Frases de João Guimarães Rosa

João Guimarães Rosa photo
215   111

João Guimarães Rosa

Data de nascimento: 27. Junho 1908
Data de falecimento: 19. Novembro 1967
Outros nomes:Guimarães Rosa

Publicidade

João Guimarães Rosa foi um escritor, novelista, contista, diplomata e médico brasileiro, considerado por especialistas como o maior escritor brasileiro de todos os tempos, ao lado de Machado de Assis. Foi o segundo marido de Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, conhecida como "Anjo de Hamburgo".

Os contos e romances escritos por Guimarães Rosa ambientam-se quase todos no chamado sertão brasileiro. A sua obra destaca-se, sobretudo, pelas inovações de linguagem, sendo marcada pela influência de falares populares e regionais que, somados à erudição do autor, permitiu a criação de inúmeros vocábulos a partir de arcaísmos e palavras populares, invenções e intervenções semânticas e sintáticas.

Foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras em 6 de agosto de 1963 , sendo o terceiro ocupante da cadeira nº02, que tem como Patrono Álvares de Azevedo.

Citações João Guimarães Rosa

Publicidade
Publicidade
Publicidade

„Montei, fui trotando travado. Diadorim e o Caçanje iam já mais longe, regulado umas duzentas braças. Arte que perceberam que eu vinha, se viraram nas selas. Diadorim levantou o braço, bateu mão. Eu ia estugar, esporeei, queria um meio-galope, para logo alcançar os dois. Mas, aí, meu cavalo f’losofou: refugou baixo e refugou alto, se puxando para a beira da mão esquerda da estrada, por pouco não deu comigo no chão. E o que era, que estava assombrando o animal, era uma folha seca esvoaçada, que sobre se viu quase nos olhos e nas orêlhas dele. Do vento. Do vento que vinha, rodopiado. Redemoinho: o senhor sabe — a briga de ventos. O quando um esbarra com outro, e se enrolam, o dôido espetáculo. A poeira subia, a dar que dava escuro, no alto, o ponto às voltas, folharada, e ramarêdo quebrado, no estalar de pios assovios, se torcendo turvo, esgarabulhando. Senti meu cavalo como meu corpo. Aquilo passou, embora, o ró-ró. A gente dava graças a Deus. Mas Diadorim e o Caçanje se estavam lá adiante, por me esperar chegar. — “Redemunho!” — o Caçanje falou, esconjurando. — “Vento que enviesa, que vinga da banda do mar...” — Diadorim disse. Mas o Caçanje não entendia que fosse: redemunho era d’Ele — do diabo. O demônio se vertia ali, dentro viajava. Estive dando risada. O demo! Digo ao senhor. Na hora, não ri? Pensei. O que pensei: o diabo, na rua, no meio do redemunho... Acho o mais terrível da minha vida, ditado nessas palavras, que o senhor nunca deve de renovar. Mas, me escute. A gente vamos chegar lá. E até o Caçanje e Diadorim se riram também. Aí, tocamos.“

—  João Guimarães Rosa
Grande Sertão: Veredas

Próximo
Aniversários de hoje
George Orwell photo
George Orwell73
1903 - 1950
Michel Foucault photo
Michel Foucault24
1926 - 1984
Michael Jackson photo
Michael Jackson52
cantautor, compositor e intérprete americano 1958 - 2009
Outros 41 aniversários hoje