Frases sobre a natureza

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da natureza, homem, homens, ser.

Melhores frases sobre a natureza

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Vincent Van Gogh photo
Antoine Lavoisier photo
Euclides photo
Charles Darwin photo
Ralph Waldo Emerson photo
Marco Aurelio photo

„Nada sucede ao homem que sua natureza não seja capaz de suportar.“

—  Marco Aurelio 121 - 180

The Meditations, V, 18

Ralph Waldo Emerson photo

„Adote o ritmo da natureza: seu segredo é a paciência.“

—  Ralph Waldo Emerson 1803 - 1882

Adopt the pace of nature: her secret is patience
Lectures and Biographical Sketches‎ (1884) - Página 80, de Ralph Waldo Emerson - Publicado por Kessinger Publishing, 2004 ISBN 0766189198, 9780766189195 - 252 páginas

Ralph Waldo Emerson photo
Marilyn Monroe photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
John Muir photo

Todas frases sobre a natureza

Total 953 citações natureza, filtro:

Monteiro Lobato photo
Virginia Woolf photo
Nicolau Maquiavel photo
Ellen G. White photo

„A palavra destrói a natureza carnal, terrena, e comunica nova vida em Cristo Jesus.“

—  Ellen G. White Escritora norte-americana e líder da Igreja Adventista do Sétimo Dia 1827 - 1915

DTN, 391.

Carlos Ruiz Zafón photo
Max Planck photo
Robin Williams photo
Fiódor Dostoiévski photo

„O homem teme a morte porque ama a vida, e assim a natureza ordenou.“

—  Fiódor Dostoiévski escritor russo 1821 - 1881

Notas do Subterrâneo ou Memórias do subsolo, Os Demônios ou Os Possessos

Michel De Montaigne photo

„As leis da consciência, que se afirma terem vindo da natureza, vêm, na verdade, do costume.“

—  Michel De Montaigne 1533 - 1592

Les lois de la conscience que nous disons naître de nature, naissent de la coutume
Œuvres de Michel de Montaigne: avec une notice biographique - página 798 http://books.google.com.br/books?id=pd4_AAAAYAAJ&pg=PA798, Michel de Montaigne, ‎Jean Alexandre C. Buchon, ‎Jean-François Payen - A. Desrez, 1837
Fonte: Citações, 13 de Março de 2009, Revista Caras http://caras.uol.com.br/noticia/122303-cita%C3%A7%C3%B5es,

Michel De Montaigne photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Vincent Van Gogh photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Anne Frank photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Jane Austen photo
Anne Frank photo
Eliphas Levi photo
Marqués de Sade photo

„As paixões humanas não passam dos meios que a natureza utiliza para atingir os seus fins.“

—  Marqués de Sade Aristocrata francês e escritor libertino 1740 - 1814

les passions de l'homme ne sont que les moyens quelle emploie pour accélérer ses desseins.
La Nouvelle Justine, ou les Malheurs de la vertu (1799), Chapitre 5

Epicuro photo
Friedrich Schiller photo
Padre Antônio Vieira photo
Epicuro photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Claude Monet photo
Silas Malafaia photo
John Locke photo

„O estado de natureza caracteriza-se pela situação em que os homens vivem de acordo com a razão, sem um superior que lhes seja comum no planeta com autoridade para proferir julgamentos entre eles.“

—  John Locke Filósofo e médico inglês. pai do liberalismo clássico. 1632 - 1704

CAPÍTULO III
Segundo Tratado do Governo

Eça de Queiroz photo

„A arte é um resumo da natureza feito pela imaginação.“

—  Eça de Queiroz Escritor e diplomata português 1845 - 1900

Variante: A arte é um compêndio da natureza formado pela imaginação.

Lygia Fagundes Telles photo
José de Alencar photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Hubert Reeves photo
Bob Marley photo

„Para que terei inveja de seus olhos verdes se o vermelho dos meus olhos vem do verde da natureza.“

—  Bob Marley foi um cantor, guitarrista (raggae) e compositor jamaicano famoso por popularizar o gênero 1945 - 1981

Aristoteles photo

„É da natureza do desejo não ser satisfeito, e a maioria dos homens vive apenas para a satisfação do mesmo.“

—  Aristoteles, livro Política

Livro II, 1267.b4
Das partes dos animais, Política

Aristoteles photo

„A natureza não faz nada em vão.“

—  Aristoteles, livro Política

Vatiações: ...não faz nada sem propósito./não desperdiça nada.
Livro I, 1253.a8
Das partes dos animais, Política

Luis Fernando Verissimo photo
Clive Staples Lewis photo
Victor Hugo photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Victor Hugo photo
Søren Kierkegaard photo
Jean Jacques Rousseau photo
Sigmund Freud photo
Sigmund Freud photo
Arthur Schopenhauer photo

„O motor principal e fundamental no homem, bem como nos animais, é o egoísmo, ou seja, o impulso à existência e ao bem-estar. […] Na verdade, tanto nos animais quanto nos seres humanos, o egoísmo chega a ser idêntico, pois em ambos une-se perfeitamente ao seu âmago e à sua essência. Desse modo, todas as ações dos homens e dos animais surgem, em regra, do egoísmo, e a ele também se atribui sempre a tentativa de explicar uma determinada ação. Nas suas ações baseia-se também, em geral, o cálculo de todos os meios pelos quais procura-se dirigir os seres humanos a um objetivo. Por natureza, o egoísmo é ilimitado: o homem quer conservar a sua existência utilizando qualquer meio ao seu alcance, quer ficar totalmente livre das dores que também incluem a falta e a privação, quer a maior quantidade possível de bem-estar e todo o prazer de que for capaz, e chega até mesmo a tentar desenvolver em si mesmo, quando possível, novas capacidades de deleite. Tudo o que se opõe ao ímpeto do seu egoísmo provoca o seu mau humor, a sua ira e o seu ódio: ele tentará aniquilá-lo como a um inimigo. Quer possivelmente desfrutar de tudo e possuir tudo; mas, como isso é impossível, quer, pelo menos, dominar tudo: "Tudo para mim e nada para os outros" é o seu lema. O egoísmo é gigantesco: ele rege o mundo.“

—  Arthur Schopenhauer, livro A Arte de Insultar

Página 51
A Arte de Insultar

Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer photo
Jean Baudrillard photo

„O único referente que ainda funciona é o da maioria silenciosa. Todos os sistemas atuais funcionam sobre essa entidade nebulosa, sobre essa substância flutuante cuja existência não é mais social mas estatística, e cujo único modo de aparição é o da sondagem. Simulação no horizonte do social, ou melhor, no horizonte em que o social já desapareceu.

O fato de a maioria silenciosa (ou as massas) ser um referente imaginário não quer dizer que ela não existe. Isso quer dizer que não há mais representação possível. As massas não são mais um referente porque não têm mais natureza representativa. Elas não se expressam, são sondadas. Elas não se refletem, são testadas.
(…)Bombardeadas de estímulos, de mensagens e de testes, as massas não são mais do que um jazigo opaco, cego, como os amontoados de gases estelares que só são conhecidos através da análise do seu espectro luminoso - espectro de radiações equivalente às estatísticas e às sondagens. Mais exatamente: não é mais possível se tratar de expressão ou de representação, mas somente de simulação de um social para sempre inexprimível e inexprimido. Esse é o sentido do seu silêncio. Mas esse silêncio é paradoxal - não é um silêncio que fala, é um silêncio que proíbe que se fale em seu nome. E, nesse sentido, longe de ser uma forma de alienação, é uma arma absoluta.

Ninguém pode dizer que representa a maioria silenciosa, e esta é sua vingança. As massas não são mais uma instância à qual se possa referir como outrora se referia à classe ou ao povo. Isoladas em seu silêncio, não são mais sujeito (sobretudo, não da história), elas não podem, portanto, ser faladas, articuladas, representadas, nem passar pelo “estágio do espelho” político e pelo ciclo das identificações imaginárias. Percebe-se que poder resulta disso: não sendo sujeito, elas não podem ser alienadas - nem em sua própria linguagem (elas não têm uma), nem em alguma outra que pretendesse falar por elas. Fim das esperanças revolucionárias. Porque estas sempre especularam sobre a possibilidade de as massas, como da classe proletária, se negarem enquanto tais. Mas a massa não é um lugar de negatividade nem de explosão, é um lugar de absorção e de implosão.“

—  Jean Baudrillard, livro In the Shadow of the Silent Majorities

In the Shadow of the Silent Majorities

Albert Schweitzer photo

„Vivemos em uma época perigosa — o homem domina a natureza antes que tenha aprendido a dominar a si mesmo.“

—  Albert Schweitzer professor académico alemão 1875 - 1965

citado em "Frases Geniais" - Página 350, Paulo Buchsbaum - Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335440 páginas
Atribuídas

Arthur Schopenhauer photo

„decepção contínua e desilusão, bem como a natureza geral da vida, apresentam-se como previsto e calculado para despertar a convicção de que nada vale nossos esforços, nossos esforços e nossas lutas, que todas as coisas boas estão vazias e fugazes, que o mundo em todos os lados está falido, e que a vida é um negócio que não cobre os custos…“

—  Arthur Schopenhauer filósofo alemão 1788 - 1860

that continual deception and disillusionment, as well as the general nature of life, present themselves as intended and calculated to awaken the conviction that nothing whatever is worth our exertions, our efforts, and our struggles, that all good things are empty and fleeting, that the world on all sides is bankrupt, and that life is a business that does not cover the costs…
The world as will and representation, Volume 2 - página 574, Arthur Schopenhauer, Dover Publications, 1969
O Mundo como Vontade e Como Representação

Albert Einstein photo
Michail Bakunin photo
Louis Pasteur photo
Emily Dickinson photo
Adolf Hitler photo
Lao Tsé photo
Lao Tsé photo
Orhan Pamuk photo

„Quando aquela senhora que me lembrava minha tia disse que me conhecia, ela não estava dizendo que conhecia minha história de vida e minha família, que sabia onde eu morava, que escolas frequentei, os romances que escrevi e as dificuldades políticas que enfrentei. Nem que conhecia minha vida particular, meus hábitos pessoais ou minha natureza essencial e minha visão de mundo, que eu tentara expressar relacionando-as com minha cidade natal em meu livro Istambul. A velha senhora não estava confundindo a minha história com as histórias de minhas personagens fictícias. Ela parecia falar de algo mais profundo, mais íntimo, mais secreto, e senti que a entendia. O que permitiu que a tia perspicaz me conhecesse tão bem foram minhas próprias experiências sensoriais, que inconscientemente eu colocara em todos os meus livros, em todas as minhas personagens. Eu projetara minhas experiências em minhas personagens: como me sinto quando aspiro o cheiro da terra molhada de chuva, quando me embriago num restaurante barulhento, quando toco a dentadura de meu pai depois de sua morte, quando lamento estar apaixonado, quando eu consigo me safar quando conto uma mentirinha, quando aguardo na fila de uma repartição pública segurando um documento molhado de suor, quando observo as crianças jogando futebol na rua, quando corto o cabelo, quando vejo retratos de paxás e frutas pendurados nas bancas de Istambul, quando sou reprovado na prova de direção, quando fico triste depois que todo mundo deixou a praia no fim do verão, quando sou incapaz de me levantar e ir embora no final de uma longa visita a alguém apesar do adiantado da hora, quando desligo o falatório da TV na sala de espera do médico, quando encontro um velho amigo do serviço militar, quando há um súbito silêncio no meio de uma conversa interessante. Nunca me senti embaraçado quando meus leitores pensavam que as aventuras de meus heróis também haviam ocorrido comigo, porque eu sabia que isso não era verdade. Ademais, eu tinha o suporte de três séculos de teoria do romance e da ficção, que podia usar para me proteger dessas afirmações. E estava bem ciente de que a teoria do romance existia para defender e manter essa independência da imaginação em relação à realidade. No entanto, quando uma leitora inteligente me disse que sentira, nos detalhes do romance, a experiência da vida real que "os tornavam meus", eu me senti embaraçado como alguém que confessou coisas íntimas a respeito da própria alma, como alguém cujas confissões escritas foram lidas por outra pessoa.“

—  Orhan Pamuk escritor turco, vencedor do Prêmio Nobel de literatura de 2006 1952

The Naive and the Sentimental Novelist

Oscar Wilde photo
Tertuliano photo
Platão photo
Giordano Bruno photo
Blaise Pascal photo

„O que é o homem na natureza? Um nada em relação ao infinito, um tudo em relação ao nada, um ponto a meio entre nada e tudo.“

—  Blaise Pascal 1623 - 1662

Variante: O que é o homem na natureza? Um nada em comparação com o infinito, um tudo em face do nada, um intermediário entre o nada e o tudo.

Jürgen Habermas photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Cícero photo
Umberto Eco photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Charles Manson photo
Francis Bacon photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Mahavatar Babaji photo
Joseph McCabe photo
Maria Mitchell photo

„Qualquer fórmula que expressa uma lei da natureza é um hino de louvor a Deus.“

—  Maria Mitchell 1818 - 1889

Every formula which expresses a law of nature is a hymn of praise to God
Maria Mitchell: life, letters, and journals - página 185, Maria Mitchell, National American Woman Suffrage Association Collection (Library of Congress) - Lee and Shepard, 1896 - 293 páginas

Jean Jacques Rousseau photo

„O Homem é bom por natureza.“

—  Jean Jacques Rousseau 1712 - 1778

L'homme est bon par nature
citado em "Défense de l'ordre social contre le carbonarisme moderne: avec un jugement sur M. de La Mennais considéré comme écrivain, et une dissertation sur le romantisme, Volumes 1-2" - Página 18 http://books.google.com.br/books?id=9wlBAAAAYAAJ&pg=PA18&dq=Rousseau+%22l%27homme+est+bon+par+nature&hl=pt-BR&ei=q9onTOWSMcL7lwezm4CHAw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CCgQ6AEwADgo#v=onepage&q=Rousseau%20%22l%27homme%20est%20bon%20par%20nature&f=false, Pierre Denis Boyer - Le Clere, 1835 - 346 páginas
Atribuídas

Dante Alighieri photo

„O falar é um efeito natural;
mas, de um modo ou de outro, a natureza deixa o homem
escolher aquele que mais lhe agrada.“

—  Dante Alighieri italiano autor da epopéia, A divina comédia, considerado um entre os maiores poetas de todos os tempos; sua obra teve g… 1265 - 1321

José Saramago photo
John Dewey photo
Ludwig von Mises photo
Henry David Thoreau photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Isaque de Nínive photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Isaque de Nínive photo
William Somerset Maugham photo
Leonardo Da Vinci photo
Helen Keller photo
Paracelso photo
Roberto Fraga photo
Auguste Rodin photo

„A arte é a contemplação: é o prazer do espírito que penetra a natureza e descobre que ela também tem uma alma. É a missão mais sublime do homem, pois é o exercício do pensamento que busca compreender o universo, e fazer com que os outros o compreendam.“

—  Auguste Rodin Artista 1840 - 1917

Auguste Rodin citado em Natal: patrimonio histórico e cultural : homenagem aos 400 de Natal - página 16, Maria de Fátima Medeiros - Medeiros e Fully Editora, 1999 - 133 páginas
Atribuidas

„Sementes de dispersão


Mas o que foi semeado em boa terra […] produz a cem, a sessenta e a trinta por um. v.23.


Recebi um e-mail maravilhoso de uma mulher que escreveu: “Sua mãe foi minha professora de primeiro ano em 1958. Ela era uma grande professora, muito gentil, mas rigorosa! Ela nos fez memorizar o Salmo 23 e dizê-lo na frente da classe, e fiquei horrorizado. Mas esse foi o único contato que tive com a Bíblia até 1997, quando me tornei cristão. E as lembranças da Sra. McCasland inundaram minha mente enquanto eu relia a Bíblia.”

Jesus contou a uma grande multidão a parábola sobre o fazendeiro que semeou, e cujas sementes caíram em diferentes tipos de terreno, uma à beira do caminho, outra em solo rochoso, entre espinhos e, por fim, em bom terreno (vv.1-9). Enquanto algumas sementes nunca germinaram, “a semente que cai em terra boa refere-se a alguém que ouve a palavra e a entende” e “produz a cem, a sessenta e a trinta por um” o que foi semeado (v.23).

Durante os 20 anos que a minha mãe lecionou na primeira série nas escolas públicas, a leitura, a escrita e a aritmética, ela espalhou as sementes da bondade e a mensagem do amor de Deus.

O e-mail de seu ex-aluno concluía: “Tive outras influências em minha caminhada cristã mais tarde na vida, é claro. Mas meu coração sempre retorna ao Salmo 23 e à natureza gentil de sua mãe.”

Uma semente do amor de Deus semeado hoje pode produzir uma colheita extraordinária.

Nós semeamos — Deus produz a colheita. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Agatha Christie photo

„A natureza humana está cheia de incongruências.“

—  Agatha Christie, Murder at the Vicarage

Murder at the Vicarage

Marquês de Maricá photo
Mahátma Gándhí photo

„Aprecie a vista


Louvai-o, sol e lua; louvai-o, todas as estrelas luzentes. v.3


Pores do sol. As pessoas tendem a parar o que estão fazendo para observá-los, tirar fotos e apreciar a bela vista.

Minha esposa e eu assistimos ao pôr do sol no Golfo do México recentemente. Uma multidão de pessoas nos cercava, em sua maioria estranhos que tinham se reunido na praia para assistir a este fenômeno noturno. No momento em que o sol se pôs totalmente abaixo do horizonte a multidão irrompeu em aplausos.

Por que as pessoas reagem assim? O livro de Salmos oferece uma pista. O salmista escreveu sobre Deus ordenar o Sol para louvar o seu Criador (v.3). E por onde quer que os raios do sol brilhem em toda a Terra, as pessoas são tocadas para louvar junto com os astros.

A beleza da natureza nos fala à alma como poucas coisas o fazem. Ela não só tem a capacidade de nos interromper no que estivermos fazendo e cativar a nossa atenção, mas também tem o poder de nos fazer prestar mais atenção no Criador dessa beleza em questão.

A maravilha da imensa criação de Deus pode nos levar a fazer uma pausa e lembrarmo-nos do que é verdadeiramente importante. Em última análise, nos lembra de que existe um Criador no início e fim de cada dia; Alguém que amou tanto o mundo que criou a ponto de vir habitar nele, para redimir e restaurá-lo.

Junte-se a Deus em desfrutar 
de tudo o que Ele tem feito. Jeff Olson“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Mahátma Gándhí photo

„Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necesário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.“

—  Mahátma Gándhí líder político e religioso indiano 1869 - 1948

Variante: Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
George Washington Carver photo

„Minha atitude em relação à vida também era minha atitude em relação à ciência. Jesus disse que é preciso nascer de novo, e tornar-se criança. Ele não deve deixar preguiça, medo ou teimosia impedi-lo de cumprir seu dever. Se ele nascesse de novo, veria a vida a partir de tal plano, teria a energia de não ser impedido em seu dever por esses vários desvios e inibições. Meu trabalho, minha vida, deve estar no espírito de uma criança que busca apenas conhecer a verdade e segui-la. Somente o meu propósito deve ser o propósito de Deus - aumentar o bem-estar e a felicidade do Seu povo. A natureza não permitirá um vácuo. Será preenchido com alguma coisa. A necessidade humana é realmente um grande vácuo espiritual que Deus procura preencher ... Com uma mão na mão de um homem necessitado e a outra na mão de Cristo, Ele poderia atravessar o vácuo e eu me tornei um agente. Então a passagem, "Eu posso fazer todas as coisas através de Cristo que me fortalece", passou a ter um significado real. Enquanto eu trabalhava em projetos que atendiam a uma necessidade humana real, forças estavam trabalhando através de mim, o que me surpreendeu. Eu costumava dormir com um problema aparentemente insolúvel. Quando acordei, a resposta estava lá. Por que, então, nós que cremos em Cristo ficamos tão surpresos com o que Deus pode fazer com um homem disposto em laboratório? Algumas coisas devem ser desconcertantes para o crítico que nunca nasceu de novo.“

—  George Washington Carver 1864 - 1943

José de Alencar photo