e uma memória ruim.“

—  Ingrid Bergman 1915 - 1982

Happiness is good health and a bad memory.
Fonte: "An Uncommon Scold" ("Uma pessoa repreensiva incomum") by Abby Adams, 1989

Antístenes photo

„A gratidão é a memória do coração.“

—  Antístenes -444 - -365 a.C.

Antístenes, citado em "Frases Geniais" - página 103 http://books.google.com.br/books?id=5nd6l6KXWvgC&pg=PA103, Paulo Buchsbaum, Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335, 440 páginas

Adélia Prado photo

„Tudo que a memória amou já ficou eterno“

—  Adélia Prado Poetisa e escritora brasileira 1935

William Shakespeare photo

„Lembrar é fácil pra quem tem memória, esquecer é difícil pra quem tem coração…“

—  William Shakespeare dramaturgo e poeta inglês 1564 - 1616

Variante: Lembrar é fácil para quem tem memória. Esquecer é difícil para quem tem coração.

Todas frases sobre memórias

Total 351 citações memória, filtro:

Machado de Assis photo

„O dom da hospitalidade


Não negligencieis a hospitalidade, pois alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos. v.2


O jantar que oferecemos às cinco famílias de nações diferentes continua a ser uma memória maravilhosa. De alguma forma, a conversa não ficou restrita a cada casal, mas todos nós conversamos sobre a vida em Londres sob pontos de vista de partes diferentes do mundo. No final da noite, meu marido e eu concluímos que tínhamos recebido mais do que tínhamos oferecido, inclusive o calor humano que compartilhamos ao nos empenhar em fazer novas amizades e conhecer culturas diferentes.

O autor da carta aos Hebreus conclui os seus pensamentos com exortações para a vida da comunidade, relembrando aos seus leitores que deveriam continuar a receber bem os estrangeiros. Pois fazendo isso, algumas pessoas “acolheram anjos sem o saber” (13:2). Ele podia estar se referindo a Abraão e Sara, que, como vemos em Gênesis 18:1-12, acolheram três desconhecidos com generosidade e os receberam com festa, como era o costume nos tempos bíblicos. Eles não sabiam que estavam acolhendo anjos que lhes trouxeram uma mensagem de bênção.

Nós não convidamos as pessoas para nossas casas, com o intuito de tirar vantagens disso, mas, com frequência, recebemos mais do que damos. Que o Senhor espalhe o Seu amor através de nós à medida que alcançamos outros com o dom da hospitalidade.

Quando praticamos a hospitalidade, 
compartilhamos da bondade e das dádivas divinas. Amy Boucher Pye“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Friedrich Nietzsche photo
George Orwell photo
George Orwell photo
Isabel Allende photo
Paul Valéry photo

„A História é o produto mais perigoso que a química do intelecto tem desenvolvido. As suas propriedades são bem conhecidas. Provoca sonhos, intoxica as pessoas, sobrecarrega-as com falsas memórias, exagera seus reflexos, mantém suas velhas feridas, a turbulência em seu descanso, leva a delírios de grandeza ou de perseguição, e faz das nações amargas, bonitas, vaidosas e insuportável.“

—  Paul Valéry 1871 - 1945

L’Histoire est le produit le plus dangereux que la chimie de l’intellect ait éla-boré. Ses propriétés sont bien connues. Il fait rêver, il enivre les peuples, leur en-gendre de faux souvenirs, exagère leurs réflexes, entretient leurs vieilles plaies, les tourmente dans leur repos, les conduit au délire des grandeurs ou à celui de la persécution, et rend les nations amères, superbes, insupportables et vaines.
Regards sur le Monde Actuel, Paul Valery - 1931

Joseph Joubert photo

„A memória é o espelho em que vemos os ausentes.“

—  Joseph Joubert 1754 - 1824

Variante: A memória é o espelho onde observamos os ausentes.

Milan Kundera photo
Milton Hatoum photo
Marcelo D2 photo

„Se maconha já me causou perda de memória? Não que eu me lembre…“

—  Marcelo D2 1967

Marcelo D2, em tom jocoso, numa entrevista para TV

John Ronald Reuel Tolkien photo
Gabriel García Márquez photo
Virginia Woolf photo
Johann Wolfgang von Goethe photo

„Quando o interesse diminui, com a memória ocorre o mesmo.“

—  Johann Wolfgang von Goethe escritor alemão 1749 - 1832

Atribuídas

Oscar Wilde photo

„Apenas as pessoas que já perderam totalmente a memória publicam suas memórias.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Henri Bergson photo
Padre Antônio Vieira photo
Fernando Pessoa photo
Padre Antônio Vieira photo
Napoleão Bonaparte photo
Platão photo

„Ouvi uma vez contar que, na região de Náucratis, no Egipto, houve um velho
deus deste país, deus a quem é consagrada a ave que chamam Íbis, e a quem chamavam Thoth. Dizem que foi ele que inventou os números e o cálculo, a geometria e a astronomia, bem como o jogo das damas e dos dados e, finalmente, os caracteres gráficos (escrita). Nesse tempo, todo o Egipto era governado por Tamuz, que residia no sul do país, numa grande cidade que os gregos designam por Tebas do Egipto, onde aquele deus era conhecido pelo nome de Ámon. Thoth encontrou-se com o monarca, a quem mostrou as suas artes,
dizendo que era necessário dá-las a conhecer a todos os egípcios. Mas o monarca quis saber a utilidade de cada uma das artes e, quanto o inventor as explicava, o monarca elogiava ou censurava, consoante as artes lhe pareciam boas ou más. Foram muitas, diz lenda as considerações que sobre cada arte Tamuz fez a Thoth quer condenando,
quer elogiando, e seria prolixo enumerar todas aquelas considerações.
Mas, quando chegou a vez da invenção da escrita, exclamou Thoth: «Eis, oh rei, uma arte que tornará os egípcios mais sábios e os ajudará a fortalecer
a memória, pois com a escrita descobri o remédio para a memória.»

- «Oh, Thoth, mestre incomparável, uma coisa é inventar uma arte, outra julgar
os benefícios ou prejuízos que dela advirão para os outros! tu, neste momento e como inventor da escrita, esperas dela, e com entusiasmo, todo o contrário do que ela pode vir a fazer! ela tornará os homens mais esquecidos, pois que, sabendo escrever, deixarão
de exercitar a memória, confiando apenas nas escrituras, e só se lembrarão de um assunto por força de motivos exteriores, por meio de sinais, e não dos assuntos em si mesmos.»“

—  Platão filósofo grego -427 - -347 a.C.

Diane De Poitiers photo
Virginia Woolf photo
Nikola Tesla photo
Emily Dickinson photo
Pierre Nora photo

„A história é reconstrução sempre problemática e incompleta do que não existe mais. A memória um fenômeno sempre atual, um elo vivido no eterno presente; a história, uma representação do passado.“

—  Pierre Nora 1931

NORA, Pierre. Entre memória e Historia. A problemática dos lugares.
Fonte: Projeto História 10. PUCSP, São Paulo, 1993. pp. 9

Cícero photo
José Saramago photo
Samuel Taylor Coleridge photo
Samuel Johnson photo

„A verdadeira arte da memória é a arte da atenção.“

—  Samuel Johnson, The Idler

The true art of memory is the art of attention.
The idler - Página 123 http://books.google.com.br/books?id=3SQJAAAAQAAJ&pg=PA123, Samuel Johnson - Printed for T. Davies, 1767

Milan Kundera photo
Zachary Taylor photo

„Por mais de meio século, reinos e impérios caíram, e esta União ficou firme. Os patriotas que formaram a têm muito tempo que desceram à sepultura; mas ainda permanecem, no monumento mais orgulhoso à sua memória.“

—  Zachary Taylor 1784 - 1850

For more than half a century, during which kingdoms and empires have fallen, this Union has stood unshaken. The patriots who formed it have long since descended to the grave; yet still it remains, the proudest monument to their memory.
citado em "The life of Major General Zachary Taylor: twelfth president of the United States‎" - Página 414 http://books.google.com.br/books?id=XShCAAAAIAAJ&pg=PA414, de Henry Montgomery - Derby, Miller & Co., 1850, 20 ed. - 463 páginas

Juan Luis Vives photo

„O vinho é sepultura da memória.“

—  Juan Luis Vives 1492 - 1540

Variante: O vinho é a sepultura da memória.

Stendhal photo
Michel De Montaigne photo

„A leitura me serve eme special para despertar, por objetos diversos, minha reflexão, para fazer trabalhar meu julgamento, não minha memória.“

—  Michel De Montaigne, livro Ensaios

Montaigne, Os Ensaios, Uma Seleção (2010) http://www.blogdacompanhia.com.br/2010/11/os-ensaios-de-michel-de-montaigne/, Liv. III Cap. III p. 366, Org. M. A. Screech, Trad. Rosa Freire D'aguiar.
Ensaios, Livro 3

Fernando Pessoa photo
John Lancaster Spalding photo
Miguel Sousa Tavares photo
Georges Duhamel photo
George Sand photo
George Sand photo
Jorge Luis Borges photo
Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Memórias póstumas

Quando eu disser
que me cansei de todas as coisas
não tentem me salvar

Deixem-me cortar os meus punhos
e sangrar até a luz do meio dia

Quando perceberem
que já estou morto

Transformem este dia
em um feriado santo

Batizem os seus filhos
em meu sangue

Exibam o meu corpo
em um altar de glória e poder

Profiram mentiras em meu nome
lembrem-se de memórias das quais
eu nunca vivi

E tampouco
gostaria de tê-las vivido

Coloquem flores
sobre o meu tumulo

Gritem por todos os cantos
o quanto sentem a minha falta

Digam
‘’Amo-te mais do que todas
as coisas’’

Enquanto olham as minhas velhas
fotografias de momentos dos quais
poderiam ter me dito tais palavras doces

Sim! Ascendam velas
em meu nome

Digam aos meus parentes e amigos
que sentem a minha falta

Mas por favor
esqueçam das vezes
das quais eu estava ao seu lado

Esqueçam de uma vez por todas
todos os passos frios que dei por
estas ruas vazias e cheias de ódio

Não lembrem-se das minhas
unhas arranhando estas paredes sujas
enquanto clamava por ajuda

Fechem os olhos e tampem os ouvidos
tal como fizeram das vezes
que supliquei em lágrimas

Lembrem-se das poucas
vezes em que eu fui capaz de sorrir

Ah (…)
quando eu caminhar
em direção aos vales distantes

Não culparei nenhum de vocês
por não compreenderem os meus demônios

Apenas deixarei que lembrem-se
das vezes que os transformei em canções poéticas
para os seus ouvidos surdos!

Não se preocupem com as lágrimas
ou com as dores do meu ato final

Continuem rezando
para os seus deuses de mentira

Vivendo suas vidas vazias
e cheias de fortuna

Continuem!
suplico que continuem!
em suas guerras ideológicas

Esqueçam aqueles que como eu
morreram abraçando suas próprias pernas

Esqueçam-me de uma vez por todas
enquanto lembram-se
do homem que eu nunca fui…“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

Machado de Assis photo
Anthony Giddens photo
Cícero photo
Gaston Bachelard photo
Kurt Cobain photo
Kurt Cobain photo
Marquês de Maricá photo
Cícero photo

„A memória diminui… se não for exercitada.“

—  Cícero orador e político romano -106 - -43 a.C.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
H. P. Lovecraft photo
Henrique Maximiano Coelho Neto photo
Frida Kahlo photo
Gabriel García Márquez photo

„Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas e que graças a este artifício conseguimos suportar o passado.“

—  Gabriel García Márquez, livro El amor en los tiempos del cólera

Love in the Time of Cholera
Variante: Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas e que graças a esse artifício conseguimos suportar o passado.

Milan Kundera photo
Martin Heidegger photo

„A grande tragédia do mundo é que não cultiva a memória, e portanto se esquece dos mestres.“

—  Martin Heidegger Ser e Tempo 1889 - 1976

Atribuídas
Fonte: Super Interessante – ANO 9 - Nº 5 – Maio de 1995 - Dito & Feito - Pág; 90

Isabel I de Inglaterra photo

„A Rainha Isabel I da famosa memória, & Mdash; não precisamos ter vergonha de chamá-la assim! … que a senhora, que grande rainha.“

—  Isabel I de Inglaterra 1533 - 1603

Oliver Cromwell É discurso ao Parlamento (17 de setembro de 1656), citado em Thomas Carlyle, Oliver cromwell cartas e discursos com elucidations. Volume III (Londres: George Routledge e filhos, n.d.), p. 101.

Machado de Assis photo
Martha Medeiros photo
Vergílio Ferreira photo
Eduardo Galeano photo
Cecília Meireles photo
Eça de Queiroz photo

„Um homem de letras, que não escreve as suas memórias, tem realmente direito a que os outros lhas não escrevam.“

—  Eça de Queiroz Escritor e diplomata português 1845 - 1900

Variante: Um homem de letras, que não escreve as suas memórias, tem realmente direito a que outros lhas não escrevam.

Stephen King photo
Giovanni Verga photo
Isabel Allende photo
Stephen R. Covey photo
Friedrich Nietzsche photo

„(…) não existe, talvez, nada mais assustador e mais sinistro em toda a pré-história do homem que a sua técnica para se lembrar das coisas.” Alguma coisa é impressa, para que permaneça na memória: apenas o que dói incessantemente é recordado” – este é uma proposição central da mais antiga (e, infelizmente, também a mais duradoura) filosofia na Terra. Uma pessoa pode até sentir-se tentada a dizer que algo deste horror – através da qual em tempos se fizeram promessas por toda a Terra e foram dadas garantias e empenhamentos -, algo disto ainda sobrevive sempre que a solenidade, seriedade, secretismo e cores sombrias se encontram na vida dos homens e das nações: o passado, o passado mais longo, mais profundo e mais desagradável, respira sobre nós e brota em nós sempre que nos tornamos “sérios”. As coisas nunca avançaram sem sangue, tortura e vítimas, quando o homem achou necessário forjar uma memória de si próprio. Os sacrifícios e as oferendas mais horrendos (…), as mutilações mais repulsivas (…), os rituais mais cruéis de todos os cultos religiosos ( e todas as religiões são, nas suas fundações mais profundas, sistemas de crueldade) - todas estas coisas tem origem naquele instinto que adivinhou que a mais poderosa ajuda da memória era a dor.
Num certo sentido, todo o ascetismo faz parte disto: algumas ideias tem de tornar-se inextinguíveis, omnipresentes, inesquecíveis, “fixas” – com o objectivo de hipnotizar todo o sistema nervoso e intelecto através destas “ideias fixas” – e os procedimentos e formas de vida ascéticos são o meio de libertar essas ideias da competição com todas as outras ideias, para torna-las “inesquecíveis”. Quanto maior era a memoria da humanidade, mais assustadores parecem ser os seus costumes; a dureza dos códigos de punição, em particular, dá uma medida da quantidade de esforço que é necessária para triunfar sobre o esquecimento e tornar estes escravos efémeros da emoção e do desejo atentos a alguns requisitos primitivos de coabitação social. (…) Para dominar (…) recorreram a meios assustadores (…) de apedrejamento, (…), a empalação na estaca, a dilaceração ou o espezinhamento por cavalos, (…), queimar o criminoso em azeite (…), a prática popular de esfolamento, (…) cobrir o criminoso de mel e deixá-lo às moscas num sol abrasador. Com a ajuda deste tipo de imagens e procedimentos, a pessoa acaba por memorizar cinco ou seis “Não farei”, fazendo assim a promessa em troca das vantagens oferecidas pela sociedade. E de facto! com a ajuda deste tipo de memória, a pessoa acaba por “ver a razão”! Ah, razão, seriedade, domínio das emoções, todo o caso sombrio que dá pelo nome de pensamento, todos esses privilégios e exemplos do homem: que preço elevado que foi pago por eles! Quanto sangue e horror está no fundo de todas as “coisas boas”!“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

On the Genealogy of Morals

Laura Esquivel photo
Mitch Albom photo
Fabrício Carpinejar photo

„Lar


Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus. v.19


Estêvão, um jovem africano refugiado não tem país, é apátrida. Talvez tenha nascido em Moçambique ou no Zimbábue, mas não conheceu seu pai e já perdeu a mãe. Ela fugiu da guerra civil, viajando pelo mundo como vendedora de rua. Sem documento de identidade e incapaz de provar onde nasceu, Estêvão entrou numa delegacia de polícia, pedindo para ser preso. Para ele, a prisão parecia algo melhor do que tentar viver nas ruas sem os direitos e benefícios da cidadania.

Esse mesmo sofrimento estava na mente de Paulo quando ele escreveu aos efésios. Os seus leitores não-judeus sabiam o que significava viver como estrangeiros e forasteiros (v.12). Somente depois de encontrar a vida e a esperança em Cristo (1:13) eles descobriram o que significava pertencer ao reino dos céus (Mateus 5:3). Em Jesus, eles aprenderam o que significa ser conhecido e bem cuidado pelo Pai que Ele veio para revelar (Mateus 6:31-33).

Paulo percebeu, porém, que à medida que o passado se afasta, nossa curta memória pode nos levar a esquecer que, enquanto a esperança é a nova forma de viver, o desespero já ficou no passado.

Que o nosso Deus nos ajude a viver em segurança, reconhecendo cada dia que o sentimento de pertença que temos como membros de Sua família vem pela fé em Jesus Cristo e a compreender os direitos e benefícios que temos por habitarmos nele.

A esperança tem um significado especialíssimo 
para os que já viveram sem ela. Mart De Haan“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„A gratidão em família


…Eu e a minha casa serviremos ao Senhor. v.15


Certo colega saiu com o filho para uma lanchonete. Lá, deu-lhe um lanche e um pacote de batatas fritas. De repente, ele resolveu servir-se de um pouco do pacote do garoto. O menino deu-lhe um tapinha na mão e advertiu: “É meu!”. O pai pensou: “Ele se esqueceu que fui eu quem deu. Que quem dará o próximo serei eu. Afinal, quem dispõe dos recursos sou eu!” . Exatamente como fazemos muitas vezes com Deus.

A família reflete com muita proximidade nosso relacionamento com o Senhor. A partir da percepção clara do valor da família e do cenário ao seu redor, Josué fez uma escolha: servir ao Senhor.

Servir ao Senhor implica reconhecer o que Ele tem feito. O que move Josué é a memória das experiências vividas (vv.2-13). Precisamos reconhecer o que o Deus tem feito por nós e ensinar isso a nossos filhos. Precisamos criar neles a consciência de que Deus tem sido generoso para conosco e nutrir em nossa família o sentimento de gratidão.

A certeza de que “Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã” (Salmo 30:5) vem da constatação de que já houve noites anteriormente, que foram sucedidas por um novo amanhecer. Os filhos que têm fé são os que aprenderam a ver o agir de Deus.

Quando somos gratos, somos confiantes e humildes. A experiência da gratidão nos ensina a dependência e a submissão a Deus.

Que possamos dizer decididamente: “eu e a minha casa serviremos ao Senhor!”

A percepção do que Deus tem feito por nós 
nos faz olhar confiantemente para frente. Ney Silva Ladeia“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Todas as gerações


O teu reino é o de todos os séculos, e o teu domínio subsiste por todas as gerações… v.13


Minha esposa e eu somos considerados “Baby Boomers”, e somos parte do grande número de nascimentos após a Segunda Guerra. Nossas filhas, nascidas nos anos de 1970–80, são das gerações X e Y. Crescemos em épocas tão diferentes, e não nos surpreende que nossas opiniões sejam tão divergentes!

As gerações têm experiências de vida e valores muito diferentes. Os seguidores de Jesus, mas não importa a roupa que vestimos ou a música que gostamos de ouvir, a nossa conexão espiritual é mais forte do que essas diferenças.

O Salmo 145 é uma poderosa canção de louvor a Deus e proclama o nosso laço de fé. “Uma geração louvará a outra geração as tuas obras e anunciará os teus poderosos feitos. […] Divulgarão a memória de tua muita bondade e com júbilo celebrarão a tua justiça” (vv.4,7). Dentro da diversidade de idade e experiência, nos unimos para honrar o Senhor — “…falarão da glória do teu reino e confessarão o teu poder” (v.11).

Embora as diferenças e preferências possam nos dividir, a fé compartilhada em Jesus Cristo, o Senhor, nos une na confiança mútua, no encorajamento e no louvor. Qualquer que seja a nossa idade e aparência, precisamos uns dos outros! Não importa a qual geração pertençamos, nós aprendemos uns com os outros e juntos honramos o Senhor, “para que […] se façam notórios os teus poderosos feitos e a glória da majestade do teu reino” (v.12).

O reino de Deus está vivo 
e ativo em todas as gerações. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Tempo juntos


Agrada-se o Senhor dos que o temem e dos que esperam na sua misericórdia. v.11


Quando voltávamos do casamento de um membro da família, minha mãe me perguntou pela terceira vez o que era novo no meu trabalho. Repeti alguns detalhes como se estivesse lhe contando pela primeira vez, enquanto me perguntava o que poderia tornar minhas palavras mais lembradas. Minha mãe tem a doença de Alzheimer, a qual destrói progressivamente a memória, e afeta negativamente o comportamento e, eventualmente, leva à perda de fala e outras habilidades.

Sofro, mas estou grata por ela ainda estar aqui e podermos passar tempo juntas, e conversar. Emociono-me sempre que vou vê-la, ela se ilumina de alegria e exclama: “Alyson, que surpresa agradável!” Nós gostamos da companhia uma da outra; e mesmo nos silêncios quando as palavras lhe escapam, temos comunhão.

Talvez esta seja uma pequena demonstração sobre o nosso relacionamento com Deus. As Escrituras nos dizem: “Agrada-se o Senhor dos que o temem e dos que esperam na sua misericórdia” (v.11). Deus chama de filhos aos que creem em Jesus como Salvador (João 1:12). E embora possamos fazer as mesmas solicitações uma e outra vez ou nos faltem palavras, o Senhor é paciente conosco, porque temos um relacionamento pessoal com Ele. O Senhor sente-se feliz quando oramos a Ele — mesmo quando as palavras nos escapam.

Deus se deleita em nos ouvir! Alyson Kieda“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Que haja honra


Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles… v.1


Sempre fiquei impressionado com a solene e magnífica simplicidade da mudança da guarda no Túmulo dos Desconhecidos no Cemitério Nacional de Arlington, EUA. O evento cuidadosamente coreografado é um tributo em honra aos soldados cujos nomes e sacrifícios são “conhecidos, apenas por Deus”. Igualmente emocionantes são os passos de ritmo constante quando as multidões se vão: de um lado a outro, hora após hora, dia a dia, mesmo no pior dos climas.

Em setembro de 2003, o furacão Isabel estava chegando em Washington, DC, e os guardas foram informados de que poderiam procurar abrigo durante o pior momento da tempestade. Surpreendentemente os guardas se recusaram! Eles desinteressadamente resistiram em seu posto para honrar a memória dos soldados abatidos, mesmo diante de um furacão.

Creio que nos ensinamentos de Jesus, em Mateus 6:1-6, está o desejo dele de que vivamos com devoção implacável e altruísta para com Ele. A Bíblia nos ensina a praticar boas obras e a viver em santidade, mas estes são atos de adoração e obediência (vv.4-6), não atitudes para nos gloriarmos (v.2). O apóstolo Paulo endossa esta fidelidade por toda a vida quando nos pede que façamos de nossos corpos “um sacrifício vivo” (Romanos 12:1).

Senhor, que os nossos momentos particulares e públicos falem de nossa devoção e compromisso contigo.

Quanto mais servimos a Cristo, 
menos serviremos a nós mesmos. Randy Kilgore“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„O ministério da memória


Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal… v.11


Nossas experiências de perda e desapontamentos podem nos deixar irados, culpados e confusos. Se nossas escolhas fecharam certas portas que nunca serão reabertas ou, sem que fosse culpa nossa, a tragédia invadiu a nossa vida, o resultado muitas vezes é o que Oswald Chambers chamou de: “a tristeza insondável do ‘poderia ter sido’”. Podemos tentar suprimir a memória dolorosa, mas descobrimos que é impossível.

Chambers nos lembra de que o Senhor ainda está ativo em nossa vida. “Nunca tenha medo quando Deus traz o passado de volta”, disse ele. “Deixe a memória percorrer o seu caminho, como um ministro de Deus com sua repreensão, castigo e tristeza. Deus transformará o ‘poderia ter sido’ em algo maravilhoso [lugar de crescimento] para o futuro.”

Nos dias do Antigo Testamento, quando Deus enviou o povo de Israel para o exílio na Babilônia, Ele lhes disse para servi-lo naquela terra estrangeira e crescer na fé até que Ele os trouxesse de volta à casa deles. “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais” (v.11).

Deus os exortou a não ignorar ou prender-se aos acontecimentos do passado, mas em vez disso se concentrarem nele e olharem para frente. O perdão do Senhor pode transformar a memória de nossa tristeza em confiança em Seu amor eterno.

Deus pode usar as nossas mais profundas decepções 
para nutrir a nossa fé nele. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

António Lobo Antunes photo
Kurt Cobain photo
Oswald de Andrade photo
Pitágoras photo
Sophia Loren photo
Nélson Rodrigues photo

„Não há nada mais relapso do que a memória. Atrevo-me mesmo a dizer que a memória é uma vigarista, uma emérita falsificadora de fatos e de figuras.“

—  Nélson Rodrigues escritor e dramaturgo brasileiro 1912 - 1980

O Berro Impresso das Manchetes
Fonte: O Berro Impresso das Manchetes; Crônicas completas da Manchete Esportiva 55-59 - Página 523, de Nelson Rodrigues - Publicado por Agir Editora, 2007 ISBN 8522007799, 9788522007790

Graciliano Ramos photo