Frases sobre imaginação

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da imaginação.

Tópicos relacionados

Total 344 citações imaginação, filtro:


Stephen R. Covey photo

„Viva da sua imaginação, não da sua história.“

—  Stephen R. Covey 1932 - 2012

Variante: Viva a partir da sua imaginação, não da sua historia.

Gaston Bachelard photo
Pepetela photo
Albert Einstein photo
Charles Bukowski photo
Immanuel Kant photo

„A felicidade não é um ideal da razão mas sim da imaginação“

—  Immanuel Kant 1724 - 1804

Glückseligkeit nicht ein Ideal der Vernunft, sondern der Einbildungskraft
Grundlegung zur Metaphysik der Sitten von Immanuel Kant - Página 47 https://books.google.com.br/books?id=gHIJkHTIb6AC&pg=PA47, Immanuel Kant - bey Johann Friedrich Hartknoch, 1785 - 128 páginas

Charles Spurgeon photo
Gloria Steinem photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Maria Montessori photo

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Marquês de Maricá photo
Lygia Fagundes Telles photo
Machado de Assis photo

„Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelada e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, - nada menos que a quimera da felicidade, - ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.“

—  Machado de Assis, livro Memórias Póstumas de Brás Cubas

Memórias póstumas de Brás Cubas, Capítulo VII, Machado de Assis (1881)
Romances, Memórias Póstumas de Brás Cubas
Variante: Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo. Eram as formas várias de um mal, que ora mordia a víscera, ora mordia o pensamento, e passeava eternamente as suas vestes de arlequim, em derredor da espécie humana. A dor cedia alguma vez, mas cedia à indiferença, que era um sono sem sonhos, ou ao prazer, que era uma dor bastarda. Então o homem, flagelado e rebelde, corria diante da fatalidade das coisas, atrás de uma figura nebulosa e esquiva, feita de retalhos, um retalho de impalpável, outro de improvável, outro de invisível, cosidos todos a ponto precário, com a agulha da imaginação; e essa figura, — nada menos que a quimera da felicidade, — ou lhe fugia perpetuamente, ou deixava-se apanhar pela fralda, e o homem a cingia ao peito, e então ela ria, como um escárnio, e sumia-se, como uma ilusão.

Vincent Van Gogh photo
Carlos Ruiz Zafón photo
Hugo Von Hofmannsthal photo
Dale Carnegie photo