Frases de Marqués de Sade

Marqués de Sade foto

33   1

Marqués de Sade

Data de nascimento: 2. Junho 1740
Data de falecimento: 2. Dezembro 1814
Outros nomes: Marchese de Sade

Donatien Alphonse François de Sade, o Marquês de Sade foi um aristocrata francês e escritor libertino. Muitas das suas obras foram escritas enquanto estava na Prisão da Bastilha, encarcerado diversas vezes, inclusive por Napoleão Bonaparte. De seu nome surge o termo médico sadismo, que define a perversão sexual de ter prazer na dor física ou moral do parceiro ou parceiros . Foi perseguido tanto pela monarquia como pelos revolucionários vitoriosos de 1789 e depois por Napoleão .

Além de escritor e dramaturgo, foi também filósofo de ideias originais, baseadas no materialismo do século das luzes e dos enciclopedistas. Lido enquanto teoria filosófica, "o romance de Sade oferece um sistema de pensamento que desafia a concepção de mundo proposta pelos dois principais campos filosóficos no contexto da França pré-republicana: o religioso e o racionalista". Sade era adepto do ateísmo e era caracterizado por fazer apologia ao crime e a afrontas à religião dominante, sendo, por isso, um dos principais autores libertinos - na concepção moderna do termo. Em suas obras, Sade, como livre pensador, usava-se do grotesco para tecer suas críticas morais à sociedade urbana. Evidenciava, ao contrário de várias obras acerca da moralidade - como por exemplo o "Princípios da Moral e Legislação" de Jeremy Bentham- uma moralidade baseada em princípios contrários ao que os "bons costumes" da época aceitavam; moralidade essa que mostrava homens que sentiam prazer na dor dos demais e outras cenas, por vezes bizarras, que não estavam distantes da realidade. Em seu romance 120 Dias de Sodoma, por exemplo, nobres devassos abusam de crianças raptadas encerrados num castelo de luxo, num clima de crescente violência, com coprofagia, mutilações e assassinatos.


„Mate-me novamente ou aceite-me como eu sou, porque eu não mudarei.“

„Romântico, erótico, pornográfico, vida, razão, mulher, homem.“


„A primeira lei que a natureza me impõe é gozar à custa seja de quem for.“

„A tolerância é a virtude do fraco.“

„É o elemento sujo que outorga prazer ao acto de luxúria e, quanto mais sujo, mais prazenteiro se torna.“

„Tudo é bom quando é excessivo.“

„A felicidade não reside no vício nem na virtude, mas sim na maneira como percebemos um e outro.“

„A ideia de Deus é, confesso, o único erro que não posso perdoar ao homem.“


„... e que nada nem ninguém é mais importante do que nós próprios. E não devemos negar-nos nenhum prazer, nenhuma experiência, nenhuma satisfação, desculpando-nos com a moral, a religião ou os costumes.“

„Respeitemos eternamente o vício e não combatamos mais do que a virtude.“

„O mal é uma entidade moral, não criada.“

„Quem sabe se não teremos de ultrapassar muito a natureza para perceber o que ela nos quer dizer?“


„Não há sensação mais intensa e activa que a dor; as suas impressões são inconfundíveis.“

„As criaturas nascem sós e não têm necessidade das outras.“

„No amor, todos os cumes são tempestuosos.“

„Todo o prazer enfraquece quando é partilhado.“

Autores parecidos