„O trabalho é um dever social, um dever humano nesta terra, uma manifestação da força criativa do homem, do seu poder de subjugar a natureza.“

—  Ben Gurion

Última atualização 18 de Janeiro de 2019. História

Citações relacionadas

Hermann Hesse photo
Jack Kerouac photo
Oscar Wilde photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
H. P. Lovecraft photo
P. J. O'Rourke photo

„Há apenas um direito humano básico, o de fazer o que você bem entender. E com isso vem o único dever humano, o dever de assumir as consequencias.“

—  P. J. O'Rourke 1947

There is only one basic human right, the right to do as you damn well please. And with it comes the only basic human duty, the duty to take the consequences.
The Liberty Manifesto (1993)

Mencio photo
Friedensreich Hundertwasser photo
Carmen Sylva photo
Paolo Mantegazza photo
Maurice Maeterlinck photo
Robert Louis Stevenson photo
Alexander Pope photo
Ivan Vladimirovich Michurin photo

„Não podemos esperar favores da natureza; o nosso dever é arrancar-lhos“

—  Ivan Vladimirovich Michurin 1855 - 1935

Мы не можем ждать милостей от природы; взять их у неё - наша задача.
«Выведение новых культурных сортов из семян», 1911
Fonte: "Resultados de Sessenta Anos de Trabalho Para a Criação de Novas Espécies de Plantas Frutíferas"

Jean Jacques Rousseau photo

„O mais forte não é suficientemente forte se não conseguir transformar a sua força em direito e a obediência em dever“

—  Jean Jacques Rousseau, livro Do Contrato Social

Le plus fort n'est jamais assez fort pour être toujours le maître, s'il ne transforme sa force en droit, et l'obéissance en devoir.
Du contrat social, Página 10 http://books.google.com.br/books?id=5iQVAAAAQAAJ&pg=PA10 - Jean-Jacques Rousseau - 1797.
Do Contrato Social

Henri Dominique Lacordaire photo
Thomas Carlyle photo
Eugéne Ionesco photo

„O homem superior é aquele que cumpre sempre o seu dever“

—  Eugéne Ionesco, Rhinoceros

L'homme supérieur est celui qui remplit son devoir.
Théâtre: Rhinocéros ; Le piéton de l'air ; Délire à deux ; Le tableau ...‎ - Volume 3, Página 13, Eugène Ionesco - Gallimard, 1963

Tópicos relacionados