Frases sobre escravo

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da escravo, homem, homens, ser.

Total 228 citações, filtro:

Pablo Neruda photo
William Shakespeare photo

„Eu te vejo


Tu és Deus 
que vê… v.13


“Eu vejo você”, disse uma amiga num grupo on-line de escritores, no qual nos apoiamos e encorajamos uns aos outros. Como tinha me sentido estressada e ansiosa, experimentei uma sensação de paz e bem-estar com as suas palavras. Ela “viu” minhas esperanças, medos, lutas e sonhos e demonstrou amor.

Quando ouvi o incentivo simples, mas poderoso dessa amiga, pensei em Agar, uma escrava na casa de Abrão. Depois de muitos anos de Sarai e Abrão ansiarem por um herdeiro, Sarai seguiu um costume de sua cultura e disse ao marido para conceber utilizando-se da escrava Agar. Mas quando Agar engravidou, ela tratou Sarai com desprezo. Quando Sarai revidou tal afronta, Agar fugiu para longe, para o deserto.

O Senhor viu Agar em sua dor e confusão, e abençoou-a com a promessa de que ela seria a mãe de muitos descendentes. Depois desse encontro com o Anjo do Senhor, Agar chamou o Senhor “El Roi”, que significa “o Deus que vê” (v.13), pois ela sabia que não estava sozinha ou abandonada.

Como Agar foi vista e amada, nós também somos. Podemos nos sentir ignoradas ou rejeitadas por amigos ou familiares, no entanto, sabemos que nosso Pai não vê apenas o rosto que apresentamos ao mundo, mas todos os nossos sentimentos e medos secretos. Ele fala as palavras que nos trazem vida.

Saber que Deus nos vê 
nos traz conforto e nos dá confiança. Amy Boucher Pye“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Construindo a comunidade


…os gentios são coerdeiros, membros do mesmo corpo e coparticipantes da promessa em Cristo Jesus… 3:6


Henri Nouwen, teólogo, diz que “comunidade” é o lugar onde a pessoa com quem você menos quer estar, vive. Muitas vezes nos cercamos com as pessoas com quem mais queremos conviver, e formamos um clube ou turma, não uma comunidade. Qualquer um pode formar um clube; mas é preciso ação, visão comum e trabalho árduo para formar uma comunidade.

A Igreja Cristã foi a primeira instituição na história a reunir em pé de igualdade judeus e gentios, homens e mulheres, escravos e livres. O apóstolo Paulo foi eloquente sobre este “mistério, desde os séculos, oculto em Deus”. Ao formar uma comunidade de diversos membros, Paulo disse que temos a oportunidade de captar a atenção do mundo e até do mundo sobrenatural (vv.9,10).

Em alguns aspectos, a igreja infelizmente falhou nesta tarefa. Ainda assim, ela é o único lugar que vou que reúne gerações: crianças ainda nos braços de suas mães, outras que se contorcem e riem nas horas que não devem, adultos responsáveis que sabem agir adequadamente em todos os momentos e os que dormem se a explanação do pastor for muito longa.

Se quisermos a experiência comunitária que Deus nos oferece, temos razão em procurar uma congregação de pessoas que não sejam “como nós”.

O homem que vive numa pequena comunidade 
vive num mundo muito maior. G. K. Chesterton Philip Yancey“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Um dia para descansar


Seis dias farás a tua obra, mas, ao sétimo dia, descansarás… v.12


Certo domingo, fiquei em pé junto à corrente de água borbulhante que atravessa a nossa comunidade, deliciando-me com a beleza que ela traz para a nossa área. Senti-me relaxar enquanto observava a pequena cascata e ouvia os pássaros cantando. Fiz uma pausa para dar graças ao Senhor pela maneira como Ele nos ajuda a encontrar o descanso para nossa alma.

O Senhor instituiu o sábado: um dia para o descanso e renovação para o Seu povo no antigo Oriente, pois queria que eles prosperassem. Como vemos no livro de Êxodo, Ele lhes diz para semear seus campos por seis anos e descansar no sétimo. Assim também com o trabalho em seis dias e descanso no sétimo. Seu modo de vida distinguiu os israelitas de outras nações, pois não só eles, mas também os estrangeiros e escravos em suas casas foram autorizados a seguir este padrão.

Podemos nos aproximar do nosso dia de descanso com expectativa e criatividade, acolhendo a oportunidade de adorar e de fazer algo que alimenta a nossa alma, o que varia de acordo com nossas preferências. Alguns gostariam de jogar, outros de fazer jardinagem, compartilhar uma refeição com amigos e família; tirar uma soneca à tarde.

Como podemos redescobrir a beleza e a riqueza de separar um dia para o descanso, se isso estiver faltando em nossa vida?

Em nossa fé e serviço, o descanso 
é tão importante quanto o trabalho.
Amy Boucher Pye“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Comemore a liberdade


Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. 8:2


Depois de ter sido sequestrado, mantido refém por 13 dias, e libertado, o cinegrafista da Nova Zelândia, Olaf Wiig, com um amplo sorriso no rosto, anunciou: “Sinto-me mais vivo agora do que em toda a minha vida.”

Por razões difíceis de entender, ser libertado é mais emocionante do que ser livre.

Para aqueles que gostam da liberdade todos os dias, a alegria de Wiig é um bom lembrete de como nos esquecemos facilmente sobre como somos abençoados. Isso também acontece espiritualmente. Aqueles dentre nós que já são cristãos por muito tempo muitas vezes esquecem o que é ser refém do pecado. Podemos nos tornar complacentes e até ingratos. Mas, na sequência, Deus envia um lembrete na forma de um novo cristão com testemunho exuberante do que Deus tem feito em sua vida e, mais uma vez, reconhecemos a alegria que temos, sendo livres “da lei do pecado e da morte” (Romanos 8:2).

Se a liberdade se tornou aborrecida para você, ou se você tende a se concentrar no que não pode fazer, pense nisso: Você não só não é mais escravo do pecado, mas está liberto para ser santo e desfrutar a vida eterna com Cristo Jesus (6:22)!

Celebre a sua liberdade em Cristo, e invista o seu tempo agradecendo a Deus pelas coisas que você é capaz e livre para fazer sendo o Seu servo.

Viver para Cristo 
traz a verdadeira liberdade Julie Ackerman Link“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Tudo que eu preciso fazer agora é dormir

Acordei as seis horas da manhã
com um vazio em meu peito
que me faz desejar um câncer em meu cérebro

Preciso devolver um livro na biblioteca
ando pela rua como um homem doente
passei tanto tempo sozinho
que eu já não sei mais conviver em sociedade

Chego até a biblioteca
o local está repleto de gente
todos eles me olham com cara de nojo

Como se eu fosse algum tipo de monstro
não posso culpá-los
talvez eu realmente seja

Na minha mente
estão todos mortos
e o diabo dança sobre os seus cadáveres

Caminho em direção a balconista
e as minhas pernas começam a falhar
sem que eu perceba caio em meio a uma pilha de livros

As pessoas correm ao meu redor
e me apontam os seus dedos sujos

Levanto-me em desespero,
e volto correndo para casa

Tranco-me em meu quarto
como quem procura se esconder das estrelas
e novamente eu sou um lobo solitário
abandonado em um ninho de ratos

As paredes do meu quarto
jorram o sangue de um suicídio inevitável

Todos os dias eu me pergunto;

O que diabos eu estou fazendo aqui?
quando foi que eu me perdi?

Rasguei as entranhas da minha própria Mãe
e a amaldiçoei com a minha vida

Eu afastei todos aqueles
que se aproximaram de mim

Como uma barata
que rasteja em meio aos vermes
sinto-me repugnante

Sozinho no mundo
um escravo da minha própria insanidade
o Cristo do meu próprio testamento

As fotos velhas na minha estante
me lembram os dias em que eu fui feliz

Sinto-me culpado por existir
e a cada segundo eu me odeio cada vez mais

Volto para o meu quarto,
tudo que eu preciso fazer agora é dormir;

Acordei as seis horas da manhã
com um vazio em meu peito
que me faz desejar um câncer em meu cérebro

Vou até o espelho e me pergunto;
por quantos anos eu ainda irei suportar
essa rotina de sofrimento?

Uma lágrima sincera escorre pelo meu rosto
volto até o meu quarto
decidido a acabar com tudo
sátiros dançam ao redor da minha cama

Pego as minhas roupas e tampo todas as
saídas de ar da minha casa
vou até a cozinha e ligo o gás

Tudo que eu preciso fazer agora
é dormir…“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Fonte: Solidão Deuses Ateísmo Niilismo

Vincent Van Gogh photo
Diógenes de Sinope photo
Gerson De Rodrigues photo

„O Duplo - Uma Alegoria Niilista

Sentado em seu quarto com a corda nas mãos, o filósofo exausto enfrentava seu lado obscuro.

Não suporto mais as dores que me afligem, aonde se escondem as motivações? Estariam elas enterradas junto ao tumulo de deus?

Disse o filósofo em um tom sereno, sozinho, naquele quarto abandonado, andando de um lado para o outro

― Então desista! O Que te impede de colocar a corda sobre o pescoço e se deleitar com a morte?

Diziam as vozes em sua mente

Cale-se!! Deve existir algum motivo, alguma razão, alguma circunstância para se viver. Algo tão solido, que as dores que afligem meu coração não me torne um escravo da melancolia

Gritou o filósofo arremessando a corda para longe

― Mas você não encontrou certo? Estas inexplicáveis dores te assombram desde a infância, e a muito tempo vem mentindo para si mesmo que isso ou aquilo é o que te mantem vivo. E agora? O que restou? Todos que você um dia amou não passam de cadáveres!

Disse a voz em um tom fino e calmo

Mas (…) eu ainda tenho os meus livros. O Que me diz sobre eles? Meus trabalhos serão lembrados para sempre! Um filósofo não é útil vivo…

Dizia o Filósofo enquanto pegava uma de suas obras nas mãos, sentindo orgulho de si mesmo.

A voz doce, fala calmamente em seu ouvido

― O Que é a filosofia? Se não aforismos da mente de um grupo de primatas na fração de um ponto. Não seja egoísta, nós dois sabemos que um dia toda a realização da humanidade irá desaparecer no tempo

Com esse pensamento aonde iremos? Se todos pensarmos assim, todo o conhecimento da humanidade irá parar no tempo, o que sugere? Pensas que tem a resposta para tudo? Acha que morrer é a solução?

Disse o filósofo encarando o espelho

― Eu? Eu não posso sugerir nada, não se esqueça que está sozinho, sempre esteve, e assim morrerá! Chegou ao ponto de delirar e discutir consigo mesmo! Ainda acha que um homem louco gritando sozinho em um quarto vazio merece viver? Se tudo que tem de valor em sua vida patética são livros, eu é que te pergunto…

O Que sugere?

Não há nenhuma sugestão, nenhuma forma de resolver isso, a não ser no leito de morte.

― Então continue, vá em frente, coloque as cordas sobre seu pescoço e desista!

O Filósofo caminha até o canto do quarto, pega a corda, e a coloca sobre o seu pescoço

― Você nunca foi nada, nunca poderá ser nada, e este é o seu destino, morrer como um nada!

Cale-se…

Disse o filósofo em voz baixa, enquanto ajeitava a corda em seu pescoço. Ele então caminha até o espelho e o encara por alguns minutos…

― Há um intrínseco Niilismo em nossas vidas…

Disse a voz em sua mente, de maneira tão suave que a própria escuridão o abraçou

Essa não é a nossa primeira discussão, e não será a última…

Disse o filósofo ainda encarando o espelho com a corda no pescoço

― Então a dor passou não é? Flertar com a morte sempre cura as mais profundas feridas.

Passou (…) agora sinto a melancolia preenchendo todo o meu ser

― Talvez, o grande significado por trás da vida humana, seja simplesmente alimentar os vermes em nosso leito de morte.

Parte em ser Niilista, é compreender nosso lugar no cosmos. Nós não significamos nada, e a vida é repleta de dor e sofrimento.

O Niilismo, te entrega a chave do conhecimento para compreender esses fatos e seguir em frente, flertamos com o suicídio, mas não nos suicidamos, pois compreendemos a realidade ao nosso redor.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Fernando Pessoa photo

„"A liberdade é a possibilidade do isolamento.(..) Se te é impossível viver só, nasceste escravo."(…)“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

no Livro do Desassossego
Autobiografia sem Factos
Variante: A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.

Karl Marx photo
Augusto Cury photo
Gerson De Rodrigues photo

„Poema - Isaías 14:12

Se o suicídio de um homem
os assusta
jamais olhe em seus olhos!

Neles existem dores
que jamais conseguiriam compreender;

Já não me importam as estrelas
ou os devaneios longínquos
sinto-me como se estivesse morto

Apático como a navalha
que transformou os meus pulsos
em rios de sangue e miséria

Não restou-me nada
do homem que eu fui
para o verme que eu sou hoje

Logo eu
que sempre lutei por liberdade
tornei-me o escravo do meu próprio abismo

A criança maldita
que só trouxe
miséria aos seus pais

O homem maldito
que traz em seus olhos
a luz da estrela da manhã
refletida em suas lágrimas.

Em mim vivem
monstros terríveis
adormecidos como criaturas do inferno

Todas as noites os acordo
para dançarmos com o Diabo;

Não deveria eu
lançar-me em meio
as chamas do inferno

Com uma corda em meu pescoço
gritando como um louco

- Crucifiquem-me
pois sou Judas!
trai a mim mesmo!

Não consigo pedir ajuda
aos homens
pois sou dono de uma timidez cruel

Não posso pedir ajuda
aos Deuses
pois vendi minha alma ao diabo

Sozinho em meu próprio abismo
solitário em meu próprio inferno
um Deus que perdeu sua própria fé

O amor não pode salvar um homem
que sobre o seu próprio túmulo
rogou bênçãos e sacrilégios;

- Não estão escutando estas
lindas canções?

- Como podem chorar
ao escutar estas belas sinfonias?

Não chorem
pelos meus pulsos dilacerados

Ou pelo homem enforcado
naquele quarto escuro

- Não veem que agora
estou sorrindo?

Um arcanjo de asas negras
sepultou a minha alma
sob a luz da estrela da manhã…“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

„Se não encontrarmos respostas adequadas a todas as questões sobre educação, continuaremos a forjar almas de escravos em nossos filhos.“

—  Célestin Freinet 1896 - 1966

Fonte: Revista Nova Escola http://revistaescola.abril.com.br/especiais/pensadores/pdfs/celestin_freinet.pdf

Spinoza photo
Baltasar Gracián photo
Aristoteles photo

„O homem livre é senhor da sua vontade e escravo somente da sua consciência.“

—  Aristoteles filósofo grego -384 - -321 a.C.

Variante: O homem livre é senhor de sua vontade e somente escravo de sua própria consciência.

Heráclito photo
William Shakespeare photo
Helena Blavatsky photo
Zumbi dos Palmares photo
António Lobo Antunes photo
Aristoteles photo

„O escravo é uma máquina sem alma.“

—  Aristoteles filósofo grego -384 - -321 a.C.

Friedrich Nietzsche photo

„(…) não existe, talvez, nada mais assustador e mais sinistro em toda a pré-história do homem que a sua técnica para se lembrar das coisas.” Alguma coisa é impressa, para que permaneça na memória: apenas o que dói incessantemente é recordado” – este é uma proposição central da mais antiga (e, infelizmente, também a mais duradoura) filosofia na Terra. Uma pessoa pode até sentir-se tentada a dizer que algo deste horror – através da qual em tempos se fizeram promessas por toda a Terra e foram dadas garantias e empenhamentos -, algo disto ainda sobrevive sempre que a solenidade, seriedade, secretismo e cores sombrias se encontram na vida dos homens e das nações: o passado, o passado mais longo, mais profundo e mais desagradável, respira sobre nós e brota em nós sempre que nos tornamos “sérios”. As coisas nunca avançaram sem sangue, tortura e vítimas, quando o homem achou necessário forjar uma memória de si próprio. Os sacrifícios e as oferendas mais horrendos (…), as mutilações mais repulsivas (…), os rituais mais cruéis de todos os cultos religiosos ( e todas as religiões são, nas suas fundações mais profundas, sistemas de crueldade) - todas estas coisas tem origem naquele instinto que adivinhou que a mais poderosa ajuda da memória era a dor.
Num certo sentido, todo o ascetismo faz parte disto: algumas ideias tem de tornar-se inextinguíveis, omnipresentes, inesquecíveis, “fixas” – com o objectivo de hipnotizar todo o sistema nervoso e intelecto através destas “ideias fixas” – e os procedimentos e formas de vida ascéticos são o meio de libertar essas ideias da competição com todas as outras ideias, para torna-las “inesquecíveis”. Quanto maior era a memoria da humanidade, mais assustadores parecem ser os seus costumes; a dureza dos códigos de punição, em particular, dá uma medida da quantidade de esforço que é necessária para triunfar sobre o esquecimento e tornar estes escravos efémeros da emoção e do desejo atentos a alguns requisitos primitivos de coabitação social. (…) Para dominar (…) recorreram a meios assustadores (…) de apedrejamento, (…), a empalação na estaca, a dilaceração ou o espezinhamento por cavalos, (…), queimar o criminoso em azeite (…), a prática popular de esfolamento, (…) cobrir o criminoso de mel e deixá-lo às moscas num sol abrasador. Com a ajuda deste tipo de imagens e procedimentos, a pessoa acaba por memorizar cinco ou seis “Não farei”, fazendo assim a promessa em troca das vantagens oferecidas pela sociedade. E de facto! com a ajuda deste tipo de memória, a pessoa acaba por “ver a razão”! Ah, razão, seriedade, domínio das emoções, todo o caso sombrio que dá pelo nome de pensamento, todos esses privilégios e exemplos do homem: que preço elevado que foi pago por eles! Quanto sangue e horror está no fundo de todas as “coisas boas”!“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

On the Genealogy of Morals

Fernando Pessoa photo
Mahátma Gándhí photo
Jean Jacques Rousseau photo

„Se há escravos por natureza, é porque os há contra a natureza; a força formou os primeiros, e a covardia os perpetuou.“

—  Jean Jacques Rousseau, livro Do Contrato Social

S'il y à donc des esclaves par nature, c'est parce qu'il y à eu des esclaves contre nature. La force a fait les premiers esclaves, leur làcheté les perpétués.
Du contrat social, Páginas 8-9 http://books.google.com.br/books?id=5iQVAAAAQAAJ&pg=PA8 - Jean-Jacques Rousseau - 1797.
Do Contrato Social

Johann Wolfgang von Goethe photo

„Ninguém é mais escravo do que aquele que se considera livre sem o ser.“

—  Johann Wolfgang von Goethe, livro As Afinidades Eletivas

Niemand ist mehr Sklave als der sich für frei hält ohne es zu seyn.
Werke: Die Wahlverwandtschaften, Volume 14‎ - Página 259 http://books.google.com.br/books?id=cIw6AAAAcAAJ&pg=PA259, Johann Wolfgang von Goethe - Cotta, 1817 - 414 páginas

Castro Alves photo
Sigmund Freud photo
Oscar Wilde photo

„Os piores senhores eram os que se mostravam mais bondosos para com seus escravos, pois assim impediam que o horror do sistema fosse percebido pelos que o sofriam, e compreendido pelos que o contemplavam.“

—  Oscar Wilde, livro A Alma do Homem sob o Socialismo

A Alma do Homem Sob o Socialismo - Página 1860, Oscar Wilde - L&PM, 2003, ISBN 852542241X, 9788525422415
A Alma do Homem

Virginia Woolf photo
Friedrich August von Hayek photo
Maximilien Robespierre photo

„A mesma autoridade divina que ordena aos reis serem justos, proíbe aos povos serem escravos.“

—  Maximilien Robespierre político francês 1758 - 1794

L'autorité divine qui ordonne aux rois d'être justes, défend aux peuples d'être esclaves.
citado em Robespierre‎ - Página 12, Marc Bouloiseau - Presses universitaires de France, 1957 - 128 páginas

Castro Alves photo

„Cai, orvalho de sangue do escravo“

—  Castro Alves Poeta Brasileiro 1847 - 1871

Lucio Anneo Seneca photo
Andrew Carnegie photo
John Lennon photo
Machado de Assis photo

„CAPÍTULO XCIX   O FILHO É A CARA DO PAI   Minha mãe, quando eu regressei bacharel quase estalou de felicidade Ainda ouço a voz de José Dias, lembrando o evangelho de São João, e dizendo ao ver-nos abraçados: – Mulher, eis aí o teu filho! Filho, eis aí a tua mãe! Minha mãe, entre lágrimas: – Mano Cosme, é a cara do pai, não é? – Sim, tem alguma cousa, os olhos, a disposição do rosto. É o pai, um pouco mais moderno, concluiu por chalaça. E diga-me agora mana Glória, não foi melhor que ele não teimasse em ser padre? Veja se este peralta daria um padre capaz. – Como vai o meu substituto? – Vai indo, ordena-se para o ano, respondeu tio Cosme. Hás de ir ver a ordenação; eu também, se o meu senhor coração consentir. É bom que te sintas na alma do outro, como se recebesses em ti mesmo a sagração. – Justamente! – exclamou minha mãe. – Mas veja bem, mano Cosme, veja se não é a figura do meu defunto. Olha, Bentinho, olha bem para mim. Sempre achei que te parecias com ele, agora é muito mais. O bigode é que desfaz um pouco… – Sim, mana Glória, o bigode realmente… mas é muito parecido. E minha mãe beijava-me com uma ternura que não sei escrever. Tio Cosme, para alegrá-la, chamava-me doutor, José Dias também, e todos em casa, a prima, os escravos, as visitas, Pádua, a filha, e ela mesma repetiam-me o título.“

—  Machado de Assis, livro Dom Casmurro

Dom Casmurro

Christopher Paolini photo
Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer photo
Denis Diderot photo

„Ter escravos não é nada, mas o que se torna intolerável é ter escravos chamando-lhes cidadãos.“

—  Denis Diderot 1713 - 1784

Avoir des esclaves n'est rien, ce qui est intolérable c'est d'avoir des esclaves et de les appeler citoyens.
citado em "Chronique française du XXe siècle", Volume 10‎ - Página 167, Paul Vialar - Del Duca, 1955

Ramakrishna photo
Aurélio Agostinho photo

„O homem bom, embora um escravo, é livre, o ímpio, ele reina, mas é um escravo …“

—  Aurélio Agostinho bispo, teólogo e filósofo cristão 354 - 430

Atribuídas

Aristoteles photo

„Seja senhor da tua vontade e escravo da tua consciência.“

—  Aristoteles filósofo grego -384 - -321 a.C.

Variante: Sê dono da tua vontade e escravo da tua consciência.

Sófocles photo
Gustave Le Bon photo
George G. Byron photo
Primo Levi photo
Emile Zola photo
George G. Byron photo
Fernando Pessoa photo
John Locke photo

„(…) todo homem livre da Carolina deve ter absoluto poder e autoridade sobre seus escravos negros seja qual for sua opinião e religião.“

—  John Locke Filósofo e médico inglês. pai do liberalismo clássico. 1632 - 1704

In The Fundamental Constitutions of Carolina (1669) in Political Writings, (org.) David Wooton, Penguin Books, London-New York, p. 196 (art. CX) apud Losurdo, Dominico in Contra-História do Liberalismo, 2006, p. 15.

Juan Luis Vives photo

„Enquanto está na garrafa, o vinho é meu escravo; fora da garrafa, sou escravo dele.“

—  Juan Luis Vives 1492 - 1540

citado em "Vinhos‎" - Página 204, de Sérgio de Paula Santos - T.A. Queiroz, Editor, 1982 - 260 páginas

Kurt Cobain photo
Michail Bakunin photo
William Shakespeare photo

„Nisto (…) é que consiste a monstruosidade do amor: em ser infinita a vontade e limitada a execução; em serem ilimitados os desejos, e o ato, escravo do limite.“

—  William Shakespeare dramaturgo e poeta inglês 1564 - 1616

Ato III - Cena II: Tróilo
Tróilo e Cressida (1601-1602)

Erich Fromm photo

„O perigo do passado era que os homens se tornassem escravos. O perigo do futuro é que os homens se tornem autômatos.“

—  Erich Fromm professor académico alemão 1900 - 1980

Die Gefahr der Vergangenheit war, daß Menschen zu Sklaven wurden. Die Gefahr der Zukunft ist, daß sie Roboter werden.
Politik und sozialistische Gesellschaftskritik‎ - Volume 5, Página 270, Erich Fromm, Rainer Funk - Deutsche Verlags-Anstalt, 1981, ISBN 342101955X, 9783421019554 - 480 páginas

Fernando Pessoa photo

„Se te é impossível viver só, nasceste escravo.“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

"Autobiografia sem Factos". Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p. 246
Autobiografia sem Factos

Friedrich Nietzsche photo

„És escravo? Então não podes ser amigo. És tirano? Então não podes ter amigos.“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

Assim falou Zaratustra

George Carlin photo
Harry Emerson Fosdick photo

„O homem que jura fidelidade a uma causa impõe-se limitações mais fortes do que a de qualquer escravo, porque deu seu coração.“

—  Harry Emerson Fosdick 1878 - 1969

The man who swears allegiance to a cause has limitations stronger than a slave's because his heart is given
On being fit to live with: sermons on post-war Christianity‎ - Página 139, de Harry Emerson Fosdick - Harper & brothers, 1946 - 219 páginas

Fiódor Dostoiévski photo
Andrew Jackson photo

„O indivíduo que se recusa a defender os seus direitos quando chamado pelo seu Governo, merece ser um escravo, e deve ser punido como um inimigo do seu país e amigo de seu inimigo.“

—  Andrew Jackson político estadunidense, 7° presidente dos Estados Unidos da América 1767 - 1845

The individual who refuses to defend his rights when called by his Government, deserves to be a slave, and must be punished as an enemy of his country and friend to her foe.
"Proclamação ao povo da Louisiana", por telefone (21 de setembro de 1814)

Carlos Marighella photo

„Não ficar de joelhos, que não é racional renunciar a ser livre. Mesmo os escravos por vocação devem ser obrigados a ser livres, quando as algemas forem quebradas.“

—  Carlos Marighella guerrilheiro comunista, político e escritor brasileiro 1911 - 1969

trecho do Poema Rondó da Liberdade, escrito em São Paulo, Presídio Especial, 1939
Poemas: rondó da liberdade‎ - Página 96, de Carlos Marighella - Publicado por Editora Brasiliense, 1994, ISBN 8511182128, 97885111821251994 - 96 páginas

Gisele Bündchen photo
Aluísio Azevedo photo
Charles Baudelaire photo
David Hume photo
Lucio Anneo Seneca photo
Epiteto photo
Ben Jonson photo
Lucio Anneo Seneca photo
Thomas Fuller photo
Herbert Marcuse photo
Simón Bolívar photo
Agostinho da Silva photo
Mahátma Gándhí photo
Máximo Gorki photo
Franz Grillparzer photo
Germaine de Staël photo
Mia Couto photo

„Matar o patrão? Mais difícil é matar o escravo dentro de nós.“

—  Mia Couto 1955

O Último Vôo do Flamingo

Sylvia Plath photo
Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Daforin

Eu sou um parasita
Para aqueles que me amam
Desgracei as suas vidas
Com o meu nascimento

Agora vos entrego o meu suicídio
Para que vocês possam sorrir por um dia;

Não veem que estou
Destruindo suas vidas?

Me enforquem
Para que eu possa faze-los viver!

Há uma assombração
Que caminha ao meu lado
Desde os primórdios da minha infância

Todas as vezes que eu tento ser feliz
Ela começa a chorar

Suas lágrimas transformam-se em
Maldições que transformam o meu
Sorriso em gritos de dor

Gritando como um lunático
Eu suplico para que todos
Vocês vão embora

Eu só quero ficar sozinho
Com o diabo e ouvi-lo chorar

Sentindo a sujeira do mundo
Corroer a minha pele

Não entendo como vocês
Podem amar um monstro como eu;

Há uma assombração
Que caminha ao meu lado
Desde os primórdios da minha infância

Todas as vezes que eu tento
Levantar da cama

Ela se deita em meu lugar
Me prendendo a este quarto
Um escravo das suas paranoias

Escutei os sussurros de
Uma criança maldita
Lamentando o seu nascimento

Como a morte pré-matura
De estrelas incandescentes

Desejamos a escuridão do nada
E o martírio de todas as coisas

Me usem!
Como um porco
Pronto ao abate!

Me odeiem!
Como o diabo odeia
O crucifixo!

Eu sou as trevas
Nos olhos daqueles
Que perderam as suas esperanças

Nas minhas poesias
Há metáforas que escondem
A data do meu suicídio

Mas vocês só se importam
Com o poeta

E não com o sangue
Jorrado dos meus punhos;

Há uma assombração
Que caminha ao meu lado
Desde os primórdios da minha infância

E ela faz todos que eu amo sofrer
Todas as vezes que eu tento abrir
O meu coração

Ela me transforma em um monstro
Capaz de corroer as suas entranhas
E sugar a sua felicidade

Eu sou um parasita
Para aqueles que me amam
Desgracei as suas vidas
Com o meu nascimento

Agora vos entrego o meu suicídio
Para que vocês possam sorrir por um dia…
- Gerson De Rodrigues“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

Lobão (músico) photo

„Hoje em dia somos todos escravos, e quem é que vai pagar por isso?“

—  Lobão (músico) 1957

Trecho da letra de sua música "Revanche"

Frederick Douglas photo

„Você viram como um homem foi feito escravo; vocês verão como um escravo se fez um homem.“

—  Frederick Douglas Ativista dos direitos humanos estadunidense 1818 - 1895

Idem. Narrativa de como saiu da escravidão para se tornar homem livre.
Original: You have seen how a man was made a slave; you shall see how a slave was made a man.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Stephen R. Covey photo
Ambrose Bierce photo

„Casamento: estado ou condição de uma comunidade formada por um senhor, uma senhora, e dois escravos, totalizando dois.“

—  Ambrose Bierce, livro The Devil's Dictionary

Marriage: The state or condition of a community consisting of a master, a mistress and two slaves, making in all, two
The devil's dictionary - Página 195, Ambrose Bierce - Plain Label Books, 1925, ISBN 1603030549, 9781603030540 - 376 páginas
Variante: Matrimônio: Estado ou condição de uma comunidade que se compõe de um senhor, uma concubina e de escravos, todos em apenas duas pessoas.

Jean Jacques Rousseau photo

„Sou escravo pelos meus vícios e livre pelos meus remorsos.“

—  Jean Jacques Rousseau, livro Emílio, ou Da Educação

Je suis esclave par mes vices et libre par mes remords.
Émile; ou, De l'éducation - Volume 3, Página 45 http://books.google.com.br/books?id=GTYWAAAAYAAJ&pg=PA45, Jean-Jacques Rousseau - Chez Crapart, Caille et Ravieu, 1802
Emile

Karl Raimund Popper photo
Leo Buscaglia photo

„Na verdade, o medo da solidão e da falta de amor é tão grande na maioria de nós que é possível que nos tornemos escravos desse medo.“

—  Leo Buscaglia 1924 - 1998

The fear of aloneness and lack of love is so great in most of us that it's possible we can become slave to this fear.
Love - página 82, Leo F. Buscaglia - Fawcett Books, 1982, ISBN 0449234525, 9780449234525 - 207 páginas

Ralph Waldo Emerson photo

„Não seja escravo do passado - mergulhe em mares grandiosos, vá bem fundo e nade até bem longe; você voltará com respeito por si mesmo, como um novo vigor, com uma experiência a mais, que vai explicar a anterior e superá-la.“

—  Ralph Waldo Emerson 1803 - 1882

Be not the slave of your own past [...]. Plunge into the sublime seas, dive deep and swim far, so you shall come back with self-respect, with new power, with an advanced experience that shall explain and overlook the old.
Journals and Miscellaneous Notebooks‎ - v.7 Página 25, de Ralph Waldo Emerson, William Henry Gilman - Publicado por Belknap Press of Harvard University Press, 1960

Cícero photo

„Sou escravo do dever por amor à liberdade.“

—  Cícero orador e político romano -106 - -43 a.C.