Frases de Matsuo Bashō

Matsuo Bashō foto

28   0

Matsuo Bashō

Data de nascimento: 1644
Data de falecimento: 28. Novembro 1694

Matsuo Bashō , ou simplesmente Bashō,[1] foi o poeta mais famoso do período Edo no Japão. Durante sua vida, Bashô foi reconhecido por seus trabalhos colaborando com a forma haikai no renga. Atualmente, após séculos de comentários, é reconhecido como um mestre da sucinta e clara forma haikai. Sua poesia é reconhecida internacionalmente e dentro do Japão muitos dos seus poemas são reproduzidos em monumentos e locais tradicionais. Foi ele quem codificou e estabeleceu os cânones do tradicional haikai japonês.

Bashō foi introduzido à poesia em tenra idade e, depois de integrar-se na cena intelectual de Edo , rapidamente se tornou conhecido em todo o Japão. Ganhava a vida como professor, mas renunciou à vida urbana e social dos círculos literários e ficou inclinado a vagar por todo o país, rumo ao oeste, leste e distante ao deserto do norte para ganhar inspiração para seus escritos e haiku. Seus poemas são influenciados por sua experiência direta do mundo ao seu redor, muitas vezes englobando o sentimento de uma cena em alguns poucos elementos simples.


„Não siga as pegadas dos antigos, procure o que eles procuravam.“

„Ruídos nas ramas.
Trêmulo, meu coração detem-se
e chora na noite...“


„Noite sem lua ou estrelas
o bebedor de sakê
bebe sozinho.“

„Este caminho!
sem ninguém nele,
escuridão de outono.“

„Como que levada
pela brisa, a borboleta
vai de ramo em ramo.“

„Trégua de vidro:
o canto da cigarra
perfura rochas.“

„Uma velha sem dentes
que rejuvenece
cerejeira em flor“

„Ainda que morrendo
o canto das cigarras
nada revela!“


„Quimonos secando
ao sol. Oh, aquela manguinha
da criança morta!“

„E tu, aranha
como cantarias
neste vento de outono?“

„No perfume das flores de ameixa,
O sol de súbito surge -
Ah, o caminho da montanha!“

„Relvas de verão
sob as quais os guerreiros
sonham.“


„Vento de outono
a silenciosa colina
muda me responde“

„A mesma paisagem
escuta o canto e assiste
a morte das cigarras“

„Viagem de anciões,
Cabelos brancos, bastões
- visita aos túmulos.“

„A cigarra... ouvi:
nada revela em seu canto
que ela vai morrer“

Autores parecidos