Frases sobre traição

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da traição, coisa, ser, amor.

Melhores frases sobre traição

Theodore Roosevelt photo
Eleanor Roosevelt photo

„Se alguém trai você uma vez, a culpa é dele. Se trai duas vezes, a culpa é sua.“

—  Eleanor Roosevelt 1884 - 1962

If someone betrays you once, it is his fault; If he betrays you twice, it is your fault.
citado em "Defining moments: experiences of black executives in South Africa's workplace" - página 145, Wendy Luhabe, University of Natal Press, 2002, ISBN 1869140206, 9781869140205, 212 páginas
Atribuídas

Kurt Cobain photo

„Sou o pior no que faço de melhor E por este presente eu me sinto abençoado.“

—  Kurt Cobain Vocalista, guitarrista, compositor e músico 1967 - 1994

Theodore Roosevelt photo

„Faça o que puder, com o que tiver, onde estiver.“

—  Theodore Roosevelt 1858 - 1919

Do what you can, with what you have, where you are
The Works of Theodore Roosevelt - Volume: Through the Brazilian Wilderness And Papers on Natural History‎ - página xvii, de Theodore Roosevelt - Publicado por Cosimo, Inc., 2006, ISBN 1596058293, 9781596058293 - 440 páginas
Variante: Faça o que você pode, com o que você tem, no lugar onde você está!

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Martin Heidegger photo
Oscar Wilde photo

„A verdade jamais é pura e raramente é simples.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

The truth is rarely pure and never simple.
Sebastian Melmoth: (Oscar Wilde). - Página 23, Oscar Wilde - A.L. Humphreys, 1905 - 222 páginas
Sebastian Melmoth

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Oscar Wilde photo

„A cotação é um substituto útil da inteligência.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Todas frases sobre traição

Total 74 citações traição, filtro:

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
George Orwell photo
Cícero photo
Guy Fawkes photo

„Relembrem, relembrem o cinco de novembro

A traição e conspiração da pólvora

Não sei de nenhuma razão para que a traição da pólvora

Algum dia seja esquecida.“

—  Guy Fawkes soldado inglês membro da Conspiração da Pólvora de 1605 1570 - 1606

Teve forte influência no filme "V de Vingança".

Umberto Eco photo
Miguel Sousa Tavares photo
Antonin Artaud photo
Muhammad Ali photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Anaïs Nin photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Douglas Adams photo
Richard Branson photo

„Alguém para confiar


Muitos proclamam a sua própria benignidade; mas o homem fidedigno, quem o achará? Provérbios 20:6


“Não posso confiar em ninguém”, minha amiga choramingou. “Quando confio, eles me ferem.” Sua história me irritou, um ex-namorado espalhara rumores sobre ela, após se separarem. Lutando para confiar novamente, depois de uma infância cheia de dor, essa traição parecia mais uma confirmação de que as pessoas não eram confiáveis.

Eu lutava para encontrar palavras que pudessem confortá-la. Mas não podia lhe dizer que estava errada sobre como é difícil encontrar alguém para confiar plenamente, que a maioria das pessoas são gentis e confiáveis. Sua história era dolorosamente familiar, lembrando-me de traições inesperadas em minha vida. A Bíblia é honesta sobre a natureza humana. Em Provérbios 20: 6, o autor exprime o mesmo lamento de minha amiga, lembrando sempre a dor da traição.

O que posso dizer é que a crueldade dos outros é parte da história. Embora as feridas dos outros sejam reais e dolorosas, Jesus tornou possível o amor genuíno. Em João 13:35, Jesus disse aos discípulos que o mundo saberia que eles eram os Seus seguidores por causa do amor deles. Embora alguns ainda possam nos ferir, por causa de Jesus, haverá sempre aqueles que, compartilhando Seu amor livremente, nos apoiarão e cuidarão de nós incondicionalmente. Em Seu amor infalível encontramos a cura, a comunhão e a coragem de amar os outros como Ele o fez.

Jesus tornou possível o amor verdadeiro. Monica Brands“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Esquecido por nossa causa


…De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei. Hebreus 13:5


Ter um amigo por perto torna a dor mais suportável? Foi feito um estudo fascinante para responder a essa pergunta e saber como o cérebro reage à perspectiva de dor, e se reage de maneira diferente se uma pessoa enfrenta a ameaça de dor sozinho, segurando a mão de um estranho, ou de alguém que lhe é próximo.

Fizeram-se os testes em dezenas de pares, e os resultados foram consistentes. Quando uma pessoa estava só ou segurando a mão de um estranho, na expectativa de um choque, as regiões do cérebro que processam o perigo iluminavam-se. Ao segurar as mãos de alguém de confiança, o cérebro relaxava. A presença de um amigo fez a dor parecer mais suportável.

Jesus precisava de conforto ao orar no jardim do Getsêmani. Ele sabia que estava prestes a enfrentar traição, prisão e morte. Ele pediu aos Seus amigos mais próximos para ficarem e orarem com Ele, dizendo-lhes que a Sua alma estava “profundamente triste” (v.38). Mas Seus amigos dormiram.

Jesus enfrentou a agonia, sem o conforto da mão de alguém para segurar. Mas por Ele suportar essa dor, podemos ter a certeza de que Deus nunca nos deixará nem nos abandonará (Hebreus 13:5). Jesus sofreu para que jamais venhamos a experimentar a separação do amor de Deus (Romanos 8:39). A companhia do Senhor faz qualquer coisa que tenhamos que enfrentar ser mais suportável.

Por causa do amor de Deus, 
nunca estamos realmente sozinhos. Amy Peterson“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

René Descartes photo

„A leitura de todos os bons livros é qual uma conversação com as pessoas mais qualificadas dos séculos passados.“

—  René Descartes, livro Discurso sobre o Método

la lecture de tous les bons livres est comme une conversation avec les plus honnêtes gens des siècles passés qui en ont été les auteurs
Discours de la méthode, Les passions de l'âme, Lettres - Página 17 https://books.google.com.br/books?id=VTMMAAAAIAAJ&pg=PA17, René Descartes - Éditions du Monde Moderne, 1637, 280 páginas
Discurso do método (1637)

Charles Louis Montesquieu photo

„Um governo precisa apenas vagamente o que a traição é, e vai contribuir para o despotismo.“

—  Charles Louis Montesquieu mostequis 1689 - 1755

"Esprit des Lois, XII, 7"

Thomas Stearns Eliot photo
Anne Rice photo

„Era nisso que ele acreditava, em que sempre acreditou quando eu falava e falava sobre a bondade? Estaria ele fazendo o violino dizer isso? Estaria criando deliberadamente aquelas notas longas, puras e transparentes para dizer que a beleza não significava nada porque vinha do desespero dentro dele e que afinal não tinha nada a ver com o desespero, porque o desespero não era belo e então a beleza não passava de uma horrível ironia? A beleza não era a traição que ele imaginava ser, era mais uma terra desconhecida na qual se poderiam cometer mil erros fatais, um paraíso selvagem e indiferente sem indicações claras do bem e do mal. Apesar de todos os refinamentos da civilização que conspiraram para produzir a arte — a estonteante perfeição do quarteto de cordas ou o exuberante esplendor das telas de Fragonard — a beleza era selvagem. Era tão perigosa e sem lei quanto a terra fora milênios antes que o homem tivesse elaborado um único pensamento coerente ou escrevesse códigos de conduta em tábuas de argila. A beleza era um Jardim Selvagem. Assim, por que iria feri-lo o fato de mesmo a música mais desesperadora estar cheia de beleza? Por que isso iria magoá-lo, torná-lo cínico, triste e desconfiado? O bem e o mal são conceitos criados pelo homem. E o homem é melhor, de fato, do que o Jardim Selvagem. Mas talvez bem no íntimo, Nicki sempre tenha sonhado com uma harmonia entre todas as coisas, que eu sempre soube ser impossível. Nicki não sonhara com a bondade, mas sim com a justiça.“

—  Anne Rice, livro O Vampiro Lestat

O Vampiro Lestat

Arthur Miller photo

„A traição é a única verdade que cola.“

—  Arthur Miller, After the Fall

why is betrayal the only truth that sticks
"After the Fall‎" - Página 53, Arthur Miller - Dramatist's Play Service, 1964, ISBN 0822200104, 9780822200109 - 83 páginas

Jean Baptiste Alphonse Karr photo

„O ciúme é uma paixão, que num momento em que se prevê uma traição, sente um prazer, como na vingança, que se desaponta ao encontrar a mulher, que suspeitava-se, inocente.“

—  Jean Baptiste Alphonse Karr 1808 - 1890

La jalousie est une telle passion, qu'il vient un moment où sur la trace d'une trahison, on entrevoit, on pressent une telle jouissance dans la vengeance qu'on est désappointé de trouver innocente la femme que l'on soupçonnait.
Encore les Femmes‎ - Página 197 http://books.google.com/books?id=PN4qAAAAMAAJ&pg=RA1-PA197, Alphonse Karr - M. Lévy Frères, 1858 - 320 páginas

Fernando Pessoa photo

„Amar é cansar-se de estar só: é uma covardia portanto, e uma traição a nós próprios (importa soberanamente que não amemos)“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

Bernardo Soares
Poemas e citações Ordenadas por Heterônimos, Bernardo Soares

Raul Seixas photo

„Cristo morreu como um homem, um mártir da salvação. Deixando prá mim seu amigo, o sinal da traição.“

—  Raul Seixas cantor e compositor brasileiro 1945 - 1989

Judas.

Ferreira Gullar photo
Bruna Lombardi photo
François de La  Rochefoucauld photo
Oscar Wilde photo

„A maquilhagem diz-nos mais que o rosto.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Variante: A maquiagem diz-nos mais que o rosto.

Henry Louis Mencken photo
Florbela Espanca photo
Florbela Espanca photo
Machado de Assis photo
Vergílio Ferreira photo
Plutarco photo
Camilo Castelo Branco photo
Mark Twain photo

„Um clássico é algo que toda a gente queria ter lido mas que ninguém quer ler.“

—  Mark Twain escritor, humorista e inventor norte-americano 1835 - 1910

Variante: Um clássico é algo que todos queriam ter lido mas que ninguém quer ler.

Cesare Cantù photo
Marco Aurelio photo
Voltaire photo

„Os desconfiados desafiam a traição.“

—  Voltaire volter também conhecido como bozo foia dona da petrobras e um grande filosofo xines 1694 - 1778

William Shakespeare photo
Carlos Fuentes photo
Carlos Fuentes photo
Cauã Reymond photo
Fernando Pessoa photo
Carlos Heitor Cony photo
Camilo Castelo Branco photo
Nélson Rodrigues photo
João Guimarães Rosa photo
Paulo Coelho photo

„Segundo Platão, um filosofo grego:
No início da criação, os homens e as mulheres não eram como hoje; havia apenas um ser, baixo, com um corpo e um pescoço, mas a cabeça tinha duas faces, cada uma olhando para uma direcção. Era como se as duas criaturas estivessem presas pelas costas, com dois sexos opostos, quatro pernas e quatro braços.
Os deuses gregos, porém, eram ciumentos, e viram que uma criatura que tinha quatro braços trabalhava mais, as duas faces opostas estavam sempre vigilantes e não exigiram tanto esforço para ficar de pé ou andar por longos períodos. E, o que era mais perigoso, a tal criatura tinha dois sexos diferentes, não precisavam de ninguém para continuar a reproduzir-se. Então, disse Zeus, o supremo senhor do Paraíso: "Tenho um plano para fazer com que estes mortais percam a sua força."
E, com um raio, cortou a criatura em dois, criando o homem e a mulher. Isso aumentou muito a população do mundo, e ao mesmo tempo desorientou e enfraqueceu os que nele habitavam- porque agora tinham de procurar de novo a sua parte perdida, abraçá-la novamente, e nesse abraço recuperar a força antiga, a capacidade de evitar a traição, a resistência para andar durante longos períodos e aguentar o trabalho cansativo. A esse abraço em que os dois corpos se fundem de novo em um chamamos sexo.
(…)
Depois de os deuses separarem a dita criatura com sexos opostos, por que razão algumas delas resolvem que o dito abraço pode ser apenas uma coisa, um negocio como outro qualquer- que em vez de aumentar, retira a energia às pessoas?“

—  Paulo Coelho, livro Onze Minutos

Eleven Minutes

João Guimarães Rosa photo

„Uma consideção que podemos fazer é a respeito da palavra "traição". De fato, examinada atentamente, ela se nos revela ambígua, não só etimológica mas também semanticamente. Sabemos que o latim tradere significava somente “entregar”. Sabemos também que os evangelhos, escolhendo esse verbo para designar o ato de Judas de entregar Jesus aos seus inimigos, carregavam-no de conotações éticas, obviamente negativas. Mas, com o tempo, o mal-entendido inicial originou outros mal-entendidos e ambiguidades: o itinerário semântico desse verbo “condenado” levou-o a significados diferentes, distantíssimos entre si e às vezes nas antípodas, literalmente opostos. “Traio” deriva do latino trado, que é composto de dois morfemas, trans e do (=dar). O prefixo trans implica passagem; de fato, todos os significados originais de trado contem a ideia de dar alguma coisa que passa de uma mão a outra. Assim, trado significa o ato de entregar nas mãos de alguém (para guarda, proteção, castigo) o ato de confiar para o governo ou o ensinamento, o dar em esposa, o vender, o confiar com palavras ou o transmitir, o narrar. Na forma reflexiva, tradere, o verbo significa abandonar-se a alguém, dedicar-se a uma atividade. O substantivo correspondente, traditio, significa “entrega”, “ensinamento”, “narração”, “transmissão de narrações”, “tradição”. Note-se que o “nomem agentis” (nome do agente) traditor significa tanto “traidor” como “quem ensina”. É bom lembrar esse duplo sentido porque provavelmente tenha algo a ensinar talvez unicamente aquele que traiu com plena e total consciência.“

—  Aldo Carotenuto 1933 - 2005

Amar Traicionar: Casi una Apología de la Traición [To Love, To Betray: Life as Betrayal]

Joyce Carol Oates photo
João Guimarães Rosa photo
Fernando Pessoa photo

„Das feições de alma que caracterizam o povo português, a mais irritante é, sem dúvida, o seu excesso de disciplina. Somos o povo disciplinado por excelência. Levamos a disciplina social àquele ponto de excesso em que coisa nenhuma, por boa que seja — e eu não creio que a disciplina seja boa — por força que há-de ser prejudicial. Tão regrada, regular e organizada é a vida social portuguesa que mais parece que somos um exército do que uma nação de gente com existências individuais. Nunca o português tem uma ação sua, quebrando com o meio, virando as costas aos vizinhos. Age sempre em grupo, sente sempre em grupo, pensa sempre em grupo. Está sempre à espera dos outros para tudo. E quando, por um milagre de desnacionalização temporária, pratica a traição à Pátria de ter um gesto, um pensamento, ou um sentimento independente, a sua audácia nunca é completa, porque não tira os olhos dos outros, nem a sua atenção da sua crítica. Parecemo-nos muito com os Alemães. Como eles, agimos sempre em grupo, e cada um do grupo porque os outros agem. Por isso aqui, como na Alemanha, nunca é possível determinar responsabilidades; elas são sempre da sexta pessoa num caso onde só agiram cinco. Como os Alemães, nós esperamos sempre pela voz de comando. Como eles, sofremos da doença da Autoridade — acatar criaturas que ninguém sabe porque são acatadas, citar nomes que nenhuma valorização objetiva autentica como citáveis, seguir chefes que nenhum gesto de competência nomeou para as responsabilidades da ação. Como os Alemães, nós compensamos a nossa rígida disciplina fundamental por uma indisciplina superficial, de crianças que brincam à vida. Refilamos só de palavras. Dizemos mal só às escondidas. E somos invejosos, grosseiros e bárbaros, de nosso verdadeiro feitio, porque tais são as qualidades de toda a criatura que a disciplina moeu, em quem a individualidade se atrofiou. Diferimos“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

Escritos sobre Política e Sociedade: Obra Completa de Fernando Pessoa VI

Carlos Ruiz Zafón photo
Milan Kundera photo

„O Gênesis do absurdo.

No início não havia coisa alguma.
Não existia a fome.
A seca.
Os terremotos ou todo o monte
de destroços por cima de corpos
esmagados que eles acostumam
deixar para trás.

Não existia traições,
sacrifícios.

Não tinha homicídios,
as chacinas,
ou os temíveis
genocídios.

Não existia a sede e nem as pestes.

Não havia o governo,
cientistas
ou as bombas atômicas.

No início não existia qualquer tipo
de armas
ou muito menos
todas as guerras feitas
por elas.

No início não existia dinheiro
ou muito menos a buscar
por algum tipo
de poder.

No início não havia morte,
e muito menos
o luto.

Não tinha o choro,
a agonia,
as lamentações.

Não havia desesperança,
nem ossos mutilados.

Os vícios ou suas drogas.

Não tinha os estupros,
as torturas.
Não havia indignação.

Não existia vingança,
nem desistência.

No início tudo estava em sintonia,
não havia nada,
era algo singular,
sem quês ou porquês.

No início tudo era tudo.

Nem belo, nem feio.

Nem quente, nem frio.

Nem liso, ou aspero.

Na início nada era bom,
pois não tinha nada
que fosse mal.

Não tinham respostas, pois não
haviam perguntas para
serem feitas.

No início de tudo,
luz
e
escuridão
eram a mesma
coisa.

Até que alguma força,
que a maioria diz
ter sido alguma espécie de deus
benevolente,
de poder incomparável
e inteligência
absoluta,
resolveu que deveria dar início
há tudo.

Pelo visto, algo se cansou
de estar sozinho
e entendeu que a solução
seria espalhar
sua vasta energia
por ai,
criando todo o tempo
e o tecido do
espaço.

Resolveu que a perfeição era
uma besteira
e deu início a todo o
imperfeito.

Algum ser filho da puta
o suficiente,
há muito tempo
resolveu sem consultar a
ninguém
(Porque só havia ele)
que a vida deveria existir.

E assim fez, instalando o caos,
por dentro de absolutamente
todas as coisas.

Há muito, muito tempo,
alguém
ou algo
resolveu nos trazer até
aqui
e após perceber
o tamanho da merda que tinha
cometido,
se foi
e nunca mais
voltou.

Talvez por culpa
ou vergonha,
quem é que vai
saber?

Talvez, o universo seja a vasta criação
de alguma criatura covarde
que se foi pela fuga
de seu próprio infinito
quando percebeu que seu egoísmo
absurdo
fez com que cometesse
uma atrocidade.

E tudo o que sobrou, da bendita
imbecilidade do seu criacionismo
foram coisas como
a gente,
fazendo coisas como gente
e pagando pelos erros
de um
deus vergonhoso
que
segundo o cristianismo,
a coisa mais interessante que
conseguiu fazer enquanto
aqui esteve, foi ter feito a Terra,
antes mesmo
de criar
o Sol.“

—  Charlie Barkley

Joseph Goebbels photo

„Se o trabalho se volta contra o bem-estar geral, é então traição a pátria.“

—  Joseph Goebbels Ministro da Propaganda do Partido Nazista Alemão 1897 - 1945

Fonte: Die verfluchten Hakenkreuzler. Etwas zum Nachdenken. Munich: Verlag Frz. Eher, 1932.

Cláudio Manuel da Costa photo

„Traição é uma questão de data.“

—  André Thérive 1891 - 1967

segundo a frase de Talleyrand
« La trahison est une question de dates. (... selon le mot de Talleyrand) »
André Thérive: Essai sur les Trahisons, Calmann-Lévy, Paris 1951, capítulo terceiro: La haute trahison (Alta traição), p.68. https://books.google.de/books?hl=de&id=2fc5AQAAIAAJ&dq=talleyrand
Citações com fontes

Émile Henry photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Benjamin Franklin photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Ralph Waldo Emerson photo