„O Dia em que eu morri

Hoje fui assombrado por todas as tristezas do mundo, a solidão que era a minha melhor amiga tentou me assassinar, e a melancolia que a muito tempo a aceitei como parte da minha essência, transformou-se em demência e levou-me a loucura.

Gritei por ajuda mas ninguém naquele quarto vazio poderia escutar minhas preces, as janelas transformaram-se em grades de prisões e aos poucos fui consumido pela escuridão que me aprisionou em um asilo de sofrimento e demência…

Demônios terríveis desciam pelas paredes e as vozes em minha mente lembravam-me que a solução para livrar-se da dor era a morte

Por muitos anos eu acreditei que havia superado os monstros e os diabos, e que o meu pacto com a solidão e a melancolia haviam feito de mim um homem livre. Mas a liberdade havia se tornado mais uma ilusão, e o Niilismo que há muito tempo havia me libertado das correntes frias da depressão e dos vícios também havia me traído.

Pois naquele momento de caos e desespero, eu não era um Niilista, tão pouco um professor ou um intelectual. Eu não era ninguém! Não existiam diferenças entre mim e os vermes, eu finalmente havia percebido que era hoje…

Hoje era o dia em que eu morreria, todos temos que morrer um dia certo? Em algum momento os monstros vão sair debaixo da cama e cobrar o pacto que você fez com o diabo, e ele vai sorrir para você e quando o diabo sorri os homens choram

Destranquei a gaveta, e peguei aquela velha pistola que jurei nunca mais ver. Coloquei-a contra a minha boca e atirei…

Há momentos em que a solidão irá te trair e a tristeza tentará te assassinar então clamaremos por socorro e ninguém poderá escutar nossas preces pois a única solução será matar as dores que assombram o seu coração para que nos tornemos estrelas mortas que continuam a brilhar no vazio da escuridão.“

Editado por Gerson De Rodrigues. Última atualização 8 de Julho de 2019. História

Citações relacionadas

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Virginia Woolf photo
Stephen King photo
Mahátma Gándhí photo

„Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necesário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.“

—  Mahátma Gándhí líder político e religioso indiano 1869 - 1948

Variante: Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Erich Segal photo
Gerson De Rodrigues photo
Gerson De Rodrigues photo
Johann Ludwig Uhland photo

„Havia muita pedra e pouco pão.“

—  Johann Ludwig Uhland professor académico alemão 1787 - 1862

Viel Steine gab's und wenig Brod.
Gedichte. Neueste Aufl - Página 398 http://books.google.com.br/books?id=LuAIAAAAQAAJ&pg=PA398, Johann Ludwig Uhland - 1839

Percy Bysshe Shelley photo
Clarice Lispector photo
Nicholas Sparks photo
Xuxa photo

„Achei que naquele momento havia coisas mais importantes e eu o reencontraria mais tarde. Perdi a chance de ficar com quem amava.“

—  Xuxa apresentadora, atriz, cantora, empresária, filantropa e ex-modelo brasileira 1962

Sobre o seu relacionamento com Ayrton Senna.
Fonte: Revista ISTO É, Edição 1725.

Paulo Cavalcante photo
Gerson De Rodrigues photo
Gaston Miron photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Erik Satie photo
Gerson De Rodrigues photo
Vinícius de Moraes photo

Tópicos relacionados