„Nos escritórios não existem amigos; existem sujeitos que a gente vê todos os dias, que se enfurecem juntos ou separados, fazem piadas e se divertem com elas, que trocam suas queixas e se transmitem seus rancores, que reclamam da Diretoria em geral e adulam cada diretor em particular. Isto se chama convivência, mas só por miragem a convivência pode chegar a parecer-se com a amizade. Em tantos anos de escritórios, confesso que Avellaneda é meu primeiro afeto verdadeiro. O resto traz a desvantagem da relação não escolhida, do vínculo imposto pelas circunstâncias. O que eu tenho em comum com Muñoz, com Méndez, com Robledo? No entanto, às vezes rimos juntos, tomamos um trago, tratamo-nos com simpatia. No fundo, cada um é um desconhecido para os outros, porque neste tipo de relação superficial fala-se de muitas coisas, mas nunca das vitais, nunca das verdadeiramente importantes e decisivas. Creio que o trabalho é que impede outro tipo de confiança: o trabalho, essa espécie de constante martelar, ou de morfina, ou de gás tóxico. Algumas vezes, um deles (Muñoz, especialmente) se aproximou de mim para iniciar uma conversa realmente comunicativa. Começou a falar, começou a delinear com franqueza seu auto-retrato, começou a sintetizar os termos do seu drama, desse módico, estacionado, desconcertante drama que intoxica a vida de cada um, por mais homem médio que se sinta. Mas há sempre alguém chamando lá no balcão. Durante meia hora, ele tem de explicar a um cliente inadimplente a inconveniência e o castigo da mora, discute, grita um pouco, seguramente se sente envilecido. Quando volta à minha mesa, olha para mim e não diz nada. Faz o esforço muscular correspondente ao sorriso, mas suas comissuras se dobram para baixo. Então, pega uma planilha velha, amassa-a no punho, consciensiosamente, e depois a joga na cesta de papéis. É um simples substituitivo; o que não serve mais, o que ele atira na cesta do lixo, é a confidência. Sim, o trabalho amordaça a confiança.“

La tregua

Última atualização 22 de Maio de 2020. História

Citações relacionadas

Fernando Pessoa photo
Luigi Pirandello photo
Fernando Anitelli photo
John Donne photo
Simona de Silvestro photo
Matthew Fox photo
Artur da Távola photo
Hugo Von Hofmannsthal photo
Federico Fellini photo
Lygia Bojunga Nunes photo
Indíra Gándhí photo

„Existem dois tipos de pessoa: as que fazem o trabalho e as que recebem o crédito. Tente estar no primeiro grupo, tem menos competição aqui.“

—  Indíra Gándhí 1917 - 1984

There are two kinds of people, those who do the work and those who take the credit. He told me try to be in the first group; there was much less competition.
citado em "Indira Gandhi‎" - Página 181, Trevor Drieberg - Drake Publishers, 1973 - 221 páginas

„E depois uma rapariga precisa de algumas coisas, poucas, só que cada uma dessas coisas, por sua vez, precisa de outras coisas e depois já são tantas que para fazer uma mala são precisas duas horas e um quarto.“

—  Pedro Paixão 1956

Nos teus braços morreríamos: ficção - página 16, Livros Cotovia, Pedro Paixão, Edição 2, Editora Cotovia, 1998, ISBN 9728423160, 9789728423162, 138 páginas

Nora Roberts photo
Marco Aurélio Garcia photo

„Só há dois tipos de relação sem conflito: as de subordinação e as que não existem.“

—  Marco Aurélio Garcia professor de História e político filiado ao Partido dos Trabalhadores 1941 - 2017

Dorothy Day photo
Aécio Neves photo

„Também é preocupante a questão da renda e do trabalho. O apagão de mão de obra qualificada se aprofunda pela baixa escolaridade do trabalhador e pela sua frágil formação para o mundo cada vez mais exigente do trabalho.“

—  Aécio Neves político brasileiro 1960

Aécio Neves artigo do senador 30 de setembro 2013
Fonte Folha de S.Paulo http://www1.folha.uol.com.br/colunas/aecioneves/2013/09/1349291-andando-para-tras.shtml