Frases de Fernando Sabino

Fernando Sabino photo
49   43

Fernando Sabino

Data de nascimento: 12. Outubro 1923
Data de falecimento: 11. Outubro 2004

Fernando Tavares Sabino foi um escritor e jornalista brasileiro, também exerceu atividades como cineasta.

Obras

O Encontro Marcado
O Encontro Marcado
Fernando Sabino

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating

„Os homens se dividem em duas espécies: os que têm medo de viajar de avião e os que fingem que não têm.“

—  Fernando Sabino

"Deixa o Alfredo falar!" - página 43, Fernando Tavares Sabino - Editora Record, 1976 - 213 páginas

„Você, Lord Byron, é inteligente também, mas uma inteligência fina, penetrante, como aço, como uma espada. Ao contrário de mim, você é mais capaz de se fazer amado do que de amar. Sua lógica é irresistível, mas impiedosa, irritante. É desses remédios que matam a doença e o doente. Você tem sentimento poético, e muito — no entanto é incapaz de escrever um verso que preste. Por quê? Sei lá. Há qualquer coisa que te contém, que te segura, como uma mão. Sua compreensão do mundo, da vida e das coisas é surpreendente, seu olho clínico é infalível, mas você é um homem refreado, bem comportado, bem educado, flor do asfalto, lírio de salão, um príncipe, o nosso Príncipe de Gales, como diz o Hugo. Tem uma aura de pureza não conspurcada, mas é ascético demais, aprimorado demais, debilitado por excesso de tratamento. Não se contamina nunca, e isso humilha a todo mundo. É esportivo, é atlético, é saudável, prevenido contra todas as doenças, mas, um dia, não vai resistir a um simples resfriado: há de cair de cama e afinal descobrir que para o vírus da gripe ainda não existe antibiótico. — Opinião de estudante de Medicina — e Eduardo pro- curava ocultar seu ressentimento com um sorriso. — Você, agora.
(…)
— E você, Eduardo. Você, o puro, o intocado, o que se preserva, como disse Mauro. Seu horror ao compromisso porque você se julga um comprometido, tem uma missão a cumprir, é um escritor. Você e sua simpatia, sua saúde… Bem sucedido em tudo, mas cheio de arestas que ferem sem querer. Seu ar de quem está sempre indo a um lugar que não é aqui, para se encontrar com alguém que não somos nós. Seu desprezo pelos fracos porque se julga forte, sua inteligência incômoda, sua explicação para tudo, seu senso prático — tudo orgulho. O orgulho de ser o primeiro — a vida, para você, é um campeonato de natação. Sua desenvoltura, sua excitação mental, sua fidelidade a um destino certo, tudo isso faz de você presa certa do demônio — mesmo sua vocação para o ascetismo, para a vida áspera, espartana. Você e seus escritores ingleses, você e sua chave que abre todas as portas. Orgulho: você e seu orgulho. De nós três, o de mais sorte, o escolhido, nosso amparo, nossa esperança. E de nós três, talvez, o mais miserável, talvez o mais desgraçado, porque condenado à incapacidade de amar, pelo orgulho, ou à solidão, pela renúncia. Hugo não disse mais nada. E os três, agora, não ousavam levantar a cabeça, para não mostrar que estavam chorando. O garçom veio saber se queriam mais chope, ninguém o atendeu. Alguém soltou uma gargalhada no fundo do bar. Lá fora, na rua, um bonde passou com estrépito.“

—  Fernando Sabino, livro O Encontro Marcado

O Encontro Marcado

„— Me lembrei de uma coisa inventada por Salvador Dalí — A Coisa era um pão. Sairia no jornal com manchete assim: “O Inevitável Aconteceu — A Descoberta do Pão”. Um pão monumental, exatamente igual a um pão-francês comum. A diferença estaria no tamanho: mediria dois metros de comprimento. O pão era encontrado na rua, levariam para a polícia. Estará envenenado? Conterá explosivo? Propaganda política? Os comunistas, o pão-para-todos? Anúncio de padaria? Os jornais comentavam e discutiam o que fazer do pão. Era só o assunto ir esfriando, e um pão maior ainda, de cinco metros, amanhecia atravessado no Viaduto. Toda a cidade empolgada com o mistério, a polícia desorientada, o pão analisado nos laboratórios. E continuava o problema: que fazer com ele? Para despistar, um de nós escrevia um artigo sugerindo que fosse cortado em milhares de pedaços e doado à Casa do Pequeno Jornaleiro. No Rio, em São Paulo, Recife, Porto Alegre começavam a aparecer pães, cada vez maiores, nos lugares públicos. Eram os membros de uma sociedade secreta já fun- dada, a Sociedade do Pão, que começavam a trabalhar. E um dia surgiria outro pão gigantesco em Roma, outro em Londres, outro em Nova Iorque. A humanidade deixaria de se preocupar com seus problemas, as guerras seriam esquecidas, até que resolvessem o mistério do pão. Era a vitória pelo Terror.
— Você já pensou no tamanho do forno para assar esse pão?
— Isso não é problema para nós: a idéia é de Salvador Dali, que, aliás, é um vigarista.
— É uma besta.
— Falso terrorista.
— Abaixo Dali“

—  Fernando Sabino, livro O Encontro Marcado

O Encontro Marcado

Autores parecidos

Caio Fernando Abreu photo
Caio Fernando Abreu439
escritor brasileiro
Mário Quintana photo
Mário Quintana396
Escritor brasileiro
Adélia Prado photo
Adélia Prado62
Poetisa e escritora brasileira
Millôr Fernandes photo
Millôr Fernandes283
cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro.
Clarice Lispector photo
Clarice Lispector1132
Escritora ucraniano-brasileira
Paulo Coelho photo
Paulo Coelho389
escritor e letrista brasileiro
Augusto Cury photo
Augusto Cury243
Psiquiatra e Escritor brasileiro
Monteiro Lobato photo
Monteiro Lobato34
escritor brasileiro
Jorge Amado photo
Jorge Amado144
escritor brasileiro
Aniversários de hoje
Antônio Callado photo
Antônio Callado13
1917 - 1997
Wayne Gretzky photo
Wayne Gretzky4
jogador americano de hóquei no gelo 1961
Outros 53 aniversários hoje
Autores parecidos
Caio Fernando Abreu photo
Caio Fernando Abreu439
escritor brasileiro
Mário Quintana photo
Mário Quintana396
Escritor brasileiro
Adélia Prado photo
Adélia Prado62
Poetisa e escritora brasileira
Millôr Fernandes photo
Millôr Fernandes283
cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro.
Clarice Lispector photo
Clarice Lispector1132
Escritora ucraniano-brasileira