„Na margem do rio Piedra...

Eu me sentei e chorei.

Conta a lenda que tudo que cai nas águas deste rio - as folhas, os insetos, as penas das aves - se transforma nas pedras do seu leito.


Ah, quem dera eu pudesse arrancar o coração do meu peito e atira-lo na correnteza, e então não haveria mais dor, nem saudade, nem lembranças.

Ás margens do rio Piedra eu me sentei e chorei.

O frio do inverno fez com que eu sentisse as lágrimas em meu rosto, e elas se misturaram com as aguas geladas que correm diante de mim.

Em algum lugar este rio se junta com outro, depois com outro, até que - distante dos meus olhos e do meu coração - todas estas águas se misturam com o mar.

Que as minhas lágrimas corram assim para bem longe, para que meu amor nunca saiba que um dia chorei por ele. Que minhas lágrimas corram para bem longe, e então eu esquecerei do rio Piedra, do mosteiro, da igreja nos Pirineus, da bruma, dos caminhos que percorremos juntos.

Eu esquecerei as estradas, as montanhas, e os campos de meus sonhos - sonhos que eram meus, e que eu não conhecia.“

— Paulo Coelho, A Orillas Del Rio Piedra Me Senté Y Lloré

Publicidade

Citações relacionadas

Bertolt Brecht foto
Publicidade
 Heráclito foto
 Heráclito foto
 Heráclito foto
Machado de Assis foto
John Locke foto

„Pais se perguntam porque os rios são amargos, quando eles mesmo envenenaram a fonte.“

— John Locke Filósofo e médico inglês. pai do liberalismo clássico. 1632 - 1704

Publicidade
Cecília Meireles foto
Ludwig Börne foto
 Maomé foto
Publicidade
 Heráclito foto
Papa João XXIII foto
Próximo