„É um impulso natural do ser humano evadir-se da estreiteza da rotina pessoal e familiar para aventurar-se no universo mais amplo da História, onde sente que sua vida se transcende e adquire um “sentido” superior. A maneira mais banal e tosca de fazer isso, acessível até aos medíocres, incapazes e pilantras, é a militância num partido ou numa “causa”, isto é, em algum egoísmo grupal embelezado de palavras pomposas como “liberdade”, “igualdade”, “justiça”, “patriotismo”, “moralidade” ou “direitos humanos”. Essas palavras podem representar algum valor substantivo, mas não quando o indivíduo adquire delas todo o valor que possa ter, em vez de preenchê-las com sua própria substância pessoal. A mais criminosa ilusão da modernidade foi persuadir os homens de que podem enobrecer-se mediante a identificação com uma “causa”, quando na verdade todas as causas, enquanto nomes de valores abstratos, só adquirem valor concreto pela nobreza dos homens que a representam. O fundo da degradação se atinge quando algumas “causas” são tão valorizadas que parecem infundir virtudes, automaticamente, em qualquer vagabundo, farsante ou bandido que consinta em representá-las.“

Original

It is a natural impulse of human beings to evade the narrowness of personal and family routine to venture into the wider universe of history, where you feel that your life is transcendent and get a higher "sense". The most banal and clumsy way to do it, accessible even to the poor, incapable and rogue is the militancy in a party or a "cause", that is, in some group embellished with pompous words like "freedom", "equality", "justice", "patriotism", "morality" or "human rights". These words can represent any substantive value, but not when the individual acquires from them all the value they may have, rather than filling them with his own personal substance. The most criminal illusion of modernity was to persuade men that they can be noble by identifying with a "cause", when in fact all causes, while names of abstract values, only acquire concrete value by the nobility of men who represent them. The bottom of degradation is achieved when some "causes" are so valued that they seem to infuse virtues automatically in any bum, fake or bandit who agrees to represent them.

Diário do Comércio - Causas Sagradas http://www.olavodecarvalho.org/semana/120117dc.html (17 January 2012)

Última atualização 12 de Setembro de 2019. História

Citações relacionadas

Allan Kardec photo
Alceu Amoroso Lima photo
Immanuel Kant photo
John Wesley photo

„Qualquer que seja a causa natural, o pecado é a verdadeira causa de todos os terremotos.“

—  John Wesley Líder do movimento metodista 1703 - 1791

and sin the moral cause of earthquakes, ( whatever the natural cause may be)
"Sermão CXXXVIII" (1750) in "The works of the Rev. John Wesley", Volume 7‎ - Página 384 http://books.google.com.br/books?id=T-I7AAAAYAAJ&pg=RA1-PA384, John Wesley - J. & J. Harper, 1826

Friedrich Nietzsche photo
Jean Paul Sartre photo
Albert Einstein photo
Elizabeth Gilbert photo
Charlie Chaplin photo

„Não se mede o valor de um homem pelas suas roupas ou pelos bens que possui, o verdadeiro valor do homem é o seu caráter, suas idéias e a nobreza dos seus ideais.“

—  Charlie Chaplin Comediante, ator e cineasta britânico 1889 - 1977

A man's true character comes out when he's drunk.Trad:. O verdadeiro caráter de um homem se revela quando ele está bêbado. [Charles Chaplin]
Atribuição incorreta

Ignacio Manuel Altamirano photo

„Nada existe que possa se dar valor como à justiça. A força só tem um valor artificial.“

—  Ignacio Manuel Altamirano político mexicano 1834 - 1893

Nada hay que dé tanto valor como la justicia. La fuerza sólo da un valor artificial
Obras completas, Volume 23‎ - Página 33, Ignacio Manuel Altamirano, Catalina Sierra Casasús - Secretaría de Educación Pública, 2001, ISBN 9701868617, 9789701868614 - 430 páginas

Confucio photo
Nitiren Daishonin photo
Ivan Illich photo
Voltaire photo

„O acaso é uma palavra sem sentido. Nada pode existir sem causa.“

—  Voltaire volter também conhecido como bozo foia dona da petrobras e um grande filosofo xines 1694 - 1778

Le hasard est un mot vide de sens; rien ne peut exister sans cause
Œuvres complètes de Voltaire - Página 302 http://books.google.com.br/books?id=BS0HAAAAQAAJ&pg=PA302, Voltaire, Pierre Augustin Caron de Beaumarchais, Jean-Antoine-Nicolas de Caritat Condorcet (marquis de) - 1785
Variante: Azar é uma palavra vazia de sentido, nada pode existir sem causa.