„uma vaca se perdeu nos campos com a sua cria de leite, e se viu rodeada de lobos durante doze dias e doze noites, e foi obrigada a defender-se e a defender o filho, uma longuíssima batalha, a agonia de viver no limiar da morte, um círculo de dentes, de goelas abertas, as arremetidas bruscas, as cornadas que não podiam falhar, de ter de lutar por si mesma e por um animalzinho que ainda não se podia valer, e também aqueles momentos em que o vitelo procurava as tetas da mãe, e sugava lentamente, enquanto os lobos se aproximavam, de espinhaço raso e orelhas aguçadas. Subhro respirou fundo e prosseguiu, ao fim dos doze dias a vaca foi encontrada e salva, mais o vitelo, e foram levados em triunfo para a aldeia, porém o conto não vai acabar aqui, continuou por mais dois dias, ao fim dos quais, porque se tinha tornado brava, porque aprendera a defender-se, porque ninguém podia já dominá-la ou sequer aproximar-se dela, a vaca foi morta, mataram-na, não os lobos que em doze dias vencera, mas os mesmos homens que a haviam salvo, talvez o próprio dono, incapaz de compreender que, tendo aprendido a lutar, aquele antes conformado e pacífico animal não poderia parar nunca mais. (…) o primeiro a falar foi o soldado que sabia muito de lobos, a tua história é bonita, disse (…), a vaca não poderia resistir a um ataque concertado de três ou quatro lobos, já não digo doze dias, mas uma única hora, Então, na história da vaca lutadora é tudo mentira, Não, mentira são só os exageros, os arrebiques de linguagem, as meias verdades que querem passar por verdades inteiras, Que crês tu então que se passou, (…), Creio que a vaca realmente se perdeu, que foi atacada por um lobo, que lutou com ele e o obrigou a fugir talvez mal ferido, e depois se deixou ficar por ali pastando e dando de mamar ao vitelo, até ser encontrada, E não pode ter sucedido que viesse outro lobo, Sim, mas isso já seria muito imaginar, para justificar a medalha ao valor e ao mérito um lobo já é bastante. A assistência aplaudiu pensando que, bem vistas as coisas, a vaca merecia a verdade tanto quanto a medalha.“

A Viagem do Elefante

Obtido da Wikiquote. Última atualização 30 de Outubro de 2021. História

Citações relacionadas

Thomas Hobbes photo

„O homem é o lobo do homem.“

—  Thomas Hobbes 1588 - 1679

na obra "Memórias de um gerubal", página 91 http://books.google.com.br/books?id=pfpTDKDH0TIC&pg=PA91&dq=O+homem+%C3%A9+o+lobo+do+homem, Roberto de Mello e Souza afirma que citação é de Plauto (século III-II a.C.), na quarta cena do segundo ato da comédia "Asinaria"; citação que Hobbes utilizou na obra "Sobre o cidadão"
"Memórias de um gerubal: a história (vivida) da administração de pessoal no Brasil de 1945 ao século XXI : formação de um executivo"; Por Roberto de Mello e Souza; Publicado por Senac, 2004; ISBN 8587864416, 9788587864413
Atribuídas
Variante: O homem é lobo do homem, em guerra de todos contra todos.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Rudyard Kipling photo
Irene Ravache photo
Erasmo de Rotterdam photo
Victor Hugo photo

„Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha“

—  Victor Hugo poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885

„Está uma vaca!“

—  José Castelo Branco 1962

no programa de televisão Circo das Celebridades, referindo-se à gordura da sua colega Sara Aleixo

Gilberto Freyre photo

„Como todo menino de engenho, tive uma iniciação que não teria tido na cidade. No engenho você vê os animais, o touro cobrindo a vaca… E eu fui iniciado no uso de uma vaca. Experimentei o contado pecaminoso com uma vaca!“

—  Gilberto Freyre 1900 - 1987

citado em "A arte da entrevista‎", de Fábio Altman, José Bonifácio - Publicado por Boitempo Editorial, 2004 ISBN 8575590413, 9788575590416 - 478 páginas, Página 422

Jared Leto photo
Carlos Vaz photo

„Os lobos mansos vivem em rebanho para se protegerem.“

—  Carlos Vaz 1970

Humanidade
Fonte: Laivo, Ed. Pizzicato.

Riccardo Bacchelli photo
Nicolau Maquiavel photo
Felipe Neto photo
Victor Hugo photo

„A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas.“

—  Victor Hugo poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885

citado em Capital ilusão - Página 159, José Lucas - Ed. Coragem, 1986, 244 páginas
Atribuídas

Johnny Rotten photo
Thomas Fuller photo

Tópicos relacionados