Frases sobre janeiro

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da janeiro, rio, ser, idade.

Total 65 citações, filtro:

Dilma Rousseff photo
Eduardo Galeano photo
Gerard Butler photo
Adélia Prado photo
Jair Bolsonaro photo
Oswald de Andrade photo
Aécio Neves photo
Aécio Neves photo

„Na comunidade pobre da Varginha, no Rio de Janeiro, o papa fez o apelo para que ninguém permaneça insensível às desigualdades e possa contribuir para acabar com as injustiças: "A medida da grandeza de uma sociedade é dada pelo modo como esta trata os mais necessitados.“

—  Aécio Neves político brasileiro 1960

Aécio Neves artigo do senador publicado dia 29 de julho de 2013.
Fonte Folha de S.Paulo http://www1.folha.uol.com.br/colunas/aecioneves/2013/07/1318202-em-boa-hora.shtml

Donald Trump photo

„O dia 20 de janeiro de 2017 será recordado como o dia em que o povo tornou-se governante deste país outra vez.“

—  Donald Trump político e empresário estadunidense, 45º presidente dos Estados Unidos da América 1946

Discurso de posse, 20 de Janeiro de 2017

Nando Reis photo
Donald Trump photo
Anne Hathaway photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jean Paul Sartre photo
Tirso De Molina photo

„Sim, nós podemos confiar em quem é sábio, no sol de Janeiro e na mulher ausente.“

—  Tirso De Molina 1579 - 1648

Sí se puede fiar el que es prudente, del sol de enero y de mujer ausente.
Obras... - Página 213 http://books.google.com.br/books?id=Uk7v2JqwfboC&pg=PA213, Tirso de Molina, Hartzenbusch - M. Rivadeneyra, 1857

Clarice Lispector photo
Antônio Carlos Jobim photo
Carlos Minc photo

„O Rio de Janeiro eu conheço muito bem, mas o Brasil eu conheço muito mal.“

—  Carlos Minc 1951

Que apesar disso aceitou assumir o cargo de ministro do Meio Ambiente no lugar de Marina Silva.
Fonte: Revista VEJA, Edição 2061. 21 de maio de 2008

Rodrigues Alves photo

„O meu programa de governo vai ser muito simples. Vou limitar-me quase exclusivamente a duas coisas: o saneamento e o melhoramento do porto do Rio de Janeiro.“

—  Rodrigues Alves político brasileiro, 5° presidente do Brasil 1848 - 1919

Em São Paulo, antes de embarcar no trem que o levaria ao Rio de Janeiro, o novo presidente disse a um amigo; Em 15 de novembro de 1902, quando assumia a presidência da República
Fonte: http://www.culturabrasil.pro.br/rebelioesrep.htm

Mariza photo
Cesar Maia photo

„Eça não. Os Maias estão de volta ao Rio de Janeiro“

—  Cesar Maia Político Brasileiro 1945

Cláudio Humberto, jornalista, fazendo um trocadilho com o livro de Eça de Queiroz e a vitória de Cesar Maia para a prefeitura carioca
Fonte: Revista IstoÉ Edição 1623

Sílvio Romero photo
Manuel Bandeira photo

„Prefácio de “Meus Poemas Preferidos”, Editora Tecnoprint S. A. (Ediouro Grupo Coquetel), Rio de Janeiro“

—  Manuel Bandeira 1886 - 1968

Poemas traduzidos, Palavras do Autor
Variante: Prefácio de “Meus Poemas Preferidos”, Editora Tecnoprint S. A. (Ediouro Grupo Coquetel), Rio de Janeiro

Heitor Villa-Lobos photo
Gilles Lapouge photo
José Serra photo
Papa João Paulo II photo
Simone Bittencourt de Oliveira photo
Simone Bittencourt de Oliveira photo

„Na cidade do Rio de Janeiro, não existe nenhuma praça ou rua de destaque com seu nome, muito menos uma simples herma a recordar sua vida de lutas pelo bem comum.“

—  Aroldo de Azevedo 1910 - 1974

sobre Thomas Cochrane‎‎ in: Cochranes do Brasil - página 113, Brasiliana, v. 327 [i.e. 326], Biblioteca pedagogica brasileira, de Aroldo de Azevedo, Companhia Editôra Nacional, 1965, 343 páginas.

Afonso Henriques de Lima Barreto photo
Antenor Nascentes photo
Alcione Sortica photo
João Ubaldo Ribeiro photo
João Ubaldo Ribeiro photo
João Ubaldo Ribeiro photo
Giselle Itié photo
Elza Soares photo
Elizabeth Bishop photo
Marco Aurelio photo
Rita Lee photo
Ben Kingsley photo
Machado de Assis photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo

„Não devo nada a ninguém. Não tinha motivo nenhum para matar quem quer que seja no Rio de Janeiro.“

—  Jair Bolsonaro 38º Presidente do Brasil 1955

Década de 2010, 2019, Outubro

Jair Bolsonaro photo

„Lamentavelmente, dois estados aí, São Paulo e Rio de Janeiro, não aderiram.“

—  Jair Bolsonaro 38º Presidente do Brasil 1955

Década de 2010, 2019, Outubro

Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Jair Bolsonaro photo
Fernando Haddad photo

„Fazer do Lula nosso presidente. Subir a rampa com ele no dia 1 de janeiro. (…) Ele está muito feliz de estar reunido em torno dele todos os progressistas do país, querendo que ele volte a nos governar a todos, a nos liderar a todos.“

—  Fernando Haddad professor, advogado e político brasileiro 1963

Fonte: Diário do Brasil https://www.diariodobrasil.org/haddad-diz-que-lula-vai-subir-a-rampa-do-planalto-so-se-for-algemado/ — 8 de outubro de 2018

Moreira Franco photo

„Aprovar a Previdência é indispensável para que não se repita no País o mesmo quadro do Rio de Janeiro, onde há aposentados que não recebem.“

—  Moreira Franco político brasileiro 1944

Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, em entrevista a IstoÉ Dinheiro
IstoÉ Dinheiro http://www.istoedinheiro.com.br/nao-tenho-duvida-de-que-a-reforma-trabalhista-passa-no-plenario/, 23/06/17

Moreira Franco photo

„O Estado do Rio e, particularmente, a cidade do Rio de Janeiro, é referência inquestionável em turismo.“

—  Moreira Franco político brasileiro 1944

Moreira Franco em seu segundo mandato como deputado federal para o jornal O Globo https://glo.bo/2w0Jsh4, 04/02/1998

Moreira Franco photo

„O futuro do Estado do Rio de Janeiro depende de uma política de saneamento básico que garanta a qualidade de vida da população.“

—  Moreira Franco político brasileiro 1944

Moreira Franco como governador do Estado do Rio de Janeiro para o jornal O Globo https://glo.bo/2iodGqV, 1º/11/1990

„DOCUMENTÁRIO
GUERRA INVISÍVEL – COVID-19
Produtora paulista Strada Filmes e Entretenimento inicia produção de um documentário através de depoimentos via vídeo

Durante o período da pandemia global oriunda do novo coronavírus, produtores brasileiros de diferentes regiões do país trabalham na produção de documentário a respeito da doença e as consequências socioeconômicas que esta época trará ao mundo daqui pra frente.
O objetivo do projeto é abordar do epicentro à transmissão global do vírus, e de como todo o planeta teve que se adequar frente à crise causada pela COVID-19. Desde os heróis da saúde até os trabalhadores autônomos; das principais medidas de quarentena às dificuldades do isolamento social; das notícias reais às fakenews espalhadas em redes sociais; em suma, um levantamento geral será posto em prática durante a própria pandemia, trazendo à equipe o desafio de apurar e selecionar as informações mais relevantes, com o intuito de produzir um documentário com o máximo de informação possível para registrar essa fase.
Para Anderson Del Duque, Diretor Geral do projeto, produzir um documentário sobre um tema tão delicado e atual será um grande desafio. Não só pela abrangência que o tema exige, mas em respeito e solidariedade a todos que enfrentam esse período das mais diversas formas possíveis.
Para completar o trabalho, o documentário apresentará depoimentos de pessoas que estão vivendo diante do isolamento social. Mais do que ilustrar toda a informação que será abordada, os depoimentos são uma forma de dar voz aos reais envolvidos na história: nós. De diversas partes do país, e do mundo, as participações são fundamentais para que o projeto cumpra o dever social de informar e aproximar os espectadores dos depoimentos recolhidos, tanto que este trabalho é continuo, e a produtora ainda reúne vídeos de quem se propõem a participar dessa grande produção.
O Diretor de Jornalismo, Renan Rezende, ressalta que o tratamento humanista deve ser e sempre será o norte para a produção do filme. “Não se trata de uma abordagem fria e distante da sociedade, mas algo que coloque as pessoas e tudo o que elas viveram e presenciaram durante este difícil período em primeiro lugar. E, para tal, apresentaremos esses relatos de vida da forma mais verídica e delicada possível”.
A concepção e início de produção tiveram início há cerca de um mês, e o documentário não tem data de lançamento definida. Entretanto, a Strada Filmes e Entretenimento continuará a divulgar maiores informações no decorrer do projeto.

Texto por Renan Rezende
SINOPSE
Segunda-feira, 20 de janeiro de 2020. Portais de grandes veículos de comunicação como o “G1”, “O Estado de São Paulo” e “BBC News” relatam os casos iniciais de um vírus misterioso que teria surgido na virada do ano em Wuhan, China, e que começara a se espalhar em países vizinhos, cuja transmissão entre humanos já havia sido confirmada. O governo Chinês estava confiante na contenção da nova ameaça, mas medidas de precaução já estavam sendo tomadas em aeroportos na Ásia e nos Estados Unidos. Entre especialistas e pesquisadores, a situação era inquietante, pois um novo vírus em contato com células humanas poderia causar mutações cujo sistema imunológico não estava familiarizado em conter.
Em menos de três meses, o novo coronavírus (Sars-Cov-2) tornou-se uma pandemia sem precedentes. O vírus atingiu quase dois milhões de pessoas em todo mundo, com aproximadamente 125 mil mortes*, e o número não para de crescer. Frente a uma situação emergencial, informações, verdadeiras ou não, circulam diariamente na rede e em mídias sociais. Medicações são apontadas como aliadas ou inimigas ao combate da doença. Profissionais da saúde tornam-se verdadeiros heróis, assim como os trabalhadores de serviços essenciais, mas grande parte da população se encontra literalmente isolada do mundo.
Como a principal medida de prevenção à doença COVID-19, o isolamento social transforma a vida das pessoas, além de revelar uma crise econômica em escala global, semelhante somente ao grande “crash” de 1929. O trabalho se reinventa, o ensino não tem alternativa a não ser a distância. Setores, como a Cultura, são amplamente prejudicados, e trabalhadores autônomos não têm alternativas. Alguns governos ao redor do planeta se veem obrigados a tomarem medidas de supressão para obrigar pessoas a manterem-se em suas casas.
Avanços tecnológicos e medicinais parecem não conter a contaminação acelerada da doença, isso somado ao número limitado de leitos e hospitais disponíveis, obrigando o mundo a pensar em alternativas emergenciais para atender toda a população. Mas nem todos têm os mesmos privilégios ou até acesso aos serviços de saúde, nem mesmo os mais básicos.
Em contrapartida, no anseio a uma fagulha de esperança, a humanidade se une. Correntes em mídias sociais visam à aproximação das pessoas por meio de ações que possam entreter ou divertir. Redes de solidariedade ajudam comunidades carentes e aqueles que mais necessitam. O contato nunca se fez tão necessário, e o ser humano passa a dar valor a algo que antes era corriqueiro e, portanto, esquecível. A cultura do “selfie”, o individualismo que tanto é compartilhado nas redes sociais, dá espaço à valorização do plural.
Como na teoria darwinista, o ser humano se vê obrigado a evoluir. Quais as consequências de uma pandemia em um mundo globalizado, só o tempo dirá.
*informações captadas até 14/04/2020
Texto por Renan Rezende
Ficha Técnica:
Direção Geral e autoria - Anderson Del Duque
Diretor, produtor e roteirista, Anderson é morador da cidade de Sumaré, na região metropolitana de Campinas, e trabalhou em 16 produções cinematográficas ao longo da carreira em diversas funções, sendo vencedor de três prêmios em festivais. Anderson também é colunista e crítico de cinema, com textos publicados na revista Adoro Cinema. Além de ter participado como júri e banca em diversos eventos relacionados ao cinema e ao audiovisual.
Diretor de Jornalismo – Renan Rezende
Renan iniciou a carreira nas extintas Rádio Estadão ESPN e Rádio Estadão, do Grupo O Estado de São Paulo, como produtor e redator. Em seguida atuou como roteirista e produtor numa produtora audiovisual e tem experiência em agência de análise de mídia. Além disso, trabalhou como repórter e redator freelancer para o MEON, veículo que cobre o Vale do Paraíba e Litoral Norte de São Paulo. Renan também é ator profissional.
Diretora de Produção – Patricia Iglésias
Patricia tem vasta experiência na produção executiva de novelas, programas de TV e eventos. Com carreira consolidada na TV Globo, destacam-se produções como, Os Maias, Queridos Amigos, Vídeo Show, Criança Esperança, e as novelas Sol Nascente e Malhação. Para a Rede Record, participou de títulos como Apocalipse, Jesus e Jezabel. Além disso, também é especialista em gestão de planejamento, orçamento e gerenciamento e possui domínio de roteirizarão.
Colaborador de matérias jornalísticas - Jean Custo
Produção Executiva -
Renata Di Carmo

Assistente de Produção – Henrique Zeferino

Arte finalista – Adrian Silva Adrian Silva ten em seu currículo trabalhos como;
Editor, diretor de fotografia, operador de câmera, fotógrafo de making-of e assistente de Produção.

Produção de Elenco – Penha Penaforte
Pesquisa de matérias jornalísticas – Lorena Valentini“

—  Anderson Del Duque

„Vamos conversar?
Quero falar sobre a importância da EMPATIA e não digo somente de compreender a dor alheia não, pois empatia vai muito além.
Garanto que você começou 2020 fazendo aquela velha promessa de ajudar mais, de compreender, de querer bem, sem olhar a quem.
O ano já começou faz tempo, tantas coisas de Janeiro até aqui Março aconteceram, entre elas essa pandemia que assusta do menor ao maior, do mais novo ao mais velho.
O que você está fazendo para ajudar o seu próximo?
E aí? Vai esperar ver a necessidade do outro chegar bem perto de você para que olhe com mais amor?
Não estou me referindo somente a um apoio emocional, mas aquele apoio de dizer: eu tenho pouco, mas quero dividir com você.
Saiba que nesses dias de aflições tanto a saúde fisica como a mental estão sofrendo surtos terríveis.
A saúde fisica mostra hospitais lotados, pessoas morrendo, e a saúde mental precisa de atenção porque muitos estão chorando por seus entes queridos, aqueles que estão acamados e aqueles que se foram.
Precisamos ser solidários até de alma para alma. De coração pára coração.
Escrevo não para ter curtidas ou visualizações, mas para que você olhe um pouco a realidade de quem não está no conforto de um lar, no isolamento dentro de casa. Eu falo daqueles que estão nas ruas, nas calçadas, (esses corações precisa ser cuidados),
E, com certeza eles se tornaram uma grande isca para esse vírus que nos assombra.
Não víamos tanta gente correndo de um lado para o outro, atrás de se proteger.
E, com certeza muita gente por aí aumentou a depressão, as crises de ansiedade, a sindrome do pânico.
Muita gente por ai ( inclusive os moradores de rua) estão se sentindo mais excluídos, mais solitários, menos e menos vistos.
Vamos cuidar da nossa saude? E a do outro como podemos cuidar?
Não espere a necessidade ou a mídia mostrar que você pode ajudar.

Vamos lá? Não importa como, mas mexa-se.
Se comprar dois álcool em gel, olhe para o lado e vê se alguém precisa de um e divida. Se você pode sair pra comprar seu alimento, olhe para quem já é idoso e não tem que faça por ele.
A propósito não abraçar, não apertar as mãos não quer dizer que o coração não deva sentir.
O toque mais bonito que existe, ainda se chama Amor, e esse até no olhar se transmite.
Fica a dica, meio longa de ler, mas que possa Fluir em você sentimentos que nos ajudem a vencer mais essa batalha.
Empatia, é o remédio adequado para salvar outras vidas.“

—  BiaSMariah

Andre Rodrigues Costa Oliveira photo