Citações de casamento

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da casamento.

Tópicos relacionados

Total 341 citações de casamento, filtro:


Simone de Beauvoir photo
Will Rogers photo
Søren Kierkegaard photo
Leonardo Da Vinci photo

„O casamento é como enfiar a mão num saco de serpentes na esperança de puxar uma enguia.“

—  Leonardo Da Vinci pintor renascentista 1452 - 1519

Variante: O casamento é como enfiar a mão num saco de serpentes na esperança de apanhar uma enguia.

Sócrates photo
Diana, Princesa de Gales photo

„Suponho que como em qualquer casamento. Quando você tem os pais divorciados como eu, você quer trabalhar mais para fazer o casamento funcionar e tentar evitar cair no mesmo erro que você viu em sua família.“

—  Diana, Princesa de Gales Primeira esposa de Sua alteza real, O principe de gales. 1961 - 1997

Em resposta à pergunta “Como você espera que seria sua vida de casada?”
Verificadas
Fonte: ABC.es. Data: 31 de agosto de 2007.

Friedrich Engels photo

„VOCÊ É MÚSICA

Nos dias em que você acorda rock você é contestadora e demolidora de muralhas altas, que até então julgavam-se intransponíveis.
Você é caveira, que iguala, no final da vida, a todos os seres humanos do planeta.

Nos dias em que você acorda Jazz você é puro improviso, a elegância de fraseados únicos, e que jamais serão tocados da mesma maneira - já que você própria é única e inimitável.
Você cozinha Miles Davis com Chet Baker, e tempera tudo com as vozes da Sarah, da Ella e da Billie, e assim finalizando fabuloso prato.

Nos dias em que você acorda Blues você sente a melancolia em estado bruto, entremeada pelos seus cabelos, quase que etílica e desafiadora; você vira ácido rascante e dissolvente dos sentidos de qualquer incauto.

Nos dias em que você acorda Clássica você exala a erudição dos que ousaram inventar a música tal como a conhecemos hoje, não me permitindo com certeza discernir se você é complexa ao extremo ou contraditoriamente simples.
Você vira a mais harmônica sonata.

Nos dias em que você acorda Hip hop você traz dos guetos e dos morros de favelas suburbanos a voz revoltada daquele que não chegou jamais a ter alguma voz até agora; você grita em desespero pela igualdade e pela equidade absolutas.

Nos dias em que você acorda Eletrônica você eleva a sua agitação a um determinado nível de insanidade - e até de êxtase - peculiar aos que desejam segurar cada segundo a mais do tempo; e, de vez em quando, eu sinceramente não lhe aguento. Energia quântica em demasia.

Nos dias em que você acorda Barroca você vive a dualidade entre o divino e o mundano. Espírito e carne.
Você vive a mais pudica e a mais (deliciosa) depravada ao mesmo tempo. Você está na missa e no Beco do Mota simultaneamente, lá “pras” bandas de Diamantina.

Nos dias em que você acorda Caipira você se esbalda nos acordeons e nas violas aquecidas na fogueira e no arrasta-pé levantando poeira, que estende as madrugadas da fazenda, tomando cachaça de alambique.
Canta a alegria e a singeleza do homem do campo, tanto quanto a nostalgia e a saudade sertanejas dos que migram às cidades grandes.

Nos dias em que você acorda Disco você brinda à vida mergulhada em um mar de espumante, com a dança mais frenética e passos ensaiados ao longo de toda a sua existência.
Você sempre é a última, descalça e transpirante, a ir embora dos bailes de casamento e de formatura.

Nos dias em que você acorda Samba você se transforma em cerveja bem gelada, feijoada e bate-papo alegre nas manhãs de sábado naquele mercado antigo, quando a mesa de seu bar é templo: um oráculo indestrutível no qual as principais questões da humanidade são minuciosamente dissecadas e solucionadas com inconfundível (e não menos incontestável) sabedoria dos que vivem de verdade a vida.




Você faz com que os meus cinco sentidos sejam todos condensados em ondas sonoras, que me trazem o frescor de suas melodias, a limpidez de suas harmonias e a pujança de seus ritmos intensos e intermináveis.

Eu diria que você é música.“

—  AndreRodriguesCostaOliveira

Alexandre Dumas, Filho photo
Friedrich Nietzsche photo

„O casamento transforma muitas loucuras curtas em uma longa estupidez.“

—  Friedrich Nietzsche, livro Assim Falou Zaratustra

Und eure Ehe macht vielen kurzen Torheiten ein Ende, als eine lange Dummheit.
Also sprach Zarathustra: ein Buch für alle und keinen - página 69, Friedrich Wilhelm Nietzsche - Reclam Verlag, 1958 - 351 páginas
Assim falou Zaratustra

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Hilary Swank photo
Machado de Assis photo
William Shakespeare photo
Freddie Mercury photo
Nélson Rodrigues photo

„O casamento é o máximo da solidão com a mínima privacidade.“

—  Nélson Rodrigues escritor e dramaturgo brasileiro 1912 - 1980

citado em "Agora é que são elas" - página 35, Jayme Akstein, Editora Garamond, 2006, ISBN 8576170957, 9788576170952, 144 páginas
Atribuídas

Angelina Jolie photo

„Me acusaram de ser uma destruidora de casamentos, mas apenas fui um ombro para Brad chorar.“

—  Angelina Jolie Atriz, cineasta e ativista norte-americana 1975

sobre os boatos de que seria o pivô da separação de Jennifer Aniston e Brad Pitt
Fonte: IstoÉ Gente. Data: 24 de Janeiro de 2005.
Fonte: Frases, Eliane Trindade; Diógenes Campanha, IstoÉ Gente, 24 de Janeiro de 2005 http://www.terra.com.br/istoegente/284/frases/index.htm

Heinrich Heine photo

„Ainda não se descobriu a bússola para navegar no alto mar do casamento.“

—  Heinrich Heine 1797 - 1856

in den heiligen Ehestand trete, dass auch er sich hinauswage auf jenes hohe Meer, für welches noch kein Kompass erfunden worden
Sämmtliche Werke - vol. 11, página 411 http://books.google.com.br/books?pg=PA411, de Heinrich Heine, publicado por Hoffmann und Campe, 1868

Jules Renard photo
Langdon Mitchell photo

„O casamento é composto de três partes de amor e de sete partes de perdão por pecados.“

—  Langdon Mitchell 1862 - 1935

Marriage is three parts love and seven parts forgiveness of sins.
citado em "The Complete Speaker's Index to Selected Stories for Every Occasion"‎ - Página 187, de Jacob Morton Braude - Publicado por Prentice-Hall, 1967 - 353 páginas