Frases sobre destruição

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da destruição.

Tópicos relacionados

Total 97 citações, filtro:


Michail Bakunin photo
Machado de Assis photo
Robert Lee Frost photo
Bruce Lee photo

„A incapacidade de se adaptar traz a destruição.“

—  Bruce Lee Ator chinês-americano, artista marcial 1940 - 1973

Atribuídas, Aforismos

Xenofonte photo
Mick Jagger photo

„Todo o mundo culpa o Brasil pela destruição da Amazônia“

—  Mick Jagger cantor britânico 1943

No dia 22 de fevereiro, no Superpop da Rede TV.

Andre Rodrigues Costa Oliveira photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Frantz Fanon photo
Haile Selassie photo
Theodore Dalrymple photo

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Plínio Salgado photo
Marcelo Gleiser photo
River Phoenix photo
Erich Fromm photo
Alain de Botton photo

„… Eu me desnudo emocionalmente quando confesso minha carência – que estarei perdido sem você, que não sou necessariamente a pessoa independente que tentei aparentar. Na verdade, não passo de um fraco, cuja noção dos rumos ou do significado da vida é muito restrita. Quando choro e lhe conto coisas que, confio, serão mantidas em segredo, coisas que me levarão à destruição, caso terceiros tomem conhecimento delas, quando vou a festas e não me entrego ao jogo da sedução porque reconheço que só você me interessa, estou me privando de uma ilusão há muito acalentada de invulnerabilidade. Me torno indefeso e confiante como a pessoa no truque circense, presa a uma prancha sobre a qual um atirador de facas exercita sua perícia e as lâminas que eu mesmo forneci passam a poucos centímetros da minha pele. Eu permito que você assista a minha humilhação, insegurança e tropeços. Exponho minha falta de amor-próprio, me tornando, dessa forma, incapaz de convencer você (seria realmente necessário?) a mudar de atitude. Sou fraco quando exibo meu rosto apavorado na madrugada, ansioso ante a existência, esquecido das filosofias otimistas e entusiasmadas que recitei durante o jantar. Aprendi a aceitar o enorme risco de que, embora eu não seja uma pessoa atraente e confiante, embora você tenha a seu dispor um catálogo vasto de meus medos e fobias, você pode, mesmo assim, me amar…“

—  Alain de Botton 1969

The Romantic Movement: Sex, Shopping, and the Novel

Jair Bolsonaro photo
Ayn Rand photo

„Criminosos são uma pequena minoria em qualquer época ou país. E o dano que eles causaram à humanidade é infinitesimal quando comparado com os horrores-- o derramamento de sangue, as guerras, as perseguisões, as fomes, as escravizações, as destruições em grande escala-- perpetradas pelos governos da humanidade. Potencialmente, o governo é a mais perigosa ameaça aos direitos do homem: ele mantem o monopólio do uso de força física contra vítimas legalmente desarmadas. Quando irrestrito e ilimitado pelos direitos individuais, um governo é o mais mortal inimigo do homem.“

—  Ayn Rand, livro The Virtue of Selfishness

Criminals are a small minority in any age or country. And the harm they have done to mankind is infinitesimal when compared to the horrors-the bloodshed, the wars, the persecutions, the confiscations, the famines, the enslavements, the wholesale destructions-perpetrated by mankind’s governments. Potentially, a government is the most dangerous threat to man’s rights: it holds a legal monopoly on the use of physical force against legally disarmed victims. When unlimited and unrestricted by individual rights, a government is men’s deadliest enemy.
The virtue of selfishness: a new concept of egoism‎ - Página 115, de Ayn Rand, Nathaniel Branden - Publicado por Signet/New American Library, 1964, ISBN 0-451-16393-1, 9780451163936 - 173 páginas

Henrique Maximiano Coelho Neto photo
Hannah Arendt photo
Khalil Gibran photo

„A razão, reinando sozinha, restringe todo impulso; e a paixão, deixada a si, é um fogo que arde até sua própria destruição.“

—  Khalil Gibran, livro O Profeta (livro)

For reason, ruling alone, is a force confining; and passion, unattended, is a flame that burns to its own destruction.
Khalil Gibran in: The Prophet (1923); On Reason and Passion
The Prophet