„Nós não tivemos esse erro, ao contrário, usamos e abusamos da pimenta que nos veio da África, mas, por outro lado, temos como política imigratória, o não Ter política e, sim, um open door imprevidente e perigoso. No caminho que adotamos, podemos dar numa maionese perfeita, mas, como estes molhos, quando mal batidos - podemos desandar. O Brasil é sempre menos de portugueses e emigrantes e mais de indesejáveis entrantes - esquecendo que cada galego, por mais bruto e rude que seja, traz-nos cromossomos semelhantes aos navegadores, colonizadores e degredados - mantendo a nossa possibilidade de repetir um Nunálvares, um Mestre de Alviz, um Camões, um Herculano, um Egas Moniz, um Eça, um Antônio Nobre, um Fernando Pessoa. E não são eles mesmos que já repontaram aqui nos que escorraçaram o batavo e o francês e no gênio de José de Alencar, Machado de Assis, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade? Eu sei que não é possível princípios racistas no Brasil. Mas ao menos tenhamos uma imigração onde se procure manter a boa unidade do galinheiro. Não falo em unidade racial, Deus me livre! Peço é unidade cultural. Impossível é continuar nessa tentativa absurda de cruzar galinha com papagaio e pato com pomba-rola. Isso que se vê por aí não é democracia nem falta de preconceito, não, meus quindins. Isso não dá ovo e chama-se burrice. Mantenhamo-nos um pouco caboclos (orgulhosamente), bastante mulatos (gloriosamente), mas, principalmente, sejamos lusitanos. Vinde a nós portugas, galegos, mondrongos - mesmo se fordes da mesma massa de degredados que chegaram com os primeiros povoadores. O que esses tão degredados eram, não tinha nada demais. Ladrões? Assassinos? Nada disto. Criminosos sexuais, simpáticos bandalhos. Baste ler as Ordenanças e verificar a maioria dos motivos de degredo para o Brasil: comer mulher alheia, deflorar, estuprar, ser corno complacente e mais, e mais, e mais ainda - entretanto, nada de se temer. Fazer lembrar as delinqüências brejeiras de que um juiz mineiro que conheci, dizia, com inveja e depois de julgar -serem, exatamente, as que ele, juiz, tinha vontade de perpetrar.“

Baú de Ossos

Obtido da Wikiquote. Última atualização 5 de Julho de 2021. História

Citações relacionadas

Paulo Maluf photo
Mansour al-Hallaj photo

„Deus, o Altíssimo, é ele mesmo que afirma sua própria unidade pela língua de qualquer de Suas criaturas que Ele deseja. Se Ele próprio afirma sua unidade com a minha língua, é Ele quem o quer. Caso contrário, irmão, eu não tenho nada a ver com a afirmação da Unidade de Deus.“

—  Mansour al-Hallaj 858 - 922

Como citado em Palavras de êxtase no Sufismo (1985) por Carl W. Ernst, p. 45
Tradução alternativa: Deus, o Altíssimo, é quem afirma sua unidade pela língua de entre Suas criaturas, a que ele deseja. Se Ele afirma Sua Unidade na minha língua é Ele quem o faz, e porque o quer. Caso contrário, meu irmão, eu mesmo não tenho nada a ver com a afirmação da Unidade de Deus.
Como citado em "Husayn ibn Mansur al-Hallaj" em Sidi Muhammad Edições http://www.sufimaster.org/teachings/husayn.htm
Orígem

Dercy Gonçalves photo

„É uma falta de imaginação danada das televisões do Brasil, das pessoas, dos diretores do Brasil! É uma falta de imaginação! Não criam nada, só copiam!“

—  Dercy Gonçalves 1907 - 2008

Em Entrevista no Programa Roda Viva da TV Cultura http://www.rodaviva.fapesp.br/materia/430/entrevistados/dercy_goncalves_1995.htm

Gilberto Freyre photo

„O Brasil é a mais avançada democracia racial do mundo.“

—  Gilberto Freyre 1900 - 1987

Em entrevista à Revista Veja, em abril de 1970

Gilberto Amado photo

„A população cresceu, o Brasil não. A maturidade ainda está longe. O Brasil continua menino. Seu juízo é pouco.“

—  Gilberto Amado 1887 - 1969

"História da Minha Infância" - Página 102, de Gilberto Amado - Publicado por J. Olympio, 1960 - 287 páginas

Harold Bloom photo
Blaise Pascal photo

„Pluralidade que não se reduz à unidade é confusão; unidade que não depende de pluralidade é tirania.“

—  Blaise Pascal 1623 - 1662

La multitude qui ne se réduit pas à l'unité est confusion ; l' unité qui ne dépend pas de la multitude est tyrannie
Oeuvres‎ - Volume 2, Página 411 http://books.google.com.br/books?id=1zQTAAAAQAAJ&pg=PA411 - item CXIV, Blaise Pascal, François de. - Neufchateau - Chez Lefèvre, 1819

Miguel Torga photo

„A unidade de uma pessoa é tal, que basta um gesto para revelar um homem.“

—  Miguel Torga escritor português 1907 - 1995

Diário‎, volume II - Página 64, de Miguel Torga - Publicado por Coimbra Editora, 1953

Isaac Newton photo
Clarice Lispector photo
Karl Jaspers photo

„A inocência ignorante da unidade aparentemente natural entre conhecimento empírico e juízo de valor é uma falha de tomada de consciência, falha, por assim dizer, auto-infligida: podemos dela nos desvencilhar.“

—  Karl Jaspers professor académico alemão 1883 - 1969

Introdução ao pensamento filosófico‎ - Página 83-84 http://books.google.com.br/books?id=yu6FYPXUoE0C&pg=PA83, Karl Jaspers - Editora Cultrix, 1965, ISBN 8531602092, 9788531602092 - 148 páginas

Roberto Campos photo

„A burrice no Brasil tem um passado glorioso e um futuro promissor.“

—  Roberto Campos Economista, diplomata e político matogrossense 1917 - 2001

Giuseppe Giusti photo
Pedro Nava photo
Paulo Emílio Salles Gomes photo

„No Brasil nada nos é estranho, porque tudo o é.“

—  Paulo Emílio Salles Gomes 1916 - 1977

ensaio Uma Trajetória no Subdesenvolvimento, como citado http://www.cultura.gov.br/site/2005/07/18/o-pos-modernismo-brasileiro-e-o-ministro-gil/ em O pós-modernismo brasileiro e o ministro Gil, publicado no O Estado de São Paulo, Luiz Zanin Oricchio, 17/07/2005

Francisco de Oliveira photo
Jules Verne photo
Michael Jackson photo

Tópicos relacionados