„Poema – Culpa

Rastejando como um verme
podre neste mundo hostil
fedendo a sangue e enxofre

Fui batizado com a saliva
do diabo e nomeado
pelos deuses

A criatura mais insignificante
deste mundo

Reúnam-se em coletivos
marchem em direção a
minha casa

Com a suas tochas
e símbolos da paz

Matem-me com violência
enquanto o meu corpo frio
debate-se em êxtase
pela dor infligida na minha alma

Arrastem o meu corpo
pelas ruas e justifiquem
tal ato com louvores e bênçãos

Caminharei
com os pés descalços
e mãos amarradas

Enquanto chicoteiam
as minhas costas

- Não tenham pena
deste homem imundo!

A dor que eu farei
senti-los se me deixarem viver
é muito maior do que
estas feridas

Eu sou a destruição deste mundo
a praga que tanto temem
em suas histórias bíblicas

A depressão já instaurada
na parte mais minuciosa
do seu intimo

As lágrimas que choram
sem saber porque

O sentimento de vazio!
a solidão que os assombra
todas as noites!

Sou o culpado por cada morte
cada ente querido enterrado
neste solo maldito
que agora alimentam os vermes

- Parem com essas orações
- Esses olhares de pena!

Continuem com as martirizações
atirem pedras em meu corpo nu
diante de suas catedrais

Acabar com a minha vida
significa viver mais um dia!

- Não querem voltar para
suas casas?

- Abraçar os seus filhos?

- Rezar para o seu Deus?

Se almejam tanto a felicidade
um sacrifício de sangue
será necessário

Diante de todos estes olhares
que me encaram
eu me declaro culpado
por suas dores

Crucifiquem-me
e atirem fogo em meu corpo

Para que nenhum milagre
caia sobre as minhas cinzas…

- Gerson De Rodrigues“

—  Gerson De Rodrigues, Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche
Publicidade

Citações relacionadas

Tônia Carrero photo
Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Gênesis 22:10

Ah…
se vocês pudessem ver
o mundo com os meus olhos

Crucificariam seus próprios filhos
para salvá-los de uma dor ainda maior

Se pudessem ler
os meus pensamentos

Enforcariam uns aos outros
como um ato de misericórdia

Mas eu jamais
os condenaria
a tamanho sofrimento

Não irei tirar dos cegos
o desejo de viver

Ou dos surdos
sua predileta sinfonia

Sofrerei em silencio
enquanto sujam os seus pés
com o meu sangue

Sofrerei tragédias terríveis
ainda que as minhas mãos
pintem as mais deslumbrantes paisagens

E destas paisagens
nascerão as mais odiosas lembranças

Fazendo com que os homens
lembrem-se do dia em que
crucificaram o meu pai

Transformando suas asas negras
em um batizado de sangue infernal
do qual vulgarmente chamaram de parto

Vocês viram em mim uma linda criança
ainda que escamas cobrissem
todo o meu corpo

Amaram-me como as rosas
dos campos mais floridos

Ainda que o veneno que corre
por todo o meu corpo
matassem todas as flores

Talvez eu seja um homem doente
um louco destes que
merecem ser jogados em qualquer asilo
trancado em quartos de chumbo
com remédios e camisas de força

- Por que não consigo
ver em mim
o amor que sentem
um pelos outros?

Com patas de bode
e escamas pelo meu corpo
rastejarei até o inferno

Procurando abrigo em uma
mente confusa

Na qual a depressão criou
ninhos de cobra;

Eu sou o monstro que eu vejo
no espelho?

Ou o amor que
sentem por mim?

Prometo…
que pouparei
todos vocês desta dor
que me consome

Não irei incomodá-los
com o meu sangue
ou com os meus gritos

Farei preces para que vivam bem
enquanto maldições corroem
a minha alma

E quando estiverem sobre
o meu tumulo
digam que eu fui um homem bom

Mesmo que eu nunca
tenha acreditado nisso…

- Gerson De Rodrigues“

—  Gerson De Rodrigues 1995
Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

Publicidade
João Morgado photo
Brian Weiss photo
Gerson De Rodrigues photo
Gerson De Rodrigues photo
Britney Spears photo
George Meredith photo
Clarice Lispector photo
Gerson De Rodrigues photo
Fernando Pessoa photo

„Bendita a dor e a pena pelas quais o Mundo se transforma.“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935
Portugal, Sebastianismo e Quinto Império

Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Liber LXV

Arrastem-me para as suas catedrais
matem-me com pauladas
em meu crânio

Sufraguem as suas dores
nestes olhos tristes

Para que as suas vidas
ganhem algum sentido;

- Ainda não compreenderam
para que serves o mundo?

- Continuam dobrando
os seus joelhos sujos?

- Matando uns aos outros
por ideologias que os cegam!?

Reúnam-se em coletivos!
marchem em direção aos seus lideres
e matem-nos com brutal violência

Arrastem seus corpos podres
pelas ruas esbanjando orgulho

Depois enforquem-se
em seus banheiros escuros
pois a culpa irá consumi-los

- Escravos! Escravos!
servos de um deus invisível

- O Dinheiro que possuis em teus bolsos
é capaz de salvar a vida daqueles que
morreram por falta de amor?

- Não escutam os gritos
de fome daqueles que moram nas ruas?

- Não sentem que os teus filhos
clamam pelo suicídio
todas as manhãs antes de dar bom dia?

O caos reina sobre a terra
nas mãos de homens tão cruéis
que fariam dos deuses
meras fantasias capciosas

Pintem suas bandeiras
com o sangue negro de Cristo

Reúnam-se com vingança em seus olhos
e matem todos aqueles
que se intitulam os donos do mundo

Oh sim!
eu também sinto
a solidão me atormentar

A timidez me escravizar
como uma criança órfã
que nunca conseguiu sorrir

Não suporto um segundo
neste planeta sem me imaginar enforcado
em meu próprio quarto

Com um carta em meus pés
que diz com letras escritas em sangue

- Mataram-me com seu mundo maldito!
agora amaldiçoo a todos vocês
como Lúcifer fez com aqueles
que o abandonaram na escuridão;

E não!
não chamem estes versos de Niilismo
tampouco confundam estes gritos de horror
com meras ideologias humanas

Eu fiz um pacto com o Diabo
e em seus olhos tristes
assisti a humanidade queimar
clamando por misericórdia

Sem perceber que a ajuda que
eles tanto clamavam aos céus
estava na revolta contida em seus corações

Não há significados nas estrelas
ou salvação vindo de algum lugar;

Se eu me enforca-se agora
mataria as minhas dores

Mas viver todos os dias
me permite mata-las
com meus próprios punhos!

- Gerson De Rodrigues“

—  Gerson De Rodrigues 1995
Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

Augusto Cury photo

„Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam egestas wisi a erat. Morbi imperdiet, mauris ac auctor dictum.“