Frases do livro
Os Miseráveis

Victor HugoTítulo original Les Misérables (Francês, 1862)

Les Misérables é um romance de Victor Hugo publicado em 1862. Que deu origem a muitas adaptações, no cinema e muitas outras mídias. Neste romance emblemático da literatura francesa que descreve a vida das pessoas pobres em Paris e na França provincial do século XIX, o autor se concentra mais particularmente no destino do condenado Jean Valjean.


Victor Hugo photo

„A suprema felicidade da vida é a convicção de ser amado por aquilo que você é, ou melhor, apesar daquilo que você é.“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Le suprême bonheur de la vie, c'est la conviction qu'on est aimé ; aimé pour soi -même, disons mieux, aimé malgré soi-même;
Les misérables‎ - Página 93 http://books.google.com.br/books?id=db0GAAAAQAAJ&pg=PA93, de Victor Hugo - Publicado por J. Hetzel, 1866 - 799 páginas
Os Miseráveis

Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo

„Certos pensamentos são como orações, há momentos em que, seja qual for a posição do corpo, a alma está, sempre, de joelhos.“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

De certaines pensées sont des prières. Il y a des moments où, quelle que soit l'attitude du corps, l'âme est à genoux.
Les misérables‎ - Página 266 http://books.google.com/books?id=i50GAAAAQAAJ&pg=PA266, de Victor Hugo - Publicado por Pagnerre, 1863
Os Miseráveis

Victor Hugo photo

„‎"Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século - a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância - não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis."“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Os Miseráveis
Variante: Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século - a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância - não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis.
Fonte: "Os Miseráveis" - Prefácio

Victor Hugo photo
Victor Hugo photo

„O belo é tão útil quanto o útil. Talvez até mais.“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Le beau est aussi utile que l'utile. – Il ajouta après un silence: Plus peut-être.
Victor Hugo, Les Misérables
Os Miseráveis

Victor Hugo photo

„Há um modo de fugir que se assemelha a procurar.“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Os Miseráveis
Fonte: "Os Miseráveis" - Tomo I, Parte Primeira, Livro Terceiro, Cap. II (Duplo Quarteto)

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo
Victor Hugo photo

„Aí desaparece o desinteresse e divisa-se o vago esboço do demónio; cada qual para si. O eu sem olhos uiva, procura, apalpa e rói. Existe nesse golfão o Ugolino social.
As figuras ferozes que giram nessa cova, quase animais, quase fantasmas, não se ocupam do progresso universal, cuja ideia ignoram; só cuidam de saciar-se cada uma a si mesma. Quase lhes falta a consciência, e parece haver uma espécie de amputação terrível dentro delas. São duas as suas mães, ambas madrastas: a ignorância e a miséria. O seu guia é a necessidade; e para todos as formas de satisfação, o apetite. São brutalmente vorazes, quer dizer, ferozes; não à maneira do tirano, mas à maneira do tigre. Do sofrimento passam estas larvas ao crime; filiação fatal, geração aterradora, lógica das trevas. O que roja pelo entressolo social não é a reclamação sufocada do absoluto; é o protesto da matéria. Torna-se aí dragão o homem. Ter fome e sede é o ponto de partida; ser Satanás é o ponto de chegada. Esta cova produz Lacenaire.
Acima viu o leitor, no livro quarto, um dos compartimentos da mina superior, da grande cova política, revolucionária e filosófica, onde, como acabou de ver, é tudo pobre, puro, digno e honesto; onde, sem dúvida, é possível um engano, e efectivamente os enganos se dão; mas onde o erro se torna digno de respeito, tão grande é o heroísmo a que anda ligado. O complexo do trabalho que aí se opera chama-se Progresso.
Chegada é, porém, a ocasião de mostrarmos ao leitor outras funduras, as profunduras medonhas.
Por baixo da sociedade, insistimos, existirá sempre a grande sopa do mal, enquanto não chegar o dia da dissipação da ignorância.
Esta sopa fica por baixo de todas e é inimiga de todas. É o ódio sem excepção. Não conhece filósofos; o seu punhal nunca aparou penas. A sua negrura não tem nenhuma relação com a sublime negrura da escrita. Nunca os negros dedos que se crispam debaixo desse tecto asfixiante folhearam um livro ou abriram um jornal. Para Cartouche, Babeuf é um especulador; para Schinderhannes, Marat é um aristocrata. O objetivo desta sopa consiste em abismar tudo.
Tudo, inclusive as sapas superiores que esta aborrece de morte. No seu medonho formigar, não se mina somente a ordem social actual: mina-se a filosofia, a ciência, o direito, o pensamento humano, a civilização, a revolução, o progresso. Tem simplesmente o nome de roubo, prostituição, homicídio e assassinato. As trevas querem o caos. A sua abóbada é formada de ignorância.
Todas as outras, as de cima, têm por único alvo suprimi-la, alvo para o qual tendem a filosofia e o progresso, por todos os seus órgãos, tanto pelo melhoramento do real, como pela contemplação do absoluto. Destruí a sapa Ignorância, e teres destruído a toupeira do Crime.
Humanidade quer dizer identidade. Os homens são todos do mesmo barro. Na predestinação não há diferença nenhuma, pelo menos neste mundo. A mesma sombra antes, a mesma carne agora, a mesma cinza depois. Mas a ignorância misturada com a massa humana enegrece-a. Essa negrura comunica-se ao interior do homem, e converte-se no Mal.“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Les Misérables: Marius

Autores parecidos

Victor Hugo photo
Victor Hugo391
poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885
Oscar Wilde photo
Oscar Wilde663
Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa
Autores parecidos
Victor Hugo photo
Victor Hugo391
poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885
Oscar Wilde photo
Oscar Wilde663
Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa