Frases sobre ajuda

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da socorro.

Tópicos relacionados

Total 33 citações socorro, filtro:


Spinoza photo

„SOS! Socorro! Mayday!


No dia da minha angústia, clamo a ti, porque me respondes. v.7


O sinal de socorro internacional “Mayday” é repetido sempre três vezes em seguida “Mayday, Mayday, Mayday” e assim, entende-se que a situação envolve risco de morte. Essa palavra data de 1923 por Frederick Stanley Mockford, oficial de rádio num aeroporto da Inglaterra. Esse local recebia muitos voos de Paris. Essa palavra ou expressão foi cunhada da palavra francesa m’aidez que significa “me ajude”.

Ao longo da vida do rei Davi, ele enfrentou situações de risco para o qual não parecia haver qualquer escape. No entanto, lemos no Salmo 86 que, durante suas horas mais sombrias, a confiança de Davi estava no Senhor. “Escuta, Senhor, a minha oração e atende à voz das minhas súplicas. No dia da minha angústia, clamo a ti, porque me respondes” (vv.6,7).

Davi também viu além do perigo imediato, pedindo a Deus para orientar os seus passos. “Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e andarei na tua verdade; dispõe-me o coração para só temer o teu nome” (v.11). Quando a crise tinha passado, ele queria continuar caminhando com Deus.

As situações mais difíceis que enfrentamos podem tornar-se portas para aprofundarmos o relacionamento com o Senhor. Isso começa quando o invocamos para ajudar-nos em nosso problema, e também para orientar-nos a cada dia em Seu caminho.

Deus ouve os nossos clamores de ajuda 
e nos guia à Sua maneira. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Nada oculto


…não há criatura 
que não seja manifesta 
na sua presença 
[de Deus]… v.13


Em 2015, uma empresa de pesquisa internacional declarou haver 245 milhões de câmeras de vigilância instaladas no mundo, e esse número crescia 15% a cada ano. Além disso, milhões de pessoas com smartphones capturam imagens diárias que variam de festas de aniversário aos assaltos a bancos. Quer aplaudamos o aumento da segurança ou denunciemos a privacidade reduzida, vivemos numa sociedade global, com câmeras por todos os lugares.

Na carta aos Hebreus, do Novo Testamento, o autor diz que, em nosso relacionamento com Deus, experimentamos um nível muito maior de exposição e responsabilidade do que qualquer coisa visível por câmeras de vigilância. Sua Palavra, como uma afiada espada de dois gumes, penetra até o nível mais profundo do nosso ser, onde “…[discerne] os pensamentos e propósitos do coração. E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” (Hebreus 4:12,13).

Porque nosso Salvador Jesus experimentou nossas fraquezas e tentações, mas não pecou, podemos nos “[achegar] confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (v.16). Não precisamos temê-lo, mas podemos ter certeza de que encontraremos graça quando nos achegarmos a Ele.

Nenhuma parte de nossa vida 
está oculta da graça e do poder de Deus. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Chico Xavier photo
Chico Xavier photo
Martha Medeiros photo

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Herman Melville photo
Jean Jacques Rousseau photo
Arnaldo Antunes photo

„Socorro não estou sentindo nada.“

—  Arnaldo Antunes 1960

"Império dos não-sentidos: visibilidade e anestesia" citado em "Mídia e pânico: saturação da informação, violência e crise cultural na mídia" - Página 57, de Malena Segura Contrera - Publicado por Annablume, 2002 ISBN 8574192406, 9788574192406 - 126 páginas

Alexandre Herculano photo
Lahiri Mahasaya photo
Gerson De Rodrigues photo

„O Dia em que eu morri

Hoje fui assombrado por todas as tristezas do mundo, a solidão que era a minha melhor amiga tentou me assassinar, e a melancolia que a muito tempo a aceitei como parte da minha essência, transformou-se em demência e levou-me a loucura.

Gritei por ajuda mas ninguém naquele quarto vazio poderia escutar minhas preces, as janelas transformaram-se em grades de prisões e aos poucos fui consumido pela escuridão que me aprisionou em um asilo de sofrimento e demência…

Demônios terríveis desciam pelas paredes e as vozes em minha mente lembravam-me que a solução para livrar-se da dor era a morte

Por muitos anos eu acreditei que havia superado os monstros e os diabos, e que o meu pacto com a solidão e a melancolia haviam feito de mim um homem livre. Mas a liberdade havia se tornado mais uma ilusão, e o Niilismo que há muito tempo havia me libertado das correntes frias da depressão e dos vícios também havia me traído.

Pois naquele momento de caos e desespero, eu não era um Niilista, tão pouco um professor ou um intelectual. Eu não era ninguém! Não existiam diferenças entre mim e os vermes, eu finalmente havia percebido que era hoje…

Hoje era o dia em que eu morreria, todos temos que morrer um dia certo? Em algum momento os monstros vão sair debaixo da cama e cobrar o pacto que você fez com o diabo, e ele vai sorrir para você e quando o diabo sorri os homens choram

Destranquei a gaveta, e peguei aquela velha pistola que jurei nunca mais ver. Coloquei-a contra a minha boca e atirei…

Há momentos em que a solidão irá te trair e a tristeza tentará te assassinar então clamaremos por socorro e ninguém poderá escutar nossas preces pois a única solução será matar as dores que assombram o seu coração para que nos tornemos estrelas mortas que continuam a brilhar no vazio da escuridão.“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995

Gerson De Rodrigues photo

„Poema – Lágrimas de quem nunca chorou

Oh Noite
musa dos meus devaneios
o sonho inquietante de uma criança solitária

Que o seu manto frio
sirva como um cobertor aos vermes
que se alimentam do meu cadáver;

A minha alma
vagou até o meu passado
sentou-se ao meu lado na minha velha infância

E proclamou palavras
que não deveriam ser ditas
a nenhuma criança

- Por que nasceste?
Oh praga imunda!

Me matei aos dez anos de idade
e até hoje eu posso ouvir
os meus gritos de desespero

Eu sempre fui uma criança maldita
olhavam-me como um monstro
que desejavam matar

Isolavam-me dos outros
como uma praga que corrói
as entranhas dos santos

E fazem das freiras
ninfas perversas

Ah tanta dor em mim
dores que eu nem mesmo sei explicar

E estas dores
que me fazem sentir e chorar
são parte de quem sou
forças que me ajudam a lutar

Rasguei os meus punhos
na frente de todos os deuses
e os afoguei em meu próprio sangue

Agora os seus filhos
recitam os meus poemas
sobre o túmulo dos seus pais

Sintam em meus versos
a minha dor!

Deixem que o diabo
que vive em seu peito
destrua o que restou das suas vida

Transformando-os nos sonhos
de um futuro que nunca aconteceu

Nas harmonias poéticas
destas metáforas
há verdades tão cruéis

Que fariam de Pilatos um santo
e de Cristo o próprio Diabo

Se os meus poemas são gritos de ajuda
e as suas leituras pedidos de socorro

Então deixem-me morrer em seu nome
derramem sobre o meu cadáver
todas as suas dores

Dancem com as bruxas
sobre o luar da meia noite!

Sintam o pecado fluir em seu sangue
como os vermes que se alimentaram
dos despojos podres de Cristo

Deixem que a minha loucura
infecte a sua alma
e mate o seu espirito

Viajei entre galáxias vivas
cheias de vida
mas somente na morte das estrelas
eu encontrei a mim mesmo

Eu não sou um homem!
tampouco um Poeta

Eu sou a miséria que vive em seu peito
e o suicídio de todas as suas convicções!“

—  Gerson De Rodrigues poeta, escritor e anarquista Brasileiro 1995