Frases sobre o mar

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da mar, vida, vida, todo.

Melhores frases sobre o mar

Charles Spurgeon photo

„Aqueles que mergulham no mar das aflições trazem pérolas raras para cima.“

—  Charles Spurgeon 1834 - 1892

Atribuídas

Jorge Amado photo
Isaac Newton photo

„O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.“

—  Isaac Newton físico e filósofo inglês 1643 - 1727

Em 1687, Explicando a sua Terceira Lei de Newton - Ação e Reação

Horacio photo
Vinícius de Moraes photo

„Eu sem você sou só desamor um barco sem mar um campo sem flor.“

—  Vinícius de Moraes cantor, poeta, compositor e diplomata brasileiro 1913 - 1980

Heinrich Heine photo

„Ainda não se descobriu a bússola para navegar no alto mar do casamento.“

—  Heinrich Heine 1797 - 1856

in den heiligen Ehestand trete, dass auch er sich hinauswage auf jenes hohe Meer, für welches noch kein Kompass erfunden worden
Sämmtliche Werke - vol. 11, página 411 http://books.google.com.br/books?pg=PA411, de Heinrich Heine, publicado por Hoffmann und Campe, 1868

Castro Alves photo
Isak Dinesen photo
Ludwig Van Beethoven photo

„Bach não um riacho, mas um mar.“

—  Ludwig Van Beethoven compositor alemão 1770 - 1827

Bach sollte nicht Bach, sondern Meer heißen
trocadilho com o sobrenome Bach, que significa riacho em alemão.
citado em Beethoven's Leben - página 656 http://books.google.com.br/books?id=YS1L-H8qc6AC&pg=PA656, Ludwig Nohl, Editora Ambr. Abel, 1827, 975 páginas

Todas frases sobre o mar

Total 377 citações mar, filtro:

Vincent Van Gogh photo
William Shakespeare photo

„Ser ou não ser, eis a questão. O que é mais nobre para a alma? Sofrer as pedradas e as setas da fortuna ultrajosa ou tomar armas contra um mar de tribulações e, fazendo-lhes rosto, dar-lhes fim? Morrer… dormir… mais nada. Dizer que, por meio de um sono, acabamos com as angústias e com os mil embates naturais de que é herdeira a carne é um desfecho que se deve ardentemente desejar. Morrer… dormir… dormir! Sonhar talvez! Ah! Aqui é que está o embaraço. Pois que sonhos podem sobrevir naquele sono da morte depois de nos termos libertado deste bulício mortal? Eis o que nos obriga a fazer pausa; eis a reflexão de que procede a calamidade de uma vida tão longa. Com efeito, quem suportaria os açoites e os escárnios desta época, a injustiça do opressor, a contumélia do orgulhoso, os tormentos do amor desprezado, as dilações da lei, a insolência do poder e os maus tratos que o mérito paciente recebe de criaturas indignas, podendo com um simples punhal outorgar a si mesmo tranquilidade? Quem quereria sopesar o fardo, gemer e suar debaixo de uma vida pesadíssima, se o temor dalguma coisa depois da morte - o desconhecido país de cujas raias nenhum viajante ainda voltou - não enleasse a vontade e não fizesse antes padecer os males que temos, do que voar para outros que ignoramos? Assim, a consciência torna-nos a todos covardes; assim o fulgor natural da resolução é amortecido pelo pálido clarão do pensamento; e, assim, empresas enérgicas e de grande alcance torcem o caminho, e perdem o nome de ação.“

—  William Shakespeare dramaturgo e poeta inglês 1564 - 1616

Hamlet

Jair Bolsonaro photo

„O rei das ondas


[O Senhor] disse: até aqui virás e não mais adiante, e aqui se quebrará o orgulho das tuas ondas? v.11


O rei Canuto foi um dos homens mais poderosos da Terra no século 11. Numa famosa lenda diz-se que ele ordenou que a sua cadeira fosse colocada à beira-mar quando a maré estava subindo. “Você está sujeito a mim”, disse ele para o mar. “Eu ordeno, portanto, que não se levante sobre a minha terra, nem para molhar a roupa ou os membros inferiores do seu mestre.” Mas a maré continuou a subir, encharcando os pés do rei.

Muitas vezes, conta-se esta história para chamar a atenção para o orgulho de Canuto. Na verdade, é uma história sobre a humildade. “Permita que o mundo todo saiba que o poder dos reis é vazio.” Em seguida, Canuto diz: “salve Aquele a quem o céu, a terra e o mar obedecem.” A história de Canuto destaca: Deus é o único Todo-Poderoso.

Jó descobriu o mesmo. Comparado Àquele que colocou as fundações da Terra (38:4-7), que ordena que a manhã apareça e que termine a noite (vv.12,13), que estoca os depósitos com a neve e dirige as estrelas (vv.22,31-33), somos pequenos. Há apenas um Rei das ondas, e nenhum de nós o é (v.11; Mateus 8:23-27).

É bom relembrar a história de Canuto quando começamos a nos sentir muito inteligentes ou orgulhosos de nós mesmos. Caminhe até à beira-mar e tente ordenar às ondas que parem e que o sol se ponha. Iremos, rapidamente, lembrar quem realmente é o Único e lhe agradeceremos por reinar em nossa vida.

Deus é grande, somos pequenos, e isso é bom. Sheridan Voysey“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Crescendo ao vento


…Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem? v.41


Imagine o mundo sem o vento. Os lagos seriam calmos. As folhas não voariam pelas ruas. Mas com o ar parado, quem esperaria que as árvores caíssem de repente? Foi o que aconteceu em uma cúpula de vidro de 1,2 hectares construída no deserto do Arizona, EUA. Dentro de uma enorme bolha sem vento, chamada Biosfera 2, as árvores cresceram mais rapidamente do que o normal, até desabarem de repente. Os pesquisadores acabaram achando uma explicação. As árvores necessitavam do estresse do vento para crescerem fortes.

Jesus permitiu que os Seus discípulos sofressem ventos fortes para fortalecerem sua fé (Marcos 4:36-41). Durante uma travessia noturna por águas conhecidas, uma tempestade repentina foi excessiva até mesmo para aqueles pescadores experientes. O vento e as ondas inundavam o barco enquanto Jesus, exausto, dormia na popa. Em pânico, eles o acordaram. Seu Mestre não se importava por estarem prestes a morrer? Em que Ele pensava? Então, eles começaram a descobrir. Jesus disse ao vento e às ondas para se acalmarem — e lhes perguntou por que ainda não tinham fé nele.

Se o vento não houvesse soprado, os discípulos nunca teriam perguntado: “…Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4:41).

Hoje, viver numa bolha protetora pode parecer uma boa ideia. Mas quão forte seria a nossa fé se não pudéssemos descobrir por nós mesmos o Seu reconfortante “acalma-te” quando os ventos das circunstâncias uivam?

Deus nunca dorme. Mart De Haan“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Mais poderoso do que tudo


Reina o Senhor. Revestiu-se de majestade; de poder se revestiu o Senhor e se cingiu… v.1


As Cataratas do Iguaçu, na fronteira entre Brasil e Argentina, são um espetacular sistema de cachoeiras de 275 quedas ao longo de 2,7 km do rio Iguaçu. Gravados em uma parede do lado brasileiro das Cataratas estão as palavras do Salmo 93:4, “Mas o Senhor nas alturas é mais poderoso do que o bramido das grandes águas, do que os poderosos vagalhões do mar.” Abaixo estão estas palavras: “Deus é sempre maior do que todos os nossos problemas.”

O escritor do Salmo 93, que escreveu suas palavras quando reinavam os reis, sabia que Deus é o Rei supremo sobre todos. “Reina o Senhor”, ele escreveu: “ Desde a antiguidade, está firme o teu trono; tu és desde a eternidade” (vv.1,2). Não importa quão altas sãos as inundações ou ondas, o Senhor permanece maior.

O rugido de uma cachoeira é verdadeiramente majestoso, mas é completamente diferente estar dentro da água em direção às quedas. Talvez você esteja nessa situação hoje. Problemas físicos, financeiros ou relacionais se tornam cada vez maiores e você sente que está prestes a passar pelas quedas. Em tais situações, o cristão tem Alguém a quem recorrer. Ele é o Senhor, “…poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos…” (Efésios 3:20), pois Ele é maior do que todos os nossos problemas.

Nunca meça o poder ilimitado de Deus 
por suas expectativas limitadas. C. P. Hia“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Esponjas pequenas

Você deve ensiná-los a seus filhos. . . quando você se deita e quando você se levanta. - Deuteronômio 11:19

A maioria das esponjas domésticas que usamos hoje são sintéticas, mas muitas pessoas ficam surpresas ao saber que esponjas reais já foram animais marinhos vivos. Quando uma esponja viva é removida do mar e sua matéria viva é limpa, ela se torna útil para propósitos domésticos. O esqueleto que permanece, com sua estrutura de células abertas, pode absorver e absorver líquidos.

As crianças são como esponjas. Eles absorvem atitudes e idéias com as quais entram em contato. Devemos ter muito cuidado, portanto, sobre o que é permitido preencher suas mentes.

Quais são seus filhos absorvendo em sua casa? O que eles estão recebendo da televisão e das revistas? Enquanto escutam suas conversas, que tipo de palavras e atitudes estão sendo tomadas? Você está dando um bom exemplo de amor ao Senhor e preocupação com os outros? Existe uma ênfase espiritual calorosa em sua casa? Você está fazendo o que pode para encher seus corações com a Palavra de Deus?

Quando as crianças se tornarem adultas, elas darão o que receberam durante seus anos formativos e impressionáveis. Vamos nos certificar de que essas pequenas “esponjas” em nossas casas absorvam o que é puro, saudável e edificante.

Nossos filhos precisam de um lar onde o amor
ofereça segurança,
Onde o que ensinamos não é confuso
Pelo que eles ouvem e vêem. —Sesper

Os valores que as crianças absorvem agora certamente fluirão mais tarde. Richard DeHaan“

—  ministério_pão_diário

Emil Mihai Cioran photo

„As pessoas viajam para admirar a altura das montanhas, as imensas ondas dos mares, o longo percurso dos rios, o vasto domínio do oceano, o movimento circular das estrelas, e no entanto elas passam por si mesmas sem se admirarem.“

—  Santo Agostinho

Et eunt homines admirari alta montium, & ingentes fluctus maris: & latissimos lapsus fluminum, & oceani ambitum, & gyros siderum, & relinquunt se ipsos, nec mirantur.
D. Aurelii Augustini, Hipponensis Episcopi Confessionum, Libri Tredecim Confessions (1588), Livro X, Capitulo VIII, Página 270 http://books.google.com.br/books?id=O8c7AAAAcAAJ&pg=PA270.

Bob Marley photo
Vincent Van Gogh photo
Marco Aurelio photo
Paulo Coelho photo

„Nas mãos dele

Todos os seus santos estão na sua mão. - Escritura de hoje :
Deuteronômio 33: 1-3,26-29

Em seu leito de morte, o pregador britânico Charles Simeon sorriu brilhantemente e perguntou às pessoas reunidas em seu quarto: "O que você acha que me dá conforto especialmente neste momento?"

Quando todos permaneceram em silêncio, ele exclamou: “A criação! Eu me pergunto: 'Jeová criou o mundo ou eu?' Ele fez! Agora, se Ele fez o mundo e todas as esferas do universo, Ele certamente pode cuidar de mim. Nas mãos de Jesus posso com segurança cometer o meu espírito!

Hudson Taylor, fundador da China Inland Mission, nos últimos meses de sua vida disse a um amigo: “Eu sou tão fraco. Eu não posso ler minha Bíblia. Eu não posso nem rezar. Só posso ficar deitada nos braços de Deus como uma criancinha e confiar.

Tanto Simeão quanto Taylor sabiam que o Deus Todo-Poderoso que criou o universo os mantinha em suas mãos. Moisés teve a mesma certeza quando abençoou os filhos de Israel antes de morrer (Deut. 33). Eles poderiam encarar o futuro com confiança, porque o Deus que os libertara também os preservaria.

Nós certamente não precisamos ter medo, então, quando entramos em um novo ano. Deus nunca abandonará Seus filhos redimidos. Nós podemos nos alegrar que nosso grande Criador nos mantém em Suas mãos. E isso é verdade para todo filho de Deus.

Refletir e Orar
O Deus que fez o firmamento,
Quem fez o mar mais profundo,
O Deus que colocou as estrelas no lugar
É o Deus que cuida de mim. —Berg

O Deus que detém o universo é o Deus que está te segurando. Henry G. Bosch“

—  ministério_pão_diário

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Charles Bukowski photo
Friedrich Nietzsche photo
Salman Rushdie photo
Arthur Schopenhauer photo

„A riqueza influencia-nos como a água do mar. Quanto mais bebemos, mais sede temos.“

—  Arthur Schopenhauer, livro Parerga e Paralipomena

Der Reichthum gleicht dem Seewasser: je mehr man davon trinkt, desto durstiger wird man.
Parerga und Paralipomena: kleine philosophische Schriften, Volume 1‎ - Página 366 http://books.google.com.br/books?id=nfUGAAAAcAAJ&pg=PA366, Arthur Schopenhauer, Julius Frauenstädt - Hayn, 1862 - 530 páginas

Mia Couto photo
Nitiren Daishonin photo
Khalil Gibran photo
Helena Blavatsky photo
Gerson De Rodrigues photo

„“O Que é o Niilismo para mim?
O Niilismo, é o nada; É Como ir a maior praia do mundo se ajoelhar e com uma pequena pinça pegar um único grão de areia, colocar esse grão na palma das mãos. Ir até o mar, e então soltar o grão olhar para trás e perceber a grande diferença que aquele pequeno grão de areia fez.
Isso é o Niilismo, e nós somos o grão de areia. ''“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Variante: O Que é o Niilismo para mim? O Niilismo, é o nada; É Como ir a maior praia do mundo se ajoelhar e com uma pequena pinça pegar um único grão de areia, colocar esse grão na palma das mãos. Ir até o mar, e então soltar o grão olhar para trás e perceber a grande diferença que aquele pequeno grão de areia fez. Isso é o Niilismo, e nós somos o grão de areia.
Fonte: O Niilista

Khalil Gibran photo
Gilbert Keith Chesterton photo
Herman Melville photo
Friedrich Nietzsche photo
Henry David Thoreau photo

„Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Tenha dois ou três afazeres e não cem ou mil; em vez de um milhão, conte meia dúzia… No meio desse mar agitado da vida civilizada há tantas nuvens, tempestades, areias movediças e mil e um itens a considerar, que o ser humano tem que se orientar - se ele não afundar e definitivamente acabar não fazendo sua parte - por uma técnica simples de previsão, além de ser um grande calculista para ter sucesso. Simplifique, simplifique.“

—  Henry David Thoreau, Walden

Simplicity, simplicity, simplicity! I say, let your affairs be as two or three, and not a hundred or a thousand; instead of a million count half a dozen, and keep your accounts on your thumb-nail. In the midst of this chopping sea of civilized life, such are the clouds and storms and quicksands and thousand-and-one items to be allowed for, that a man has to live, if he would not founder and go to the bottom and not make his port at all, by dead reckoning, and he must be a great calculator indeed who succeeds. Simplify, simplify.
Walden, Chapter II
Walden

Fernando Pessoa photo

„Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

Variante: Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!

Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.

Quem quere passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

H. P. Lovecraft photo
Mia Couto photo
William Shakespeare photo
Jorge Amado photo
Franz Kafka photo
Ernest Hemingway photo
Luís Vaz de Camões photo

„Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E para mais me espantar
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.“

—  Luís Vaz de Camões poeta português 1524 - 1580

poesia "Esparsa ao desconcerto do mundo"
Lírica
Variante: Os bons vi sempre passar
No mundo graves tormentos;
E para mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.

José de Alencar photo
Stendhal photo
Thomas Mann photo

„Que ondas enormes… - exclamou Thomas Buddenbrook.- Repara como se aproximam e rebentam, se aproximam e rebentam, uma atrás da outra, sem fim, sem propósito, mecânica e desordenadamente. E, no entanto, o seu marulhar é tão tranquilizador e reconfortante, como todas as coisas simples e necessárias da vida. Aprendi a gostar cada vez mais do mar… dantes, talvez preferisse as montanhas, porque ficavam mais longe daqui. Agora já não me atraem nada. Creio que apenas sentiria medo e vergonha. É que elas são muito caprichosas, tão irregulares, tão diversas… de certeza que me iria sentir muito pequeno ao pé delas. Que espécie de pessoas serão essas que preferem a monotonia do mar? Tenho a impressão de que são as que observaram por demasiado tempo- e com demasiada profundidade- as teias do seu mundo interior e que a única coisa que exigem agora, pelo menos do mundo exterior, é simplicidade… Não se trata de comparar as escaladas audazes pela montanha com o descanso sereno na areia da praia. Adiferença reside no olhar que se dirige numa e noutra direcção. Olhos seguros, obstinados e felizes, transbordantes de iniciativa, determinação e vitalidade, erram de cume em cume, ao passo que sobre a imensidão do mar- e das ondas que, conduzidas por um fatalismo místico e hipnótico, dançam e volteiam- repousa um olhar sonhador e velado, sábio e desalentado, o olhar de quem já alguma vez espreitou as profundezas e vislumbrou o triste caos da existência… Saúde e doença, é essa a grande diferença. Intrépidos, escalamos a extraordinária diversidade das montanhas denteadas e acidentadas, das alturas que rasgam os céus, a fim de pormos à prova a nossa vitalidade, intacta ainda. Repousamos, contudo, na ampla simplicidadedo mundo exterior, quando estamos cansados do caos que reina no interior.“

—  Thomas Mann, livro Os Buddenbrooks

Buddenbrooks: The Decline of a Family

Pablo Neruda photo

„Os animais foram
imperfeitos,
compridos de rabo, tristes
de cabeça.
Pouco a pouco foram se
compondo,
fazendo-se paisagem,
adquirindo manchas, graça, voo.
O gato
só gato
apareceu completo
e orgulhoso
nasceu completamente terminado,
caminha sozinho e sabe o que quer.

O homem quer ser peixe e pássaro,
a serpente queria ter asas,
o cachorro é um leão desorientado,
o engenheiro quer ser poeta,
a mosca estuda para ser andorinha,
o poeta tenta imitar a mosca,
mas o gato só quer ser gato
e todo gato é gato
do bigode até o rabo,
do pressentimento ao rato vivo,
da noite até seus olhos de ouro.

Não existe unidade
como ele,
nem têm a lua nem a flor
tal contextura:
é uma coisa só
como o sol ou o topázio,
e a elástica linhade seu contorno
firme e sutil é como
a linha da proa de uma nave.
Seus olhos amarelos
deixaram uma só
ranhura
para pôr as moedas da noite.

Ó pequeno imperador sem orbe,
conquistador sem pátria,
mínimo tigre de salão, nupcial
sultão do céu
das telhas eróticas,
o vento do amor
na intempérie
reclamas
quando passas
e pousas
quatro pés delicados
no solo,
farejando,
desconfiado
de tudo que é terrestre,
porque tudo
é imundo
para o imaculado pé do gato.

Ó fera independente
da casa, arrogante
vestígio da noite,
preguiçoso,
ginástico,
e alheio,
profundíssimo gato,
polícia secreta
das moradas,
talvez não sejas mistério,
todo mundo sabe-te e pertences
ao habitante menos misterioso,
talvez todos o creiam,
todos se creiam donos,
proprietários, tios
de gatos, companheiros,
colegas,
discípulos ou amigos
de seu gato.

Eu não.
Eu não concordo.
Eu não conheço o gato.
Tudo sei, a vida e seu arquipélago,
o mar e a cidade incalculável,
a botânica,
o gineceu com seus extravios,
o mais e o menos da matemática,
os funis vilcânicos do mundo,
a casca irreal do crocodilo,
a bondade ignorada do bombeiro, o atavismo azul do sacerdote,
mas não posso decifrar um gato.
Minha razão resvalou em sua indiferença,
seus olhos têm números de ouro.“

—  Pablo Neruda Escritor 1904 - 1973

Navegaciones y Regresos

Fernando Pessoa photo
Victor Hugo photo
Ovidio photo
Nísia Floresta photo
John Donne photo
Ella Wheeler Wilcox photo
Ayrton Senna photo

„Os ricos não podem mais viver numa ilha rodeada por um mar de pobreza. Nós respiramos, todos, o mesmo ar. Devemos dar a cada um, uma chance, ao menos uma chance fundamental.“

—  Ayrton Senna piloto brasileiro de Fórmula 1 1960 - 1994

citado em Revista Veja, edição 1440, 17 de abril de 1996, p. 113
Atribuídas

William Shakespeare photo
Adélia Prado photo
Gabriela Mistral photo
Rimbaud photo
Jorge Amado photo
Pablo Neruda photo
Herman Melville photo
Luís Vaz de Camões photo
Carlos Drummond de Andrade photo
Enéas Carneiro photo
Amália Rodrigues photo

„Ai! Dessa noite o veneno / Persiste em me envenenar / Oiço apenas o silêncio / Que ficou em teu lugar / E ao menos ouves o vento / E ao menos ouves o mar.“

—  Amália Rodrigues fadista portuguesa 1920 - 1999

na música "Abandono" http://letras.terra.com.br/amalia-rodrigues/232327/

Franz Kafka photo

„Um livro deve ser o machado que partirá os mares congelados dentro de nossa alma“

—  Franz Kafka Escritor austro-húngaro-tchecoslovaco 1883 - 1924

Variante: Um livro deve ser o machado para o mar congelado dentro de nós.

Hermann Hesse photo
Charles Baudelaire photo
Virgilio photo
Carlos Drummond de Andrade photo

„O mundo é grande
O mundo é grande e cabe
Na janela sobre o mar
O mar é grande e cabe
Na cama e no colchão de amar
O amor é grande e cabe
No breve espaço de beijar“

—  Carlos Drummond de Andrade Poeta brasileiro 1902 - 1987

Variante: O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.

William Shakespeare photo
Tim Maia photo
Thomas Jefferson photo
Oscar Niemeyer photo
Machado de Assis photo
Rabindranath Tagore photo
Paulo Leminski photo
Fernando Pessoa photo
Franz Kafka photo
Fernando Pessoa photo

„Já repeti o antigo encantamento,
E a grande Deusa aos olhos se negou.
Já repeti, nas pausas do amplo vento,
As orações cuja alma é um ser fecundo.
Nada me o abismo deu ou o céu mostrou.
Só o vento volta onde estou toda e só,
E tudo dorme no confuso mundo.

"Outrora meu condão fadava, as sarças
E a minha evocação do solo erguia
Presenças concentradas das que esparsas
Dormem nas formas naturais das coisas.
Outrora a minha voz acontecia.
Fadas e elfos, se eu chamasse, via.
E as folhas da floresta eram lustrosas.

"Minha varinha, com que da vontade
Falava às existências essenciais,
Já não conhece a minha realidade.
Já, se o círculo traço, não há nada.
Murmura o vento alheio extintos ais,
E ao luar que sobe além dos matagais
Não sou mais do que os bosques ou a estrada.

"Já me falece o dom com que me amavam.
Já me não torno a forma e o fim da vida
A quantos que, buscando-os, me buscavam.
Já, praia, o mar dos braços não me inunda.
Nem já me vejo ao sol saudado ergUida,
Ou, em êxtase mágico perdida,
Ao luar, à boca da caverna funda.

"Já as sacras potências infernais,
Que, dormentes sem deuses nem destino,
À substância das coisas são iguais,
Não ouvem minha voz ou os nomes seus.
A música partiu-se do meu hino.
Já meu furor astral não é divino
Nem meu corpo pensado é já um deus.

"E as longínquas deidades do atro poço,
Que tantas vezes, pálida, evoquei
Com a raiva de amar em alvoroço,
lnevocadas hoje ante mim estão.
Como, sem que as amasse, eu as chamei,
Agora, que não amo, as tenho, e sei
Que meu vendido ser consumirão.

"Tu, porém, Sol, cujo ouro me foi presa,
Tu, Lua, cuja prata converti,
Se já não podeis dar-me essa beleza
Que tantas vezes tive por querer,
Ao menos meu ser findo dividi
Meu ser essencial se perca em si,
Só meu corpo sem mim fique alma e ser!

"Converta-me a minha última magia
Numa estátua de mim em corpo vivo!
Morra quem sou, mas quem me fiz e havia,
Anônima presença que se beija,
Carne do meu abstrato amor cativo,
Seja a morte de mim em que revivo;
E tal qual fui, não sendo nada, eu seja!“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

Machado de Assis photo
Virginia Woolf photo
Friedrich Nietzsche photo
Nicholas Sparks photo
Machado de Assis photo
Clarice Lispector photo

„Quis o mar e sentiu os lençóis da cama.“

—  Clarice Lispector, livro Perto do Coração Selvagem

Near to the Wild Heart

Luís Vaz de Camões photo
Luís Vaz de Camões photo
Miyamoto Musashi photo

„Com a água como princípio, o espírito se torna como água. A água adota a forma de seu recipiente, é às vezes um gotejamento e às vezes um mar selvagem.“

—  Miyamoto Musashi, livro O Livro dos Cinco Anéis

With water as the basis, the spirit becomes like water. Water adopts the shape of its receptacle, it is sometimes a trickle and sometimes a wild sea.
The Book of Five Rings - Capitulo: The Book of Water, pagina 35, Bantam Books (1982) - ISBN: 0-553-35170-2

„VOCÊ É MÚSICA

Nos dias em que você acorda rock você é contestadora e demolidora de muralhas altas, que até então julgavam-se intransponíveis.
Você é caveira, que iguala, no final da vida, a todos os seres humanos do planeta.

Nos dias em que você acorda Jazz você é puro improviso, a elegância de fraseados únicos, e que jamais serão tocados da mesma maneira - já que você própria é única e inimitável.
Você cozinha Miles Davis com Chet Baker, e tempera tudo com as vozes da Sarah, da Ella e da Billie, e assim finalizando fabuloso prato.

Nos dias em que você acorda Blues você sente a melancolia em estado bruto, entremeada pelos seus cabelos, quase que etílica e desafiadora; você vira ácido rascante e dissolvente dos sentidos de qualquer incauto.

Nos dias em que você acorda Clássica você exala a erudição dos que ousaram inventar a música tal como a conhecemos hoje, não me permitindo com certeza discernir se você é complexa ao extremo ou contraditoriamente simples.
Você vira a mais harmônica sonata.

Nos dias em que você acorda Hip hop você traz dos guetos e dos morros de favelas suburbanos a voz revoltada daquele que não chegou jamais a ter alguma voz até agora; você grita em desespero pela igualdade e pela equidade absolutas.

Nos dias em que você acorda Eletrônica você eleva a sua agitação a um determinado nível de insanidade - e até de êxtase - peculiar aos que desejam segurar cada segundo a mais do tempo; e, de vez em quando, eu sinceramente não lhe aguento. Energia quântica em demasia.

Nos dias em que você acorda Barroca você vive a dualidade entre o divino e o mundano. Espírito e carne.
Você vive a mais pudica e a mais (deliciosa) depravada ao mesmo tempo. Você está na missa e no Beco do Mota simultaneamente, lá “pras” bandas de Diamantina.

Nos dias em que você acorda Caipira você se esbalda nos acordeons e nas violas aquecidas na fogueira e no arrasta-pé levantando poeira, que estende as madrugadas da fazenda, tomando cachaça de alambique.
Canta a alegria e a singeleza do homem do campo, tanto quanto a nostalgia e a saudade sertanejas dos que migram às cidades grandes.

Nos dias em que você acorda Disco você brinda à vida mergulhada em um mar de espumante, com a dança mais frenética e passos ensaiados ao longo de toda a sua existência.
Você sempre é a última, descalça e transpirante, a ir embora dos bailes de casamento e de formatura.

Nos dias em que você acorda Samba você se transforma em cerveja bem gelada, feijoada e bate-papo alegre nas manhãs de sábado naquele mercado antigo, quando a mesa de seu bar é templo: um oráculo indestrutível no qual as principais questões da humanidade são minuciosamente dissecadas e solucionadas com inconfundível (e não menos incontestável) sabedoria dos que vivem de verdade a vida.




Você faz com que os meus cinco sentidos sejam todos condensados em ondas sonoras, que me trazem o frescor de suas melodias, a limpidez de suas harmonias e a pujança de seus ritmos intensos e intermináveis.

Eu diria que você é música.“

—  AndreRodriguesCostaOliveira

Jacques-Yves Cousteau photo

„O mar é o esgoto universal.“

—  Jacques-Yves Cousteau 1910 - 1997

Declarando que o mar é "onde todos tipos de poluições se encerram", no "US House Committee on Science and Astronautics", em 28 de janeiro de 1971

Jules Verne photo
Miguel de Cervantes photo

„Beneficiar vilões é deitar água no mar.“

—  Miguel de Cervantes 1547 - 1616

El hacer bien a villanos es echar agua en la mar
El ingenioso hidalgo Don Quixote de La Mancha - Volume 2, página 128 https://books.google.com.br/books?id=R_NGlfeHKboC&pg=PA128, Miguel de Cervantes Saavedra - J. de La Cuesta, 1608

William Shakespeare photo
Fernando Pessoa photo

„Deus ao mar o perigo e o abismo deu, / Mas nele é que espelhou o céu.“

—  Fernando Pessoa, livro Mensagem

Mensagem
Variante: Deus ao mar o perigo e o abysmo deu,
Mas nelle é que espelhou o céu.
Fonte: Poesia "Mar Portuguez", Versos 11 e 12

François de La  Rochefoucauld photo

„As virtudes perdem-se no interesse como as águas do rio se perdem no mar.“

—  François de La Rochefoucauld Escritor, moralista e memorialista francês 1613 - 1680

Les Vertus fe perdent dans l'intérêt , comme les fleuves fe perdent dans la Mer
"Réflexions, sentences et maximes morales [by F. de la Rochefoucauld] mises en nouvel ordre, avec des notes, par m. Amelot de la Houssaye"‎ - Página 324 http://books.google.com.br/books?id=p6YDAAAAQAAJ&pg=PA324, François La Rochefoucauld (duc de.), Marguerite Hessein de Rambouillet de la Sablière - 1743 - 120 páginas

Georges Bernanos photo
Italo Calvino photo
Mário de Andrade photo
Heitor Villa-Lobos photo

„Sim, sou brasileiro e bem brasileiro. Na minha música eu deixo cantar os rios e os mares deste grande Brasil.“

—  Heitor Villa-Lobos compositor brasileiro 1887 - 1959

Citações de Villa Lobos

Paulinho da Viola photo

„Não sou eu quem me navega, quem me navega é o mar.“

—  Paulinho da Viola 1942

em "Timoneiro"

Paramahansa Yoganada photo
Amyr Klink photo

„O mar não é um obstáculo: é um caminho.“

—  Amyr Klink 1955

Em entrevista à Revista Playboy, em abril de 1993

Vidiadhar Surajprasad Naipaul photo