„Depois de Aqcha, a cor da paisagem mudou de chumbo para alumínio, tornou-se pálida e mortiça, como se há milhares e milhares de anos o sol lhe sugasse a alegria. Estávamos agora na planície de Balkh, que se diz ser a cidade mais antiga do mundo. Os maciços de árvores verdes, os tufos de erva áspera e cortante em forma de repuxo, quase pareciam negros, pois destacavam-se sobre o fundo daquela tonalidade mortal. De vez em quando, avistávamos um campo de cevada. O cereal estava maduro, e turcomanos em tronco nu colhiam-no com foices. Mas não era castanho nem dourado, nem lembrava Ceres, nem abundância. Parecia ter embranquecido prematuramente, como o cabelo de um louco, perdendo tudo o que nele fora nutritivo. E destas extensas mortalhas, primeiro a norte e depois a sul da estrada, elevavam-se as formas branco-acizentadas e carcomidas de uma arquitectura antiga, montículos, sulcados e esmaecidos pela chuva e pelo sol, mais estafados do que qualquer obra humana por mim vista: uma pirâmide torta, uma plataforma afunilada, um maciço de ameias, um animal agachado, com que os gregos de Báctria estavam familiarizados, e Marco Polo depois deles. Já deviam ter desaparecido. Mas foi o próprio impacto do sol, que, congregando a pertinácia daquele barro de cinza, permitiu conservar uma centelha inextinguível de forma, a centelha que não se encontra numa fortificação romana, nem numa mamoa coberta de erva, a centelha que continua a tremeluzir num mundo mais luminoso do que ela própria, cansada como só um suicida frustrado consegue ser.“

The Road to Oxiana

Citações relacionadas

Fernando Pessoa photo
Lao Tsé photo
Bob Marley photo

„Quando morrer, quero ser cremado Para que minhas cinzas alimentem as ervas, E as ervas, alimentem a mente dos loucos. Loucos como eu“

—  Bob Marley foi um cantor, guitarrista (raggae) e compositor jamaicano famoso por popularizar o gênero 1945 - 1981

Variante: Quando morrer quero ser cremado... para que minhas cinzas alimentem as ervas e as ervas alimentem os loucos como eu.

Alice Walker photo

„Os animais do mundo existem para seus próprios propósitos. Não foram feitos para os seres humanos, do mesmo modo que os negros não foram feitos para os brancos, nem as mulheres para os homens.“

—  Alice Walker 1944

The animals of the world exist for their own reasons. They were not made for humans any more than black people were made for white, or women created for men.
citado em "Vegetarian Times"‎ - Página 68, Revista - jul. 1989 - núm. 143 ISSN 0164-8497 Publicado por Active Interest Media, Inc.- 80 páginas

Bob Marley photo

„Quando morrer quero ser cremado, para minhas cinzas fortalecer algumas ervas e as ervas fortalecer alguns loucos como eu.“

—  Bob Marley foi um cantor, guitarrista (raggae) e compositor jamaicano famoso por popularizar o gênero 1945 - 1981

Anthony Doerr photo
Allan Kardec photo
Pepetela photo
Bob Marley photo
William Shakespeare photo
Alvar Aalto photo

„Em quase todas as tarefas relativas às formas há milhares de elementos que por vontade humana são forçados a trabalhar em harmonia. Só pela arte se pode alcançar essa harmonia.“

—  Alvar Aalto 1898 - 1976

Nearly every design task involves tens, often hundreds, sometimes thousands of different contradictory elements, which are forced into a functional harmony only by man's will. This harmony cannot be achieved by any other means than those of art.
Alvar Aalto: between humanism and materialism‎ - Página 21, Alvar Aalto, Peter Reed, Kenneth Frampton, Museum of Modern Art (New York, N.Y.) - Museum of Modern Art, 1998, ISBN 087070107X, 9780870701078 - 319 páginas

João Morgado photo
Carmen Sylva photo
Renato Russo photo

„Eu rabisco o sol que a chuva apagou.“

—  Renato Russo cantor e compositor brasileiro 1960 - 1996

Ricardo Araújo Pereira photo

„Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam egestas wisi a erat. Morbi imperdiet, mauris ac auctor dictum.“