Frases sobre particular

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da particular, outro, pessoas, pessoa.

Total 181 citações, filtro:

Émile Durkheim photo

„A sociedade e cada meio social particular determinam o ideal que a educação realiza.“

—  Émile Durkheim Sociólogo francês 1858 - 1917

Fonte: Educar para Crescer - Os Pensadores da Educação http://educarparacrescer.abril.com.br/pensadores-da-educacao/emile-durkheim.shtml

„Comece onde você está


Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. v.1


Hoje, deparei-me com uma flor solitária que cresce nas campinas, uma pequena flor roxa “desperdiçando a sua doçura no ar do deserto”, tomei emprestado a linda linha de um verso do poeta inglês, Thomas Gray. Tenho certeza de que ninguém tinha visto esta flor anteriormente, e talvez ninguém a verá novamente. E pensei: Por que esta beleza neste lugar?

A natureza nunca é desperdiçada. Ela exibe diariamente a verdade, bondade e beleza daquele que a trouxe à existência. Cada dia a natureza oferece uma nova declaração da glória de Deus. Será que vejo Deus em meio a essa beleza, ou apenas lanço um olhar à natureza e demonstro indiferença?

Toda a natureza declara a beleza daquele que a criou. Nossa resposta pode ser louvor, adoração e gratidão, pelo brilho de uma flor centaurea (escovinha, marianinha), pelo esplendor de um nascer do sol, pela simetria de uma árvore em particular.

O escritor C. S. Lewis descreve uma caminhada na floresta num dia de verão. Ele perguntou ao seu amigo sobre a melhor forma de cultivar um coração agradecido a Deus. Seu companheiro de caminhada virou-se para um riacho nas proximidades, lavou o rosto e as mãos em uma pequena cascata, e perguntou: “Por que não começar com isto?” Lewis disse que aprendeu um grande princípio naquele momento: “Comece onde você está.”

Uma cachoeira, o vento nos salgueiros, um pássaro, uma minúscula flor. Que tal agradecer agora mesmo?

Deus é a beleza por trás de toda a beleza. 
Steve DeWitt David H. Roper“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Velho, mas novo


E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas 
as coisas… v.5


Em 2014, um sumidouro se abriu sob um museu de carros antigos, engolindo oito carros esportivos Chevrolet Corvette, antigos e insubstituíveis. Os automóveis ficaram muito danificados — alguns, sem chance de conserto.

Um desses carros, em particular, recebeu atenção extra. O milionésimo Corvette, fabricado em 1992, era o mais valioso da coleção. O que aconteceu àquela preciosidade após ter sido retirada do sumidouro é fascinante. Especialistas restauraram o carro à condição de novo, utilizando e reparando principalmente as suas peças originais. Embora aquela belezinha estivesse em péssimo estado, agora se parece tão bem quanto no dia em que fora fabricado.

O velho e danificado tornou-se novo.

Esse é um lembrete importante daquilo que Deus tem reservado aos que creem em Jesus. Em Apocalipse 21:1, João disse ter visto “…novo céu e nova terra…”. Muitos estudiosos da Bíblia veem essa Terra “nova” como uma Terra renovada, pois o estudo da palavra nova neste contexto revela que o seu significado é “revigorada” ou “restaurada” após a ruína da velha ter sido eliminada. Deus renovará o que está corrompido neste mundo e proverá um lugar novo, mas familiar, onde os cristãos viverão com Ele.

Que incrível verdade para contemplar: uma Terra nova, revigorada, familiar e bela. Imagine a majestosa obra das mãos de Deus!

Nosso Criador faz novas todas as coisas. Dave Branon“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Hora de florescer


…Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. v.8


Na primavera passada, decidi derrubar a roseira perto da nossa porta dos fundos. Nos três anos em que morávamos em nossa casa, não havia produzido muitas flores, e seus feios e infrutíferos ramos estavam agora se espalhando em todas as direções.

Mas andei muito ocupado, e meu plano de jardinagem foi adiado. Foi melhor assim, pois apenas algumas semanas mais tarde, a roseira explodiu em flores como eu nunca tinha visto antes. Centenas de flores brancas, grandes e ricas em perfume, pendiam sobre a porta dos fundos, fluíam para o nosso quintal e se espalhavam no chão com belas pétalas.

O renascimento da minha roseira me lembrou a parábola de Jesus sobre a figueira em Lucas 13:6-9. Em Israel, era costume dar três anos para as figueiras produzirem frutos. Se não dessem, eram cortadas para que o solo pudesse ser melhor utilizado. Nessa parábola de Jesus, um jardineiro pede ao seu patrão que dê a uma árvore em particular um quarto ano para produzir. No contexto (vv.1-5), a parábola implica isso: os israelitas não tinham vivido como deveriam, e Deus poderia julgá-los justamente. Mas Deus é paciente e concedera tempo extra para que eles se voltassem a Ele, fossem perdoados e florescessem.

Deus quer que todas as pessoas floresçam e tem-lhes dado tempo extra para que isso ocorra. Se ainda estamos caminhando em direção à fé ou orando por família e amigos incrédulos, Sua paciência é uma boa notícia para todos nós.

Deus deu ao mundo um tempo extra 
para que respondam a Sua oferta de perdão. Sheridan Voysey“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Que haja honra


Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles… v.1


Sempre fiquei impressionado com a solene e magnífica simplicidade da mudança da guarda no Túmulo dos Desconhecidos no Cemitério Nacional de Arlington, EUA. O evento cuidadosamente coreografado é um tributo em honra aos soldados cujos nomes e sacrifícios são “conhecidos, apenas por Deus”. Igualmente emocionantes são os passos de ritmo constante quando as multidões se vão: de um lado a outro, hora após hora, dia a dia, mesmo no pior dos climas.

Em setembro de 2003, o furacão Isabel estava chegando em Washington, DC, e os guardas foram informados de que poderiam procurar abrigo durante o pior momento da tempestade. Surpreendentemente os guardas se recusaram! Eles desinteressadamente resistiram em seu posto para honrar a memória dos soldados abatidos, mesmo diante de um furacão.

Creio que nos ensinamentos de Jesus, em Mateus 6:1-6, está o desejo dele de que vivamos com devoção implacável e altruísta para com Ele. A Bíblia nos ensina a praticar boas obras e a viver em santidade, mas estes são atos de adoração e obediência (vv.4-6), não atitudes para nos gloriarmos (v.2). O apóstolo Paulo endossa esta fidelidade por toda a vida quando nos pede que façamos de nossos corpos “um sacrifício vivo” (Romanos 12:1).

Senhor, que os nossos momentos particulares e públicos falem de nossa devoção e compromisso contigo.

Quanto mais servimos a Cristo, 
menos serviremos a nós mesmos. Randy Kilgore“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Augusto Cury photo
Carl Rogers photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Avicena photo
Friedrich Nietzsche photo
Vince Lombardi photo
Greta Garbo photo
Machado de Assis photo
William Shakespeare photo
Sócrates photo
Fiódor Dostoiévski photo

„Quanto mais gosto da humanidade em geral, menos aprecio as pessoas em particular, como indivíduos.“

—  Fiódor Dostoiévski escritor russo 1821 - 1881

Fiódor Dostoiévski in: Os Irmãos Karamazov - capítulo 9
Notas do Subterrâneo ou Memórias do subsolo, Os Irmãos Karamazóv

Friedrich Nietzsche photo

„(…) não existe, talvez, nada mais assustador e mais sinistro em toda a pré-história do homem que a sua técnica para se lembrar das coisas.” Alguma coisa é impressa, para que permaneça na memória: apenas o que dói incessantemente é recordado” – este é uma proposição central da mais antiga (e, infelizmente, também a mais duradoura) filosofia na Terra. Uma pessoa pode até sentir-se tentada a dizer que algo deste horror – através da qual em tempos se fizeram promessas por toda a Terra e foram dadas garantias e empenhamentos -, algo disto ainda sobrevive sempre que a solenidade, seriedade, secretismo e cores sombrias se encontram na vida dos homens e das nações: o passado, o passado mais longo, mais profundo e mais desagradável, respira sobre nós e brota em nós sempre que nos tornamos “sérios”. As coisas nunca avançaram sem sangue, tortura e vítimas, quando o homem achou necessário forjar uma memória de si próprio. Os sacrifícios e as oferendas mais horrendos (…), as mutilações mais repulsivas (…), os rituais mais cruéis de todos os cultos religiosos ( e todas as religiões são, nas suas fundações mais profundas, sistemas de crueldade) - todas estas coisas tem origem naquele instinto que adivinhou que a mais poderosa ajuda da memória era a dor.
Num certo sentido, todo o ascetismo faz parte disto: algumas ideias tem de tornar-se inextinguíveis, omnipresentes, inesquecíveis, “fixas” – com o objectivo de hipnotizar todo o sistema nervoso e intelecto através destas “ideias fixas” – e os procedimentos e formas de vida ascéticos são o meio de libertar essas ideias da competição com todas as outras ideias, para torna-las “inesquecíveis”. Quanto maior era a memoria da humanidade, mais assustadores parecem ser os seus costumes; a dureza dos códigos de punição, em particular, dá uma medida da quantidade de esforço que é necessária para triunfar sobre o esquecimento e tornar estes escravos efémeros da emoção e do desejo atentos a alguns requisitos primitivos de coabitação social. (…) Para dominar (…) recorreram a meios assustadores (…) de apedrejamento, (…), a empalação na estaca, a dilaceração ou o espezinhamento por cavalos, (…), queimar o criminoso em azeite (…), a prática popular de esfolamento, (…) cobrir o criminoso de mel e deixá-lo às moscas num sol abrasador. Com a ajuda deste tipo de imagens e procedimentos, a pessoa acaba por memorizar cinco ou seis “Não farei”, fazendo assim a promessa em troca das vantagens oferecidas pela sociedade. E de facto! com a ajuda deste tipo de memória, a pessoa acaba por “ver a razão”! Ah, razão, seriedade, domínio das emoções, todo o caso sombrio que dá pelo nome de pensamento, todos esses privilégios e exemplos do homem: que preço elevado que foi pago por eles! Quanto sangue e horror está no fundo de todas as “coisas boas”!“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

On the Genealogy of Morals

Ambrose Bierce photo

„A política é a condução dos negócios públicos para proveito dos particulares.“

—  Ambrose Bierce 1842 - 1914

Fonte: Dicionário do Diabo

Machado de Assis photo

„Capitu, isto é, uma criatura mui particular, mais mulher do que eu era homem.“

—  Machado de Assis, livro Dom Casmurro

Dom Casmurro
Variante: Capitu era Capitu isto é uma criatura mui particular mais mulher do que eu era homem.

Gustave Le Bon photo
Richard Dawkins photo
Jean Paul Sartre photo
Johann Wolfgang von Goethe photo

„O que é universal? O caso singular. O que é particular? Milhões de casos.“

—  Johann Wolfgang von Goethe escritor alemão 1749 - 1832

Atribuídas

Desmond de Silva photo
Charles Louis Montesquieu photo
Albert Camus photo
Malcolm X photo

„Censura teus amigos particularmente, e louva-os em público.“

—  Públio Siro

Públio Siro, citado em "Dicionário de pensamentos: 3000 citações de 922 autores sobre 332 assuntos" - Página 7, de Nair Lacerda - Editora Cultrix, 1974 - 256 páginas

Pedro I photo
Gustave Le Bon photo
Catão, o Censor photo
Haruki Murakami photo
Franz Kafka photo
Christopher Hitchens photo
Elon Musk photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Yuval Harari photo

„O matemático especula as causas de um certo efeito sensível, sem considerar sua existência real; pois a contemplação de universais exclui o conhecimento de particulares; e aquele cujo olhar intelectual está fixo naquilo que é geral e abrangente, pouco pensará naquilo que é sensível e singular.“

—  Proclo filósofo grego 412 - 485

The mathematician speculates the causes of a certain sensible effect, without considering its actual existence; for the contemplation of universals excludes the knowledge of particulars; and he whose intellectual eye is fixed on that which is general and comprehensive, will think but little of that which is sensible and singular.
The philosophical and mathematical commentaries of Proclus on the first book of Euclid's Elements: To which are added a History of the restoration of Platonic theology by the latter Platonists, and a translation from the Greek of Proclus's Theological elements, Volume 1, página LXVII https://books.google.com.br/books?id=AD1WAAAAYAAJ&pg=PR67, Proclus, ‎Marinus - 1792

Marcel Proust photo
Milton Friedman photo
Natalie Portman photo
Terencio photo

„Quantos homens houver, tantas opiniões haverá: todos com sua maneira particular“
Quot homines, tot sententiae: suo' quoique mos.

—  Terencio, Phormio

Fonte: Phormio, 161 d.C.

Angelina Jolie photo

„As tatuagens, o sangue, eu me cortando. Tudo isso tem mesmo muito a ver com quem sou. Se me conhecessem na vida particular, poderiam pensar que sou até mais selvagem do que minha reputação.“

—  Angelina Jolie Atriz, cineasta e ativista norte-americana 1975

Angelina Jolie, atriz, eleita pela revista Esquire como a mulher viva mais sexy do mundo
Fonte: IstoÉ Gente. Data: 25 de Outubro de 2004.
Fonte: Frases, Eliane Trindade; Diógenes Campanha, IstoÉ Gente, 25 de Outubro de 2004 http://www.terra.com.br/istoegente/272/frases/index.htm

Demócrito photo
Carlos Bernardo Gonzalez Pecotche photo
Heráclito photo

„Por isso é preciso seguir oque-é-com,(isto é, o comum; pois o comum é oque-é-com). Mas, o logos sendo oqueécom, vivem os homens como se tivessem uma inteligência particular.“

—  Heráclito filósofo pré-socrático considerado o "Pai da dialética" -535

Sexto Empírico, Contra os Matemáticos, VII, 133.

Daniel Galera photo
Joseph McCabe photo
Filipe, Duque de Edimburgo photo
Platão photo
Liev Tolstói photo
Immanuel Kant photo
George Carlin photo
Guy De Maupassant photo
Honoré De Balzac photo
Saul Bellow photo
Jane Austen photo
Mario Benedetti photo

„Nos escritórios não existem amigos; existem sujeitos que a gente vê todos os dias, que se enfurecem juntos ou separados, fazem piadas e se divertem com elas, que trocam suas queixas e se transmitem seus rancores, que reclamam da Diretoria em geral e adulam cada diretor em particular. Isto se chama convivência, mas só por miragem a convivência pode chegar a parecer-se com a amizade. Em tantos anos de escritórios, confesso que Avellaneda é meu primeiro afeto verdadeiro. O resto traz a desvantagem da relação não escolhida, do vínculo imposto pelas circunstâncias. O que eu tenho em comum com Muñoz, com Méndez, com Robledo? No entanto, às vezes rimos juntos, tomamos um trago, tratamo-nos com simpatia. No fundo, cada um é um desconhecido para os outros, porque neste tipo de relação superficial fala-se de muitas coisas, mas nunca das vitais, nunca das verdadeiramente importantes e decisivas. Creio que o trabalho é que impede outro tipo de confiança: o trabalho, essa espécie de constante martelar, ou de morfina, ou de gás tóxico. Algumas vezes, um deles (Muñoz, especialmente) se aproximou de mim para iniciar uma conversa realmente comunicativa. Começou a falar, começou a delinear com franqueza seu auto-retrato, começou a sintetizar os termos do seu drama, desse módico, estacionado, desconcertante drama que intoxica a vida de cada um, por mais homem médio que se sinta. Mas há sempre alguém chamando lá no balcão. Durante meia hora, ele tem de explicar a um cliente inadimplente a inconveniência e o castigo da mora, discute, grita um pouco, seguramente se sente envilecido. Quando volta à minha mesa, olha para mim e não diz nada. Faz o esforço muscular correspondente ao sorriso, mas suas comissuras se dobram para baixo. Então, pega uma planilha velha, amassa-a no punho, consciensiosamente, e depois a joga na cesta de papéis. É um simples substituitivo; o que não serve mais, o que ele atira na cesta do lixo, é a confidência. Sim, o trabalho amordaça a confiança.“

—  Mario Benedetti, livro The Truce

La tregua

Orhan Pamuk photo

„Quando aquela senhora que me lembrava minha tia disse que me conhecia, ela não estava dizendo que conhecia minha história de vida e minha família, que sabia onde eu morava, que escolas frequentei, os romances que escrevi e as dificuldades políticas que enfrentei. Nem que conhecia minha vida particular, meus hábitos pessoais ou minha natureza essencial e minha visão de mundo, que eu tentara expressar relacionando-as com minha cidade natal em meu livro Istambul. A velha senhora não estava confundindo a minha história com as histórias de minhas personagens fictícias. Ela parecia falar de algo mais profundo, mais íntimo, mais secreto, e senti que a entendia. O que permitiu que a tia perspicaz me conhecesse tão bem foram minhas próprias experiências sensoriais, que inconscientemente eu colocara em todos os meus livros, em todas as minhas personagens. Eu projetara minhas experiências em minhas personagens: como me sinto quando aspiro o cheiro da terra molhada de chuva, quando me embriago num restaurante barulhento, quando toco a dentadura de meu pai depois de sua morte, quando lamento estar apaixonado, quando eu consigo me safar quando conto uma mentirinha, quando aguardo na fila de uma repartição pública segurando um documento molhado de suor, quando observo as crianças jogando futebol na rua, quando corto o cabelo, quando vejo retratos de paxás e frutas pendurados nas bancas de Istambul, quando sou reprovado na prova de direção, quando fico triste depois que todo mundo deixou a praia no fim do verão, quando sou incapaz de me levantar e ir embora no final de uma longa visita a alguém apesar do adiantado da hora, quando desligo o falatório da TV na sala de espera do médico, quando encontro um velho amigo do serviço militar, quando há um súbito silêncio no meio de uma conversa interessante. Nunca me senti embaraçado quando meus leitores pensavam que as aventuras de meus heróis também haviam ocorrido comigo, porque eu sabia que isso não era verdade. Ademais, eu tinha o suporte de três séculos de teoria do romance e da ficção, que podia usar para me proteger dessas afirmações. E estava bem ciente de que a teoria do romance existia para defender e manter essa independência da imaginação em relação à realidade. No entanto, quando uma leitora inteligente me disse que sentira, nos detalhes do romance, a experiência da vida real que "os tornavam meus", eu me senti embaraçado como alguém que confessou coisas íntimas a respeito da própria alma, como alguém cujas confissões escritas foram lidas por outra pessoa.“

—  Orhan Pamuk escritor turco, vencedor do Prêmio Nobel de literatura de 2006 1952

The Naive and the Sentimental Novelist

Anthony Giddens photo
Jean-Marie Le Pen photo
John Stuart Mill photo
Johnny Depp photo
Johnny Depp photo
Kimi Räikkönen photo
Leo Buscaglia photo
Leo Buscaglia photo
Marcel Proust photo
Marcel Proust photo
Marcel Proust photo
Marilyn Manson photo
Marilyn Manson photo
Milan Kundera photo
Milton Friedman photo
Salman Rushdie photo
Wilhelm Busch photo

„O que se faz com prazer particular, raras vezes é particularmente bom.“

—  Wilhelm Busch 1832 - 1908

Was man besonders gerne tut, ist selten ganz besonders gut
Sämtliche Werke‎ - v.6, Página 218, de Wilhelm Busch - Publicado por Braun & Schneider, 1943

Woodrow Wilson photo

„Nenhuma tarefa, executada corretamente, é realmente particular. É parte do trabalho do mundo.“

—  Woodrow Wilson 28º Presidente dos Estados Unidos 1856 - 1924

No task, rightly done, is truly private. It is part of the world's work.
"Princeton for the nation's service: an address delivered on the occasion of his inauguration as president of Princeton university on October twenty-fifth, MCMII" - Página 33, Woodrow Wilson - Printed not published [The Gilliss press], 1903 - 40 páginas

Dominique de Villepin photo

„A "Grande Fome" de 1932-1933, que atingiu particularmente a Ucrânia, permanecerá na memória colectiva como um dos crimes mais terríveis do século XX cometidos por um governo contra o seu povo.“

—  Dominique de Villepin 1953

Dominique de Villepin, Ministro dos Negócios Estrangeiros de França, 16 de Dezembro de 2002; sobre Holodomor

Hakim Bey photo

„Imediatismo. Sentimo-nos livres de o fazer porque pretendemos praticar o Imediatismo em segredo, a fim de evitar qualquer contaminação de mediação. Publicamente nós continuaremos nosso trabalho na editora, rádio, gráfica, música, etc, mas em particular vamos criar algo mais, algo a ser compartilhado livremente, mas nunca consumido passivamente algo que pode ser discutido abertamente, mas nunca entendida pelos agentes de alienação, algo sem potencial comercial contudo com um valor além do preço, algo oculto ainda completamente tecido na construção de nossa vida cotidiana.“

—  Hakim Bey 1945

IMMEDIATISM. We feel free to do so because we intend to practice Immediatism in secret, in order to avoid any contamination of mediation. Publicly we'll continue our work in publishing, radio, printing, music, etc., but privately we will create something else, something to be shared freely but never consumed passively, something which can be discussed openly but never understood by the agents of alienation, something with no commercial potential yet valuable beyond price, something occult yet woven completely into the fabric of our everyday lives.
"Immediatism" - página 10 http://books.google.com.br/books?id=FlKN__HHPTMC&pg=PA10, Autores Hakim Bey, Freddie Baer, Ilustrado por Freddie Baer, AK Press, 1994, ISBN 1873176422, 9781873176429, 59 páginas

Henry Fielding photo
Henry James photo
Antônio Carlos Jobim photo

„Certamente, se Sinatra pertencesse à Máfia, não me diria. Particularmente, eu acho que não.“

—  Antônio Carlos Jobim compositor, maestro, pianista, cantor, arranjador e violonista brasileiro 1927 - 1994

Música
Fonte: RINGEL, David. Tom Jobim no Paredão. 1970. <sup> http://www.jobim.org/xmlui/handle/2010/10363 http://www.jobim.org/xmlui/bitstream/handle/2010/10363/pim542%202-4.jpg?sequence=4</sup>

Wolfgang Huber photo

„A idéia de que os discursos esponjosos é uma ponte particularmente forte neste desempenho, eu nunca desisti!“

—  Wolfgang Huber professor académico alemão 1942

Die Vorstellung, dass schwammiges Reden eine besonders tragfähige Brücke ergibt, dieser Vorstellung habe ich mich nie hingegeben!
Wolfgang Huber, entrevista a "ZEIT" DeutschlandRadio http://www.dradio.de/dlr/sendungen/tacheles/167539/ em 23 de maio de 2003, também publicado em EKD.de http://www.ekd.de/aktuell/2003_05_23_huber_interview_zeit_dlr.html

Harrison Ford photo

„Eu não uso qualquer método particular. Sou da escola que deixa fingir a representação.“

—  Harrison Ford Ator norte-americano 1942

"I don't use any particular method. I'm from the lets-pretend school of acting."

Jaime de Magalhães Lima photo
Papa Bento XVI photo

„Embora a inclinação particular de uma pessoa homossexual não seja um pecado, é mais ou menos uma tendência que vem de um mal moral intrínseco, e, portanto, a inclinação em si pode ser vista como uma desordem de objetivo.“

—  Papa Bento XVI professor académico alemão, Papa Emérito 1927

Em 1986, na carta aos bispos da Igreja Católica sobre o cuidado pastoral de gays; como citado em BBC Brasil http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2005/04/050420_frasespapamla.shtml, 20 de abril, 2005 - 11h39 GMT
Enquanto cardeal, Homossexualidade

Florestan Fernandes photo
Susan Faludi photo
Hélio de la Peña photo
Stephenie Meyer photo
Ian MacKaye photo
Leonid S. Sukhorukov photo

„O sexto sentido é vital no matrimónio, particularmente após o quinto divórcio.“

—  Leonid S. Sukhorukov 1945 - 2014

All About Everything, UK, 2005

Courtney Love photo
Menachem Mendel Schneerson photo
Alistair Cooke photo
Jim Morrison photo