Frases sobre destino

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da destino, destino, vida, vida.

Total 532 citações, filtro:

Eduardo Galeano photo
Deepak Chopra photo
Carlos Ruiz Zafón photo
João Guimarães Rosa photo
Machado de Assis photo
Benjamin Disraeli photo
George Orwell photo
Alexander Pope photo
Bruce Lee photo

„Lembre-se, o sucesso é uma jornada, não um destino. Tenha fé em sua capacidade.“

—  Bruce Lee Ator chinês-americano, artista marcial 1940 - 1973

Atribuídas, Aforismos

Ralph Waldo Emerson photo
Swami Sivananda photo

„O homem semeia um pensamento e colhe uma ação. Semeia uma ação e colhe um hábito. Semeia um hábito e colhe caráter. Semeia caráter e colhe o destino.“

—  Swami Sivananda 1887 - 1963

Thought-Power [O Poder do Pensamento pelo Yoga]; Editora Pensamento (1997);

Platão photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Ramana Maharshi photo
Juscelino Kubitschek photo
Franklin Delano Roosevelt photo
José Lins do Rego photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Marco Aurelio photo
Henry Wadsworth Longfellow photo
Martin Luther King Junior photo
Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer photo

„O destino embaralha as cartas, e nós jogamos.“

—  Arthur Schopenhauer filósofo alemão 1788 - 1860

Das Schicksal mischt die Karten, und wir spielen
Arthur Schopenhauers handschriftlicher Nachlass: Aus den auf der Königlichen Bibliothek in Berlin verwahrten Manuskriptbüchern, Volume 4, página 523, Arthur Schopenhauer - Reclam, 1892

Arthur Schopenhauer photo
Winston Churchill photo

„É um erro tentar ver muito longe no futuro. A corrente do destino somente pode ser puxada um elo por vez.“

—  Winston Churchill Político britânico 1874 - 1965

Variante: É um erro tentar enxergar à frente demais. A corrente do destino só pode ser percorrida à razão de um elo de cada vez.

Arthur Ashe photo
Franz Bardon photo

„Deixe que parta!


Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, […] e vai para a terra que te mostrarei. v.1


Para o nosso aniversário de casamento, meu marido emprestou uma bicicleta tandem (assento duplo) para que pudéssemos desfrutar de uma aventura romântica juntos. Quando começamos a pedalar, percebi que, com o piloto à minha frente, a estrada se escondia por trás de seus ombros largos. Além disso, o meu guidão era fixo; e não afetava o movimento da bicicleta. Somente o guidão da frente determinava a nossa direção; o meu servia apenas como apoio para a parte superior do meu corpo. Eu tinha a opção de sentir-me frustrada por minha falta de controle ou de confiar que meu marido nos guiaria com segurança em nossa rota.

Quando Deus pediu a Abrão para deixar a sua terra natal e família, Ele não lhe ofereceu muitas informações sobre o destino. Nenhuma coordenada geográfica. Nenhuma descrição da nova terra nem de seus recursos naturais. Nem mesmo uma indicação sobre quanto tempo levaria para alcançá-la. Deus simplesmente o instruiu a “ir” para a terra que o Senhor lhe mostraria. A obediência de Abrão à instrução de Deus, apesar de não saber a maioria dos detalhes, como os seres humanos anseiam, lhe é creditado como “fé” (Hebreus 11:8).

Se estivermos lutando com incerteza ou descontrole em nossa vida, adotemos o exemplo de Abrão — seguir em frente e confiar em Deus. O Senhor nos orientará bem.

Devemos confiar em Deus para guiar-nos. Keila Ochoa“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Ludwig Van Beethoven photo
Ben Carson photo
Carl Gustav Jung photo
Carl Gustav Jung photo
William Jennings Bryan photo

„O destino não é uma questão de oportunidade. É uma questão de escolha. Não é algo para se ficar esperando, é algo a ser conquistado.“

—  William Jennings Bryan 1860 - 1925

Destiny is not a matter of Chance, it is a matter of choice; it is not a thing to be waited for, it is a thing to be achieved
"Republic Or Empire? The Philippine Question" - Página 35; de William Jennings Bryan - Publicado por The Independence Co., 1899

Paulo Coelho photo
William Somerset Maugham photo
Miguel Torga photo

„Ter um destino é não caber no berço onde o corpo nasceu, é transpor as fronteiras uma a uma e morrer sem nenhuma.“

—  Miguel Torga escritor português 1907 - 1995

Miguel Torga In Fernão de Magalhães, Antologia Poética. Lisboa: Dom Quixote, 1999.

Sophia Loren photo
Isabel Allende photo
Carl Gustav Jung photo
Aldous Huxley photo
Amado Nervo photo
Jack London photo
Ella Wheeler Wilcox photo
Gabriel Chalita photo
Jack Welch photo
Henry David Thoreau photo
Jimmy Dean photo
Júlio Dinis photo
Ella Wheeler Wilcox photo
Malala Yousafzai photo
Karl Marx photo
Diana, Princesa de Gales photo
Eça de Queiroz photo
Albert Einstein photo
Bertrand Russell photo

„Quantos mais motivos de interesse um homem tem, mais ocasiões tem também de ser feliz e menos está à mercê do destino, pois se perder um pode recorrer logo a outro.“

—  Bertrand Russell 1872 - 1970

The more things a man is interested in, the more opportunities of happiness he has, and the less he is at the mercy of fate, since if he loses one thing he can fall back upon another.
The conquest of happiness‎ - Página 160, Bertrand Russell - H. Liveright, 1930 - 249 páginas

Clarice Lispector photo
Victor Hugo photo

„‎"Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século - a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância - não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis."“

—  Victor Hugo, livro Os Miseráveis

Os Miseráveis
Variante: Enquanto, por efeito de leis e costumes, houver proscrição social, forçando a existência, em plena civilização, de verdadeiros infernos, e desvirtuando, por humana fatalidade, um destino por natureza divino; enquanto os três problemas do século - a degradação do homem pelo proletariado, a prostituição da mulher pela fome, e a atrofia da criança pela ignorância - não forem resolvidos; enquanto houver lugares onde seja possível a asfixia social; em outras palavras, e de um ponto de vista mais amplo ainda, enquanto sobre a terra houver ignorância e miséria, livros como este não serão inúteis.
Fonte: "Os Miseráveis" - Prefácio

Fernanda Montenegro photo

„Nosso critério não é o de escolher papéis, mas procurar peças que queiram dizer alguma coisa. Fazer teatro é um destino.“

—  Fernanda Montenegro atriz brasileira de teatro, novelas, televisão e cinema 1929

Em entrevista à Revista Veja, em abril de 1976

Ellen G. White photo
Walter Benjamin photo
Lya Luft photo
Helen Keller photo
Miguel Sousa Tavares photo
Hermann Hesse photo
Anselm Jappe photo
Machado de Assis photo
Simone de Beauvoir photo
Miguel Sousa Tavares photo
Alexis Karpouzos photo
Charles Baudelaire photo
Antonio Gramsci photo
Emily Dickinson photo
Emile Zola photo

„O destino dos animais é muito mais importante para mim do que o medo de parecer ridículo.“

—  Emile Zola 1840 - 1902

Émile Zola, citado em "Ética & Animais" - Página 221, Carlos Michelon Naconey, EDIPUCRS, 2006, ISBN 8574305871, 9788574305875 - 234 páginas
Atribuídas

Leonardo Da Vinci photo
Valter Bitencourt Júnior photo

„(…)
Procuro meu ser poeta,
Que só o meu destino
Pode encontrar!
Onde não sei…
Vejo tudo em neblinas.“

—  Valter Bitencourt Júnior poeta e escritor brasileiro 1994

Fonte: Fragmento da poesia "À procura", Toque de Acalanto: Poesias, Valter Bitencourt Júnior, 2017, Clube de Autores/Amazon, pág. 26, ISBN: 9781549710971.

Gerson De Rodrigues photo

„O Duplo - Uma Alegoria Niilista

Sentado em seu quarto com a corda nas mãos, o filósofo exausto enfrentava seu lado obscuro.

Não suporto mais as dores que me afligem, aonde se escondem as motivações? Estariam elas enterradas junto ao tumulo de deus?

Disse o filósofo em um tom sereno, sozinho, naquele quarto abandonado, andando de um lado para o outro

― Então desista! O Que te impede de colocar a corda sobre o pescoço e se deleitar com a morte?

Diziam as vozes em sua mente

Cale-se!! Deve existir algum motivo, alguma razão, alguma circunstância para se viver. Algo tão solido, que as dores que afligem meu coração não me torne um escravo da melancolia

Gritou o filósofo arremessando a corda para longe

― Mas você não encontrou certo? Estas inexplicáveis dores te assombram desde a infância, e a muito tempo vem mentindo para si mesmo que isso ou aquilo é o que te mantem vivo. E agora? O que restou? Todos que você um dia amou não passam de cadáveres!

Disse a voz em um tom fino e calmo

Mas (…) eu ainda tenho os meus livros. O Que me diz sobre eles? Meus trabalhos serão lembrados para sempre! Um filósofo não é útil vivo…

Dizia o Filósofo enquanto pegava uma de suas obras nas mãos, sentindo orgulho de si mesmo.

A voz doce, fala calmamente em seu ouvido

― O Que é a filosofia? Se não aforismos da mente de um grupo de primatas na fração de um ponto. Não seja egoísta, nós dois sabemos que um dia toda a realização da humanidade irá desaparecer no tempo

Com esse pensamento aonde iremos? Se todos pensarmos assim, todo o conhecimento da humanidade irá parar no tempo, o que sugere? Pensas que tem a resposta para tudo? Acha que morrer é a solução?

Disse o filósofo encarando o espelho

― Eu? Eu não posso sugerir nada, não se esqueça que está sozinho, sempre esteve, e assim morrerá! Chegou ao ponto de delirar e discutir consigo mesmo! Ainda acha que um homem louco gritando sozinho em um quarto vazio merece viver? Se tudo que tem de valor em sua vida patética são livros, eu é que te pergunto…

O Que sugere?

Não há nenhuma sugestão, nenhuma forma de resolver isso, a não ser no leito de morte.

― Então continue, vá em frente, coloque as cordas sobre seu pescoço e desista!

O Filósofo caminha até o canto do quarto, pega a corda, e a coloca sobre o seu pescoço

― Você nunca foi nada, nunca poderá ser nada, e este é o seu destino, morrer como um nada!

Cale-se…

Disse o filósofo em voz baixa, enquanto ajeitava a corda em seu pescoço. Ele então caminha até o espelho e o encara por alguns minutos…

― Há um intrínseco Niilismo em nossas vidas…

Disse a voz em sua mente, de maneira tão suave que a própria escuridão o abraçou

Essa não é a nossa primeira discussão, e não será a última…

Disse o filósofo ainda encarando o espelho com a corda no pescoço

― Então a dor passou não é? Flertar com a morte sempre cura as mais profundas feridas.

Passou (…) agora sinto a melancolia preenchendo todo o meu ser

― Talvez, o grande significado por trás da vida humana, seja simplesmente alimentar os vermes em nosso leito de morte.

Parte em ser Niilista, é compreender nosso lugar no cosmos. Nós não significamos nada, e a vida é repleta de dor e sofrimento.

O Niilismo, te entrega a chave do conhecimento para compreender esses fatos e seguir em frente, flertamos com o suicídio, mas não nos suicidamos, pois compreendemos a realidade ao nosso redor.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Gerson De Rodrigues photo
Gerson De Rodrigues photo
Albert Camus photo
Salustio photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Thomas Love Peacock photo
Jair Bolsonaro photo
Kito Aya photo
Frank Wedekind photo

„Este quase eterno, que é o destino, a característica da minha natureza. Eu estava casado, e quase me tornei um ator, quase um escritor ilustre e quase merecia uma tonelada de dinheiro. Isto quase, mas não tenho muita sorte, muito menos com as mulheres que têm pouca receptividade ao realismo para o quase ter.“

—  Frank Wedekind 1864 - 1918

Dieses ewige Beinahe, das ist das Verhängnis, das Charakteristische meiner Natur. Ich war beinah verheiratet, wäre beinahe Schauspieler geworden, bin beinahe ein geschätzter Schriftsteller und verdiene beinahe eine Unmenge Geld. Mit diesem Beinahe hat man aber nicht viel Glück, am wenigsten bei Frauen, die in ihrem berechtigten Realismus wenig Empfänglichkeit für das Beinahe haben.
Frank Wedekind, carta a K. Martens, 26 de dezembro de 1899

Bob Marley photo

„Todo homem tem direito de decidir seu próprio destino.“

—  Bob Marley foi um cantor, guitarrista (raggae) e compositor jamaicano famoso por popularizar o gênero 1945 - 1981

Fernando Pessoa photo

„Já repeti o antigo encantamento,
E a grande Deusa aos olhos se negou.
Já repeti, nas pausas do amplo vento,
As orações cuja alma é um ser fecundo.
Nada me o abismo deu ou o céu mostrou.
Só o vento volta onde estou toda e só,
E tudo dorme no confuso mundo.

"Outrora meu condão fadava, as sarças
E a minha evocação do solo erguia
Presenças concentradas das que esparsas
Dormem nas formas naturais das coisas.
Outrora a minha voz acontecia.
Fadas e elfos, se eu chamasse, via.
E as folhas da floresta eram lustrosas.

"Minha varinha, com que da vontade
Falava às existências essenciais,
Já não conhece a minha realidade.
Já, se o círculo traço, não há nada.
Murmura o vento alheio extintos ais,
E ao luar que sobe além dos matagais
Não sou mais do que os bosques ou a estrada.

"Já me falece o dom com que me amavam.
Já me não torno a forma e o fim da vida
A quantos que, buscando-os, me buscavam.
Já, praia, o mar dos braços não me inunda.
Nem já me vejo ao sol saudado ergUida,
Ou, em êxtase mágico perdida,
Ao luar, à boca da caverna funda.

"Já as sacras potências infernais,
Que, dormentes sem deuses nem destino,
À substância das coisas são iguais,
Não ouvem minha voz ou os nomes seus.
A música partiu-se do meu hino.
Já meu furor astral não é divino
Nem meu corpo pensado é já um deus.

"E as longínquas deidades do atro poço,
Que tantas vezes, pálida, evoquei
Com a raiva de amar em alvoroço,
lnevocadas hoje ante mim estão.
Como, sem que as amasse, eu as chamei,
Agora, que não amo, as tenho, e sei
Que meu vendido ser consumirão.

"Tu, porém, Sol, cujo ouro me foi presa,
Tu, Lua, cuja prata converti,
Se já não podeis dar-me essa beleza
Que tantas vezes tive por querer,
Ao menos meu ser findo dividi
Meu ser essencial se perca em si,
Só meu corpo sem mim fique alma e ser!

"Converta-me a minha última magia
Numa estátua de mim em corpo vivo!
Morra quem sou, mas quem me fiz e havia,
Anônima presença que se beija,
Carne do meu abstrato amor cativo,
Seja a morte de mim em que revivo;
E tal qual fui, não sendo nada, eu seja!“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Anaïs Nin photo
Paulo Coelho photo
John Stuart Mill photo

„É impossível que ocorram grandes transformações positivas no destino da humanidade se não houver uma mudança de peso na estrutura básica de seu modo de pensar.“

—  John Stuart Mill 1806 - 1873

No great improvements in the lot of mankind are possible, until a great change takes place in the fundamental constitution of their modes of thought.
citado em "London society: Volume 26" - página 371, J. Hogg, 1874
Atribuídas

Carlos Ruiz Zafón photo

„…os acasos são coincidencia do destino.“

—  Carlos Ruiz Zafón, livro A Sombra do Vento

A Sombra do Vento
A sombra do vento