„Em Paris, passeando de braço dado com uma noiva casual num outono tardio, quase não conseguia conceber felicidade mais pura que daquelas tardes douradas, com cheiro rústico das castanhas nos braseiros, os acordões sentimentais, os namorados insaciáveis que não acabavam de se beijar nunca na calçada dos cafés, mas mesmo assim dizia a si mesmo com a mão no coração que não se dispunha a trocar por tudo aquilo um único instante do seu Caribe em abril. Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas e que graça a esse artifício conseguimos suportar o passado. Mas quando voltou a ver do convés do navio o promontório branco do bairro colonial, os urubus imóveis nos telhados, a roupa dos pobres estendida a secar nas sacadas, compreendeu até que ponto tinha sido uma vítima fácil das burlas caritativas da saudade.“

— Gabriel García Márquez, Love in the Time of Cholera
Publicidade

Citações relacionadas

Gabriel García Márquez photo
Gabriel García Márquez photo
Publicidade
Padre Antônio Vieira photo
Paulo Coelho photo
Henrique Maximiano Coelho Neto photo
Venceslau Brás Pereira Gomes photo
Pablo Neruda photo
Pablo Neruda photo
Publicidade
Pablo Neruda photo
Adélia Prado photo
Don Hutson photo
Publicidade
Mia Couto photo
Leonardo Da Vinci photo
Próximo