Frases sobre calma

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da calma, vida, vida, ser.

Total 177 citações, filtro:

„Crescendo ao vento


…Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem? v.41


Imagine o mundo sem o vento. Os lagos seriam calmos. As folhas não voariam pelas ruas. Mas com o ar parado, quem esperaria que as árvores caíssem de repente? Foi o que aconteceu em uma cúpula de vidro de 1,2 hectares construída no deserto do Arizona, EUA. Dentro de uma enorme bolha sem vento, chamada Biosfera 2, as árvores cresceram mais rapidamente do que o normal, até desabarem de repente. Os pesquisadores acabaram achando uma explicação. As árvores necessitavam do estresse do vento para crescerem fortes.

Jesus permitiu que os Seus discípulos sofressem ventos fortes para fortalecerem sua fé (Marcos 4:36-41). Durante uma travessia noturna por águas conhecidas, uma tempestade repentina foi excessiva até mesmo para aqueles pescadores experientes. O vento e as ondas inundavam o barco enquanto Jesus, exausto, dormia na popa. Em pânico, eles o acordaram. Seu Mestre não se importava por estarem prestes a morrer? Em que Ele pensava? Então, eles começaram a descobrir. Jesus disse ao vento e às ondas para se acalmarem — e lhes perguntou por que ainda não tinham fé nele.

Se o vento não houvesse soprado, os discípulos nunca teriam perguntado: “…Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4:41).

Hoje, viver numa bolha protetora pode parecer uma boa ideia. Mas quão forte seria a nossa fé se não pudéssemos descobrir por nós mesmos o Seu reconfortante “acalma-te” quando os ventos das circunstâncias uivam?

Deus nunca dorme. Mart De Haan“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Nem um pardal


Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos. Salmo 116:15


Minha mãe, tão digna e respeitável em toda a sua vida, agora está em uma cama, não podendo mover-se por sua idade limitante. Lutando para respirar, a sua condição debilitante contradiz o lindo dia de primavera que dançava convidativo do outro lado da janela.

Toda a preparação emocional do mundo não pode nos preparar o suficiente para a crua realidade do adeus. A morte é uma indignidade!, pensei.

Desviei meu olhar para o alimentador de pássaros do lado de fora da janela. Um pardal voou para se alimentar de algumas sementes. Imediatamente uma frase familiar surgiu em minha mente: “E nenhum deles cairá em terra sem o consentimento de vosso Pai” (Mateus 10:29). Jesus havia dito isso aos Seus discípulos quando lhes deu ordens de marchar para uma missão na Judeia, mas o princípio se aplica a todos nós. “Bem mais valeis vós do que muitos pardais”, disse-lhes (v.31).

Minha mãe se mexeu e abriu os olhos. Lembrando de sua infância, ela usou um termo holandês carinhoso sobre sua própria mãe e declarou: “Muti está morta!”

“Sim”, minha esposa concordou. “Ela está com Jesus agora.” Desconfiada, mamãe continuou. E Joyce e Jim? Perguntou sobre a irmã e o irmão. “Sim, eles estão com Jesus também”, disse minha esposa. “Mas estaremos com eles logo!”

“É difícil esperar”, disse mamãe calmamente.

A morte é a última sombra 
antes do amanhecer no Céu. Tim Gustafson“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Quando chega a manhã


Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem. v.1


Era tarde quando paramos numa pousada na Alemanha. Nosso quarto era acolhedor e tinha uma varanda, embora a névoa tornasse impossível ver por entre a escuridão. Mas, horas mais tarde, quando o sol se levantou, a névoa desvaneceu. E pudemos ver — uma cena idílica, que tinha sido severamente envolta em névoas na noite anterior, — nos prados verdes, o pasto com ovelhas calmas e exuberantes com pequenos sinos tilintando em seus pescoços, e grandes nuvens no céu que pareciam ovelhas enormes e macias.

Às vezes a vida pode ficar encoberta por uma densa névoa de desespero. Nossa situação pode parecer tão difícil que começamos a perder a esperança. Mas, assim como o sol que afasta a névoa, a nossa fé em Deus pode afastar a onda de dúvida. Hebreus 11 define a fé como: “a convicção de fatos que se não veem” (v.1). Essa passagem continua a lembrar-nos da fé de Noé, e que: “pela fé, Noé, divinamente instruído acerca de acontecimentos que ainda não se viam e sendo temente a Deus”, o obedeceu (v.7). E Abraão, que, foi onde Deus o enviou, mesmo não sabendo para qual local estava indo (v.8).

Embora nem sempre podemos vê-lo ou sentir a Sua presença, Deus está sempre presente e nos ajudará a passar pelas noites mais escuras.

A fé é como o radar que enxerga em meio ao nevoeiro. 
Corrie ten Boom Cindy Hess Kasper“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Immanuel Kant photo

„É por isso que se mandam as crianças à escola: não tanto para que aprendam alguma coisa, mas para que se habituem a estar calmas e sentadas e a cumprir escrupulosamente o que se lhes ordena, de modo que depois não pensem mesmo que têm de pôr em prática as suas idéias.“

—  Immanuel Kant 1724 - 1804

Kinder Anfangs in die Schule, nicht schon in der Absicht, damit sie dort etwas lernen sollen, sondern damit sie sich daran gewöhnen mögen, still zu sitzen und pünktlich das zu beobachten, was ihnen vorgeschrieben wird, damit sie nicht in Zukunft jeden ihrer Einfälle wirklich auch und augenblicklich in Ausübung bringen mögen.
"Ueber Padagogik" in: "I. Kant's sämmtliche werke: In chronologischer Reihenfolge", Volume 8, Parte 2‎ - Página 458 http://books.google.com.br/books?id=8R2NBF90un8C&pg=PA458, Immanuel Kant, Gustav Hartenstein, Friedrich Theodor Rink, Gottlob Benjamin Jaesche - L. Voss, 1803

Gerson De Rodrigues photo

„O Duplo - Uma Alegoria Niilista

Sentado em seu quarto com a corda nas mãos, o filósofo exausto enfrentava seu lado obscuro.

Não suporto mais as dores que me afligem, aonde se escondem as motivações? Estariam elas enterradas junto ao tumulo de deus?

Disse o filósofo em um tom sereno, sozinho, naquele quarto abandonado, andando de um lado para o outro

― Então desista! O Que te impede de colocar a corda sobre o pescoço e se deleitar com a morte?

Diziam as vozes em sua mente

Cale-se!! Deve existir algum motivo, alguma razão, alguma circunstância para se viver. Algo tão solido, que as dores que afligem meu coração não me torne um escravo da melancolia

Gritou o filósofo arremessando a corda para longe

― Mas você não encontrou certo? Estas inexplicáveis dores te assombram desde a infância, e a muito tempo vem mentindo para si mesmo que isso ou aquilo é o que te mantem vivo. E agora? O que restou? Todos que você um dia amou não passam de cadáveres!

Disse a voz em um tom fino e calmo

Mas (…) eu ainda tenho os meus livros. O Que me diz sobre eles? Meus trabalhos serão lembrados para sempre! Um filósofo não é útil vivo…

Dizia o Filósofo enquanto pegava uma de suas obras nas mãos, sentindo orgulho de si mesmo.

A voz doce, fala calmamente em seu ouvido

― O Que é a filosofia? Se não aforismos da mente de um grupo de primatas na fração de um ponto. Não seja egoísta, nós dois sabemos que um dia toda a realização da humanidade irá desaparecer no tempo

Com esse pensamento aonde iremos? Se todos pensarmos assim, todo o conhecimento da humanidade irá parar no tempo, o que sugere? Pensas que tem a resposta para tudo? Acha que morrer é a solução?

Disse o filósofo encarando o espelho

― Eu? Eu não posso sugerir nada, não se esqueça que está sozinho, sempre esteve, e assim morrerá! Chegou ao ponto de delirar e discutir consigo mesmo! Ainda acha que um homem louco gritando sozinho em um quarto vazio merece viver? Se tudo que tem de valor em sua vida patética são livros, eu é que te pergunto…

O Que sugere?

Não há nenhuma sugestão, nenhuma forma de resolver isso, a não ser no leito de morte.

― Então continue, vá em frente, coloque as cordas sobre seu pescoço e desista!

O Filósofo caminha até o canto do quarto, pega a corda, e a coloca sobre o seu pescoço

― Você nunca foi nada, nunca poderá ser nada, e este é o seu destino, morrer como um nada!

Cale-se…

Disse o filósofo em voz baixa, enquanto ajeitava a corda em seu pescoço. Ele então caminha até o espelho e o encara por alguns minutos…

― Há um intrínseco Niilismo em nossas vidas…

Disse a voz em sua mente, de maneira tão suave que a própria escuridão o abraçou

Essa não é a nossa primeira discussão, e não será a última…

Disse o filósofo ainda encarando o espelho com a corda no pescoço

― Então a dor passou não é? Flertar com a morte sempre cura as mais profundas feridas.

Passou (…) agora sinto a melancolia preenchendo todo o meu ser

― Talvez, o grande significado por trás da vida humana, seja simplesmente alimentar os vermes em nosso leito de morte.

Parte em ser Niilista, é compreender nosso lugar no cosmos. Nós não significamos nada, e a vida é repleta de dor e sofrimento.

O Niilismo, te entrega a chave do conhecimento para compreender esses fatos e seguir em frente, flertamos com o suicídio, mas não nos suicidamos, pois compreendemos a realidade ao nosso redor.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Gerson De Rodrigues photo

„Diálogo entre o Padre e o Filósofo - Uma Dialética Niilista

Sentado nas beiradas sujas do décimo terceiro andar de um prédio abandonado, estava um filósofo decidido em acabar com a sua vida

Abel um de seus amigos mais religiosos, considerou a hipótese de que seria uma grande ideia enviar um padre para conversar com ele, afim de convence-lo de que a vida segundo Abel

‘’ Era um presente de deus’’ e deveria ser vivida, e que o suicídio era uma péssima escolha.

O Bravo e corajoso padre então foi chamado, e com sua bíblia nas mãos subiu até o décimo terceiro andar deste prédio. Sentou-se então ao lado do filósofo, enquanto ambos eram observados por uma multidão de pessoas preocupadas.

O Filósofo parecia tranquilo, a vida já não existia em seu olhar e ele observava atentamente o horizonte ignorando completamente aquele estranho porem caricato padre sentado ao seu lado.

O Padre tranquilo segurava a sua bíblia como se estivesse segurando as próprias mãos de cristo, a coragem e a determinação de salvar aquele jovem filosofo do suicídio era a sua missão, e sem hesitar perguntou

- Oh meu filho por que renunciais a vida? tão belas que és, tão lindas que és, dada a nós por deus, e paga com o sangue de cristo que morreu por nós para que você não precise morrer hoje.

O Filósofo escutando as palavras do padre, observava atentamente o horizonte, e sem responder permanecia em silencio, o padre por sua vez continuava o discurso.

- Meu filho, observe a beleza do mundo essas montanhas ao fundo, esses prédios cheios de vida, se não fosse a vida o que seriamos de nós? A vida é tudo que temos, nosso único tesouro, nosso maior presente.

O Padre ainda determinado abre a sua bíblia em uma parte que já estava marcada e começa a ler

- Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. 1 João 4:7

E no momento em que o filósofo escuta as palavras bíblicas, ele sorri e pela primeira vez olha para o padre, ainda com os olhos sem vida já morto por dentro, mas com um sorriso sincero perguntou ao padre

- Por que vives padre?

O Padre sem pestanejar, de supetão logo respondeu

- Eu vivo por cristo, e cristo vive em mim, eu vivo pela igreja e pelo amor que eu tenho a aqueles que seguem a jesus. Eu vivo, porque a vida é bela, porque amo aqueles próximos a mim, amo a minha família e a minha igreja.

O Filósofo sorrindo, pergunta novamente ao padre mas desta vez com um tom um pouco mais sério

- Por que vives padre?

O Padre sem entender, pois já havia respondido a pergunta gagueja levemente e responde

- E.. eu, eu.. vi.. vivo por cristo, vivo por aqueles que amo, e pela igreja! O Suicídio é um pecado sem retorno e a vida é o presente mais belo que deus poderia nos dar. Ele enviou seu próprio filho para se sacrificar por nós, em pró de nossas vidas pecaminosas.

O Filósofo vira o seu rosto para frente, observando o horizonte respira tranquilamente e pergunta outra vez com uma tonalidade calma em sua voz

- Por que vives padre?

O Padre já sem resposta, demora a alguns segundos para pensar em uma, segura sua bíblia com toda sua força suando frio com a outra mão agarra com ainda mais forças a beirada do prédio, descontrolado o padre grita

- O CRISTÃO VIVE PELA Fé!! E Eu tenho fé em cristo, fé na vida, fé de que ambos sairemos deste prédio de mãos dadas!

Com os braços cruzados, o Filósofo olha para baixo, e sorri para o abismo, e o abismo sorri de volta. Sorrindo então ele olha para o padre e novamente pergunta de maneira serena e calma

- Por que você vive padre?

O Padre sem reação olha para baixo, e o abismo sorri para ele e ele pula para o abismo.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Paracelso photo
Khalil Gibran photo

„O exagero é a verdade que perdeu a calma.“

—  Khalil Gibran 1883 - 1931

An exaggeration is a truth that has lost its temper.
Sand and foam: a book of aphorisms - página 52, Kahlil Gibran - A. A. Knopf, 1926 - 85 páginas
Sand and foam: a book of aphorisms

Franz Kafka photo
Gerson De Rodrigues photo

„Homem e o Conhecimento – Uma Alegoria dialética.

Certa vez, um filósofo em busca de conhecimento e sabedoria foi ao encontro de um velho Monge, conhecido por seus grandes feitos na literatura e no conhecimento mundial.

Esse monge, conhecido como ‘’ Thoth o Sábio’’ Vivia no alto de um monte em uma biblioteca pessoal de livros escritos por ele mesmo.

Ao subir o grande monte com muito esforço e dedicação e adentrar os portões de ouro da sagrada biblioteca, o Filósofo se surpreende com aquele velho monge. Que se encontrava sentado em meio aos livros em posição de Lótus expressando tamanha sabedoria.

Com cautela, o Filósofo calmamente indaga uma forte questão ao sábio monge. Questão da qual, nunca a ele foi dirigida antes

― Como podes um homem tão sábio, possuir tamanha certeza de sua vasta sabedoria? Poderias tu, me guiar a sabedoria do mundo?

O Monge, abre calmamente seus olhos que antes estavam fechados e meditando calmamente. Ainda sentado na posição de Lótus, respondeu friamente

― Quem eres essa tola alma que ousas dirigir-me a palavra?

O Filósofo, ao ser chamado de tolo sorriu de maneira irônica com o canto de sua boca.

― Sou apenas um jovem poeta, um velho filósofo, muitas histórias eu escutei sobre ti. Homens que o seguem como um deus, mulheres que o idolatram como um símbolo, crianças que leem seus livros e tornam-se jovens revolucionários. Pensei, se tamanha mente existe, o que seria de mim então? Um tolo. Tu és de fato, o mais sábio dos homens por isso escalei o mais alto dos montes, com o único objetivo de conhecer o mais sábio dos homens.

O Sábio monge, orgulhoso de sua vasta sabedoria sendo elogiada por um jovem Filósofo. Se levanta, e caminha a um de seus muitos livros naquela vasta biblioteca. Pega um deles, intitulado ‘’ A Sabedoria do mundo’’ e então, abre em uma página com uma precisa marcação começando então a leitura de sua citação

― E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos os do oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios. Tudo isto provei-o pela sabedoria; eu disse: Sabedoria adquirirei; mas ela ainda estava longe de mim. E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão, e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria. Andai com sabedoria para com os que estão de fora, remindo o tempo. Com ele está a sabedoria e a força; conselho e entendimento

Após escutar tal citação, o Filósofo reconhece que tal pensamento, não poderia ter advindo de tal homem, ele então indagou

― Essa citação do seu livro, não eres da Bíblia sagrada? Tenho certeza que eu poderia encontra-la em Jó 12:13.

O Monge, cai em gargalhadas. Colocando seu livro sobre uma velha mesa, perguntou ao Filósofo.

― E não são os homens diabos copiadores? Todo conhecimento adquirido pelo homem, adveio de outro homem mais sábio.

O Filósofo furioso, começa a caminhar por toda a biblioteca pegando todos os livros e abrindo-os de um a um.

― Friedrich Nietzsche, Zaratustra, William Godwin, Schopenhauer, mas isso é um absurdo! Como pode se dizer o grande sábio? Se nenhum destes livros foi escrito por você, são apenas ideias de outros homens! Você é uma grande fraude!!

Gritava o filósofo enquanto verificava e arremessava cada livro nas estantes.

O Monge, ainda mantendo sua plena calma, indaga ao Filósofo uma simples questão.

― Poderia me dizer, o que achas sobre Deus?

O Filósofo, escutando tal pergunta simples e tola responde rapidamente sem pestanejar

― Uma fantasia criada por homens, um mero mito, uma ideia, deus a muito tempo morreu e somos hoje homens da ciência!

O Monge caindo em gargalhadas responde

― Ainda não percebeu não é? Tudo o que disse, veio de outras mentes eu poderia categorizar sua resposta com o nome e o livro de cada pensador.

O Filósofo, escutando tal resposta começa a refletir, refletindo ele responde calmamente

― Não… essa resposta veio da minha mente, eu apenas a aprendi ao longo dos anos. No entanto, não me intitulo o grande sábio.

― Então poderia me dar uma resposta a respeito da existência de Deus, sem mencionar ou pensar sobre alguma literatura que leu ou aprendeu durante seus longos anos de vida? Perguntou o Monge.

O Filósofo caminha de um lado para o outro, seus neurônios queimando como um vulcão

― Mas é impossível! Desde os pré-socráticos a mente do homem… vem aprendendo e evoluindo como um coletivo, esse desafio que me propôs é humanamente impossível.

Respondeu o Filósofo com uma tonalidade séria em sua voz.

O Monge calmamente pega um caderno velho, com anotações por todas suas folhas e entrega nas mãos do Filósofo.

― Esta vendo cada anotação? Cada ideia? Todas as ideias que eu tive, toda a reflexão, em algum momento ela nasceu de algum outro homem. Até mesmo Nietzsche se inspirou em Stirner, todos os homens compartilham de uma filosofia coletiva, de uma ciência mental. Não se pode ser sábio, se negar o conhecimento preestabelecido pela humanidade.

O Filósofo confuso, vendo tais anotações enquanto sua mente conectava cada referência literária, coloca o caderno sobre a mesa e pergunta

― Como um monge, intitulado o sábio, nada mais é do que qualquer outro Filósofo, escritor ou homem que pisou nesse planeta? Me diga, o que diferencia você dos outros homens?

O Monge, caminha até o Filósofo enquanto desvia das pilhas de livros, coloca a mão em seu ombro e pede que o siga. Ambos sobem uma escada, que leva ao segundo andar daquela biblioteca. Aonde um grande telescópio apontando para o céu os aguardava

― Por favor, veja com seus próprios olhos

O Filósofo, se aproxima do telescópio e ao observar a imensidão do cosmos é chocado por uma realidade assustadora. Diante de seus olhos, foram apresentadas incontáveis galáxias, planetas e mundos distantes.

O Filósofo é claro, já havia lido em livros de astronomia sobre a imensidão do cosmos, mas nunca de fato o viu com seus próprios olhos.

O Filósofo então, ao tornar-se o sábio monge realizou em sua primitiva mente de macaco, que mesmo lendo todos os livros já escritos. O conhecimento realizado pelo homem, de nada importa para o universo.

Pois tudo que conhecemos, ou iremos conhecer não passa de um leve suspiro de uma criança que acabou de nascer mas morreu logo depois do parto.

A vida, a existência tudo o que conquistamos, ou iremos conquistar. É apenas um grito ecoante de desespero para nos convencer que somos importantes, mas no fundo todos nós sabemos que somos inúteis.

O Velho filósofo, tornou-se o sábio monge.

Sábio, por reconhecer o seu lugar no nada, como um nada. Pois mesmo com todo o conhecimento do mundo, o nosso mundo é apenas um pontinho luminoso no céu…“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Virginia Woolf photo
Fernando Pessoa photo
Daniel Defoe photo

„O grau mais elevado da sabedoria humana é saber adaptar o seu carácter às circunstâncias e ficar interiormente calmo apesar das tempestades exteriores.“

—  Daniel Defoe escritor inglês conhecido pela sua obra "Robinson Crusoé" 1660 - 1731

Variante: O grau mais elevado da sabedoria humana é saber adaptar o seu caráter às circunstâncias e ficar interiormente calmo apesar das tempestades exteriores.

William Shakespeare photo
Vinícius de Moraes photo

„Soneto de separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.“

—  Vinícius de Moraes cantor, poeta, compositor e diplomata brasileiro 1913 - 1980

Variante: De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Johann Wolfgang von Goethe photo

„A beleza ideal está na simplicidade calma e serena.“

—  Johann Wolfgang von Goethe escritor alemão 1749 - 1832

Atribuídas

Mao Tsé-Tung photo
Chris Evans photo

„Você sabe o quanto eu sou ruim em testes? 50% do tempo eu tenho que sair da sala. Sou muito pálido então fico muito vermelho e suado. E eu tenho literalmente que sair da sala. Algumas vezes fazer apenas meio teste. Começo a ter uma série de conversas com meu cérebro: ‘Chris, não faça isso. Chris, vá com calma. Isto não é vida. E deixar isto afetar você? É uma vergonha.“

—  Chris Evans Ator norte-americano 1981

Fonte: Globo.com. 14 de abril de 2012.
Fonte: Em entrevista, Chris Evans diz que gostaria de ser apenas o cara de Boston que gosta de tomar cerveja, 14 de abril de 2012, 25 de junho, 2012, globo.com, pt http://gq.globo.com/estilo/em-ewntrevista-chris-evans-diz-que-gostaria-de-ser-apenas-o-cara-de-boston-que-gosta-de-tomar-cerveja/,

Yamamoto Tsunetomo photo
Marco Aurelio photo
Honoré De Balzac photo
Arthur Schopenhauer photo
Jorge Amado photo
Carlos Drummond de Andrade photo
Clarice Lispector photo
Dalai Lama photo
Helen Keller photo
Robin Hobb photo
Ludwig von Mises photo
Enéas Carneiro photo
Gianfrancesco Guarnieri photo
Caetano Veloso photo

„Com a escolha do elenco e do roteiro da economia, acalmaram o mercado. Mas, depois, todo mundo começou a ficar cansado de ficar calmo, e a pensar se não deve começar a ficar nervoso“

—  Caetano Veloso músico, produtor, arranjador e escritor brasileiro 1942

Caetano Veloso, cantor e compositor, sobre o governo Lula
Fonte: Revista ISTOÉ Gente, edição 251 http://www.terra.com.br/istoegente/251/frases/index.htm (31/05/2004)

Jigoro Kano photo
Stefan Zweig photo
Lady Gaga photo
Alexander Graham Bell photo
George G. Byron photo
Lionel Shriver photo
Sá de Miranda photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
James Allen photo
Johann Wolfgang von Goethe photo

„O talento educa-se na calma, o caráter no tumulto da vida.“

—  Johann Wolfgang von Goethe escritor alemão 1749 - 1832

Goethe citado em "Otimismo em gôtas" - página 88, R. O. Dantas - Editora Sabedoria, 1967 - 191 páginas
Atribuídas

Marcel Proust photo
Marcel Proust photo
Zack de la Rocha photo
Fernando Alonso photo

„Obviamente, eu estou muito mais calmo do que eu estava nos momentos após a corrida. Naquela hora, eu reagi emocionalmente à situação. É sempre muito fácil adotar um tom e dizer coisas que podem ser interpretadas de maneira errada, dando razões para suspeitas, algo que eu nunca quis fazer. Claro, eu entendo que os comissários têm um trabalho difícil a fazer e eles têm de tomar decisões que não são fáceis. O que eu quis dizer é que os pilotos, como nós (da Ferrari), que respeitamos as regras, infelizmente, nesta situação, sofreram muito mais que aqueles que as quebraram, mesmo que eles tenham sido punidos“

—  Fernando Alonso piloto espanhol de Fórmula 1 1981

Desculpando-se por ter dito que o GP da Europa de 2010 havia sido manipulado.
Verificadas
Fonte: GLOBOESPORTE.COM. Publicado em 30 de Junho de 2010.
Fonte: GLOBOESPORTE.COM - Alonso volta atrás e pede desculpas por críticas: "Reagi emocionalmente" http://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/noticia/2010/06/alonso-volta-atras-e-pede-desculpas-por-criticas-reagi-emocionalmente.html

Fernando Alonso photo

„Não estou me referindo especificamente a ninguém. É uma questão geral, e eu acho que nós deveríamos conversar sobre isto juntos, de uma maneira calma, para termos certeza de que coisas assim não acontecerão novamente“

—  Fernando Alonso piloto espanhol de Fórmula 1 1981

Afirmando não estar atacando Lewis Hamilton após a polêmica demora na punição ao inglês por ter ultrapassado o safety car após o acidente de Mark Webber na décima volta do GP da Europa de 2010, disputado em Valência na Espanha.
Verificadas
Fonte: GLOBOESPORTE.COM. Publicado em 30 de Junho de 2010.

Fernando Pessoa photo
Gabriel García Márquez photo
Gabriel García Márquez photo
Natalie Paley photo
John Tyler photo

„Eu agora deixo essa cama, que me tem proporcionado poucos recursos para descansar, e avidamente procuro repouso nos prazeres calmos da vida rural.“

—  John Tyler político estadunidense, 10° presidente dos Estados Unidos da América 1790 - 1862

I now leave that bed which has afforded me little rest, and eagerly seek repose in the quiet enjoyments of rural life.
Explicando por que ele não concorreria a reeleição.
citado em John Tyler: a president of many firsts - Página 37, Jane C. Walker - McDonald & Woodward, 2001, ISBN 0939923815, 9780939923816, 56 páginas

Fernanda Young photo
Padre Pio photo

„Se somos calmos e pacientes, encontraremos não só a nós mesmos, mas também a nossa, alma e, com essa, Deus.“

—  Padre Pio 1887 - 1968

Fonte: Folhinha de 2008, editora Vozes.

Ricardo Araújo Pereira photo
Raul Seixas photo
Walter Matthau photo
Henri Murger photo

„Hoje, como outrora, todo homem que entra para as artes, sem outro meio de existência além da própria arte, será forçado a passar pelas trilhas da Boêmia. A maioria dos contemporâneos que figuram como os mais belos brasões da arte foi boêmia; e, na sua glória calma e próspera, frequentemente se recordam, talvez sentindo falta, do tempo em que, escalando a verde colina da juventude, não tinham outra fortuna, ao sol de seus vinte anos, além da coragem, que é a virtude dos jovens, e da esperança, que é o milhão dos pobres. Para o leitor inquieto, para o burguês temeroso, para todos aqueles que nunca encontraram muitos pingos nos is de uma definição, repetiremos em forma de axioma: 'A Boêmia é o estágio da vida artística; é o prefácio da academia, do hospital municipal ou do necrotério.“

—  Henri Murger, livro La Vie de Bohème

Acrescentaremos que a Boêmia só existe e só é possível em Paris."
"Aujourd’hui comme autrefois, tout homme qui entre dans les arts, sans autre moyen d’existence que l’art lui-même, sera forcé de passer par les sentiers de la Bohème. La plupart des contemporains qui étalent les plus beaux blasons de l’art ont été des bohémiens ; et, dans leur gloire calme et prospère, ils se rappellent souvent, en le regrettant peut-être, le temps où, gravissant la verte colline de la jeunesse, ils n’avaient d’autre fortune, au soleil de leurs vingt ans, que le courage, qui est la vertu des jeunes, et que l’espérance, qui est le million des pauvres.Pour le lecteur inquiet, pour le bourgeois timoré, pour tous ceux qui ne trouvent jamais trop de points sur les i d’une définition, nous répéterons en forme d’axiome : 'La Bohème, c’est le stage de la vie artistique ; c’est la préface de l’Académie, de l’Hôtel-Dieu ou de la Morgue.' Nous ajouterons que la Bohème n’existe et n’est possible qu’à Paris."
Scènes de la vie de bohème

Rachel de Queiroz photo

„…tenho um temperamento muito bovino, sou muito calma..“

—  Rachel de Queiroz escritora e jornalista brasileira 1910 - 2003

Ana Miranda photo

„O certo é que todo lugar é lugar de livros, todo lugar é bom para livros, mesmo um banheiro, uma copa, uma sala caseira de cinema, uma brinquedoteca, uma varanda… Queremos ficar sempre perto desses nossos amigos leais, francos, divertidos, eloquentes, silenciosos, calmos e sábios, que são os livros.“

—  Ana Miranda atriz, poetisa e romancista Brasileira 1951

na crônica " O lugar dos livros http://www.opovo.com.br/app/colunas/anamiranda/2012/01/28/noticiasanamiranda,2774284/o-lugar-dos-livros.shtml"

Ian McEwan photo
Cecília Meireles photo
Ville Valo photo
Adriane Galisteu photo

„Estou numa fase de calmaria. Mas calma é uma palavra que não combina comigo, porque sou uma mulher muito ansiosa.“

—  Adriane Galisteu Apresentadora, atriz e modelo brasileira 1973

Fonte: Revista ISTOÉ Gente, edição 268 http://www.terra.com.br/istoegente/268/frases/index.htm (27/09/2004)

Nicolau II da Rússia photo
Ruy Barbosa photo

„O advogado pouco vale nos tempos calmos; o seu grande papel é quando precisa arrostar o poder dos déspotas, apresentando perante os tribunais o caráter supremo dos povos livres.“

—  Ruy Barbosa político, escritor e jurista brasileiro 1849 - 1923

Obras completas - Página 279, de Ruy Barbosa - Publicado por Ministério da Educação e Saúde, 1942

Yogaswami photo

„Granadas? Não… Isto é só fumaça. Calma que o Povo é sereno! O Povo é sereno!.“

—  José Baptista Pinheiro de Azevedo oficial da Marinha e político português 1917 - 1983

Lisboa, 1975, em reposta a tumultos civis durante o PREC.

Carmo Dalla Vecchia photo

„Eu não dirijo … Eu sei dirigir muito bem, mas é uma opção minha não dirigir. Só dirijo carro e moto na televisão. É que eu tenho uma dificuldade muito grande em lidar com a violência. Sou um cara muito pacífico, muito calmo. O trânsito é algo muito violento, e se você for muito agressivo comigo… ou vou me retrair muito, ou vou ao extremo oposto disso“

—  Carmo Dalla Vecchia 1971

Verificadas
Fonte: Quem Online — Notícias, 1 de julho de 2008.
Fonte: “Sou um rapaz de família, um bom garoto”, Lia Lehr, Revista Quem Online, 1 de julho de 2008 http://revistaquem.globo.com/Revista/Quem/0,,EMI7022-8214,00.html,

„Juscelino perdia facilmente a calma, além de gostar muito de andar em alta velocidade. O motorista Geraldo Ribeiro gostava de beber e naquele dia atrasou-se para a viagem, o que deve ter irritado Juscelino.“

—  Autran Dourado advogado, escritor e jornalista brasileiro 1926 - 2012

Autran Dourado, escritor e secretário de Imprensa do governo Kubitschek, especulando sobre as causas do acidente que matou JK
Fonte: Revista Veja, Edição 1 663 - 23/8/2000 http://veja.abril.com.br/230800/vejaessa.html

Cecília Meireles photo
Roberto Fraga photo

„Às vezes viajamos para fora da realidade, onde a alma encontra a calma na abstração da ilusão que não virou verdade.“

—  Roberto Fraga 1960

Fugir da Realidade
Variante: Às vezes fugimos da realidade para que a alma encontre a calma na abstração da ilusão que não virou realidade.

Alcione Sortica photo
Renato Russo photo
Francis Bacon photo
Mário Quintana photo
Jean de La Bruyere photo
François de La  Rochefoucauld photo
Clarice Lispector photo
Fernando Pessoa photo
Tati Bernardi photo