Frases sobre a inveja

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da inveja, ser, outro, homem.

Melhores frases sobre a inveja

Cícero photo
Selton Mello photo
Eleanor Roosevelt photo
Mark Twain photo

„Todo o homem que alcança sucesso torna-se objecto de inveja e suspeita.“

—  Mark Twain escritor, humorista e inventor norte-americano 1835 - 1910

Honoré De Balzac photo
Arthur Schopenhauer photo
Bertrand Russell photo

„Inveja é a base da democracia.“

—  Bertrand Russell, livro The Conquest of Happiness

The Conquest of Happiness (A Conquista da Felicidade), VI, 1930.
Original: Envy is the basis of democracy.

Francisco de Assis photo

Todas frases sobre a inveja

Total 248 citações inveja, filtro:

Winston Churchill photo

„Árvore do rio


Porque ele é como a árvore plantada junto às águas… v.8


Esta árvore era digna de inveja. Crescendo na propriedade ribeirinha, não precisava se preocupar com boletins meteorológicos, temperaturas devastadoras, ou um futuro incerto. Nutrida e resfriada pelo rio, passou os seus dias levantando seus ramos para o sol, sedimentando a terra com as suas raízes, limpando o ar com suas folhas e oferecendo sombra a todos os que precisavam refugiar-se do sol.

Em contraste a isso, o profeta Jeremias apontou para um arbusto (17:6). Quando as chuvas pararam e o sol do verão transformou o chão em poeira, o mato murchou, não oferecendo sombra ou fruta para ninguém.

Por que o profeta compararia uma frondosa árvore a um arbusto murcho? Ele queria que o seu povo se lembrasse do que tinha acontecido desde o seu resgate milagroso dos campos de escravidão do Egito. Por 40 anos no deserto, eles viveram como a árvore plantada junto a um rio (2:4-6). No entanto, na prosperidade de sua Terra Prometida eles esqueceram a sua própria história; confiaram em si mesmos e em deuses que eles mesmo criaram (v.8), até ao ponto de voltar ao Egito em busca de ajuda (42:14).

Assim Deus, por intermédio de Jeremias, exortou, amorosamente, os filhos esquecidos de Israel para esperar e confiar no Senhor e ser como a árvore e não como o arbusto.

Vamos lembrar em tempos bons 
o que aprendemos em dias de angústia. Mart De Haan“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„O que trazemos de volta


Fui moço e […] sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão. v.25


John F. Burns passou 40 anos cobrindo eventos mundiais para um renomado jornal internacional. Num artigo escrito depois de sua aposentadoria em 2015, Burns lembrou-se das palavras de um amigo próximo e colega jornalista que estava morrendo de câncer. “Nunca se esqueça”, seu colega disse: “Não é o quão longe você viajou; é o que você trouxe de volta.”

O Salmo 37 poderia ser considerado a lista de Davi do que ele “trouxe de volta” de sua jornada de vida, de pastor a soldado e rei. O salmo é uma série de dísticos contrastando os ímpios com os justos, e afirmando aqueles que confiam no Senhor.

“Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Pois eles dentro em breve definharão como a relva e murcharão como a erva verde” (vv.1,2).

“O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão” (vv.23,24).

“Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (v.25).

O que Deus nos ensinou de nossas experiências na vida? Como experimentamos Sua fidelidade e amor? De que forma o amor do Senhor moldou nossa vida?

Não é o quão longe viajamos na vida que conta, mas o que trouxemos de volta.

À medida que os anos passam, 
a fidelidade de Deus continua se multiplicando. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Limpeza da casa


Despojando-vos, portanto, de toda maldade e dolo, de hipocrisias e invejas e de toda sorte de maledicências. 2:1


Troquei de quartos e isso levou mais tempo do que o esperado. Eu não queria transferir minha extensa bagunça ao outro cômodo; mas recomeçar bem organizado. Depois de horas de limpeza e triagem, os sacos de objetos estavam prontos para serem descartados, doados ou reciclados. Porém, no final, um belo quarto me esperava e eu poderia me reorganizar.

Isso me trouxe uma nova perspectiva ao ler 1 Pedro 2:1, na paráfrase bíblica A Mensagem: “Por isso, limpem a casa! Tratem de varrer tudo que é malícia, fingimento, inveja e comentários maldosos.” Depois de uma alegre confissão de sua nova vida em Cristo (1:1-12) Pedro os exorta a jogar fora os hábitos destrutivos (1:13–2:3). Quando a nossa caminhada com o Senhor se torna confusa e o amor por outros está tenso, isso não deve nos fazer questionar nossa salvação. Não mudamos nossa vida para sermos salvos, mas porque somos salvos (1:23).

Da mesma maneira que a nossa nova vida em Cristo é verdadeira, os maus hábitos adquiridos não desaparecem do dia para a noite. Cada dia, precisamos “limpar a casa”, jogar fora tudo o que nos impede de amar os outros (1:22) e amadurecer (2:2). No espaço novo e limpo, experimentamos a maravilha de sermos recém- -construídos (v.5) pelo poder e pela vida de Cristo.

Todos os dias podemos rejeitar os hábitos destrutivos 
e experimentar a nova vida em Jesus. Monica Brands“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Winston Churchill photo
Olavo de Carvalho photo
Martinho Lutero photo
William Shakespeare photo
Kurt Cobain photo

„Há já muitos anos que não sinto nenhuma emoção nem ao ouvir música nem ao criá-la, bem como ler e escrever, e isto faz-me sentir terrivelmente culpado. Quando estávamos nos bastidores, as luzes diminuíam e da multidão subia um rugido maníaco mas aquele momento não me fazia o efeito que faria, por exemplo, o Freddie Mercury, que parecia adorar e absorver energia do público – o que é uma coisa que totalmente admiro e invejo. O fato é que não consigo enganar vocês, nenhum de vocês. Simplesmente não é justo para vocês e para mim. O pior crime que posso imaginar seria enganar as pessoas sendo falso e fingindo que estou me divertindo a 100 por cento. Às vezes, antes de entrar para o palco, sentia-me como se tivesse um relógio a bater dentro de mim. Tentei tudo que está em meus poderes para gostar disso (e eu gosto, Deus, acreditem-me, eu gosto, mas não o suficiente). Agrada-me o fato de que eu e nós atingimos e divertimos uma porção de gente. Devo ser um daqueles narcisistas, uma daquelas pessoas que goza as coisas somente quando está sozinha. Sou demasiado sensível. Preciso ficar um pouco dormente para ter de volta o entusiasmo que eu tinha quando criança. Em nossas últimas três turnês, tive um reconhecimento por parte de todas as pessoas que conheci pessoalmente e dos fãs de nossa música, mas ainda não consigo superar a frustração, a culpa e a empatia que tenho por todos. Existe o bom em todos nós e acho que eu simplesmente amo as pessoas demais, tanto que chego a me sentir mal. O triste, sensível, insatisfeito, pisciano, pequeno homem de Jesus. Por que você simplesmente não aproveita? Eu não sei! Tenho uma esposa que é uma deusa, que transpira ambição e empatia, e uma filha que me lembra demais como eu costumava ser, cheia de amor e alegria, beijando todo mundo que encontra porque todo mundo é bom e não vai fazer mal a ela. Isto me aterroriza a ponto de eu mal conseguir funcionar. Não posso suportar a ideia de Frances se tornar o triste, autodestrutivo e mórbido roqueiro que eu virei. Eu tive muito, muito mesmo, e sou grato por isso, mas desde os meus sete anos de idade passei a ter ódio de todos os humanos em geral… e isto só porque amo demasiado e sinto demais por todas as pessoas, pelo menos eu acho. Agradeço-vos a todos do fundo do meu estômago queimado de náusea pelas vossas cartas e por se terem preocupado comigo durante os anos passados. Eu sou mesmo um bebê errático e triste e, agora, não tenho mais paixão. Assim, recordem-se que é melhor arder numa só labareda do que enferrujar a pouco e pouco. Paz, amor, Empatia. Kurt Cobain.“

—  Kurt Cobain Vocalista, guitarrista, compositor e músico 1967 - 1994

Texto de Kurt encontrado ao lado do seu cadáver a 8 de Abril de 1994

Machado de Assis photo

„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Esquilo photo
Wilhelm Reich photo
Miguel de Cervantes photo

„Essa enfermidade a que os amantes chamam de ciúme, e a que melhor chamariam desespero raivoso, tem por componentes a inveja e o menosprezo. Quando tal enfermidade domina a alma enamorada, não existe ponderação que a sossegue, nem remédio que a possa curar.“

—  Miguel de Cervantes 1547 - 1616

esta enfermedad que los amantes llaman celos, que la llamaran mejor desesperacion rabiosa, entran ála parte con ella la envidia y el menosprecio, y cuando una vez se apodera del alma enamorada, no hay consideracion que la sosiegue, ni remedio que la valga
Trabajos de Persiles y Sigismunda - página 255 http://books.google.com.br/books?pg=PA255, Miguel de Cervantes Saavedra, Librería de San Martín, Plus Ultra, 1859, 360 páginas

Milan Kundera photo

„Os cães são o nosso elo com o paraíso. Eles não conhecem a maldade, a inveja ou o descontentamento. Sentar-se com um cão ao pé de uma colina numa linda tarde, é voltar ao Éden onde ficar sem fazer nada não era tédio, era paz.“

—  Milan Kundera 1929

citado em "Dolly mudou a minha vida" - Página 7, Christiane Campello Costa, Editora AGE Ltda, 2008, ISBN 8574974188, 9788574974187, 174 páginas
Atribuídas

Bob Marley photo

„Para que terei inveja de seus olhos verdes se o vermelho dos meus olhos vem do verde da natureza.“

—  Bob Marley foi um cantor, guitarrista (raggae) e compositor jamaicano famoso por popularizar o gênero 1945 - 1981

Paulo Coelho photo

„Era uma vez um pássaro. Adornado com um par de asas perfeitas e plumas reluzentes, coloridas e maravilhosas. Enfim, um animal feito para voar livre e solto no céu, e alegrar quem o observasse.
Um dia, uma mulher viu o pássaro e apaixonou-se por ele. Ficou a olhar o seu voo com a boca aberta de espanto, o coração batendo mais rapidamente, os olhos brilhando de emoção. Convidou-o para voar com ela, e os dois viajaram pelo céu em completa harmonia. Ela admirava, venerava, celebrava o pássaro.

Mas então pensou: talvez ele queira conhecer algumas montanhas distantes! E a mulher sentiu medo. Medo de nunca mais sentir aquilo com outro pássaro. E sentiu inveja, inveja da capacidade de voar do pássaro.

E sentiu-se sozinha.
E pensou: “vou montar uma armadilha. Da próxima vez que o pássaro surgir, ele não partirá mais.”

O pássaro, que também estava apaixonado, voltou no dia seguinte, caiu na armadilha, e foi preso na gaiola.

Todos os dias ela olhava o pássaro. Ali estava o objecto da sua paixão, e ela mostrava-o ás suas amigas, que comentavam: “Mas tu és uma pessoa que tem tudo.” Entretanto, uma estranha transformação começou a processar-se: como tinha o pássaro, e já não precisava de o conquistar, foi perdendo o interesse. O pássaro sem puder voar e exprimir o sentido da sua vida, foi definhando, perdendo o brilho, ficou feio – e a mulher já não lhe prestava atenção, apenas prestava atenção á maneira como o alimentava e como cuidava da sua gaiola.

Um belo dia o pássaro morreu. Ela ficou profundamente triste, e passava a vida a pensar nele. Mas não se lembrava da gaiola, recordava apenas o dia em que o vira pela primeira vez, voando contente entre as nuvens.
Se ela se observasse a si mesma, descobriria que aquilo que a emocionava tanto no pássaro era a sua liberdade, a energia das asas em movimento, não o seu corpo físico.
Sem o pássaro a sua vida também perdeu o sentido, e a morte veio bater á sua porta. “Por que vieste?” perguntou á morte. “Para que possas voar de novo com ele nos céus”, respondeu a morte. “Se o tivesses deixado partir e voltar sempre, amá-lo-ias e admirá-lo-ias ainda mais; porém, agora precisas de mim para puderes encontrá-lo de novo.“

—  Paulo Coelho, livro Onze Minutos

Eleven Minutes

Esquilo photo
François de La  Rochefoucauld photo
Brian Weiss photo

„A vida é uma escola. Estamos aqui para aprender compaixão, não-violência, fé e caridade. Estamos aqui para desaprender as emoções negativas como medo, raiva, inveja e ganância.“

—  Brian Weiss 1944

Life is a school. We are here to learn compassion, non-violence, faith and charity. We are here to unlearn negative emotions like fear, anger, jealousy, and greed.
BrianWeiss.com - Consider This...! Life is a school http://www.brianweiss.com/consider/c26.html

Sandra Bullock photo
Kurt Cobain photo
Salvador Dalí photo

„O termômetro do sucesso é apenas a inveja dos descontentes.“

—  Salvador Dalí 1904 - 1989

Variante: O termômetro do sucesso é meramente a inveja dos descontentes.

Antístenes photo
Madonna photo

„Tenho inveja das pessoas que não têm inveja de nada.“

—  Madonna Cantora, compositora, atriz, diretora e produtora musical dos Estados Unidos 1958

Victor Hugo photo

„Ser-se canhoto é circunstância digna de inveja“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Les Misérables

Aldous Huxley photo
Jean de La Bruyere photo

„O homem que diz não ter nascido feliz, podia ao menos vir a sê-lo mediante a felicidade dos amigos e parentes. A inveja priva-o deste ultimo recurso.“

—  Jean de La Bruyere, livro Les Caractères ou les Mœurs de ce siècle

L'homme qui dit qu'il n'est pas né heureux pourrait du moins le devenir par le bonheur de ses amis ou de ses proches. L'envie lui ôte cette dernière ressource
Jean de La Bruyère in: Les Caractères, ou les mœurs de ce siècle, La Bruyère, éd. Estienne Michallet, 1696, - Les Caractères - De l'homme (veja wikisource, item 22 (IV))

Jean de La Bruyere photo

„O ciúme jamais está isento de uma ponta de inveja. Freqüentemente essas duas paixões estão confundidas.“

—  Jean de La Bruyere 1645 - 1696

Toute jalousie n'est point exempte de quelque sorte d'envie, et souvent même ces deux passions se confondent.
Oeuvres de La Bruyère‎ - Página 56 http://books.google.com.br/books?id=5maDHUQkqEEC&pg=PA56, Jean de La Bruyere - chez A. Belin, imprimeur-libraire, 1820 - 416 páginas
Variante: O ciúme nunca está isento de certa espécie de inveja, e frequentemente se confundem essas duas paixões.

Milton Friedman photo
Stendhal photo

„Não tenho 20 luíses de renda por ano e encontrei-me lado a lado com um homem que tem 20 luíses de renda por hora e ainda assim riam dele… Um espetáculo como esse cura a gente da inveja.“

—  Stendhal 1783 - 1842

Julien Sorel pensando consigo mesmo, no capítulo IV da segunda parte"
O Vermelho E O Negro

Anatole France photo
Esquilo photo
Friedrich August von Hayek photo
Pedro Nava photo

„Nós não tivemos esse erro, ao contrário, usamos e abusamos da pimenta que nos veio da África, mas, por outro lado, temos como política imigratória, o não Ter política e, sim, um open door imprevidente e perigoso. No caminho que adotamos, podemos dar numa maionese perfeita, mas, como estes molhos, quando mal batidos - podemos desandar. O Brasil é sempre menos de portugueses e emigrantes e mais de indesejáveis entrantes - esquecendo que cada galego, por mais bruto e rude que seja, traz-nos cromossomos semelhantes aos navegadores, colonizadores e degredados - mantendo a nossa possibilidade de repetir um Nunálvares, um Mestre de Alviz, um Camões, um Herculano, um Egas Moniz, um Eça, um Antônio Nobre, um Fernando Pessoa. E não são eles mesmos que já repontaram aqui nos que escorraçaram o batavo e o francês e no gênio de José de Alencar, Machado de Assis, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade? Eu sei que não é possível princípios racistas no Brasil. Mas ao menos tenhamos uma imigração onde se procure manter a boa unidade do galinheiro. Não falo em unidade racial, Deus me livre! Peço é unidade cultural. Impossível é continuar nessa tentativa absurda de cruzar galinha com papagaio e pato com pomba-rola. Isso que se vê por aí não é democracia nem falta de preconceito, não, meus quindins. Isso não dá ovo e chama-se burrice. Mantenhamo-nos um pouco caboclos (orgulhosamente), bastante mulatos (gloriosamente), mas, principalmente, sejamos lusitanos. Vinde a nós portugas, galegos, mondrongos - mesmo se fordes da mesma massa de degredados que chegaram com os primeiros povoadores. O que esses tão degredados eram, não tinha nada demais. Ladrões? Assassinos? Nada disto. Criminosos sexuais, simpáticos bandalhos. Baste ler as Ordenanças e verificar a maioria dos motivos de degredo para o Brasil: comer mulher alheia, deflorar, estuprar, ser corno complacente e mais, e mais, e mais ainda - entretanto, nada de se temer. Fazer lembrar as delinqüências brejeiras de que um juiz mineiro que conheci, dizia, com inveja e depois de julgar -serem, exatamente, as que ele, juiz, tinha vontade de perpetrar.“

—  Pedro Nava, livro Baú de Ossos

Baú de Ossos

Hans Staden photo

„Não o fazem por fome, mas por ódio e inveja, e quando combatem na guerra gritam um para o outro: para vingar a morte de meus amigos, estou aqui; tua carne será hoje, antes que o sol entre, meu assado.“

—  Hans Staden Mercenário alemão 1525 - 1579

Sobre o canibalismo tupi; De Hans Staden, “Viagem ao Brasil”, 1557. http://purl.pt/151/1/P1.html

Pietro Metastasio photo
Marquês de Vauvenargues photo
Cornélio Nepos photo
Gustavo Barroso photo
William Shakespeare photo
Paolo Mantegazza photo
Francesco Petrarca photo
Carlos Ruiz Zafón photo

„A inveja é um cego que quer arrancar os olhos do outro.“

—  Carlos Ruiz Zafón, livro Marina

Marina

Oswald Spengler photo

„A Cultura, conjunto das formas artificiais, pessoais e próprias da vida, desenvolve-se até se transformar numa jaula de barras estreitas para a alma indomável. (…) A desejada fuga da absorção pelo grande número assume várias formas - o domínio desse grande número, a fuga dele ou o desprezo. A ideia de personalidade, em seu sombrio despontar, é um protesto contra o homem da massa. E a tensão entre ambos cresce cada vez mais até um trágico final.

O ódio, o mais legítimo de todos os sentimentos raciais do animal de rapina, pressupõe o respeito pelo adversário. Há nele um reconhecimento de igualdade em categoria espiritual. Mas o animal de rapina despreza os seres que estão por baixo. E os seres que estão por baixo são invejosos. Todos os contos, todos os mitos divinos, todas as legendas heróicas estão cheios desses motivos. A águia odeia apenas os seus iguais, não inveja ninguém, despreza a muitos, ou melhor, a todos.

O desprezo olha das alturas para baixo. A inveja espreita de baixo para cima. Esses são os dois sentimentos universais históricos da humanidade organizada em Estado e classes. Seus exemplares pacíficos sacodem, impotentes, as grades da jaula em que estão presos todos juntos. Desse fato e de suas consequências nada os pode livrar. Assim foi e assim há de ser, ou então nada no mundo poderá ser. Esse fato do respeito e do desprezo tem um sentido. Alterá-lo é impossível. O destino do homem está seguindo o seu curso e tem de ser cumprido.“

—  Oswald Spengler 1880 - 1936

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Francis Bacon photo

„Inveja nunca saí de férias.“

—  Francis Bacon página de desambiguação da Wikimedia 1561 - 1626

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Jules De Goncourt photo

„Há apenas duas correntes na história humana: a torpeza que cria os conservadores e a inveja que cria os revolucionários.“

—  Jules De Goncourt 1830 - 1870

Il n'ya que deux grands courants dans l'histoire de l'humanité : la bassesse qui fait les conservateurs et l'envie qui fait les révolutionnaires.
Journal des Goncourt--Mémoires de la vie littéraire ...‎ - Volume 3, Página 142, Jules de Goncourt - G. Charpentier, 1888

Liam Gallagher photo
Miguel de Unamuno photo

„A inveja é filha da superficialidade da mente e da falta de preocupações“

—  Miguel de Unamuno 1864 - 1936

La envidia es hija de la superficialidad mental y de la falta de grandes preocupaciones íntimas
Obras completas‎ - v.4 Página 423, de Miguel de Unamuno - Publicado por A. Aguado, 1958

Oscar Levant photo

„Invejo as pessoas que bebem. Pelo menos têm alguma coisa em que botar a culpa.“

—  Oscar Levant 1906 - 1972

citado em "Frases Geniais‎" - Página 327, de Paulo Buchsbaum, Jaguar - Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335 - 440 páginas

Antoine de Rivarol photo

„O homem modesto tem tudo a ganhar e o orgulhoso tudo a perder: é que a modéstia tem sempre a ver com a generosidade e o orgulho com a inveja.“

—  Antoine de Rivarol 1753 - 1801

L'homme modeste a tout à gagner, et l'orgueilleux a tout à perdre: car la modestie a toujours affaire à la générosité, et l'orgueil à l'envie.
Esprit de Rivarol - Página 63 http://books.google.com.br/books?id=i6gWAAAAQAAJ&pg=PA63, Antoine de Rivarol - Impr. H. Perronneau, 1808 - 258 páginas

Woody Allen photo

„Discordo de Freud. Não acho que a inveja do pênis seja exclusiva das mulheres.“

—  Woody Allen cineasta, roteirista, escritor, ator e músico norte-americano 1935

Giuseppe Tomaso di Lampedusa photo
Niceto Alcalá Zamora photo

„Os ataques da inveja são os únicos em que o agressor, se pudesse, preferia fazer o papel da vítima.“

—  Niceto Alcalá Zamora 1877 - 1949

Fonte: "Pensamentos e Reflexões"

Epiteto photo
Richard Steele photo

„Difícil pensar em pior caráter que o do bajulador, exceto quem o inveja.“

—  Richard Steele 1672 - 1729

I cannot think of any character below the flatterer, except he that envies him.
The Tatler; or, Lucubrations of Isaac Bickerstaff, esq‎ - Volume 3, Página 499 http://books.google.com.br/books?id=-_ZDAAAAYAAJ&pg=PA499, Sir Richard Steele, Joseph Addison - Printed for Harrison and co., 1785 - 641 páginas

Natalie Paley photo

„Amo-te tanto que não tenho inveja de ti.“

—  Natalie Paley 1905 - 1981

carta a Paul Morand

Júlio César de Mello e Souza photo

„A inveja quando se apodera de um homem abre em sua alma caminho a todos os sentimentos desprezíveis e torpes.“

—  Júlio César de Mello e Souza 1895 - 1974

Narrador da história de Beremiz.
O homem que calculava

Padre Antônio Vieira photo
Buda photo

„Aquele que inveja outros não tem paz.“

—  Buda Foi um príncipe e fundador do budismo -563 - -483 a.C.

Atribuídas

Mahátma Gándhí photo
Patrick Dempsey photo

„Eu entrava sempre com uma atitude amarga. Não é uma desculpa porque eu sinto essa decepção, essa inveja.“

—  Patrick Dempsey 1962

Sobre o facto de não ter conseguido fazer carreira no cinema durante muito tempo.
Carreira

Flávia Alessandra photo

„O maior desafio foi resgatar o lado sombra: a inveja e a raiva“

—  Flávia Alessandra Atriz brasileira 1974

sobre interpretar a vilã Cristina em Alma Gêmea; no Domingão do Faustão, da Rede Globo

Chico Xavier photo
Gianne Albertoni photo

„É claro que ninguém fica rezando para você quebrar uma perna, mas existe sim inveja no mundo da moda.“

—  Gianne Albertoni 1981

top model que vai estrear como atriz no papel de uma modelo invejosa na novela Cristal
Fonte: Revista ISTO É Gente, Edição 358

Dercy Gonçalves photo

„Ah, viajar é comigo! Aí uma coisa que não me saiu ainda: a inveja. Quando [alguém] vai viajar eu fico com inveja… Eu queria ir!“

—  Dercy Gonçalves 1907 - 2008

Em Entrevista no Programa Roda Viva da TV Cultura http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/430/entrevistados/dercy_goncalves_1995.htm

Jasmin St. Claire photo

„Existe muita inveja no meio em que trabalho e sinto isso muito mais depois da projeção causada pelo recorde.“

—  Jasmin St. Claire Atriz americana 1972

entrevista http://www.lost.art.br/yasmint.htm concedida em São Paulo

Letícia Spiller photo

„A mulher quando não tem personalidade tende a sentir inveja e a se comparar com as outras“

—  Letícia Spiller atriz brasileira 1973

No dia 24 de fevereiro de 2006, no Video Show, da TV Globo

Padre Antônio Vieira photo
Padre Antônio Vieira photo
Khalil Gibran photo
Virgilio photo

„A inveja, como o vento, açoita sempre os cumes mais altos.“

—  Virgilio poeta romano clássico, autor de três grandes obras da literatura latina -70 - -19 a.C.

Lucio Anneo Seneca photo
Padre Antônio Vieira photo
François de La  Rochefoucauld photo
Machado de Assis photo
Voltaire photo

„Entendo e quase invejo a gentil e inocente alegria dos comuns, mas amo a angústia de ser incomum.“

—  Voltaire volter também conhecido como bozo foia dona da petrobras e um grande filosofo xines 1694 - 1778

Friedrich Nietzsche photo
Antoine de Rivarol photo
William Shakespeare photo
Gregorio Marañón photo

„Os homens de mérito não precisam cuidar da sua fama; a inveja dos tolos e dos petulantes se encarrega de propagá-la“

—  Cándido Nocegal y Rodríguez de la Flor

Variante: Os homens de mérito não precisam cuidar da sua fama; a inveja dos tolos e dos petulantes se encarrega de propagá-la.

Paolo Mantegazza photo
Álvares de Azevedo photo