Frases sobre montanhas

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da montanha, todo, outro, vida.

Melhores frases sobre montanhas

Friedrich Nietzsche photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Claude Monet photo
Helen Keller photo

„Sozinhos, pouco podemos fazer; juntos, podemos fazer muito.“

—  Helen Keller 1880 - 1968

Alone we can do so little; together. we can do so much
citado em "Pennsylvania School Journal" - v.62 (1913-1914) Página 32, ‎de Pennsylvania Dept. of Public Instruction, Pennsylvania Dept. of Common Schools, Pennsylvania State Education Association - 1913

„O homem que removeu a montanha começou carregando pequenas pedras“

—  Luciano Henrique Trindade 1974

Em palestra sobre gestão - São Paulo, 2004

Emile Zola photo
Augusto Cury photo
William Blake photo
Mortimer Adler photo

„Uma montanha de fatos […] pode servir de obstáculo ao entendimento.“

—  Mortimer Adler, livro Como Ler um Livro

How to Read a Book: The Classic Guide to Intelligent Reading

Confucio photo

„Transportai um punhado de terra todos os dias e fareis uma montanha.“

—  Confucio Filósofo chinês -551 - -479 a.C.

Atribuídas

Italo Svevo photo

„Cada vez que vejo uma montanha espero que se transforme em um vulcão.“

—  Italo Svevo 1861 - 1928

Quando guardo una montagna aspetto sempre che si converta in vulcano.
Corto viaggio sentimentale e altri racconti inediti di Italo Svevo [pseud.]: e altri racconti inediti di Italo Svevo‎ - Página 398, de Italo Svevo, Ettore] [Schmitz - Publicado por Mondadori, 1957 - 470 páginas
Frases

Todas frases sobre montanhas

Total 140 citações montanha, filtro:

Charles Bukowski photo

„Correr e descansar


E ele lhes disse: Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto… v.31


O título me chamou a atenção: “Os dias de descanso são importantes para os corredores.” O artigo de um ex-corredor de montanha enfatizou um princípio que os atletas dedicados, por vezes, ignoram: — o corpo precisa de tempo e descanso para se reconstruir após o exercício. “Fisiologicamente, as adaptações que ocorrem como resultado do treinamento só acontecem durante o repouso, o que significa que o descanso é tão importante quanto os treinos.”

O mesmo se aplica em nossa caminhada de fé e obras. O repouso é essencial para evitar o cansaço e desânimo. Jesus procurou o equilíbrio espiritual durante Sua vida entre nós, mesmo enfrentando enormes demandas. Quando os Seus discípulos retornaram exaustos por ensinar e curar os outros, Ele lhes disse: “…Vinde repousar um pouco, à parte, num lugar deserto…” (v.31). Mas uma grande multidão os seguiu, de modo que Jesus ensinou-lhes e os sustentou com apenas cinco pães e dois peixes (vv.32-44). Quando todo mundo tinha ido embora, Jesus “subiu ao monte para orar” (v.46).

Se a nossa vida é definida pelo trabalho, então o que fazemos se torna cada vez menos eficaz. Jesus nos convida a segui-lo, regularmente, a um lugar tranquilo para orar e descansar um pouco.

Em nossa vida de fé e serviço, 
o descanso é tão importante quanto o trabalho. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Não é o que parece


…Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com [o inimigo]. v.16


Duque é um cão da raça border collie que vive numa fazenda entre as montanhas. Certa manhã, ele e seu dono, Tomás, foram verificar as condições de alguns animais em um pequeno caminhão utilitário. Ao chegarem, Tomás saiu do veículo, mas se esqueceu de acionar o freio. Com Duque no assento do motorista, o veículo desceu uma colina e atravessou duas faixas de tráfego antes de parar com segurança. Para os motoristas que presenciaram a cena, parecia que o cão estava dando uma voltinha matinal. Na verdade, as coisas nem sempre são como parecem.

Parecia que Eliseu e seu servo estavam prestes a serem capturados e levados ao rei da Síria. As forças do rei haviam cercado a cidade onde Eliseu e seu servo estavam. O servo acreditava que eles estavam perdidos, mas Eliseu lhe disse: “…Não temas, porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles” (2 Reis 6:16). Quando Eliseu orou, o servo conseguiu ver a multidão de forças sobrenaturais que estavam ali para protegê-los.

As situações que parecem sem esperança nem sempre são da maneira como as percebemos. Quando nos sentimos sobrecarregados e em minoria, podemos nos lembrar de que Deus está ao nosso lado. O Senhor pode dar ordens aos Seus anjos para que nos guardem em todos os nossos caminhos (SALMO 91:11).

Tudo é sempre melhor do que parece 
quando nos lembramos de que Deus está ao nosso lado. Jennifer Benson Schuldt“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„A Rocha firme

“Por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?” v.46

Uma cruz iluminada e ereta está firme em Table Rock, o platô rochoso que do alto observa a minha cidade natal. Várias casas foram construídas em seu redor, mas recentemente os proprietários foram forçados a sair devido às preocupações com a segurança. Apesar da proximidade com a rocha firme, as casas não estão seguras. Elas se deslocam de suas fundações, quase oito centímetros por dia, causando o risco de quebra de tubulações de água, o que aceleraria o deslizamento.

Jesus compara os que o ouvem e obedecem às Suas palavras aos que edificam suas casas sobre a rocha (vv.47,48). Estas sobrevivem às tempestades. Em contraste, Ele diz que as casas construídas sem a fundação firme, como os que não atendem à Sua instrução, não podem resistir às torrentes.

Em muitas ocasiões, fiquei tentado a ignorar minha consciência ao reconhecer que Deus me pedira mais do que eu tinha dado, pensando que minha resposta tinha sido “suficientemente próxima”. No entanto, as casas próximas àquelas montanhas rochosas me demonstraram que estar “perto” está longe de ser suficiente quando se trata de obedecer ao Senhor. Para sermos como aqueles que construíram suas casas em bases firmes e resistem às tempestades da vida que tão frequentemente nos assaltam, devemos atender completamente às palavras de nosso Senhor.

A Palavra de Deus é a única base segura para a vida Kirsten Holmberg“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Tendo bons frutos


Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto… v.3


A vista da minha janela do avião era marcante: uma fita estreita de campos de trigo maduros e pomares entre duas montanhas áridas. Um rio atravessava o vale. Água gerando vida, sem a qual não haveria qualquer fruto.

Assim como uma colheita abundante depende de uma fonte de água limpa, a qualidade do “fruto” em minha vida, as minhas palavras, ações e atitudes dependem do meu alimento espiritual. O salmista descreve isso no Salmo 1: A pessoa “…cujo prazer está na lei do Senhor […]. É como a árvore plantada junto a corrente de águas, que no devido tempo, dá o seu fruto…” (vv.1-3). E Paulo escreve em Gálatas 5 que aqueles que andam em sintonia com o Espírito são marcados por “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio…” (vv.22,23).

Às vezes, a minha perspectiva sobre as minhas circunstâncias azeda, ou minhas ações e palavras tornam-se persistentemente indelicadas. Não há bons frutos, e percebo que não investi tempo em quietude diante da Palavra de Deus. Mas quando o ritmo dos meus dias está enraizado na confiança em Deus, produzo bons frutos. A paciência e a gentileza caracterizam as minhas interações com os outros; e é mais fácil escolher a gratidão do que murmurar.

O Deus que se revelou a nós é a nossa fonte de força, sabedoria, alegria, compreensão e paz (Salmo 119:28,98,111,144,165). Ao fortalecermos a nossa alma nas palavras que nos levam a Ele, a obra do Espírito de Deus se tornará clara em nossa vida.

O Espírito de Deus habita em Seu povo, 
a fim de trabalhar por meio deles. Peter Chin“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Cora Coralina photo

„Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores.“

—  Cora Coralina poetisa e contista brasileira 1889 - 1985

Variante: Fiz a escalada da montanha da vida removendo pedras e plantando flores.

„As pessoas viajam para admirar a altura das montanhas, as imensas ondas dos mares, o longo percurso dos rios, o vasto domínio do oceano, o movimento circular das estrelas, e no entanto elas passam por si mesmas sem se admirarem.“

—  Santo Agostinho

Et eunt homines admirari alta montium, & ingentes fluctus maris: & latissimos lapsus fluminum, & oceani ambitum, & gyros siderum, & relinquunt se ipsos, nec mirantur.
D. Aurelii Augustini, Hipponensis Episcopi Confessionum, Libri Tredecim Confessions (1588), Livro X, Capitulo VIII, Página 270 http://books.google.com.br/books?id=O8c7AAAAcAAJ&pg=PA270.

Paulo Coelho photo
Gerson De Rodrigues photo

„Diálogo entre o Padre e o Filósofo - Uma Dialética Niilista

Sentado nas beiradas sujas do décimo terceiro andar de um prédio abandonado, estava um filósofo decidido em acabar com a sua vida

Abel um de seus amigos mais religiosos, considerou a hipótese de que seria uma grande ideia enviar um padre para conversar com ele, afim de convence-lo de que a vida segundo Abel

‘’ Era um presente de deus’’ e deveria ser vivida, e que o suicídio era uma péssima escolha.

O Bravo e corajoso padre então foi chamado, e com sua bíblia nas mãos subiu até o décimo terceiro andar deste prédio. Sentou-se então ao lado do filósofo, enquanto ambos eram observados por uma multidão de pessoas preocupadas.

O Filósofo parecia tranquilo, a vida já não existia em seu olhar e ele observava atentamente o horizonte ignorando completamente aquele estranho porem caricato padre sentado ao seu lado.

O Padre tranquilo segurava a sua bíblia como se estivesse segurando as próprias mãos de cristo, a coragem e a determinação de salvar aquele jovem filosofo do suicídio era a sua missão, e sem hesitar perguntou

- Oh meu filho por que renunciais a vida? tão belas que és, tão lindas que és, dada a nós por deus, e paga com o sangue de cristo que morreu por nós para que você não precise morrer hoje.

O Filósofo escutando as palavras do padre, observava atentamente o horizonte, e sem responder permanecia em silencio, o padre por sua vez continuava o discurso.

- Meu filho, observe a beleza do mundo essas montanhas ao fundo, esses prédios cheios de vida, se não fosse a vida o que seriamos de nós? A vida é tudo que temos, nosso único tesouro, nosso maior presente.

O Padre ainda determinado abre a sua bíblia em uma parte que já estava marcada e começa a ler

- Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. 1 João 4:7

E no momento em que o filósofo escuta as palavras bíblicas, ele sorri e pela primeira vez olha para o padre, ainda com os olhos sem vida já morto por dentro, mas com um sorriso sincero perguntou ao padre

- Por que vives padre?

O Padre sem pestanejar, de supetão logo respondeu

- Eu vivo por cristo, e cristo vive em mim, eu vivo pela igreja e pelo amor que eu tenho a aqueles que seguem a jesus. Eu vivo, porque a vida é bela, porque amo aqueles próximos a mim, amo a minha família e a minha igreja.

O Filósofo sorrindo, pergunta novamente ao padre mas desta vez com um tom um pouco mais sério

- Por que vives padre?

O Padre sem entender, pois já havia respondido a pergunta gagueja levemente e responde

- E.. eu, eu.. vi.. vivo por cristo, vivo por aqueles que amo, e pela igreja! O Suicídio é um pecado sem retorno e a vida é o presente mais belo que deus poderia nos dar. Ele enviou seu próprio filho para se sacrificar por nós, em pró de nossas vidas pecaminosas.

O Filósofo vira o seu rosto para frente, observando o horizonte respira tranquilamente e pergunta outra vez com uma tonalidade calma em sua voz

- Por que vives padre?

O Padre já sem resposta, demora a alguns segundos para pensar em uma, segura sua bíblia com toda sua força suando frio com a outra mão agarra com ainda mais forças a beirada do prédio, descontrolado o padre grita

- O CRISTÃO VIVE PELA Fé!! E Eu tenho fé em cristo, fé na vida, fé de que ambos sairemos deste prédio de mãos dadas!

Com os braços cruzados, o Filósofo olha para baixo, e sorri para o abismo, e o abismo sorri de volta. Sorrindo então ele olha para o padre e novamente pergunta de maneira serena e calma

- Por que você vive padre?

O Padre sem reação olha para baixo, e o abismo sorri para ele e ele pula para o abismo.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

William Shakespeare photo

„Paz e confiança


Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração… João 14:27


Aos 6 anos, andei na montanha-russa pela primeira vez com meus irmãos mais velhos. Assim que atingimos uma curva em alta velocidade, comecei a gritar: “Pare com isso agora! Quero sair! Claro que a montanha-russa não parou, e eu tive que ‘engolir o pavor’, e aguentar firme durante o restante do passeio.”

Às vezes, a vida pode parecer um passeio de montanha-russa, cheio de descidas indesejadas, e curvas bruscas que nunca antecipamos. Quando surgem as dificuldades inesperadas, a Bíblia nos lembra de que o nosso melhor recurso é colocarmos a nossa confiança em Deus. Foi numa época tumultuada em que o seu país estava ameaçado por uma invasão que o profeta Isaías, inspirado pelo Espírito Santo, teve o discernimento desta poderosa promessa do Senhor: “Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti” (26:3).

A paz que o nosso Salvador nos concede, quando nos voltamos a Ele “excede todo o entendimento” (Filipenses 4:7). Jamais vou esquecer as palavras de uma mulher que lutava com câncer de mama. Certa noite, depois de um grupo de nossa igreja orar por ela, essa senhora disse: “Não sei o que vai acontecer, mas sei que ficarei bem, porque o Senhor esteve aqui conosco esta noite.”

A vida terá suas dificuldades, mas o nosso Salvador, que nos ama mais do que a vida, é maior do que todas elas.

Jesus é a nossa paz. James Banks“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Max Lucado photo
Lya Luft photo
Jack Kerouac photo
Buda photo
River Phoenix photo
Prentice Mulford photo
Mary Shelley photo
Ernest Hemingway photo
José de Alencar photo
Khalil Gibran photo
Paulo Coelho photo

„Era uma vez um pássaro. Adornado com um par de asas perfeitas e plumas reluzentes, coloridas e maravilhosas. Enfim, um animal feito para voar livre e solto no céu, e alegrar quem o observasse.
Um dia, uma mulher viu o pássaro e apaixonou-se por ele. Ficou a olhar o seu voo com a boca aberta de espanto, o coração batendo mais rapidamente, os olhos brilhando de emoção. Convidou-o para voar com ela, e os dois viajaram pelo céu em completa harmonia. Ela admirava, venerava, celebrava o pássaro.

Mas então pensou: talvez ele queira conhecer algumas montanhas distantes! E a mulher sentiu medo. Medo de nunca mais sentir aquilo com outro pássaro. E sentiu inveja, inveja da capacidade de voar do pássaro.

E sentiu-se sozinha.
E pensou: “vou montar uma armadilha. Da próxima vez que o pássaro surgir, ele não partirá mais.”

O pássaro, que também estava apaixonado, voltou no dia seguinte, caiu na armadilha, e foi preso na gaiola.

Todos os dias ela olhava o pássaro. Ali estava o objecto da sua paixão, e ela mostrava-o ás suas amigas, que comentavam: “Mas tu és uma pessoa que tem tudo.” Entretanto, uma estranha transformação começou a processar-se: como tinha o pássaro, e já não precisava de o conquistar, foi perdendo o interesse. O pássaro sem puder voar e exprimir o sentido da sua vida, foi definhando, perdendo o brilho, ficou feio – e a mulher já não lhe prestava atenção, apenas prestava atenção á maneira como o alimentava e como cuidava da sua gaiola.

Um belo dia o pássaro morreu. Ela ficou profundamente triste, e passava a vida a pensar nele. Mas não se lembrava da gaiola, recordava apenas o dia em que o vira pela primeira vez, voando contente entre as nuvens.
Se ela se observasse a si mesma, descobriria que aquilo que a emocionava tanto no pássaro era a sua liberdade, a energia das asas em movimento, não o seu corpo físico.
Sem o pássaro a sua vida também perdeu o sentido, e a morte veio bater á sua porta. “Por que vieste?” perguntou á morte. “Para que possas voar de novo com ele nos céus”, respondeu a morte. “Se o tivesses deixado partir e voltar sempre, amá-lo-ias e admirá-lo-ias ainda mais; porém, agora precisas de mim para puderes encontrá-lo de novo.“

—  Paulo Coelho, livro Onze Minutos

Eleven Minutes

Thomas Mann photo

„Que ondas enormes… - exclamou Thomas Buddenbrook.- Repara como se aproximam e rebentam, se aproximam e rebentam, uma atrás da outra, sem fim, sem propósito, mecânica e desordenadamente. E, no entanto, o seu marulhar é tão tranquilizador e reconfortante, como todas as coisas simples e necessárias da vida. Aprendi a gostar cada vez mais do mar… dantes, talvez preferisse as montanhas, porque ficavam mais longe daqui. Agora já não me atraem nada. Creio que apenas sentiria medo e vergonha. É que elas são muito caprichosas, tão irregulares, tão diversas… de certeza que me iria sentir muito pequeno ao pé delas. Que espécie de pessoas serão essas que preferem a monotonia do mar? Tenho a impressão de que são as que observaram por demasiado tempo- e com demasiada profundidade- as teias do seu mundo interior e que a única coisa que exigem agora, pelo menos do mundo exterior, é simplicidade… Não se trata de comparar as escaladas audazes pela montanha com o descanso sereno na areia da praia. Adiferença reside no olhar que se dirige numa e noutra direcção. Olhos seguros, obstinados e felizes, transbordantes de iniciativa, determinação e vitalidade, erram de cume em cume, ao passo que sobre a imensidão do mar- e das ondas que, conduzidas por um fatalismo místico e hipnótico, dançam e volteiam- repousa um olhar sonhador e velado, sábio e desalentado, o olhar de quem já alguma vez espreitou as profundezas e vislumbrou o triste caos da existência… Saúde e doença, é essa a grande diferença. Intrépidos, escalamos a extraordinária diversidade das montanhas denteadas e acidentadas, das alturas que rasgam os céus, a fim de pormos à prova a nossa vitalidade, intacta ainda. Repousamos, contudo, na ampla simplicidadedo mundo exterior, quando estamos cansados do caos que reina no interior.“

—  Thomas Mann, livro Os Buddenbrooks

Buddenbrooks: The Decline of a Family

Julius Evola photo

„Subir em montanhas é liberação, é um despertar, um renascimento em algo transcendente, de divino.“

—  Julius Evola 1898 - 1974

L’andare per i monti è liberazione, è una catarsi, uno svegliarsi, un rinascere in qualcosa di trascendente, di divino."
Do livro Meditazioni delle Vette Edizioni Mediterranee, (2003)

Matsuo Bashō photo
Antoine de Saint-Exupéry photo
Albert Camus photo
José Saramago photo
Michael Jackson photo

„Por mais sentimental que possa parecer, os êxtases da natureza são os maiores êxtases do mundo, as estrelas, as montanhas, crianças, bebês sorrindo são mágicos.“

—  Michael Jackson cantautor, compositor e intérprete americano 1958 - 2009

Explicando como escapa das drogas presentes no mundo dos artistas, na revista Jet Magazzine em 1979
Atribuídas

Francisco de Assis photo
Euclides da Cunha photo
Oscar Niemeyer photo
Paulo Coelho photo

„– Jesus disse: se tivermos fé do tamanho de um grão de mostarda, diremos para esta montanha: “Mova-se!”. E ela se moverá.“

—  Paulo Coelho escritor e letrista brasileiro 1947

Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei

Fernando Pessoa photo
Kofi Annan photo
Jules Verne photo
Honoré De Balzac photo
Henry David Thoreau photo
Milla Jovovich photo

„Os filmes de ação são definitivamente de muito treinamento e eu faço muitos de minhas próprias acrobacias, assim estou definitivamente num processo de formação de longo prazo. Mas eu adoro isso. As artes marciais são algo que eu sempre amei fazer. É a única forma de exercício que eu possa tratar. Tudo mais é realmente aborrecido como entorpecente. Assim para mim é realmente um divertimento. Gosto de sentir como uma espécie de super-herói, nesse sentido, para poder voar através do ar e de andar por fios. Ele apenas faz-me sentir que estou na Montanha Mágica ou coisa parecida. Eu amo-os.“

—  Milla Jovovich Atriz americana 1975

Action films are definitely a lot of training and I do a lot of my own stunts, so I definitely am in there for the long haul for the training process. But I love it. Martial arts is something I’ve always loved doing. It’s the only form of exercise that I can deal with. Everything else is really boring and mind-numbing. So for me it’s just really fun. I love to sort of feel like a superhero in that sense, to be able to fly through the air and to be on wires. It just makes me feel like I’m in Magic Mountain or something. I love it.
Fonte: Entrevista a ReelzChannel (2007) http://www.reelzchannel.com/article/399/milla-jovovich-interview

Bushido photo
Gabriel Chalita photo
Omar Khayyam photo
Philip Roth photo
John Steinbeck photo

„Os pequenos fazendeiros observam como as dívidas sobem insensivelmente, como o crescer da maré. Cuidaram das árvores sem vender a colheita, podaram e enxertaram e não puderam colher as frutas.
Este pequeno pomar, para o ano que vem, pertencerá a uma grande companhia, pois o proprietário será sufocado por dívidas.
Este parreiral passará a ser propriedade do banco. Apenas os grandes proprietários podem subsistir, visto que também possuem fábricas de conservas.
A podridão alastra por todo o Estado e o cheiro doce torna-se uma grande preocupação nos campos. E o malogro paira sobre o Estado como um grande desgosto.
As raízes das vides e das árvores têm de ser destruídas, para se poderem manter os preços elevados. É isto o mais triste, o mais amargo de tudo. Carradas de laranjas são atiradas para o chão. O pessoal vinha de milhas de distâncias para buscar as frutas, mas agora não lhes é permitido fazê-lo. Não iam comprar laranjas a vinte cents a. dúzia, quando bastava pular do carro e apanhá-las do chão. Homens armados de mangueiras derramam querosene por cima das laranjas e enfurecem-se contra o crime, contra o crime daquela gente que veio à procura das frutas. Um milhão de criaturas com fome, de criaturas que precisam de frutas… e o querosene derramado sobre as faldas das montanhas douradas.
O cheiro da podridão enche o país.
Queimam café como combustível de navios. Queimam o milho para aquecer; o milho dá um lume excelente. Atiram batatas aos rios, colocando guardas ao longo das margens, para evitar que o povo faminto intente pescá-las. Abatem porcos, enterram-nos e deixam a putrescência penetrar na terra.
Há nisto tudo um crime, um crime que ultrapassa o entendimento humano. Há nisto uma tristeza, uma tristeza que o pranto não consegue simbolizar. Há um malogro que opõe barreiras a todos os nossos êxitos; à terra fértil, às filas rectas de árvores, aos troncos vigorosos e às frutas maduras. Crianças atingidas de pelagra têm de morrer porque a laranja não pode deixar de proporcionar lucros. Os médicos legistas devem declarar nas certidões de óbito; "Morte por inanição", porque a comida deve apodrecer, deve, por força, apodrecer.
O povo vem com redes para pescar as batatas no rio, e os guardas impedem-nos. Os homens vêm nos carros ruidosos apanhar as laranjas caídas no chão, mas as laranjas estão untadas de querosene. E ficam imóveis, vendo as batatas passarem flutuando; ouvem os gritos dos porcos abatidos num fosso e cobertos de cal viva; contemplam as montanhas de laranja, rolando num lodaçal putrefacto. Nos olhos dos homens reflecte-se o malogro. Nos olhos dos esfaimados cresce a ira. Na alma do povo, as vinhas da ira crescem e espraiam-se pesadamente, pesadamente amadurecendo para a vindima.“

—  John Steinbeck 1902 - 1968

Leo Buscaglia photo
Orson Welles photo
Paulo Coelho photo

„Às vezes um acontecimento sem importância é capaz de transformar toda a beleza em um momento de angústia. Insistimos em ver o cisco no olho, e esquecemos as montanhas, os campos e as oliveiras.“

—  Paulo Coelho escritor e letrista brasileiro 1947

Palavras essenciais - Página 59, Paulo Coelho - Vergara e Riba Editoras Ltda, 2001, ISBN 8587213156, 9788587213150 - 104 páginas
Por obra, Palavras essenciais

Paulo Coelho photo

„Insistimos em ver o cisco no olho, e esquecemos as montanhas, os campos e as oliveiras.“

—  Paulo Coelho escritor e letrista brasileiro 1947

Palavras essenciais - Página 59, Paulo Coelho - Vergara e Riba Editoras Ltda, 2001, ISBN 8587213156, 9788587213150 - 104 páginas
Por obra, Palavras essenciais

Robinson Jeffers photo

„A corrupção nunca foi obrigatória; quando as cidades mentem nos pés do monstro ficam as montanhas.“

—  Robinson Jeffers 1887 - 1962

Corruption never has been compulsory; when the cities lie at the monster's feet there are left the mountains
Shine, Perishing Republic (1939)

Salman Rushdie photo
Sun Tzu photo
Gabriel García Márquez photo

„Foi seu último livro completo. Tinha sido um leitor de voracidade imperturbável, tanto nas tréguas das batalhas como nos repousos do amor, mas sem ordem nem método. Lia a toda hora, com a luz que houvesse, ora passeando debaixo das árvores, ora a cavalo sob os sóis equatoriais, ora na penumbra dos coches trepidantes sobre os calçamentos de pedra, ora balouçando na rede enquanto ditava uma carta. Um livreiro de Lima se surpreendera com a abundância e a variedade das obras que selecionou de um catálogo geral onde havia desde os filósofos gregos até um tratado de quiromancia. Na juventude lera os românticos por influência de um professor Simon Rodríguez, e continuou a devorá-los como se estivesse lendo a si mesmo com seu temperamento idealista e exaltado. Foram leituras passionais que o marcaram para o resto da vida. No fim havia lido tudo o que lhe caíra nas mãos, e não teve um autor predileto, mas muitos que o foram em diferentes épocas. As estantes das diversas casas onde viveu estiveram sempre abarrotadas, e os dormitórios e corredores acabavam convertidos em desfiladeiros de livros amontoados e montanhas de documentos errantes que proliferavam à sua passagem e o perseguiam sem misericórdia buscando a paz dos arquivos. Nunca chegou a ler tantos livros quantos possuía. Ao mudar de cidade entregava-os aos cuidados dos amigos de mais confiança, embora nunca voltasse a ter notícia deles, e a vida de guerra o obrigou a deixar um rastro de mais de quatrocentas léguas de livros e papéis, da Bolívia à Venezuela.“

—  Gabriel García Márquez 1927 - 2014

O General em seu Labirinto

Carlos Bernardo Gonzalez Pecotche photo
Augustine Birrell photo

„Aquela montanha de pó a que chamamos 'história“

—  Augustine Birrell 1850 - 1933

Fonte: "Obiter Dicta, Carlyle"

„Mesmo as montanhas mais altas sabem quanto estão distantes das estrelas.“

—  Paul Eldridge 1888 - 1982

Paul Eldridge citado em "O Caminho da fé" - página 74, Felipe Rinaldo Q. Aquino, Edicoes Loyola, 1995, ISBN 851501193X, 9788515011933
Atribuídas

Germaine Greer photo
Jeffrey Hunter photo
Teixeira de Pascoaes photo
Oscar Wilde photo
Antoine de Saint-Exupéry photo
Nelson Mandela photo
Gabriel García Márquez photo
Tati Bernardi photo
Agostinho da Silva photo
Alfred Tennyson photo
Jorge Luis Borges photo
Machado de Assis photo
Alexei Bueno photo
Victor Hugo photo
Augusto Cury photo
Victor Hugo photo
Richard Nixon photo
Mark Twain photo

„Quando sobes a montanha do sucesso não encontras um amigo.“

—  Mark Twain escritor, humorista e inventor norte-americano 1835 - 1910

Voltaire photo

„A serenidade e a vitalidade da nossa juventude baseiam-se em parte no fato de que nós, ao subirmos a montanha, não vermos a morte, pois ela encontra-se do outro lado da encosta.“

—  Schopenhauer

Variante: A serenidade e a vitalidade da nossa juventude baseiam-se em parte no facto de que nós, ao subirmos a montanha, não vermos a morte, pois ela encontra-se do outro lado da encosta.