Frases sobre crença

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da crença, homem, pessoa, pessoas.

Total 190 citações, filtro:

Winston Churchill photo

„Em todas as circunstâncias


Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. v.18


Em nosso bairro, reclamamos muito sobre as constantes quedas de energia. Elas podem ocorrer até três vezes numa semana e duram até 24 horas, mergulhando o bairro na escuridão. É difícil suportar esse inconveniente quando não podemos usar os aparelhos domésticos básicos.

Nossa vizinha, que é cristã, muitas vezes pergunta: “Isso é algo pelo qual devemos agradecer a Deus?” Ela está se referindo a 1 Tessalonicenses 5:18: “Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco.” Nós sempre dizemos: “Sim, claro, damos graças a Deus em todas as coisas.” Mas essa maneira tímida de dizermos é negada pela nossa reclamação cada vez que a energia é interrompida.

Certo dia, porém, a nossa crença de que devemos agradecer a Deus em todas as circunstâncias assumiu um novo significado. Voltei do trabalho para encontrar nossa vizinha visivelmente abalada, dizendo: “Graças a Deus que faltou energia. Minha casa teria queimado e minha família e eu teríamos perecido!”

Um caminhão de coleta de lixo tinha atingido o poste de eletricidade na frente de sua casa e derrubado os cabos de alta-tensão sobre várias casas. Se os cabos estivessem energizados, as mortes teriam sido inevitáveis.

As circunstâncias difíceis que enfrentamos podem dificultar a nossa gratidão. Podemos ser gratos ao nosso Deus, que vê em cada situação uma oportunidade para que confiemos nele — quer vejamos ou não os Seus propósitos.

Pela graça de Deus 
podemos ser gratos em todas as coisas. Lawrence Darmani“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

José Saramago photo
Allan Kardec photo

„Toda crença é respeitável, quando sincera e conducente à prática do bem. Condenáveis são as crenças que conduzam ao mal.“

—  Allan Kardec codificador do espiritismo 1804 - 1869

Livro dos Espíritos: Allan Kardec [nova ortografia] [índice ativo]

Albert Einstein photo
Eça de Queiroz photo
Gerson De Rodrigues photo

„Imaginem que um Filósofo ao visitar uma velha Biblioteca se depara com um velho Sábio

- Estais perdido? Perguntou o Sábio

- Se estou perdido, como poderias tu orientar-me a razão? Disse o filósofo em tom questionador

O Sábio abaixa sua cabeça, caminha de um lado para o outro e indaga – Estais perdido!?

Filósofo: E não estamos todos?

O Completo e absoluto silencio gritava mais alto do que suas bocas caladas, embora suas mentes gritassem mais alto do que o mais feroz diabo.

Sábio: Não posso estar perdido, se eu sei exatamente aonde o verdadeiro eu estas, e deverias estar.

Filósofo: E Como poderias tu saber aonde deverias estar e aonde estas?

Sábio: Mas isso é muito simples, se estou em algum lugar, sigo a minha vontade. Está de acordo?

Filósofo: E Como saberias que segues a tua própria vontade? Se não foi influenciado pelo homem que vive em ti, o homem que crê em ti e nos deuses! Como poderias tu, saber aonde deverias ir?

O Sábio caminha a uma das muitas prateleiras e pega um livro, senta-se na frente do filósofo e diz de maneira serena

Sábio: Se leres este livro, e após a leitura tornar-se outro homem, como diferenciarias quem tu és, para quem tornou-se?

Filósofo: O Homem que leu este livro, para ti és um homem diferente antes deste mesmo livro? Digo, se hoje acredito no poder dos deuses, e amanhã perco completamente a fé por ler um livro ou dois, teria eu tornado me um homem sem fé, ou um homem diferente do que sempre fui?

Sábio: Tornarias outro homem

Filósofo: Mas isso é uma loucura, se torna-se outro homem a cada nova experiência, então tu, quem és afinal?

Sábio: Isso é muito simples…

O Sábio se levanta novamente e pega uma bíblia sagrada na escrivaninha a direita

Sábio: Se ao ler estas fábulas, e acreditares com toda as forças que és cristo, isso torna-te cristo?

Filósofo: Esse ato tornaria me um estudioso, um homem em busca de respostas

Sábio: Mas se as respostas levarem este homem a mais perguntas como poderias responde-las?

Filósofo: Não há respostas afinal.

Sábio: Quando tinhas dez anos de idade, pensavas o que?

Filósofo: Eu era uma criança comum, católico, vivia na cidade pequena, mas o que a minha infância tem a ver com tudo isso?

Sábio: Aquela criança ainda vive?

Filósofo: Eu a matei, ela tornou-se o homem que sou

Sábio: E ao matar o passado, tornou-se quem tu és!

Filósofo: Mas esse argumento não sustenta a sua teoria, que ao lermos novos livros tornamo-nos outro homem

Sábio: Ao ler as palavras de cristo, tens dois homens prontos a nascer. Se ao leres a bíblia, e acreditar com toda a sua fé que és cristo, e que cristo vives em ti, o que tornarias?

Filósofo: Um tolo

Sábio: E o que este tolo faria após tornar-se um tolo?

Filósofo: Viverias como um tolo

Sábio: Ao leres as palavras de cristo e duvidares de sua existência, o que tornarias?

Filósofo: Um sábio…

Sábio: Então tornarias tu, outro homem

O Filósofo pensativo caminha até uma seção na velha biblioteca, e pega uma série de livros matemáticos, senta-se em uma velha mesa acompanhada de uma pequena cadeira. Abre um dos velhos livros, aponta seu dedo sobre uma teoria matemática cientifica

Filósofo: O Que compreendes ao ler esta teoria?

Sábio: A Gravidade em sua mais bela e poética sinfonia matemática

Filósofo: E Quem a escreveu? Poderias me dizer?

Sábio: Isaac Newton

Filósofo: Consideravas Newton um sábio?

Sábio: Mas é claro, um homem de muitas virtudes

Filósofo: Mas este acreditava nos deuses

Sábio: E o que queres dizer com estas alegações?

O Filósofo se levanta novamente e vai a uma pilha de livros ao lado, pegando então Assim falou Zaratustra de Friedrich Nietzsche

Filósofo: Conheces Nietzsche?

Sábio: Mas é claro, estais a insultar-me?

Filósofo: Se ao leres Newton e Nietzsche, o que tornarias?

Sábio: Um novo homem…

Filósofo: Este novo homem, serias quem? Nietzsche? Ou Newton? Como este homem diferenciaria os deuses da matemática? Friedrich de Newton?

O Que eu quero dizer, como poderias tu, tornar-se outro homem ao leres dois autores distintos, se não o mesmo homem que agregou a si mesmo novas categorias do conhecimento.

Sábio: Então alegas descaradamente, que sou o mesmo homem todos os dias da minha vida?

Filósofo: E Como não poderias ser? Se ao leres mil livros, mudas-te de opinião mil vezes, és um metamorfo. Se ao escreveres mil livros, es um deus sobre os homens. Mas, se ao leres mil livros e aprenderes com estes próprios és o mesmo homem, com um intelecto refinado ao homem que eras anteriormente.

Sábio: Queres dizer que o conhecimento é como um diabo possessor?

Filósofo: Um diabo possessor?

Sábio: Um diabo que tomas o corpo de um homem, mas não toma sua verdadeira essência.

Filósofo: Estou de acordo, então voltamos a mesma questão ao nos conhecermos, como sabes que estais a seguir a sua própria vontade e não a de outros homens ou deuses

Sábio: Deixe-me responder essa questão, com uma alegoria que irá também sustentar meu outro ponto de vista

Imagines que és um crente, que acreditas no poder do divino. Vives então em templos sagrados, seu mundo é o louvor, então descobres por um telescópio apontado aos céus que lá não há deuses, e sim homenzinhos verdes em outros mundos, descobririas então que neste novo mundo há também novos deuses como saberias tu que o deus que pregas e rezas és o verdadeiro?

Filósofo: Não saberias, questionaria também os outros deuses

Sábio: E Se ao descobrires que além destes homenzinhos verdes, também existem tantos outros, e que o cosmos é repleto de deuses e vida. O Que tornarias a sua crença em um deus de carne?

Filósofo: Se tornaria insensata, ausente de razão, mas ainda questionadora pela vontade de questionar e aprender sobre esses novos deuses.

Sábio: Então responda-me, ao descobrir novos mundos tornou-se um homem diferente daquele pobre religioso de pés sujos em templos falsos?

Filósofo: Deixaria de ser um crente, e tornaria me um questionador. Mas ainda seria o mesmo homem

Sábio: Se és o mesmo homem, por que não crê nos mesmos deuses? Tornou-se um novo homem ao conhecer outros mundos, pois o homem que fois um dia, suicidou-se diante das cordas sinceras da realidade

Filósofo: Se o que diz é verdade, e somos de fato, diabos possessores, possuídos pelo conhecimento que mata o homem mas não mata sua essência, como sabes que não estás perdido? Como diferencias a decisão do homem com a decisão do diabo?

Se a cada nova experiência somos possuídos por um diabo diferente, se a cada livro torno-me um novo homem, se a cada mundo matamos um novo deus, quem eres tu afinal?

Sábio: Mas isso é muito simples, imagine comigo a seguinte alegoria

Somos todos homens vagueando em um vale sem fim, pense que cada livro desta biblioteca és um diabo, ao seres possuído pelo diabo, torna-se o diabo, embora sua essência humana ainda prevaleça

Filósofo: Então acreditas que podes matar a si mesmo, e tornar-se o homem que eras, mas renovado em sabedoria?

Sábio: Novamente estamos de acordo, poderias por favor dizer-me o que fazes em uma velha biblioteca como essa?

Filósofo: Vim em busca de conhecimento, e autoconhecimento, mas acabei perdendo-me em tamanha sabedoria e tormento

Sábio: E ao encontrar-me continua com este tormento?

Filósofo: Não

Sábio: E Por que não?

Filósofo: Porque sei quem tu és, e vós não o conheceis, mas eu o conheço, e se disser que não o conheço, serei mentiroso como vós. Mas eu o conheço, e guardo a sua palavra.

Sábio: E quem sou eu?

Filósofo: Tu és o meu Deus, e eu te darei graças; tu és o meu Deus, e eu te exaltarei.

Sábio: Se eu sou o seu Deus, o único e verdadeiro Deus, sou tu enquanto falas sozinho para as paredes, divagando sobre quem tu és e o que tornou-se!

Tornas-te Deus, ao questionar a si, mas continuaste o homem que és, e que fois ao lembrar-se de si, e o que és.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Stephen Hawking photo
Jane Austen photo
Álvaro Cunhal photo

„A história do comunismo, do movimento comunista, é no fundamental, embora num percurso acidentado, a história de uma luta social constante na defesa dos interesses e direitos dos explorados e oprimidos, tendo como objectivo construir uma sociedade nova e melhor, o que implica confiança no ser humano e exclui a crença em formas sobrenaturais, que decidam do seu destino. Os objectivos e a luta dos comunistas hoje são inseparáveis dos objectivos e da luta desde o Manifesto Comunista de 1848. A Igreja católica pouco tem a ver com os primeiros cristãos que eram perseguidos. Aquele aquem se atribui a fundação da Igreja, S. Pedro, foi crucificado e de cabeça para baixo. Quando, alguns dizem que Cristo foi o primeiro comunista, atribuem-lhe ideias e comportamentos com os quais pouco ou nada têm a ver as ideias e os comportamentos da Igreja Católica ao longo dos anos, pois ela se tornou um elemento integrante do feudalismo, e depois do capitalismo, a não ser em alguns dos seus sectores que retomam as melhores ideias e comportamentos atribuídos a Cristo. No movimento comunista e na concretização dos seus objectivos registaram-se, graves situações e fenómenos que se afastaram dos ideais sempre proclamados pelos comunistas. Mas, se se fala em comunismo hoje, eu só compreendo mantendo e defendendo esses ideais e não renegando as grandes realizações e o património de luta de gerações e gerações de comunistas. Os comunistas não têm uma concepção ideológica separada de uma intervenção prática. Ao contrário da Religião, não aceitamos o conformismo e a resignação. Não estamos a lutar por uma concepção; estamos, com uma concepção, a lutar pela solução de problemas concretos da humanidade e por uma transformação da sociedade que os resolva. Estamos cá na terra, com os pés assentes na terra.“

—  Álvaro Cunhal político e escritor português 1913 - 2005

Jane Austen photo
Albert Schweitzer photo

„O erro da ética até o momento tem sido a crença de que só se deva aplicá-la em relação aos homens.“

—  Albert Schweitzer professor académico alemão 1875 - 1965

Der große Fehler aller bisherigen Ethik ist, daß sie es nur mit dem Verhalten des Menschen zum Menschen zu tun zu haben glaubte.
"Aus meinem Leben und Denken" - página 146, Albert Schweitzer - R. Meiner, 1950 - 219 páginas

Carl Rogers photo
Carl Sagan photo

„Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar.“

—  Carl Sagan, Contact

You can't convince a believer of anything; for their belief is not based on evidence, it's based on a deep seated need to believe
Contact (1985)

David Hume photo

„Em nossos raciocínios a respeito dos fatos, existem todos os graus imagináveis de certeza. Um homem sábio, portanto, ajusta sua crença à evidência.“

—  David Hume Filósofo, historiador e ensaísta britânico 1711 - 1776

O Livro da Filosofia, pg. 150 - Editora Globo"

Olavo Bilac photo

„O medo é o pai da crença.“

—  Olavo Bilac Jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro. 1865 - 1918

Olavo Bilac citado em "Frases Geniais" - Página 280, Paulo Buchsbaum, Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335 - 440 páginas
Atribuídas

Blaise Pascal photo
Olavo de Carvalho photo
Thomas Jefferson photo
John Joseph Murphy photo
Paul McCartney photo
Jean Paul Sartre photo
John Maynard Keynes photo

„O capitalismo é a crença mais estarrecedora de que o mais insignificante dos homens fará a mais insignificante das coisas para o bem de todos.“

—  John Maynard Keynes 1883 - 1946

Capitalism is the astounding belief that the most wickedest of men will do the most wickedest of things for the greatest good of everyone.
citado em "Moving Forward: Programme for a Participatory Economy" (2000), por Michael Albert, p. 128
Atribuídas

Richard Dawkins photo

„O potencial de consolo de uma crença não eleva seu valor de Verdade.“

—  Richard Dawkins 1941

Retirado do livro "Deus, um Delírio"
Confirmados

George Bernard Shaw photo
Augusto dos Anjos photo
William James photo
Ralph Waldo Emerson photo
Mahátma Gándhí photo
José Saramago photo
Brandon Sanderson photo
Milton Friedman photo
Richard Dawkins photo
Simone Weil photo

„Na Igreja, considerada como organismo social, os mistérios inevitavelmente degeneram em crenças.“

—  Simone Weil 1909 - 1943

Citações por categoria, Religião

Thomas Jefferson photo

„Se fazemos algo de bom só pelo amor de Deus e uma crença que o agrada, então de onde vem a moralidade do ateu?“

—  Thomas Jefferson 3º presidente dos Estados Unidos da América 1743 - 1826

If we did a good act merely from the love of God and a belief that it is pleasing to Him, whence arises the morality of the Atheist?
The Writings of Thomas Jefferson: Correspondence, cont - Página 348 http://books.google.com.br/books?id=NDg-AAAAYAAJ&pg=PA348, Thomas Jefferson, Henry Augustine Washington - 1855 (carta a Thomas Law, 13 de junho de 1814)

Buckminster Fuller photo

„A fé é muito melhor que a crença. Crença é quando alguém pensa por você.“

—  Buckminster Fuller 1895 - 1983

Richard Fuller citado em "Frases Geniais" - Página 283, Paulo Buchsbaum, Ediouro Publicações, 2004, ISBN 8500015330, 9788500015335 - 440 página
Atribuídas

Bono Vox photo
Ruy Barbosa photo
Ann Landers photo
Ambrose Bierce photo
Carlos Ruiz Zafón photo
Medeiros e Albuquerque photo
Sigmund Freud photo
Eric Hobsbawm photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Paracelso photo
Michael Moore photo
Mike Dirnt photo

„Todas minhas crenças religiosas são baseadas em Star Wars.“

—  Mike Dirnt 1972

All my religious beliefs are based on Star Wars
Dall'intervista telefonica rilasciata a Doug Van Pelt per Relevant Books; como citado in An Optimistic Agnostic http://www.christianitytoday.com/ct/2005/mayweb-only/greenday-0505.html, Christianitytoday.com, 1° maio de 2005.
Atribuídas

Michail Bakunin photo
Gustave Le Bon photo

„O livre pensamento não passa muitas vezes de uma crença, que nos dispensa da fadiga de pensar.“

—  Gustave Le Bon psicólogo francês 1841 - 1931

La libre pensée ne constitue souvent qu'une croyance, qui dispense de la fatigue de penser.
Gustave Le Bon citado em "Dictionnaire des citations françaises et étrangères", Robert Carlier - Larousse, 1982, ISBN 2033402029, 9782033402020 - 896 páginas
Atribuídas

Sophia Loren photo
Stanisław Lem photo

„O homem esquece que a "alta tecnologia" não exclui a crença religiosa.“

—  Stanisław Lem, livro Fiasco

Człowiek zapomina, że „wysoka technologia” nie wyklucza wierzeń religijnego typu.
Fiasko

Fritjof Capra photo

„Cientificismo é a crença irracional na verdade científica.“

—  Fritjof Capra, livro O Ponto de Mutação

Scientism is an irrational belief in the truth of science.
no filme " Mindwalk http://www.perspectivism.com/mindwalk.pdf", baseado no livro "The Turning Point"

Camilo Castelo Branco photo
Marquês de Maricá photo
Augusto Cury photo
Honoré De Balzac photo
Friedrich Nietzsche photo
Norman Vincent Peale photo

„Descobri que o amor não difere costumes, vontades e crenças.“

—  Projota rapper, cantor e compositor brasileiro 1986

Trecho da música Vida

Maxwell Maltz photo
Havelock Ellis photo
Vergílio Ferreira photo
Raymond Firth photo
Ashton Kutcher photo
Vergílio Ferreira photo
Walter Lippmann photo
Mia Couto photo
David Foster Wallace photo
Henry Miller photo
Allan Kardec photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
James Woods photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Christopher Paolini photo

„Crença é uma verdade aceita por sua mente. Fé é o fogo mantido em seu coração.“

—  Joseph Fort Newton advogado norte-americano 1876 - 1950

Belief is truth held in the mind; faith is a fire in the heart
Joseph Fort Newton citado em "Distilled wisdom: an encyclopedia of wisdom in condensed form" - página 147, Alfred Armand Montapert Books of Value, 1964, ISBN 0960317406, 9780960317400, 355 páginas

Georges Duby photo

„A arte é a expressão da sociedade em seu conjunto: crenças, idéias que faz de si e do mundo.“

—  Georges Duby 1919 - 1996

l'art est l'expression d'une organisation sociale, de la société dans son ensemble, de ses croyances, de l'image qu'elle se fait d'elle-même et du monde
Georges Duby, citado em "Les enjeux de l'histoire culturelle‎" - Página 299, de Philippe Poirrier - Publicado por Seuil, 2004, ISBN 2020492458, 9782020492454 - 435 páginas

William James photo

„A verdade vive, de fato, na maior parte, á custa de um sistema de crédito. (…) Você aceita a minha verificação de uma coisa, eu de outra. Comerciamos um com a verdade do outro. Mas as crenças verificadas por alguém, são as vigas de toda uma super estrutura.“

—  William James 1842 - 1910

William James, Pragmatismo http://books.google.com.br/books?id=fxePOwAACAAJ&dq, Sexta Conferência, página 116, Trad. Jorge Caetano da Silva, ISBN 8572325751, 9788572325752 - 184 páginas.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Alvin Plantinga photo
Joseph Conrad photo
Marcel Pagnol photo

„Tal é a fraqueza da nossa razão: ela é mais freqüentemente usada para justificar nossas crenças.“

—  Marcel Pagnol 1895 - 1974

Telle est la faiblesse de notre raison : elle ne sert le plus souvent qu'à justifier nos croyances.
La Gloire de mon père - página 29, Marcel Pagnol, éd. Livre de poche, Paris, 1967, 380 páginas

Marilyn Manson photo
Michel De Montaigne photo
Milton Friedman photo
Charles Louis Montesquieu photo

„A crença de ser a juventude a época mais feliz da vida é baseada numa falácia. A pessoa mais feliz é aquela que tem os pensamentos mais interessantes. Assim, podemos tornarmo-nos mais felizes na medida em que nos tornamos mais velhos.“

—  Charles Louis Montesquieu mostequis 1689 - 1755

Montesquieu citado em Citações da Cultura Universal - página 503 http://books.google.com.br/books?id=adQWhMA1x0YC&pg=PA503, Alberto J. G. Villamarín, Editora AGE Ltda, 2002, ISBN 8574970891, 9788574970899, 574 páginas
Atribuídas

Richard Bach photo

„A marca de sua ignorância é a profundidade da sua crença na injustiça e na tragédia. O que a lagarta chama de fim de mundo, o mestre chama de borboleta.“

—  Richard Bach, livro Illusions

The mark of your ignorance is the depth of your belief in injustice and tragedy. What the caterpillar calls the end of the world, the master calls a butterfly.
Illusions: The Adventures of a Reluctant Messiah - Página 134; de Richard Bach - Publicado por Delacorte Press, 1977 ISBN 0440043182, 9780440043188 - 143 páginas
Ilusões: As aventuras de um Messias Indeciso

Robert Green Ingersoll photo
Robert Green Ingersoll photo

„Tudo que a humanidade sofreu com as guerras, com a pobreza, com a pestilência, com a fome, com o fogo e com o dilúvio, todo o pavor e toda a dor de todas as doenças e de todas as mortes – tudo isso se reduz a nada quando posto lado a lado com as agonias que se destinam às almas perdidas. Este é o consolo da religião cristã. Esta é a justiça de Deus – a misericórdia de Cristo. Este dogma aterrorizante, esta mentira infinita: foi isto que me tornou um implacável inimigo do cristianismo. A verdade é que a crença na danação eterna tem sido o verdadeiro perseguidor. Fundou a Inquisição, forjou as correntes e construiu instrumentos de tortura. Obscureceu a vida de muitos milhões. Tornou o berço tão terrível quanto o caixão. Escravizou nações e derramou o sangue de incontáveis milhares. Sacrificou os melhores, os mais sábios, os mais bravos. Subverteu a noção de justiça, derriscou a compaixão dos corações, transformou homens em demônios e baniu a razão dos cérebros. Como uma serpente peçonhenta, rasteja, sussurra e se insinua em toda crença ortodoxa. Transforma o homem numa eterna vítima e Deus num eterno demônio. É o horror infinito. Cada igreja em que se ensina esta idéia é uma maldição pública. Todo pregador que a difunde é um inimigo da humanidade. Em vão se procuraria uma selvageria mais ignóbil que este dogma cristão. Representa a maldade, o ódio e a vingança sem fim. Nada poderia tornar o inferno pior, exceto a presença de seu criador, Deus. Enquanto estiver vivo, enquanto estiver respirando, negarei esta mentira infinita com toda minha força, a odiarei com cada gota de meu sangue.“

—  Robert Green Ingersoll 1833 - 1899

Porque sou agnóstico

Robert Green Ingersoll photo
Simone Weil photo
Terry Pratchett photo
Thomas Paine photo
Václav Havel photo
Bertrand Russell photo

„Se você acha que sua crença é baseada na razão, você a defenderá com argumentos e não pela força, e renunciará a ela se seus argumentos se mostrarem inválidos. Mas se sua crença se baseia na fé, você perceberá que a discussão é inútil e, portanto, recorrerá à força, ou na forma de perseguição ou anestesiando e distorcendo as mentes das crianças no que é chamado 'educação'.“

—  Bertrand Russell 1872 - 1970

If you think that your belief is based upon reason, you will support it by argument, rather then by persecution, and will abandon it if the argument goes against you. But if your belief is based on faith, you will realize that argument is useless and will therefore result to force either in the form of persecution or by stunting and distorting the minds of the young in what is called education
"Human Society In Ethics and Politics" (1954), citado em "Bertrand Russell's Best", Volume 10 - página 59, Routledge Classics Series, Bertrand Russell's Best, Bertrand Russell, Bertrand Russell, Editora Taylor & Francis, 2009, ISBN 0415473586, 9780415473583, 128 páginas

Colin Powell photo

„Se o regime atual desaparecer, as pessoas desse grupo que acreditam nos ensinamentos, sentimentos e crença do movimento Talibã têm o direito de participar da construção de um novo Afeganistão.“

—  Colin Powell 1937

Colin Powell, secretário de Estado americano, admitindo a participação de talibãs moderados num governo de transição no Afeganistão; citado em Revista Veja http://veja.abril.com.br/241001/vejaessa.html, Edição 1 723 - 24 de outubro de 2001.