Frases de Fernando Pessoa

Fernando Pessoa photo
931   537

Fernando Pessoa

Data de nascimento: 13. Junho 1888
Data de falecimento: 30. Novembro 1935
Outros nomes: Ֆերնանտո Բեսոա, Ferdinando Pessoa

Fernando António Nogueira Pessoa foi um poeta, filósofo, dramaturgo, ensaísta, tradutor, publicitário, astrólogo, inventor, empresário, correspondente comercial, crítico literário e comentarista político português.

Fernando Pessoa é o mais universal poeta português. Por ter sido educado na África do Sul, numa escola católica irlandesa, chegou a ter maior familiaridade com o idioma inglês do que com o português ao escrever os seus primeiros poemas nesse idioma. O crítico literário Harold Bloom considerou Pessoa como "Whitman renascido", e o incluiu no seu cânone entre os 26 melhores escritores da civilização ocidental, não apenas da literatura portuguesa mas também da inglesa.Das quatro obras que publicou em vida, três são na língua inglesa. Fernando Pessoa traduziu várias obras em inglês para o português, e obras portuguesas para o inglês.Enquanto poeta, escreveu sob diversas personalidades – heterónimos, como Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro –, sendo estes últimos objeto da maior parte dos estudos sobre a sua vida e obra. Robert Hass, poeta americano, diz: "outros modernistas como Yeats, Pound, Elliot inventaram máscaras pelas quais falavam ocasionalmente... Pessoa inventava poetas inteiros."

Obras

Livro do Desassossego
Livro do Desassossego
Fernando Pessoa
Mensagem
Mensagem
Fernando Pessoa
O Banqueiro Anarquista
O Banqueiro Anarquista
Fernando Pessoa

„Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.“

—  Fernando Pessoa

Poemas e citações Ordenadas por Heterônimos, Ricardo Reis
Variante: Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.
Fonte: Odes de Ricardo Reis
Fonte: Poems of Fernando Pessoa

„Já repeti o antigo encantamento,
E a grande Deusa aos olhos se negou.
Já repeti, nas pausas do amplo vento,
As orações cuja alma é um ser fecundo.
Nada me o abismo deu ou o céu mostrou.
Só o vento volta onde estou toda e só,
E tudo dorme no confuso mundo.

"Outrora meu condão fadava, as sarças
E a minha evocação do solo erguia
Presenças concentradas das que esparsas
Dormem nas formas naturais das coisas.
Outrora a minha voz acontecia.
Fadas e elfos, se eu chamasse, via.
E as folhas da floresta eram lustrosas.

"Minha varinha, com que da vontade
Falava às existências essenciais,
Já não conhece a minha realidade.
Já, se o círculo traço, não há nada.
Murmura o vento alheio extintos ais,
E ao luar que sobe além dos matagais
Não sou mais do que os bosques ou a estrada.

"Já me falece o dom com que me amavam.
Já me não torno a forma e o fim da vida
A quantos que, buscando-os, me buscavam.
Já, praia, o mar dos braços não me inunda.
Nem já me vejo ao sol saudado ergUida,
Ou, em êxtase mágico perdida,
Ao luar, à boca da caverna funda.

"Já as sacras potências infernais,
Que, dormentes sem deuses nem destino,
À substância das coisas são iguais,
Não ouvem minha voz ou os nomes seus.
A música partiu-se do meu hino.
Já meu furor astral não é divino
Nem meu corpo pensado é já um deus.

"E as longínquas deidades do atro poço,
Que tantas vezes, pálida, evoquei
Com a raiva de amar em alvoroço,
lnevocadas hoje ante mim estão.
Como, sem que as amasse, eu as chamei,
Agora, que não amo, as tenho, e sei
Que meu vendido ser consumirão.

"Tu, porém, Sol, cujo ouro me foi presa,
Tu, Lua, cuja prata converti,
Se já não podeis dar-me essa beleza
Que tantas vezes tive por querer,
Ao menos meu ser findo dividi
Meu ser essencial se perca em si,
Só meu corpo sem mim fique alma e ser!

"Converta-me a minha última magia
Numa estátua de mim em corpo vivo!
Morra quem sou, mas quem me fiz e havia,
Anônima presença que se beija,
Carne do meu abstrato amor cativo,
Seja a morte de mim em que revivo;
E tal qual fui, não sendo nada, eu seja!“

—  Fernando Pessoa

„Quem sou eu para mim? Só uma sensação minha.“

—  Fernando Pessoa

"Autobiografia sem Factos". Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p. 156
Autobiografia sem Factos

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating

„Porque eu sou do tamanho do que vejo / e não do tamanho da minha altura.“

—  Fernando Pessoa

Atribuído ao heterónimo Caeiro en "Autobiografia sem Factos". (Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p. 71)
Autobiografia sem Factos

„Deus ao mar o perigo e o abismo deu, / Mas nele é que espelhou o céu.“

—  Fernando Pessoa, livro Mensagem

Mensagem
Variante: Deus ao mar o perigo e o abysmo deu,
Mas nelle é que espelhou o céu.
Fonte: Poesia "Mar Portuguez", Versos 11 e 12

Autores parecidos

José Saramago photo
José Saramago303
escritor português
Carlos Drummond de Andrade photo
Carlos Drummond de Andrade213
Poeta brasileiro
Rabindranath Tagore photo
Rabindranath Tagore76
Poeta bengali e filósofo
Charles Bukowski photo
Charles Bukowski187
Poeta, Escritor e Romancista
Aniversários de hoje
Oswald de Andrade photo
Oswald de Andrade24
1890 - 1954
Maud Mannoni photo
Maud Mannoni1
1923 - 1998
Eugene H. Peterson photo
Eugene H. Peterson1
1932 - 2018
Outros 45 aniversários hoje
Autores parecidos
José Saramago photo
José Saramago303
escritor português
Carlos Drummond de Andrade photo
Carlos Drummond de Andrade213
Poeta brasileiro
Rabindranath Tagore photo
Rabindranath Tagore76
Poeta bengali e filósofo