Citações de família

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da família.

Tópicos relacionados

Total 499 citações de família, filtro:


Jorge Amado photo
Andre Rodrigues Costa Oliveira photo
Andre Rodrigues Costa Oliveira photo
Andre Rodrigues Costa Oliveira photo
Machado de Assis photo
Pedro II do Brasil photo
Jon Bon Jovi photo
Richard Bach photo
Fiódor Dostoiévski photo
José Paulo Bisol photo

„Se eu tenho uma família e não tenho condições de levar comida para casa, eu roubo.“

—  José Paulo Bisol 1928

José Paulo Bisol, secretário da Justiça e Segurança do Rio Grande do Sul
Fonte: Revista Veja, Edição 1 660 - 2/8/2000 http://veja.abril.com.br/020800/vejaessa.html

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Jair Bolsonaro photo
Franz Kafka photo
Mário Quintana photo
Gerson De Rodrigues photo

„A Solidão nunca me assustou, muito pelo contrário ela sempre foi a minha melhor amiga, a companhia humana para mim é como uma ferida que me corrói e a única maneira de viver em paz seria removendo esta ferida. E foi isso que o fiz, eu removi a ferida; Eu removi qualquer laço humano que poderia existir na minha vida e me tornei um homem sozinho.
Não digo que não exista nenhum humano próximo a mim, ou em meus relacionamentos ‘’ pseudo sociais’’ possuo amigos, e família. No entanto a companhia deles se dá tão necessária quanto a necessidade que um pássaro tem de uma bicicleta.
Isso não significa de maneira alguma que não me importo ou ‘’ amo’’ aqueles ‘’ próximos’’ a mim, apenas significa que meu estado de solidão pessoal impede que a presença humana se torne necessária.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Variante: “A Solidão nunca me assustou, muito pelo contrário ela sempre foi a minha melhor amiga, a companhia humana para mim é como uma ferida que me corrói e a única maneira de viver em paz seria removendo esta ferida. E foi isso que o fiz, eu removi a ferida; Eu removi qualquer laço humano que poderia existir na minha vida e me tornei um homem sozinho.

Não digo que não exista nenhum humano próximo a mim, ou em meus relacionamentos ‘’ pseudo sociais’’ possuo amigos, e família. No entanto a companhia deles se dá tão necessária quanto a necessidade que um pássaro tem de uma bicicleta.

Isso não significa de maneira alguma que não me importo ou ‘’ amo’’ aqueles ‘’ próximos’’ a mim, apenas significa que meu estado de solidão pessoal impede que a presença humana se torne necessária.”
Fonte: Aforismos De Um Niilista

Nélson Rodrigues photo
Rasputin photo

„Czar de todas as Rússias, tenho o pressentimento de que até o final do ano eu deixarei este mundo. Serei assassinado, já não estarei entre vós. Se eu for morto por gente do povo, gente como eu, tu não tens nada a temer, continuarás no trono. Mas, se eu for morto por nobres, as mãos deles ficarão manchadas pelo meu sangue. Eles se odiarão e matarão uns aos outros. Dentro de 25 anos não restará um único nobre neste país. Nenhum parente teu, nenhum de teus filhos sobreviverá mais de dois anos. O povo russo dará cabo de todos. Assim, depois que eu desaparecer, tem cuidado, pensa bem, protege-te. Diz a todos os teus que derramei meu sangue por eles. Reza, reza, sê forte, pensa em tua família.“

—  Rasputin Místico russo 1869 - 1916

No início de dezembro em 1916, Rasputin enviou a Nicolau II uma carta profética http://www2.uol.com.br/historiaviva/artigos/rasputin_se_recusa_a_morrer.html, na qual fazia uma predição para a família real Romanov que suporia o assassinato do próprio czar, da czarina e de todos os seus filhos.
Rasputin foi morto no dia 30 de dezembro de 1916. Um ano e meio depois, na madrugada de 16 para 17 de julho de 1918, a família real foi assassinada pelos bolcheviques.'

Lucio Anneo Seneca photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Étienne de La Boétie photo
Gerson De Rodrigues photo

„Diálogo entre o Padre e o Filósofo - Uma Dialética Niilista

Sentado nas beiradas sujas do décimo terceiro andar de um prédio abandonado, estava um filósofo decidido em acabar com a sua vida

Abel um de seus amigos mais religiosos, considerou a hipótese de que seria uma grande ideia enviar um padre para conversar com ele, afim de convence-lo de que a vida segundo Abel

‘’ Era um presente de deus’’ e deveria ser vivida, e que o suicídio era uma péssima escolha.

O Bravo e corajoso padre então foi chamado, e com sua bíblia nas mãos subiu até o décimo terceiro andar deste prédio. Sentou-se então ao lado do filósofo, enquanto ambos eram observados por uma multidão de pessoas preocupadas.

O Filósofo parecia tranquilo, a vida já não existia em seu olhar e ele observava atentamente o horizonte ignorando completamente aquele estranho porem caricato padre sentado ao seu lado.

O Padre tranquilo segurava a sua bíblia como se estivesse segurando as próprias mãos de cristo, a coragem e a determinação de salvar aquele jovem filosofo do suicídio era a sua missão, e sem hesitar perguntou

- Oh meu filho por que renunciais a vida? tão belas que és, tão lindas que és, dada a nós por deus, e paga com o sangue de cristo que morreu por nós para que você não precise morrer hoje.

O Filósofo escutando as palavras do padre, observava atentamente o horizonte, e sem responder permanecia em silencio, o padre por sua vez continuava o discurso.

- Meu filho, observe a beleza do mundo essas montanhas ao fundo, esses prédios cheios de vida, se não fosse a vida o que seriamos de nós? A vida é tudo que temos, nosso único tesouro, nosso maior presente.

O Padre ainda determinado abre a sua bíblia em uma parte que já estava marcada e começa a ler

- Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. 1 João 4:7

E no momento em que o filósofo escuta as palavras bíblicas, ele sorri e pela primeira vez olha para o padre, ainda com os olhos sem vida já morto por dentro, mas com um sorriso sincero perguntou ao padre

- Por que vives padre?

O Padre sem pestanejar, de supetão logo respondeu

- Eu vivo por cristo, e cristo vive em mim, eu vivo pela igreja e pelo amor que eu tenho a aqueles que seguem a jesus. Eu vivo, porque a vida é bela, porque amo aqueles próximos a mim, amo a minha família e a minha igreja.

O Filósofo sorrindo, pergunta novamente ao padre mas desta vez com um tom um pouco mais sério

- Por que vives padre?

O Padre sem entender, pois já havia respondido a pergunta gagueja levemente e responde

- E.. eu, eu.. vi.. vivo por cristo, vivo por aqueles que amo, e pela igreja! O Suicídio é um pecado sem retorno e a vida é o presente mais belo que deus poderia nos dar. Ele enviou seu próprio filho para se sacrificar por nós, em pró de nossas vidas pecaminosas.

O Filósofo vira o seu rosto para frente, observando o horizonte respira tranquilamente e pergunta outra vez com uma tonalidade calma em sua voz

- Por que vives padre?

O Padre já sem resposta, demora a alguns segundos para pensar em uma, segura sua bíblia com toda sua força suando frio com a outra mão agarra com ainda mais forças a beirada do prédio, descontrolado o padre grita

- O CRISTÃO VIVE PELA Fé!! E Eu tenho fé em cristo, fé na vida, fé de que ambos sairemos deste prédio de mãos dadas!

Com os braços cruzados, o Filósofo olha para baixo, e sorri para o abismo, e o abismo sorri de volta. Sorrindo então ele olha para o padre e novamente pergunta de maneira serena e calma

- Por que você vive padre?

O Padre sem reação olha para baixo, e o abismo sorri para ele e ele pula para o abismo.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Gerson De Rodrigues photo

„Poema - Uma triste história de amor

Há Muito tempo
nos confins do universo
existia uma triste história de amor

A Morte se apaixonou pela solidão
e deste amor improvável
nasceu uma triste criança

A Solidão não suportava a sua tristeza
e todas as noites
ela era atormentada por sua terrível melancolia

A Morte ao escutar aquela criança chorar
seus olhos embargavam-se de sangue

O Universo estava em crise
os deuses questionavam a sua própria divindade
e a presença daquela inocente criança
faziam os diabos chorarem

Como em um conto de fadas
ou em uma poesia de amor
aquela criança trouxe a aquele mundo fantástico
sentimentos de dor

Mas que culpa tinha a pobre criança?

O brilho em seus olhos
expressavam a morte das estrelas
e as suas asas tão belas
eram negras como o próprio universo

A Solidão nunca foi capaz de amar
o seu próprio filho

E a sua paixão pela morte
era como uma sinfonia perfeita

A Morte não roubava a sua Solitude
e a solidão não entregava a Morte
sentimentos de dor

A Sinfonia de um relacionamento perfeito
deu origem a uma criança maldita

Com o universo em desequilíbrio
a solidão pegou o seu próprio filho em seus braços
e para não sacrificar a sua solitude
a arremessou no mundo dos homens

Essa criança sou eu…

A Minha alma foi aprisionada no corpo
de uma criança humana
eu cresci no lar de uma família
que nunca foi capaz de me amar

Caminhei sozinho durante noites solitárias
e as únicas coisas que me atraiam
eram as sinfonias das estrelas ao se apagarem

Eu sou o filho bastardo da solidão
e não há nada neste mundo
capaz de preencher o vazio que existe em meu peito

Se não fosse a música,
o diabo que vive em mim já teria enlouquecido

Eu passo noites de insônia acordado
escutando as mais melancólicas sinfonias
esperando que em uma bela manhã
a morte venha me encontrar

Deitado submerso em uma banheira
repleta de água
eu vejo o sangue dos meus punhos
fundirem-se com a canção das estrelas

A Solidão chorava por ter abandonado o seu próprio filho
e aquela pobre criança
que a muito tempo foi arremessada no mundo dos homens
sorri pela primeira vez
submersa em uma banheira de sangue“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Fonte: Niilismo, Filosofia