Frases do livro
Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias Póstumas de Brás Cubas é um romance escrito por Machado de Assis, desenvolvido em princípio como folhetim, de março a dezembro de 1881, na Revista Brasileira, para, no ano seguinte, ser publicado como livro, pela então Tipografia Nacional.


Machado de Assis photo

„Não se ama duas vezes a mesma mulher.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

"Memórias Póstumas de Brás Cubas" (1881), capítulo XLIV; veja (wikisource)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas

Machado de Assis photo
Machado de Assis photo

„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Machado de Assis photo

„Matamos o tempo; o tempo nos enterra.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, capítulo CXIX.
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Matamos o tempo; o tempo nos enterra.

Machado de Assis photo

„Não te irrites se te pagarem mal um benefício: antes cair das nuvens, que de um terceiro andar.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, capítulo CXIX.
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Não te irrites se te pagarem mal um benefício: antes cair das nuvens, que de um terceiro andar.

Machado de Assis photo

„Dormir é um modo interino de morrer.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: (...) preferi dormir, que é um modo interino de morrer.

Machado de Assis photo
Machado de Assis photo

„(…) gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

"Memórias Póstumas de Brás Cubas", capítulo CLI; veja (wikisource)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou.

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo
Machado de Assis photo

Autores parecidos

Machado de Assis photo
Machado de Assis401
escritor brasileiro 1839 - 1908
Ruy Barbosa photo
Ruy Barbosa69
político, escritor e jurista brasileiro
Liev Tolstói photo
Liev Tolstói166
escritor russo
Eça de Queiroz photo
Eça de Queiroz153
Escritor e diplomata português
Honoré De Balzac photo
Honoré De Balzac224
Escritor francês
Oscar Wilde photo
Oscar Wilde663
Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa
Autores parecidos
Machado de Assis photo
Machado de Assis401
escritor brasileiro 1839 - 1908
Ruy Barbosa photo
Ruy Barbosa69
político, escritor e jurista brasileiro
Liev Tolstói photo
Liev Tolstói166
escritor russo
Eça de Queiroz photo
Eça de Queiroz153
Escritor e diplomata português
Honoré De Balzac photo
Honoré De Balzac224
Escritor francês