Frases sobre café

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da comida, cozinhando, álcool, água.

Melhores frases sobre café

Che Guevara photo

„Se não há café para todos, não terá para ninguém.“

—  Che Guevara guerrilheiro e político, líder da Revolução Cubana 1928 - 1967

Valter Bitencourt Júnior photo

„O meu amor por você
É tão grande quanto um bom café
Em plena manhã.“

—  Valter Bitencourt Júnior, livro Aprendiz: Poesias, frases, haicais e sonetos

Fonte: Aprendiz: Poesias, frases, haicais e sonetos, pág. 45, 2021.

Paul Erdős photo

„Um matemático é uma máquina para transformar café em teoremas.“

—  Paul Erdős matemático húngaro 1913 - 1996

citado em in DIE ZEIT, 05/2008 S. 31, Jahr der Mathematik, Christoph Drösser, images.zeit.de http://images.zeit.de/text/2008/05/Mathejahr

Francis Bacon photo

„A esperança é um bom café da manhã, mas um mau jantar.“

—  Francis Bacon página de desambiguação da Wikimedia 1561 - 1626

Honoré De Balzac photo

„O café é a bebida que desliza para o estômago e põe tudo em movimento.“

—  Honoré De Balzac Escritor francês 1799 - 1850

Physiologie du goût: Suivi d'un Traité sur les excitants modernes / par Balzac, Por Jean Anthelme Brillat-Savarin, Honoré de. - Balzac, Publicado por Charpentier, Libraire-Éditeur, 1839 - página 460 http://books.google.com.br/books?id=oXUTAAAAQAAJ&pg=PA460

Olavo Bilac photo

„Já está amanhecendo… dêem-me café, papel e pena… eu vou escrever…“

—  Olavo Bilac Jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro. 1865 - 1918

momentos antes de morrer; citado em "Vida e poesia de Olavo Bilac", Fernando Jorge - Novo Século, 2007 - 348 páginas

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Oscar Wilde photo

„Somente pessoas maçantes são brilhantes no café da manhã.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Todas frases sobre café

Total 74 citações café, filtro:

Immanuel Kant photo

„Cheiro doce

Graças, porém, a Deus, que, em Cristo, sempre nos conduz em triunfo… v.14


A autora Rita Snowden conta uma bela história sobre uma visita a uma pequena vila. Sentada à mesa de um café numa tarde desfrutando de uma xícara de chá, ela percebeu um delicioso cheiro no ar. Rita perguntou ao garçom de onde o cheiro vinha e lhe foi dito que era das pessoas que ela podia ver passando por ali. A maioria dos moradores eram empregados de uma fábrica de perfume nas proximidades. Ao irem para casa, levavam à rua a fragrância que impregnava suas roupas.

Que bela imagem da vida cristã! Como o apóstolo Paulo diz, nós somos o aroma de Cristo, espalhando Sua fragrância em todos os lugares (2 Coríntios 2:15). Paulo usa a imagem de um rei que retorna da batalha, com os soldados e prisioneiros a reboque, levantando o cheiro do incenso de comemoração no ar, declarando a grandeza do rei (v.14).

De acordo com Paulo, espalhamos o aroma de Cristo de duas maneiras. Primeiro, por meio de nossas palavras: revelando aos outros sobre a beleza de Cristo. Segundo, por meio de nossa vida: entregando-a como “oferta e sacrifício a Deus” (vv.1,2). Embora nem todos apreciarão o “aroma suave” que compartilhamos, ele trará vida a muitos.

Rita sentiu o aroma no ar e buscou a sua fonte. Ao seguirmos Jesus também nos envolvemos com Sua fragrância, e levamos este aroma suave às ruas com nossas palavras e ações.

Somos o aroma suave de Cristo aos outros. Sheridan Voysey |“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Ele irá fornecer

Abraão disse: “Meu filho, Deus proverá para si o cordeiro”. Escritura de hoje :
Gênesis 22: 1-14

O pastor Roy S. Nicholson contou sobre uma época em que ele não tinha dinheiro para comprar comida. Determinado a confiar em Deus para suas necessidades e não contar a ninguém, ele e sua esposa apresentaram seu caso ao Senhor em oração.

Na manhã seguinte, ele colocou a mesa para o café da manhã, confiante de que o Senhor providenciaria algo para comer. Nesse momento, um menino da escola dominical veio até a casa com um saco de farinha e um pouco de leite. Lágrimas brotaram nos olhos do pastor. Mal saíra do que a “vovó”, Turner apareceu na porta carregando uma grande travessa carregada com presunto de Virgínia, ovos, grits e molho, biscoitos quentes, manteiga, geleia e café. Nicholson estava cheio de louvor a Deus.

Abraão enfrentou um teste de fé ainda mais sério. Deus lhe havia dito que ele seria o pai de uma grande nação, mas então Deus lhe pediu que sacrificasse seu filho prometido Isaac no altar. Como poderia Abraão fazer uma coisa dessas? Muitos anos de confiar em Deus para o filho há muito esperado lhe ensinaram que sua confiança em Deus seria plenamente recompensada. "Deus proverá para Si mesmo o cordeiro", disse ele a Isaac.

Fé assim não nasce em um dia. É o resultado de anos de ver a fidelidade de Deus às Suas promessas, e cresce à medida que diariamente escolhemos acreditar no que Ele diz.

Refletir e Orar
Oração
Senhor, perdoa-nos por não confiar mais em você. Quando enfrentamos tempos de testes, podemos seguir o exemplo de Abraão e acreditar que você fornecerá exatamente o que precisamos.

A pobreza do homem nunca é uma pressão sobre a provisão de Deus. Dennis J. DeHaan“

—  ministério_pão_diário

„Agradecido por tudo


Comerás, e te fartarás, e louvarás o Senhor, teu Deus, pela boa terra que te deu. v.10


Na Austrália, dirigir entre cidades tão distantes e a fadiga podem causar acidentes. Assim, nas férias, são montadas paradas de descanso nas principais rodovias e voluntários oferecem café gratuito. Nós gostamos de aproveitar essas paradas durante nossas viagens longas.

Numa das viagens, paramos para pedir o nosso café. A atendente entregou duas xícaras, e cobrou 2 dólares. Perguntei-lhe o porquê, e ela nos mostrou o sinal na placa. Ali apenas o motorista recebia o café grátis; os passageiros tinham que pagar. Irritado, disse-lhe que isso era publicidade falsa, paguei o que pediu e saí. De volta ao carro, minha esposa apontou o meu erro: eu tinha transformado um presente num direito adquirido e sido ingrato pelo que recebera. Ela estava certa.

Quando Moisés conduziu os israelitas para a Terra Prometida, ele os exortou a serem agradecidos (v.10). Graças às bênçãos de Deus, a terra era abundante, mas eles poderiam facilmente tratar esta prosperidade como algo que mereciam (vv.17,18). A partir disso, os judeus desenvolveram a prática de dar graças em cada refeição, por mínima que seja. Para eles, tudo era um presente.

Voltei ao balcão e pedi desculpas. O café grátis era um presente imerecido e eu precisava agradecer.

Seja grato a Deus até mesmo 
pela menor das dádivas. Sheridan Voysey“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Luiz Inácio Lula da Silva photo

„Tenho tentado aprender a ser humilde. A engolir os nãos que a vida me enfia pela goela a baixo. A lamber o chão dos palácios. A me sentir desprezado-como-um-cão, e tudo bem, acordar, escovar os dentes, tomar um café e continuar.“

—  Caio Fernando Abreu escritor brasileiro 1948 - 1996

Caio Fernando Abreu: Cartas‎ - Página 131, de Caio Fernando Abreu, Italo Moriconi - Publicado por Aeroplano Editora, 2002, ISBN 8586579394, 9788586579394 - 532 páginas

Virginia Woolf photo

„As mulheres durante todos estes séculos serviram de espelhos possuindo o poder mágico e delicioso de refletir uma imagem do homem com o dobro do seu tamanho natural. Sem esse poder, provavelmente, a Terra seria ainda pântano e selva. As glórias de todas as guerras seriam desconhecidas. Estaríamos ainda arranhando os contornos de cervos nos restos de ossos e trocando pederneiras por peles de carneiro ou qualquer outro ornamento simples que agradasse ao nosso gosto sem sofisticação. O Super Homem ou o Dedo do Destino nunca teriam existido. O Czar e o Kaiser nunca teriam portado suas coroas ou as perdido. Qualquer que possa ser sua utilidade em sociedades civilizadas, espelhos são essenciais a toda ação violenta e heróica. Eis porque tanto Mussolini quanto Napoleão insistem tão enfaticamente na inferioridade das mulheres, pois se elas não fossem inferiores, eles pararariam de engrandescer-se. Isso serve para explicar, em parte, a indispensável necessidade que as mulheres tão freqüentemente representam para os homens. E serve para explicar como eles ficam inquietos quando colocados sob a sua crítica, como é impossível para ela dizer-lhes que este livro é ruim, este quadro é fraco, ou o que quer que seja, sem causar mais dor ou despertar mais raiva que um homem que fizesse a mesma crítica. Pois, se ela começa a dizer a verdade, a figura no espelho encolhe, sua aptidão para a vida é diminuída. Como pode ele continuar a passar julgamentos, a civilizar nativos, a fazer leis, escrever livros, arrumar-se todo e discursar em banquetes, a menos que possa ver a si mesmo no café da manhã e no jantar com pelo menos o dobro do tamanho que realmente é?“

—  Virginia Woolf, livro Um Teto Todo Seu

Um Teto Todo Seu

Zora Neale Hurston photo

„Viver sem amigos é como tentar tirar leite de um urso para o café da manhã. Dá muito trabalho e não vale à pena.“

—  Zora Neale Hurston, livro Dust Tracks on a Road

seems to me that trying to live without friends is like milking a bear to get cream for your morning coffee. It is a whole lot of trouble, and then not worth much after you get it.
Dust tracks on a road - página 180, Zora Neale Hurston - HarperPerennial, 1991, ISBN 0060552840, 9780060552848 - 277 páginas

Johnny Depp photo
António Lobo Antunes photo
Jorge Amado photo
Jim Carrey photo
Bertrand Russell photo

„O que as pessoas temem, quando se lançam à luta, não é não poder conseguir um café da manhã no dia seguinte, mas sim não conseguir eclipsar seus vizinhos.“

—  Bertrand Russell 1872 - 1970

Capítulo 3: Competição - Coleção Saraiva de Bolso, página 37.
A conquista da felicidade

Sandra Bullock photo
Honoré De Balzac photo
Mário Quintana photo
Al Ries photo
Lady Gaga photo
John Steinbeck photo

„Os pequenos fazendeiros observam como as dívidas sobem insensivelmente, como o crescer da maré. Cuidaram das árvores sem vender a colheita, podaram e enxertaram e não puderam colher as frutas.
Este pequeno pomar, para o ano que vem, pertencerá a uma grande companhia, pois o proprietário será sufocado por dívidas.
Este parreiral passará a ser propriedade do banco. Apenas os grandes proprietários podem subsistir, visto que também possuem fábricas de conservas.
A podridão alastra por todo o Estado e o cheiro doce torna-se uma grande preocupação nos campos. E o malogro paira sobre o Estado como um grande desgosto.
As raízes das vides e das árvores têm de ser destruídas, para se poderem manter os preços elevados. É isto o mais triste, o mais amargo de tudo. Carradas de laranjas são atiradas para o chão. O pessoal vinha de milhas de distâncias para buscar as frutas, mas agora não lhes é permitido fazê-lo. Não iam comprar laranjas a vinte cents a. dúzia, quando bastava pular do carro e apanhá-las do chão. Homens armados de mangueiras derramam querosene por cima das laranjas e enfurecem-se contra o crime, contra o crime daquela gente que veio à procura das frutas. Um milhão de criaturas com fome, de criaturas que precisam de frutas… e o querosene derramado sobre as faldas das montanhas douradas.
O cheiro da podridão enche o país.
Queimam café como combustível de navios. Queimam o milho para aquecer; o milho dá um lume excelente. Atiram batatas aos rios, colocando guardas ao longo das margens, para evitar que o povo faminto intente pescá-las. Abatem porcos, enterram-nos e deixam a putrescência penetrar na terra.
Há nisto tudo um crime, um crime que ultrapassa o entendimento humano. Há nisto uma tristeza, uma tristeza que o pranto não consegue simbolizar. Há um malogro que opõe barreiras a todos os nossos êxitos; à terra fértil, às filas rectas de árvores, aos troncos vigorosos e às frutas maduras. Crianças atingidas de pelagra têm de morrer porque a laranja não pode deixar de proporcionar lucros. Os médicos legistas devem declarar nas certidões de óbito; "Morte por inanição", porque a comida deve apodrecer, deve, por força, apodrecer.
O povo vem com redes para pescar as batatas no rio, e os guardas impedem-nos. Os homens vêm nos carros ruidosos apanhar as laranjas caídas no chão, mas as laranjas estão untadas de querosene. E ficam imóveis, vendo as batatas passarem flutuando; ouvem os gritos dos porcos abatidos num fosso e cobertos de cal viva; contemplam as montanhas de laranja, rolando num lodaçal putrefacto. Nos olhos dos homens reflecte-se o malogro. Nos olhos dos esfaimados cresce a ira. Na alma do povo, as vinhas da ira crescem e espraiam-se pesadamente, pesadamente amadurecendo para a vindima.“

—  John Steinbeck 1902 - 1968

Eça de Queiroz photo
Konrad Lorenz photo

„É um bom exercício para um pesquisador livrar-se de uma hipótese favorita todo dia, antes do café da manhã. Isso o manterá jovem.“

—  Konrad Lorenz 1903 - 1989

Konrad Lorenz, conforme encontrado em Singh, Simon - Big Bang - Capítulo: "O que é ciência?" - Editora Record - 2006 - pág.: 459
Atribuidas

Marguerite Yourcenar photo
Edmund Burke photo
Gabriel García Márquez photo
Giuseppe Belli photo
Pedro Nava photo

„Por incrível que pareça o número mágico para arquivos. class foi escolhido muito antes do nome Java que sempre foi proferida em referência a este idioma. Nós estávamos procurando algo divertido, sem igual e fácil se lembrar. 0xcafebabe era melhor que o segundo colocado, 0xdeadbabe. É só uma coincidência que a referência oblíqua para os atraentes argumentos ao Café de Peet estava pressagiando para o nome Java.“

—  Patrick Naughton 1965

Strangely enough the magic number for .class files was chosen long before the name Java was ever uttered in reference to this language. We were looking for something fun, unique and easy to remember. 0xcafebabe was better than the second runner-up, 0xdeadbabe. It is only a coincidence that the oblique reference to the cute barristas at Peet's Coffee was foreshadowing for the name Java.

Hélio de la Peña photo
Oscarito photo
Ney Suassuna photo

„Não precisamos de café da manhã nem de cafuné para votar com o governo. Votamos porque gostamos dele.“

—  Ney Suassuna 1941

Ney Suassuna, senador (PMDB-PB), explicando a posição do partido na aprovação do mínimo de 151 reais; citado em Revista Veja, Edição 1.649 - 17/5/2000 http://veja.abril.com.br/170500/vejaessa.html

Lygia Fagundes Telles photo
Fabrício Carpinejar photo
Gabriel García Márquez photo

„O problema do casamento é que se acaba todas as noites depois de se fazer o amor, e é preciso tornar a reconstruí-lo todas as manhãs antes do café.“

—  Gabriel García Márquez 1927 - 2014

Do livro Amor nos tempos do cólera
Variante: O problema do casamento é que acaba todas as noites depois de fazerem amor e tem que voltar a reconstruí-lo todas as manhãs antes do pequeno-almoço

Stephenie Meyer photo
Jilly Cooper photo
Anne Morrow Lindbergh photo
Georges Courteline photo
PSY photo
Lara Stone photo
Chico Anysio photo
Millôr Fernandes photo

„Esnobar É exigir café fervendo E deixar esfriar.“

—  Millôr Fernandes cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro. 1923 - 2012

Gabriel García Márquez photo
Carlos Ruiz Zafón photo
Marina Tavares Dias photo
Amos Oz photo
Graciliano Ramos photo

„Conheci que Madalena era boa em demasia, mas não conheci tudo de uma vez. Ela se revelou pouco a pouco, e nunca se revelou inteiramente. A culpa foi minha, ou antes, a culpa foi desta vida agreste, que me deu uma alma agreste. E, falando assim, compreendo que perco o tempo. Com efeito, se me escapa o retrato moral de minha mulher, para que serve esta narrativa? Para nada, mas sou forçado a escrever.

Quando os grilos cantam, sento-me aqui à mesa da sala de jantar, bebo café, acendo o cachimbo. Às vezes as idéias não vêm, ou vêm muito numerosas e a folha permanece meio escrita, como estava na véspera. Releio algumas linhas, que me desagradam. Não vale a pena tentar corrigi-las. Afasto o papel.

Emoções indefiníveis me agitam inquietação terrível, desejo doido de voltar, tagarelar novamente com Madalena, como fazíamos todos os dias, a esta hora. Saudade? Não, não é isto: é desespero, raiva, um peso enorme no coração.

Procuro recordar o que dizíamos. Impossível. As minhas palavras eram apenas palavras, reprodução imperfeita de fatos exteriores, e as dela tinham alguma coisa que não consigo exprimir. Para senti-las melhor, eu apagava as luzes, deixava que a sombra nos envolvesse até ficarmos dois vultos indistintos na escuridão.

Lá fora os sapos arengavam, o vento gemia, as árvores do pomar tornavam-se massas negras.

- Casimiro!

(…) A figura de Casimiro Lopes aparece à janela, os sapos gritam, o vento sacode as árvores, apenas visíveis na treva. Maria das Dores entra e vai abrir o comutador.

Detenho-a: não quero luz.

O tique-taque do relógio diminui, os grilos começam a cantar. E Madalena surge no lado de lá da mesa. Digo baixinho:

- Madalena!

A voz dela me chega aos ouvidos. Não, não é aos ouvidos. Também já não a vejo com os olhos. Estou encostado à mesa, as mãos cruzadas. Os objetos fundiram-se, e não enxergo sequer a toalha branca.

- Madalena…

A voz de Madalena continua a acariciar-me. Que diz ela? Pede-me naturalmente que mande algum dinheiro a Mestre Caetano. Isto me irrita, mas a irritação é diferente das outras, é uma irritação antiga, que me deixa inteiramente calmo. Loucura estar uma pessoa ao mesmo tempo zangada e tranqüila. Mas estou assim. Irritado contra quem? Contra Mestre Caetano. Não obstante ele ter morrido, acho bom que vá trabalhar. Mandrião!

A toalha reaparece, mas não sei se é esta toalha sobre que tenho as mãos cruzadas ou a que estava aqui há cinco anos.

(…) Agitam-se em mim sentimentos inconciliáveis, colerizo-me e enterneço-me; bato na mesa e tenho vontade de chorar. Aparentemente estou sossegado: as mãos continuam cruzadas sobre a toalha e os dedos parecem de pedra. Entretanto ameaço Madalena com o punho. Esquisito.

Distingo no ramerrão da fazenda as mais insignificantes minudências. Maria das Dores, na cozinha, dá lições ao papagaio. Tubarão rosna acolá no jardim. O gado muge no estábulo. O salão fica longe: para irmos lá temos de atravessar um corredor comprido. Apesar disso a palestra de Seu Ribeiro e Dona Glória é bastante clara. A dificuldade seria reproduzir o que eles dizem. É preciso admitir que estão conversando sem palavras.

Padilha assobia no alpendre. Onde andará Padilha? Se eu convencesse Madalena de que ela não tem razão… Se lhe explicasse que é necessário vivermos em paz… Não me entende. Não nos entendemos. O que vai acontecer será muito diferente do que esperamos. Absurdo.

Há um grande silêncio. Estamos em julho. O nordeste não sopra e os sapos dormem.

(…)

Repito que tudo isso continua a azucrinar-me. O que não percebo é o tique-taque do relógio. Que horas são? Não posso ver o mostrador assim às escuras. Quando me sentei aqui, ouviam-se as pancadas do pêndulo, ouviam-se muito bem. Seria conveniente dar corda ao relógio, mas não consigo mexer-me.“

—  Graciliano Ramos 1892 - 1953

São Bernardo

Ken Follett photo
João Guimarães Rosa photo

„Vai assim, vem outro café, se pita um bom cigarro.“

—  João Guimarães Rosa, livro Grande Sertão: Veredas

Grande Sertão: Veredas

António Lobo Antunes photo

„uma tarde, isto em julho, quando pensava que o meu marido em Espanha com a outra e o facto de o meu marido em Espanha com a outra não cessa de doer-me, não queria que doesse e não cessa de doer-me, não tenho culpa, há sensações que se agarram, ao encontrar-te na porta fiz-lhe algum mal por acaso e tu a arrumares no braço livros arrumados não, a corares, a recuares um passo, a mentires estou com pressa, a parares junto à cerca um café em cinco minutos serve-lhe e servia-me, não foram cinco minutos, quarenta na mesma mesa com o truque dos guardanapos entre nós não a separar-nos, a unir-nos, as minhas mãos longe, as tuas a pouco e pouco mais próximas, não prestes a tocarem as minhas, a conversarem somente, a maçada das aulas, a família, a bicicleta do teu irmão mais velho, um surdo ata titi ata e eu intrigada com o surdo, a operação ao peito, de passagem, numa frase casual e eu a amar-te ainda mais, que esforço não te abraçar nesse instante, pegar-te ao colo, embalar-te, o teu marido de passagem igualmente, um hipopótamo chamado Ernesto de que ao princípio não descobri o papel e me fez interromper-te, um hipopótamo, até realizar que pequeno e de pano, disse adorava ser pequena e de pano e arrependi-me logo com a pausa embaraçada e o pacote de açúcar torcido nos dedos, eu, a emendar de imediato, adorava ser um boneco de pano porque não conheci nenhum triste, tu, a medires-me as palavras, não sei, e eu, para mim mesma, talvez me tenha salvo“

—  António Lobo Antunes 1942

Não é Meia Noite Quem Quer

Gabriel García Márquez photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
James Patterson photo

„O amor era uma mistura de café com cachaça que acelera e deixa zonzo. Uma agitação mole.“

—  Fred Di Giacomo

Fonte: Desamparo, Fred Di Giacomo, Editor: Marcelo Nocelli/Editora Reformatório

Ice Cube photo

„E mamãe preparou um café da manhã com nenhum porco.. Eu tenho o meu grub, mas não porco para fora finalmente recebi um telefonema de uma garota que eu quero cavar… Conectei para depois que eu bati a fazer, Thinkin vou viver, outros vinte e foR.. Eu tenho que ir porque eu me tenho uma queda superior.. E se eu acertar o interruptor, eu posso fazer a queda de bunda… Teve de parar, em uma luz vermelha.“

—  Ice Cube 1969

And mom prepared a breakfast with no hog .. I got my grub, but not pig out finally received a call from a girl I want to dig ... I connected and then I hit the do Thinkin will live, another twenty-fOR .. I have to go because I have been a top down .. And if I hit the switch, I can do falling ass ... we had to stop at a red light
na música ( Today Was A Good Day http://letras.mus.br/ice-cube/1012372/)
Verificadas

John Green photo

„A saudade o mantinha mais desperto que o café.“

—  John Green Escritor, empresário e vlogger norte-americano 1977

Colin Singleton, p. 23
Quem é Você, Alasca? (2005), O Teorema Katherine (2006)

Gisele Bündchen photo

„Sou tão acelerada que evito o café, senão saio voando!“

—  Gisele Bündchen Supermodelo, empresária e filantropa brasileira 1980

Verificadas
Fonte: Corpo a Corpo. Data: 19 de novembro de 2006.

Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Para dizer que eu nunca falei do Amor

Sobrevivi sozinho
Noites terríveis de insônia
Compartilhando a melancolia do meu coração
Com as lágrimas em meu travesseiro

Eu me apaixonei pela sua voz
Estive ao seu lado quando todos foram embora

Beijei a sua testa quando você precisou de carinho
Te levei café da manhã quando você estava se sentindo sozinha
Te peguei no colo, quando você sentiu medo do escuro

(Ah… Se você soubesse todas as coisas que eu fiz por você)
Me droguei com remédios que nunca daríamos aos nossos filhos
Só para controlar a dor que existia em meu coração
E acalmar as feridas que existiam no seu

Você se lembra quando conhecemos
A morte pela primeira vez?

Estávamos naquele quarto de hotel
Fodendo como dois viciados em sexo
Sentia a sua buceta molhada pulsando na minha boca
O seu gozo misturado com o teu sangue
Faziam dos seus gemidos sinfonias impuras;

Após declararmos o que definiríamos
Futuramente como amor
Você foi invadida por uma convulsão

Te segurei morta nos meus braços
Desci as escadas implorando por ajuda

Dentro da minha cabeça,
O diabo gargalhava sobre a minha miséria

Mas eu não podia desistir
Embora os seus olhos já sem vida
Me provassem o contrário

Pela primeira vez dobrei os joelhos para um Deus
Que jurei odiar
E o resto de nossas vidas passou diante dos meus olhos

Você acordou me dizendo;
‘’Amor eu te amo muito
Obrigado por não me abandonar’’

Vivemos um amor intenso
Mas hoje você me diz Adeus
Com a mesma intensidade que dizia
‘’Eu te amo’’

Eu fui embora quinze dias após
Te pedir em noivado

Hoje você voltou três meses depois
Você continua me dizendo Adeus
E eu continuo dizendo que Te amo…

Eu não te abandonei quando a morte
Beijou os seus lábios
Mas hoje você me abandona
Todas as vezes que preciso de ajuda

Mas eu compreendo o Adeus em suas palavras
Talvez eu não mereça o Amor que jurei te dar

Me lembro quando sonhávamos em beijar
A testa da nossa filha

Hoje…
Os meus sonhos são limitados
A uma garrafa de Whisky
E alguns cigarros velhos

Junto de uma corda que eu guardo
Na mesma gaveta
Que guardávamos as nossas alianças…
- Gerson De Rodrigues“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Raymond Chandler photo