„Se a realidade viesse atingir diretamente nossos sentidos e nossa consciência, se pudéssemos entrar em comunicação imediata com as coisas e com nós mesmos, estou certo de que a arte seria inútil, ou antes, que seríamos todos artistas, porque nossa alma vibraria então continuamente em uníssono com a natureza. Nossos olhos, ajudados pela
memória, recortariam no espaço e fixariam no tempo quadros inimitáveis. Nosso olhar captaria de passagem, esculpidos no mármore vivo do corpo humano, fragmentos de estátua tão belos como os da estatuária antiga. Ouviríamos cantar no fundo de nossas almas, como música por vezes alegre, o mais das vezes lamentosa, sempre original, a melodia ininterrupta de nossa vida interior. Tudo isso está em torno de nós, tudo isso está em nós, e no entanto nada de tudo isso é percebido por nós distintamente. Entre a natureza e nós, apenas? Entre nós e nossa própria consciência um véu se interpõe, espesso para o comum dos homens, leve e quase transparente para o artista e o poeta. Que fada teceu esse véu? Terá sido por malícia ou amizade? Impunha-se viver, e a vida exige que apreendamos as coisas na relação que elas mantêm com nossas necessidades. Viver consiste em agir. Viver é aceitar dos objetos só a impressão útil para a eles reagir de modo adequado: as demais impressões devem se obscurecer ou só nos chegarem confusamente. Enxergo o que creio ver, escuto o que creio ouvir, analiso-me e creio ler no fundo do meu peito. Mas o que vejo e o que ouço do mundo exterior é simplesmente o que meus sentidos extraem dele para esclarecer minha conduta; o que conheço de mim mesmo é o que aflora à superfície, o que toma parte na ação. Meus sentidos e minha consciência só me proporcionam da realidade uma simplificação prática. Na visão que me dão das coisas e de mim mesmo, as diferenças inúteis ao homem são apagadas, as semelhanças úteis ao homem são acentuadas, as vias me são traçadas de antemão por onde minha ação enveredará. Essas são as mesmas pelas quais toda a humanidade passou antes de mim. As coisas foram classificadas com vistas à vantagem que poderei tirar delas. E é essa classificação que percebo, muito mais que a cor e a forma das coisas.“

—  Henri Bergson, livro Laughter

Laughter: An Essay on the Meaning of the Comic

Última atualização 22 de Maio de 2020. História

Citações relacionadas

Oscar Wilde photo
Henri Bergson photo
Mahátma Gándhí photo
Milan Kundera photo
Alicia Keys photo

„Só devo uma coisa a mim mesma: viver a minha vida.“

—  Alicia Keys cantora, compositora e atriz norte-americana 1981

Virgilio photo

„Não creias demais nas cores das coisas.“

—  Virgilio poeta romano clássico, autor de três grandes obras da literatura latina -70 - -19 a.C.

Albert Einstein photo
Hilda Hilst photo
Carl Gustav Jung photo
Aristoteles photo
Victor Hugo photo

„Porque a vida passou antes que pudéssemos viver.“

—  Victor Hugo poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885

Oscar Wilde photo
António Lobo Antunes photo
Haruki Murakami photo

„Místicos, ao contrário de religiosos, dizem sempre que a realidade não é duas coisas - Deus e o mundo - mas uma coisa, consciência.“

—  Amit Goswami 1936

Mystics, contrary to religionists, are always saying that reality is not two things -God and the world- but one thing, consciousness.
entrevista com Suzie Daggett da Insight: Healthy Living (julho de 2006)

Francis Bacon photo
Joseph Campbell photo
João da Cruz photo

Tópicos relacionados