Frases sobre a nostalgia

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da nostalgia, vida, vida, ser.

Melhores frases sobre a nostalgia

  • Nostalgia: nevralgia das recordações. – Ramón Gómez De La Serna
  • Eu sinto a nostalgia da imoralidade. – Machado de Assis
  • Nostalgia é saudade do que vivi, melancolia é saudade do que não vivi. – Carlos Heitor Cony
  • Hoje eu acordei com uma tal nostalgia de ser feliz. – Clarice Lispector
  • Não ter nascido bicho parece ser uma de minhas secretas nostalgias. – Clarice Lispector
  • (…)e a alma cristalizou-se-lhe com a nostalgia dos sonhos perdidos – Gabriel García Márquez
  • Sem você; Quando tudo for só poesia E o mar virar nostalgia O que será de mim!

Todas frases sobre a nostalgia

Total 37 citações nostalgia, filtro:

Euclides da Cunha photo

„VOCÊ É MÚSICA

Nos dias em que você acorda rock você é contestadora e demolidora de muralhas altas, que até então julgavam-se intransponíveis.
Você é caveira, que iguala, no final da vida, a todos os seres humanos do planeta.

Nos dias em que você acorda Jazz você é puro improviso, a elegância de fraseados únicos, e que jamais serão tocados da mesma maneira - já que você própria é única e inimitável.
Você cozinha Miles Davis com Chet Baker, e tempera tudo com as vozes da Sarah, da Ella e da Billie, e assim finalizando fabuloso prato.

Nos dias em que você acorda Blues você sente a melancolia em estado bruto, entremeada pelos seus cabelos, quase que etílica e desafiadora; você vira ácido rascante e dissolvente dos sentidos de qualquer incauto.

Nos dias em que você acorda Clássica você exala a erudição dos que ousaram inventar a música tal como a conhecemos hoje, não me permitindo com certeza discernir se você é complexa ao extremo ou contraditoriamente simples.
Você vira a mais harmônica sonata.

Nos dias em que você acorda Hip hop você traz dos guetos e dos morros de favelas suburbanos a voz revoltada daquele que não chegou jamais a ter alguma voz até agora; você grita em desespero pela igualdade e pela equidade absolutas.

Nos dias em que você acorda Eletrônica você eleva a sua agitação a um determinado nível de insanidade - e até de êxtase - peculiar aos que desejam segurar cada segundo a mais do tempo; e, de vez em quando, eu sinceramente não lhe aguento. Energia quântica em demasia.

Nos dias em que você acorda Barroca você vive a dualidade entre o divino e o mundano. Espírito e carne.
Você vive a mais pudica e a mais (deliciosa) depravada ao mesmo tempo. Você está na missa e no Beco do Mota simultaneamente, lá “pras” bandas de Diamantina.

Nos dias em que você acorda Caipira você se esbalda nos acordeons e nas violas aquecidas na fogueira e no arrasta-pé levantando poeira, que estende as madrugadas da fazenda, tomando cachaça de alambique.
Canta a alegria e a singeleza do homem do campo, tanto quanto a nostalgia e a saudade sertanejas dos que migram às cidades grandes.

Nos dias em que você acorda Disco você brinda à vida mergulhada em um mar de espumante, com a dança mais frenética e passos ensaiados ao longo de toda a sua existência.
Você sempre é a última, descalça e transpirante, a ir embora dos bailes de casamento e de formatura.

Nos dias em que você acorda Samba você se transforma em cerveja bem gelada, feijoada e bate-papo alegre nas manhãs de sábado naquele mercado antigo, quando a mesa de seu bar é templo: um oráculo indestrutível no qual as principais questões da humanidade são minuciosamente dissecadas e solucionadas com inconfundível (e não menos incontestável) sabedoria dos que vivem de verdade a vida.




Você faz com que os meus cinco sentidos sejam todos condensados em ondas sonoras, que me trazem o frescor de suas melodias, a limpidez de suas harmonias e a pujança de seus ritmos intensos e intermináveis.

Eu diria que você é música.“

—  AndreRodriguesCostaOliveira

„Escreverei

Escreverei faísca
Quando tudo
Estiver de cabeça
Pra baixo!
Escreverei chamas
Para todas as paixões!
Escreverei angústia
Para todas as nostalgias.“

—  Valter Bitencourt Júnior

Fonte: Toque de Acalanto: Poesias, Valter Bitencourt Júnior, Amazon/Clube de Autores, 2017, pág. 57, ISBN: 9781549710971.

Paulo Freire photo

„O ser alienado não procura um mundo autêntico. Isto provoca uma nostalgia: deseja outro país e lamenta ter nascido no seu. Tem vergonha da sua realidade.“

—  Paulo Freire filósofo e educador brasileiro 1921 - 1997

"Educação e mudança". 8.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983, p.35

Milan Kundera photo
Eugéne Ionesco photo

„O fato de sermos habitados por uma nostalgia incompreensível seria mesmo assim o sinal de que existe um além“

—  Eugéne Ionesco 1909 - 1994

Le fait d'être habité par une nostalgie incompréhensible serait tout de même le signe qu'il y a un ailleurs
Notes et contre-notes‎ - Página 18, Eugène Ionesco - Gallimard, 1966 - 378 páginas

Milan Kundera photo
Nélson Rodrigues photo

„Há na aeromoça a nostalgia de quem vai morrer cedo. Reparem como vê as coisas com a doçura de um último olhar.“

—  Nélson Rodrigues escritor e dramaturgo brasileiro 1912 - 1980

O Remador de Ben-Hur
Fonte: O Remador de Ben-Hur; confissões culturais Coleção das obras de Nelson Rodrigues: confissões culturais" - Página 68, de Nelson Rodrigues, Ruy Castro - Publicado por Companhia das Letras, 1996 - 295 páginas (artigos publicados em jornais e revistas brasileiros entre 1957 e 1979)

Novalis photo

„Na verdade, a filosofia é nostalgia, o desejo de se sentir em casa em qualquer lugar.“

—  Novalis 1772 - 1801

Die Philosophie ist eigentlich Heimweh - Trieb überall zu Hause zu sein.
Das allgemeine Brouillon, Materialien zur Enzyklopädistik 1798/99, Nr. 857

Gabriel García Márquez photo

„Muitos foram por curiosidade. Outros por nostalgia. Outros para que Deus não fosse tomar como ofensa pessoal o desprezo pelo seu intermediário. De modo que às oito da manhã estava metade do povo na praça, onde o Padre Nicanor cantou os evangelhos com a voz quebrada pela súplica. No fim, quando os assistentes começaram a debandar, levantou os braços em sinal de atenção.“

—  Gabriel García Márquez 1927 - 2014

Um momento — disse. — Agora vamos presenciar uma prova irrefutável do infinito poder de Deus.
O rapaz que tinha ajudado a missa levou-lhe unia xícara de chocolate espesso e fumegante que ele tomou sem respirar. Depois limpou os lábios com um lenço que tirou da manga, estendeu os braços e fechou os olhos. Então o Padre Nicanor se elevou doze centímetros do nível do chão.
Cem anos de solidão, Capítulo 5

Contardo Calligaris photo
Zizi Possi photo

„Acho que meu maior defeito (tenho vários, muitos defeitos); talvez seja de me entregar à nostalgia, ter pena de mim mesma“

—  Zizi Possi cantora brasileira 1956

Entrevista TV Estadão, MSN Raio X
Entrevista

Clarice Lispector photo
Ramón Gómez De La Serna photo
Fernando Sabino photo
Machado de Assis photo

„Eu sinto a nostalgia da imoralidade.“

—  Machado de Assis escritor brasileiro 1839 - 1908

Carlos Heitor Cony photo
Clarice Lispector photo

„Hoje eu acordei com uma tal nostalgia de ser feliz.“

—  Clarice Lispector Escritora ucraniano-brasileira 1920 - 1977

Clarice Lispector photo
Federico García Lorca photo
Natalia Ginzburg photo
Machado de Assis photo
John Williams photo
Clarice Lispector photo

„Não ter nascido bicho parece ser uma de minhas secretas nostalgias.“

—  Clarice Lispector Escritora ucraniano-brasileira 1920 - 1977

De Bichos e Pessoas

Milan Kundera photo

„A idéia do eterno retorno é uma idéia misteriosa, e uma idéia com a qual Nietzsche muitas vezes deixou perplexos outros filósofos: pensar que tudo se repete da mesma forma como um dia o experimentamos, e que a própria repetição repete-se ad infinitum! O que significa esse mito louco? De um ponto de vista negativo, o mito do eterno retorno afirma que uma vida que desaparece de uma vez por todas, que não retorna, é feito uma sombra – sem peso, morta de antemão; quer tenha sido horrível, linda ou sublime, seu horror, sublimidade ou beleza não significam coisa alguma. Uma tal vida não merece atenção maior do que uma guerra entre dois reinos africanos no século XIV, uma guerra que nada alterou nos destinos do mundo, ainda que centenas de milhares de negros tenham perecido em excruciante tormento. Algo se alterará nessa guerra entre dois reinos africanos do século XIV, se ela porventura repetir-se sempre, retornando eternamente? Sim: ela se tornará uma massa sólida, constantemente protuberante, irreparável em sua inanidade. Se a Revolução Francesa se repetisse eternamente, os historiadores franceses sentiriam menos orgulho de Robespierre. Como, porém, lidam com algo que jamais se repetirá, os anos sangrentos da Revolução transformaram-se em meras palavras, teorias e discussões; tornaram-se mais leves que plumas, incapazes de assustar quem quer que seja. Há uma diferença infinita entre um Robespierre que ocorre uma única vez na história e outro que retorna eternamente, decepando cabeças francesas. Concordemos, pois, em que a idéia do eterno retorno implica uma perspectiva a partir da qual as coisas mostram-se diferentemente de como as conhecemos: mostram-se privadas da circunstância atenuante de sua natureza transitória. Essa circunstância atenuante impede-nos de chegar a um veredicto. Afinal, como condenar algo que é efêmero, transitório? No ocaso da dissolução, tudo é iluminado pela aura da nostalgia, até mesmo a guilhotina. Não faz muito tempo, flagrei-me experimentando uma sensação absolutamente inacreditável. Folheando um livro sobre Hitler, comovi-me com alguns de seus retratos: lembravam minha infância. Eu cresci durante a guerra; vários membros de minha família pereceram nos campos de concentração de Hitler; mas o que foram suas mortes comparadas às memórias de um período já perdido de minha vida, um período que jamais retornaria? Essa reconciliação com Hitler revela a profunda perversidade moral de um mundo que repousa essencialmente na inexistência do retorno, pois, num tal mundo, tudo é perdoado de antemão e, portanto, cinicamente permitido. Se cada segundo de nossas vidas repete-se infinitas vezes, somos pregados à eternidade feito Jesus Cristo na cruz. É uma perspectiva aterrorizante. No mundo do eterno retorno, o peso da responsabilidade insuportável recai sobre cada movimento que fazemos. É por isso que Nietzsche chamou a idéia do eterno retorno o mais pesado dos fardos (das schwerste Gewicht). Se o eterno retorno é o mais pesado dos fardos, então nossas vidas contrapõem-se a ele em toda a sua esplêndida leveza. Mas será o peso de fato deplorável, e esplêndida a leveza? O mais pesado dos fardos nos esmaga; sob seu peso, afundamos, somos pregados ao chão. E, no entanto, na poesia amorosa de todas as épocas, a mulher anseia por sucumbir ao peso do corpo do homem. O mais pesado dos fardos é, pois, simultaneamente, uma imagem da mais intensa plenitude da vida. Quanto mais pesado o fardo, mais nossas vidas se aproximam da terra, fazendo-se tanto mais reais e verdadeiras. Inversamente, a ausência absoluta de um fardo faz com que o homem se torne mais leve do que o ar, fá-lo alçar-se às alturas, abandonar a terra e sua existência terrena, tornando-o apenas parcialmente real, seus movimentos tão livres quanto insignificantes. O que escolheremos então? O peso ou a leveza? (…) Parmênides respondeu: a leveza é positiva; o peso, negativo. Tinha ou não razão?“

—  Milan Kundera 1929

Emil Mihai Cioran photo
Milan Kundera photo