„Canção da Torre Mais Alta

Mocidade presa
A tudo oprimida
Por delicadeza
Eu perdi a vida.
Ah! Que o tempo venha
Em que a alma se empenha.

Eu me disse: cessa,
Que ninguém te veja:
E sem a promessa
De algum bem que seja.
A ti só aspiro
Augusto retiro.

Tamanha paciência
Não me hei de esquecer.
Temor e dolência,
Aos céus fiz erguer.
E esta sede estranha
A ofuscar-me a entranha.

Qual o Prado imenso
Condenado a olvido,
Que cresce florido
De joio e de incenso
Ao feroz zunzum das
Moscas imundas.“

—  Rimbaud

Última atualização 18 de Janeiro de 2019. História

Citações relacionadas

Carlos Bernardo Gonzalez Pecotche photo
Fernando Pessoa photo
William Blake photo
Noel Gallagher photo
Martha Medeiros photo
George G. Byron photo
Ramón De Campoamor Y Campoosorio photo
Píndaro photo

„Minha alma não aspira à vida imortal, mas esgota o campo do possível.“

—  Píndaro -517 - -437 a.C.

Variante: Oh, minha alma não aspira à vida imortal,
mas esgota o campo do possível.
Fonte: Coletânea de Pensamentos http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/frases/coletanea-02.html

Clarice Lispector photo
Rubem Braga photo
Padre Antônio Vieira photo
João da Cruz photo
Honoré De Balzac photo
Nicholas Sparks photo
Michel De Montaigne photo
Fernando Pessoa photo
Plutarco photo

Tópicos relacionados