„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Obtido da Wikiquote. Última atualização 29 de Maio de 2022. História

Citações relacionadas

Albert Camus photo
Jules Michelet photo
Marco Aurelio photo
Marguerite Yourcenar photo
John Dryden photo

„A felicidade que o homem pode alcançar, não está no prazer, mas no descanso da dor.“

—  John Dryden 1631 - 1700

For all the happiness Mankind can gain Is not in pleasure, but.in rest from pain.
The Indian Emperor, 1667 - Página 40 https://books.google.com.br/books?id=XZsxAQAAMAAJ&pg=PA40, John Dryden - Scolar Press, 1667 - 70 páginas

Mark Twain photo
Liev Tolstói photo
Arthur Schopenhauer photo
Mário Quintana photo
Francesco Petrarca photo
Giacomo Leopardi photo
George Bernard Shaw photo
Jean Anthelme Brillat-Savarin photo
William Shakespeare photo
Ricardo Araújo Pereira photo

„Quando alguém faz figura de parvo, as outras pessoas têm pena.“

—  Ricardo Araújo Pereira 1974

" Uuuuh: um estudo ", Mixórdia de Temáticas 07-05-2015

Tópicos relacionados