Frases de Virginia Woolf

Virginia Woolf photo
126   391

Virginia Woolf

Data de nascimento: 25. Janeiro 1882
Data de falecimento: 28. Março 1941
Outros nomes: Adeline Virginia Woolf

Virginia Woolf foi uma escritora, ensaísta e editora britânica, conhecida como uma das mais proeminentes figuras do modernismo

Woolf era membro do Grupo de Bloomsbury e desempenhava um papel de significância dentro da sociedade literária londrina durante o período entre guerras. Seus trabalhos mais famosos incluem os contos de fadas Mrs. Dalloway , Ao Farol ou Rumo ao Farol e Orlando , assim como o livro-ensaio Um Teto Todo Seu ou Um quarto que seja seu , onde encontra-se a famosa citação "Uma mulher deve ter dinheiro e um teto todo seu se ela quiser escrever ficção".

Obras

Orlando: A Biography
Virginia Woolf
The Waves
Virginia Woolf
Um Teto Todo Seu
Um Teto Todo Seu
Virginia Woolf
Ao Farol
Ao Farol
Virginia Woolf
Mrs Dalloway
Mrs Dalloway
Virginia Woolf
Three Guineas
Virginia Woolf
Flush: A Biography
Virginia Woolf

„Todavia, nada pode ser mais arrogante, embora nada seja mais comum, do que presumir que de deuses só existe um e, de religiões, apenas a de quem fala.“

—  Virginia Woolf, livro Orlando: A Biography

Orlando
Variante: Nada, porém, pode ser mais arrogante, embora mais comum, do que assumir que de Deuses só existe um, e de religiões nenhuma além da de quem fala.

„Arranquei do calendário os dias de Maio e de Junho, disse Susan, e vinte e dois dias de Julho. Arranquei-os e amarfanhei-os, e por isso já só existem como um peso no meu coração. São dias mutilados, como borboletas nocturnas com as asas arrancadas, incapazes de voar. Já só faltam oito dias. Dentro de oito dias, descerei do comboio e ficarei parada no cais às seis e vinte e cinco. A minha liberdade vai então desabrochar, fazendo estalar todas as obrigações que me tolhem e diminuem — os horários, a ordem, a disciplina, o ter de estar aqui e ali a horas certas. O dia explodirá de brilho quando eu abrir a porta e vir o meu pai com o seu velho chapéu e as polainas. Vou tremer. Romper em lágrimas. Depois, na manhã seguinte, levanto-me de madrugada. Saio pela porta da cozinha. Irei pelo paul, ouvindo trovejar atrás de mim os grandes cavalos montados por fantasmas que de súbito se detêm. Verei a andorinha roçando a erva. Vou atirar-me para um banco junto ao rio e ficar a ver os peixes deslizando entre os juncos. Terei nas palmas das mãos as marcas das agulhas dos pinheiros. Então poderei desdobrar e examinar com atenção tudo o que aqui nasceu em mim, qualquer coisa de duro. Porque alguma coisa cresceu dentro de mim, através do Inverno e do Verão, dos dormitórios e escadarias. Ao contrário de Jinny não quero ser admirada. Não quero que as pessoas ergam os olhos de admiração quando entro. Quero dar e receber e quero a solidão onde possa desdobrar em paz tudo o que possuo.“

—  Virginia Woolf, livro The Waves

The Waves

„As mulheres durante todos estes séculos serviram de espelhos possuindo o poder mágico e delicioso de refletir uma imagem do homem com o dobro do seu tamanho natural. Sem esse poder, provavelmente, a Terra seria ainda pântano e selva. As glórias de todas as guerras seriam desconhecidas. Estaríamos ainda arranhando os contornos de cervos nos restos de ossos e trocando pederneiras por peles de carneiro ou qualquer outro ornamento simples que agradasse ao nosso gosto sem sofisticação. O Super Homem ou o Dedo do Destino nunca teriam existido. O Czar e o Kaiser nunca teriam portado suas coroas ou as perdido. Qualquer que possa ser sua utilidade em sociedades civilizadas, espelhos são essenciais a toda ação violenta e heróica. Eis porque tanto Mussolini quanto Napoleão insistem tão enfaticamente na inferioridade das mulheres, pois se elas não fossem inferiores, eles pararariam de engrandescer-se. Isso serve para explicar, em parte, a indispensável necessidade que as mulheres tão freqüentemente representam para os homens. E serve para explicar como eles ficam inquietos quando colocados sob a sua crítica, como é impossível para ela dizer-lhes que este livro é ruim, este quadro é fraco, ou o que quer que seja, sem causar mais dor ou despertar mais raiva que um homem que fizesse a mesma crítica. Pois, se ela começa a dizer a verdade, a figura no espelho encolhe, sua aptidão para a vida é diminuída. Como pode ele continuar a passar julgamentos, a civilizar nativos, a fazer leis, escrever livros, arrumar-se todo e discursar em banquetes, a menos que possa ver a si mesmo no café da manhã e no jantar com pelo menos o dobro do tamanho que realmente é?“

—  Virginia Woolf, livro Um Teto Todo Seu

Um Teto Todo Seu

„Escrever é que é o verdadeiro prazer; ser lido é um prazer superficial.“

—  Virginia Woolf

The truth is that writing is the profound pleasure and being read the superficial.
A writer's diary: being extracts from the diary of Virginia Woolf - página 76, (The works of Virginia Woolf); Virginia Woolf, editor Leonard Woolf, Editora Hogarth Press, 1953, 372 páginas

„Vou até a prateleira. Se escolho, leio meio página de qualquer coisa. Não preciso falar. Mas escuto. Estou maravilhosamente alerta. Certamente não se pode ler sem esforço esse poema. Muitas vezes a página está decomposta e manchada de lama, rasgada e grudada por folhas fanadas, fragmentos de verbena ou gerânio. Para ler esse poema é preciso ter miríades de olhos, como um daqueles faróis que giram sobre as águas agitadas do Atlântico à meia-noite, quando talvez somente uma réstia de algas marinhas fende a superfície, ou subitamente as ondas se escancaram e delas emerge algum monstro. É preciso pôr de lado antipatias e ciúmes, e não interromper. É preciso ter paciência e infinito cuidado e deixar também que se desdobre o tênue som, seja o das delicadas patas de uma aranha sobre uma folha, seja o da risadinha das águas em alguma insignificante torneira. Nada deve ser rejeitado por medo ou horror. O poeta que escreveu essa página (que leio em meio a pessoas falando) desviou-se. Não há vírgula nem ponto-e-vírgula. Os versos não seguem a extensão adequada. Muita coisa é puro contra-senso. É preciso ser cético, mas lançar ao vento a prudência, e, quando a porta se abrir, aceitar resolutamente. Também, por vezes, chorar; também cortar implacavelmente com um talho de lâmina a fuligem, a casca e duras excreções de toda a sorte. E assim (enquanto falam) baixar nossa rede mais e mais fundo, e mergulhá-la docemente e trazer à superfície o que ele disse e o que ela disse, e fazer poesia.“

—  Virginia Woolf, livro The Waves

As Ondas

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?

Autores parecidos

George Orwell photo
George Orwell94
escritor e jornalista britânico
James Joyce photo
James Joyce46
escritor irlandês do século XX, mais conhecido por escrever…
Marcel Proust photo
Marcel Proust80
Escritor francês
Stefan Zweig photo
Stefan Zweig18
escritor austríaco
John Ronald Reuel Tolkien photo
John Ronald Reuel Tolkien46
escritor, poeta, filólogo e professor universitário britâni…
Erich Maria Remarque photo
Erich Maria Remarque10
Escritor alemão
Haruki Murakami photo
Haruki Murakami65
Escritor japonês
J. D. Salinger photo
J. D. Salinger7
escritor americano
Saul Bellow photo
Saul Bellow13
escritor canadense
Arthur Conan Doyle photo
Arthur Conan Doyle31
escritor e médico escocês
Aniversários de hoje
Franz Kafka photo
Franz Kafka97
Escritor austro-húngaro-tchecoslovaco 1883 - 1924
Agustina Bessa-Luís photo
Agustina Bessa-Luís111
1922 - 2019
Papa João XXIII photo
Papa João XXIII13
1881 - 1963
Muhammad Ali photo
Muhammad Ali14
pugilista norte-americano 1942 - 2016
Outros 54 aniversários hoje
Autores parecidos
George Orwell photo
George Orwell94
escritor e jornalista britânico
James Joyce photo
James Joyce46
escritor irlandês do século XX, mais conhecido por escrever…
Marcel Proust photo
Marcel Proust80
Escritor francês
Stefan Zweig photo
Stefan Zweig18
escritor austríaco
John Ronald Reuel Tolkien photo
John Ronald Reuel Tolkien46
escritor, poeta, filólogo e professor universitário britâni…