Frases sobre vaidade

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da vaidade, idade, ser, outro.

Total 210 citações, filtro:

„Desafio de 15 minutos


Inclina-me o coração aos teus testemunhos… v.36


Dr. Charles O. Elliot, presidente de longa data da Universidade de Harvard, acreditava que as pessoas comuns que liam consistentemente da grande literatura do mundo por até alguns minutos por dia poderiam obter uma educação valiosa. Em 1910, ele compilou seleções de livros de história, ciência, filosofia e arte em 50 volumes chamados The Harvard Classics. Cada conjunto de livros incluiu o Guia de Leitura do Dr. Eliot intitulado “Quinze minutos por dia” contendo as seleções recomendadas de oito a dez páginas para cada dia do ano.

E se passássemos 15 minutos por dia lendo a Palavra de Deus? Poderíamos dizer com o salmista: “Inclina-me o coração aos teus testemunhos e não à cobiça. Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho” (vv.36,37).

Aos 15 minutos diários somam até 91 horas por ano. Mas para qualquer quantidade de tempo que decidimos ler a Bíblia a cada dia, consistência é o segredo e o ingrediente-chave não é a perfeição, mas a persistência. Se perdemos um dia ou uma semana, podemos começar a ler novamente. Como o Espírito Santo nos ensina, a Palavra de Deus move-se de nossa mente para o nosso coração, depois para nossas mãos e pés, nos levando além da educação para a transformação.

“Ensina-me, Senhor, […] Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho” (v.33).

A Bíblia é o único Livro cujo Autor 
está sempre presente quando ela é lida. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Arthur Schopenhauer photo
Adam Smith photo
Jane Austen photo
Machado de Assis photo

„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Mark Twain photo

„Não há graus de vaidade, apenas graus de habilidade em disfarçá-la.“

—  Mark Twain escritor, humorista e inventor norte-americano 1835 - 1910

Samuel Butler (1835-1902) photo
Jane Austen photo
Jane Austen photo

„A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho se relaciona mais com a opinião que temos de nós mesmos, e a vaidade, com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós.“

—  Jane Austen, livro Orgulho e Preconceito

Vanity and pride are different things, though the words are often used synonymously. A person may be proud without being vain. Pride relates more to our opinion of ourselves, vanity to what we would have others think of us
Pride and Prejudice, Chapter 5
Variante: A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinónimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho relaciona-se mais com a opinião que temos de nós mesmos, e a vaidade, com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós.

Eça de Queiroz photo
Friedrich Nietzsche photo
Euclides da Cunha photo
Friedrich Nietzsche photo

„A vaidade alheia só nos é antipática quando vai de encontro a nossa.“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

Die Eitelkeit anderer geht uns nur dann wider den Geschmack, wenn sie wider unsre Eitelkeit geht.
Werke - Volume 1 - Página 32, Friedrich Wilhelm Nietzsche, ‎August Messer - A. Kröner, 1930

Teixeira de Pascoaes photo
Confucio photo

„A conversa impregnada de vaidade e o pretensiosismo são raramente compatíveis com a virtude.“

—  Confucio Filósofo chinês -551 - -479 a.C.

The Analects

Jane Austen photo
Bertrand Russell photo
Eça de Queiroz photo
Tati Bernardi photo
Cesare Pavese photo
Stendhal photo
Virginia Woolf photo
Miguel de Cervantes photo
Lucio Anneo Seneca photo
Stendhal photo

„O que torna tão aguda a dor provocada pelo ciúme, é que a vaidade não pode ajudar a suportá-lo.“

—  Stendhal 1783 - 1842

Ce qui rend les douleurs de la honte et de la jalousie si aiguës, c'est que la vanité ne peut servir à les supporter.
De l'amour - página 447, Stendhal, Henri Martineau - Colin, 1959 - 521 páginas
O Vermelho E O Negro

Fiódor Dostoiévski photo

„Mas não é vergonhoso, não é humilhante!”Dir-me-eis talvez meneando a cabeça, com desprezo. “Tu tens sede de vida, mas queres resolver as questões vitais por meio de mal-entendidos lógicos. E que obstinação! Que imprudência com isso! Mas tens medo, apesar de tudo. Dizes inépcias, mas sentes-te feliz com elas. Dizes insolências, mas tens medo e te desculpas. Declaras que não receias ninguém, mas buscas as nossas boas graças. Tu nos asseguras que ranges os dentes, mas gracejas ao mesmo tempo, para nos fazer rir. Sabes que as tuas sentenças não valem nada […]. É possível que tenhas sofrido, mas não tens nenhum respeito pelo teu sofrimento. Há certas verdades em tuas palavras, mas falta-lhes pudor. Sob a ação da vaidade mais mesquinha, trazes a tua verdade para a praça pública, expõe-na no mercado, para alvo de chacota. Tens alguma coisa para dizer, mas o temor faz-te escamotear a última palavra, pois és insolente, mas não audaz. Gabas da tua consciência, mas não és capaz senão de hesitação, porque embora tua inteligência trabalhe, teu coração está emporcalhado pela libertinagem; ora, se o coração não é puro, a consciência não pode ser clarividente e nem completa. E como és importuno, como és molesto! Que palhaçada, a tua! Mentira tudo isso! Mentira! Mentira!“

—  Fiódor Dostoiévski escritor russo 1821 - 1881

Notas do Subterrâneo ou Memórias do subsolo

Napoleão Bonaparte photo
Ernesto Sabato photo

„A vaidade é um elemento tão sutil da alma humana que a encontramos onde menos se espera: ao lado da bondade, da abnegação, da generosidade!“

—  Ernesto Sabato escritor argentino 1911 - 2011

Variante: A vaidade é um elemento tão subtil da alma humana que a encontramos onde menos se espera: ao lado da bondade, da abnegação, da generosidade!

Mário Quintana photo
Júlio Dinis photo
Liev Tolstói photo
José de Alencar photo

„O elogio é um meio muito usado, mas sempre novo, de render homenagem à vaidade alheia.“

—  José de Alencar escritor e romancista brasileiro 1829 - 1877

Variante: O elogio é um meio muito usado, mas sempre novo, de render a vaidade.

Daisaku Ikeda photo
Carlos Ruiz Zafón photo

„Nada há que eu necessite tanto como estímulos para minha vaidade”.“

—  Dale Carnegie 1888 - 1955

Como fazer amigos e influenciar pessoas

Valter Bitencourt Júnior photo

„Vaidade

Corrompe
A beleza
De todos os
Instantes!“

—  Valter Bitencourt Júnior, livro Toque de Acalanto: Poesias

Fonte: Poema "Vaidade", livro "Toque de Acalanto: Poesias", Valter Bitencourt Júnior, 2017, pág. 65, Clube de Autores/Amazon, ISBN: 9781549710971.

Al Pacino photo

„Vaidade é meu pecado favorito.“

—  Al Pacino ator e cineasta norte-americano 1940

o personagem John Milton, no filme o Advogado do Diabo.

Johnny Depp photo
Paul Valéry photo

„Agradar a si mesmo é orgulho; aos demais, vaidade.“

—  Paul Valéry 1871 - 1945

Plaire à soi est orgueil; aux autres, vanité.
Mélange - página 185, Paul Valéry - Gallimard, 1941 - 244 páginas

Samuel Johnson photo

„Nenhum lugar proporciona uma prova mais evidente da vaidade das esperanças humanas do que uma biblioteca pública.“

—  Samuel Johnson, The Rambler

No place affords a more striking conviction of the vanity of human hopes than a public library
The rambler - Página 2 http://books.google.com.br/books?id=-MhVtAa2b-wC&pg=PA2, Samuel Johnson - Longman, 1793

Anatole France photo

„Trabalho distrai a vaidade, engana a falta de poder e traz a esperança de um bom evento.“

—  Anatole France 1844 - 1924

Le travail a ceci d excellent encore qu il amuse notre vanité, trompe notre impuissance et nous communique l espoir d un bon événement
L'anneau d'améthyste - página 6, Anatole France - Sagittaire, 1924 - 419 páginas

Germaine de Staël photo

„Sem dúvida, a falta de concorrência na busca de uma vantagem: reduz a vaidade.“

—  Germaine de Staël, livro Über Deutschland

Zweifelsohne hat der Mangel an Wetteifer im Streben einen Vorteil: Er vermindert die Eitelkeit
"Über Deutschland" [Sobre a Alemanha]

Antoine de Rivarol photo

„Há algo maior do que o orgulho, e mais nobre do que a vaidade, a modéstia; e algo mais raro que a modéstia é a simplicidade.“

—  Antoine de Rivarol 1753 - 1801

Il y a quelque chose de plus haut que l'orgueil, et de plus noble que la vanité, c'est la modestie ; et quelque chose de plus rare que la modestie, c'est la simplicité.
"Discours préliminaire du Nouveau dictionnaire de la langue française: première partie : de l'homme, de ses facultés intellectuelles et de ses idées premières et fondamentales ; suivi de De l'universalité de la langue française : sujet proposé par l'Académie de Berlin en 1785"‎ - Página 171 http://books.google.com.br/books?id=AyAVAAAAQAAJ&pg=PA171, Antoine de Rivarol - chez Cocheris, 1797 - 240 páginas

Antoine de Rivarol photo

„Mas a vaidade está funcionando: ela tem um olhar que implora os olhos e as mãos que chamam à atividade: o dono também é favorável aos seus impérios em que o orgulho é fatal; é social; com ela é mais feliz do que com o orgulho, porque é raro não ficar feliz com algo que é vaidoso.“

—  Antoine de Rivarol 1753 - 1801

Mais la vanité est ouvrière: elle a un oeil qui mendie les regards et des mains qui appellent l'industrie: elle est dono aussi favorable aux empires que l'orgueil leur est funeste-; elle est plus sociale; elle fait plus d'heureux que l'orgueil; car il est rare de n'être pas heureux d'une chose dont on est vain.
Discours préliminaire du nouveau dictionnaire de la langue Française - Volume 1 - Página 171 http://books.google.com.br/books?id=ZHpFAAAAcAAJ&pg=PA171, Antoine de Rivarol - 1797

Benjamin Franklin photo

„O orgulho que se alimenta da vaidade termina em desprezo.“

—  Benjamin Franklin político e fundador dos EUA 1706 - 1790

Pride that dines on vanity, sups on contempt.
"Political Essays - Poor Richard's Almanac. - The Way to Wealth" in "Memoirs of Benjamin Franklin"‎ - Volume II Página 479 http://books.google.com.br/books?id=EYiyAAAAIAAJ&pg=PA479, de Benjamin Franklin, William Temple Franklin, William Duane - Publicado por M'Carty & Davis, 1834

Claude Prosper Jolyot De Crébillon photo

„O que estamos procurando? Amor? Provavelmente não. Queremos satisfazer nossa vaidade, nós sempre falamos, movendo-nos de mulher para mulher, só para não perder uma, vai após as conquistas, mesmo as mais desprezíveis: mas vão ter havido um número, que tem apenas um digno de agradar; procurá-las constantemente, e não amá-las.“

—  Claude Prosper Jolyot De Crébillon 1707 - 1777

qu’y cherchons-nous? L’amour? Non, sans doute. Nous voulons satisfaire notre vanité, faire sans cesse parler de nous ; passer de femme en femme ; pour n'en pas manquer une, courir après les conquêtes, même les plus méprisables : plus vains d'en avoir eu un certain nombre, que de n'en posséder qu'une digne de plaire ; les chercher sans cesse, et ne les aimer jamais.
Le sopha: conte moral - Página 285 http://books.google.com.br/books?id=sN2JcaRRE_QC&pg=PA285, Claude-Prosper Jolyot de Crébillon - Rozez, 1869 - 358 páginas

Fernando Pessoa photo

„Cada um tem a sua vaidade, e a vaidade de cada um é o seu esquecimento de que há outros com alma igual.“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

"Autobiografia sem Factos". (Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p. 88)
Autobiografia sem Factos

Honoré De Balzac photo

„Deve-se deixar a vaidade aos que não têm outra coisa para exibir.“

—  Honoré De Balzac Escritor francês 1799 - 1850

vanity should be left to those who have nothing else to recommend them
Comédie Humaine,: . A woman of thirty (La femme de trente ans) - página 108, Honoré de Balzac, George Saintsbury - J.M. Dent, 1897

Honoré De Balzac photo

„Ser ciumento é o cúmulo do egoísmo, é o amor-próprio defeituoso, e a irritação de uma falsa vaidade.“

—  Honoré De Balzac, livro Physiologie du mariage

Être jaloux, c'est tout à la fois le comble de l'égoïsme, l'amour-propre en défaut, et l'irritation d'une fausse vanité.
Physiologie du mariage, ou, Méditations de philosophie éclectique sur le bonheur et le malheur conjugal‎ - Página 495 http://books.google.com.br/books?id=RpMGAAAAQAAJ&pg=RA2-PA495, de Honoré de Balzac - Publicado por Charpentier, 1840 - 393 páginas

Massimo D'Azeglio photo

„A vaidade quer aplauso.“

—  Massimo D'Azeglio 1798 - 1866

Fonte: "I Miei Ricordi"

Paulo Zulu photo

„Vaidade não é privilégio de mulher“

—  Paulo Zulu 1963

À Revista Istoé, edição 1.753.

Tony Ramos photo

„Sou bem-resolvido. Gosto do meu nariz e da barriguinha. Minha verdadeira vaidade é ter uma sólida trajetória na tevê, no cinema e no teatro“

—  Tony Ramos Ator brasileiro 1948

Ao festejar 40 anos de carreira; citado em Revista ISTOÉ Gente, edição 333 http://www.terra.com.br/istoegente/333/frases/index.htm

Humberto Gessinger photo

„Vaidades que a terra um dia há de comer“

—  Humberto Gessinger 1963

na música Dom Quixote http://letras.terra.com.br/engenheiros-do-hawaii/72889/

Grazi Massafera photo

„Me dê as flores em vida / O carinho, a mão amiga, / Para aliviar meus ais. / Depois que eu me chamar saudade / Não preciso de vaidade / Quero preces e nada mais“

—  Guilherme de Brito cantor brasileiro 1922 - 2006

da música "Quando Eu Me Chamar Saudade" (1974), de Música de Nelson Cavaquinho e letra de Guilherme de Brito http://www.paixaoeromance.com/70decada/quando_eu/hquando_eu_me_chamar_saudade.htm

Bruna Marquezine photo

„Vaidade tem limite. Sou vaidosa, sim, mas não sou neurótica. Não uso maquiagem no dia a dia. Como a Belezinha usa muito, eu evito. Adoro me produzir, mas guardo para situações mais especiais. Cuido do meu corpo e estou fechando a boca por causa das cenas de biquíni.“

—  Bruna Marquezine Atriz brasileira 1995

Respondendo à pergunta “Em Aquele Beijo, sua personagem é miss. Como você lida com a vaidade?”
Verificadas
Fonte: Quem Online. Data: 24 de novembro de 2011.
Fonte: Bruna Marquezine: "Não fico com alguém só por ficar", Karina Craveiro, Quem Online, 24 de novembro de 2011 http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI280868-9531,00-BRUNA+MARQUEZINE+NAO+FICO+COM+ALGUEM+SO+POR+FICAR.html,

„Eu tenho a vaidade pelo trabalho, de fazer o que a personagem pede. Por mim, eu nem fazia as unhas.“

—  Vivianne Pasmanter 1971

Fonte: Revista ISTO É Gente, Edição 369 http://www.terra.com.br/istoegente/369/frases/index.htm

Guta Stresser photo

„Minha vaidade não paga o sacrifício da malhação“

—  Guta Stresser Atriz 1972

prefere andar na praia a encarar uma academia
Fonte:Revista ISTO É, Edição 1730

„Comecei a carreira fotografando prostitutas. Por vaidade ou necessidade, elas se dispunham a posar e, ao mesmo tempo, me ensinavam um pouco da vida.“

—  Luiz Tripolli 1949

ISTOÉ Gente Pioneiro das lentes http://www.terra.com.br/istoegente/189/reportagens/pioneiro_telas.htm 17/03/2003

Gino Amleto Meneghetti photo

„Jamais roubei um pobre. Só me interessava tirar dos ricos, e tirar jóias, que são bens supérfluos que só servem para alimentar a sua vaidade.“

—  Gino Amleto Meneghetti 1878 - 1976

reportagem de Miguel Roberto Nítolo, Revista Problemas Brasileiros, nº 333 http://www.sescsp.org.br/sesc/revistas_sesc/pb/artigo.cfm?Edicao_Id=60&breadcrumb=1&Artigo_ID=453&IDCategoria=689&reftype=1; mai/jun 1999

Zizi Possi photo
Fernando Pessoa photo
Fernando Pessoa photo
Leandra Leal photo
Marquês de Maricá photo
Marquês de Maricá photo
Taís Araújo photo
Vergílio Ferreira photo
Robert Louis Stevenson photo
Hugo Von Hofmannsthal photo
François de La  Rochefoucauld photo
Jean-pierre Claris De Florian photo
Ambrose Bierce photo
Padre Antônio Vieira photo
Fernando Pessoa photo
Tati Bernardi photo
François de La  Rochefoucauld photo
Henry Billings Brown photo
Millôr Fernandes photo

„Não ter vaidades é a maior de todas.“

—  Millôr Fernandes cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro. 1923 - 2012

François de La  Rochefoucauld photo
Jonathan Swift photo

„Repetem-nos na escola: 'A vaidade é o prato dos parvos'. Mas os sábios também condescendem em comer dele muitas vezes.“

—  Jonathan Swift Escritor anglo-irlandês conhecido pela sua obra "As Viagens de Gulliver" 1667 - 1745

Variante: Repetem-nos na escola: A vaidade é o prato dos parvos. Mas os sábios também condescendem em comer dele muitas vezes.

Miguel de Unamuno photo
Bernard le Bovier de Fontenelle photo
Marquês de Maricá photo
Jaime Balmes photo
Nicolas Chamfort photo
Milan Kundera photo
François de La  Rochefoucauld photo