Frases de Machado de Assis

Machado de Assis photo
401   752

Machado de Assis

Data de nascimento: 21. Junho 1839
Data de falecimento: 29. Setembro 1908
Outros nomes: Joaquim Machado, Joaquim Machado de Assis

Joaquim Maria Machado de Assis foi um escritor brasileiro, amplamente considerado como o maior nome da literatura nacional. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista, e crítico literário. Testemunhou a mudança política no país quando a República substituiu o Império e foi um grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.

Nascido no Morro do Livramento, Rio de Janeiro, de uma família pobre, mal estudou em escolas públicas e nunca frequentou universidade. Os biógrafos notam que, interessado pela boemia e pela corte, lutou para subir socialmente abastecendo-se de superioridade intelectual. Para isso, assumiu diversos cargos públicos, passando pelo Ministério da Agricultura, do Comércio e das Obras Públicas, e conseguindo precoce notoriedade em jornais onde publicava suas primeiras poesias e crônicas. Em sua maturidade, reunido a colegas próximos, fundou e foi o primeiro presidente unânime da Academia Brasileira de Letras.

Sua extensa obra constitui-se de nove romances e peças teatrais, duzentos contos, cinco coletâneas de poemas e sonetos, e mais de seiscentas crônicas. Machado de Assis é considerado o introdutor do Realismo no Brasil, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas . Este romance é posto ao lado de todas suas produções posteriores, Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó e Memorial de Aires, ortodoxamente conhecidas como pertencentes a sua segunda fase, em que se notam traços de pessimismo e ironia, embora não haja rompimento de resíduos românticos. Dessa fase, os críticos destacam que suas melhores obras são as da Trilogia Realista. Sua primeira fase literária é constituída de obras como Ressurreição, A Mão e a Luva, Helena e Iaiá Garcia, onde notam-se características herdadas do Romantismo, ou "convencionalismo", como prefere a crítica moderna.

Sua obra foi de fundamental importância para as escolas literárias brasileiras do século XIX e do século XX e surge nos dias de hoje como de grande interesse acadêmico e público. Influenciou grandes nomes das letras, como Olavo Bilac, Lima Barreto, Drummond de Andrade, John Barth, Donald Barthelme e outros. Em seu tempo de vida, alcançou relativa fama e prestígio pelo Brasil, contudo não desfrutou de popularidade exterior na época. Hoje em dia, por sua inovação e audácia em temas precoces, é frequentemente visto como o escritor brasileiro de produção sem precedentes, de modo que, recentemente, seu nome e sua obra têm alcançado diversos críticos, estudiosos e admiradores do mundo inteiro. Machado de Assis é considerado um dos grandes gênios da história da literatura, ao lado de autores como Dante, Shakespeare e Camões.

Obras

Dom Casmurro
Dom Casmurro
Machado de Assis
O Alienista
O Alienista
Machado de Assis
Quincas Borba
Quincas Borba
Machado de Assis
Casa Velha
Casa Velha
Machado de Assis
Histórias da Meia-Noite
Histórias da Meia-Noite
Machado de Assis
Iaiá Garcia
Iaiá Garcia
Machado de Assis
Helena
Machado de Assis
Esaú e Jacó
Esaú e Jacó
Machado de Assis
Memorial de Aires
Machado de Assis
Miss Dollar
Miss Dollar
Machado de Assis
Teoria do Medalhão
Teoria do Medalhão
Machado de Assis
O anel de Polícrates
Machado de Assis
O Espelho
O Espelho
Machado de Assis
Ressurreição
Machado de Assis
Contos Fluminenses
Contos Fluminenses
Machado de Assis
A Chinela Turca
A Chinela Turca
Machado de Assis
A Igreja do Diabo
Machado de Assis

„Não se ama duas vezes a mesma mulher.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

"Memórias Póstumas de Brás Cubas" (1881), capítulo XLIV; veja (wikisource)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating

„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Autores parecidos

Ruy Barbosa photo
Ruy Barbosa69
político, escritor e jurista brasileiro
Liev Tolstói photo
Liev Tolstói166
escritor russo
Eça de Queiroz photo
Eça de Queiroz153
Escritor e diplomata português
Honoré De Balzac photo
Honoré De Balzac224
Escritor francês
Oscar Wilde photo
Oscar Wilde663
Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa
Jules Verne photo
Jules Verne15
escritor francês
Aniversários de hoje
Oswald de Andrade photo
Oswald de Andrade24
1890 - 1954
Maud Mannoni photo
Maud Mannoni1
1923 - 1998
Eugene H. Peterson photo
Eugene H. Peterson1
1932 - 2018
Outros 45 aniversários hoje
Autores parecidos
Ruy Barbosa photo
Ruy Barbosa69
político, escritor e jurista brasileiro
Liev Tolstói photo
Liev Tolstói166
escritor russo
Eça de Queiroz photo
Eça de Queiroz153
Escritor e diplomata português
Honoré De Balzac photo
Honoré De Balzac224
Escritor francês
Oscar Wilde photo
Oscar Wilde663
Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa