Frases de Odilon Redon

Odilon Redon photo
0   0

Odilon Redon

Data de nascimento: 20. Abril 1840
Data de falecimento: 6. Julho 1916

Publicidade

Bertrand Redon , conhecido como Odilon Redon foi um pintor e artista gráfico francês, considerado o mais importante dos pintores do simbolismo, por ser o único que soube criar uma linguagem plástica particular e original.[carece de fontes?]Redon foi um dos membros mais destacados do movimento simbolista, cujas bases teóricas foram definidas pelos manifestos do poeta Mallarmé e pela estética romântica. Diferente da obra de seus colegas, a sua chegou aos limites da sugestão e da abstração, e pode-se dizer que, tanto formal quanto conceitualmente, chegou, de modo visionário, perto da futura vanguarda surrealista.

Sua iniciação teve mais a ver com a arte gráfica do que com a pintura. De fato, Redon aprendeu as técnicas da gravura com Bresdin, influenciado pela obra de Doré. Como pintor, interessou-se pelas paisagens da Escola de Barbizon e pela obra de Rembrandt.

Em 1884 fundou com Paul Gauguin e Georges Seurat o Salon des Indépendants e também participou das exposições do grupo Le XX, em Bruxelas. A partir de 1890 relacionou-se com os poetas simbolistas Mallarmé e Huysmans. O marchand Durand-Ruel, interessado em sua obra, propôs uma exposição individual.

A técnica mais utilizada por Redon era o pastel, que lhe permitia trabalhar as cores com texturas diferentes e bastante mescladas. Seu mundo de visões e sonhos, povoado de criaturas estranhas e às vezes monstruosas, fascinou os jovens do grupo nabis e influenciou significativamente os surrealistas.

Suas gravuras são ricas com uma visão muito pessoal de um universo de sonho. Ele mesmo declarou, "...deixo livre a minha imaginação no sentido de utilizar tudo o que a litografia pode me oferecer. Cada uma das muitas peças é o resultado de uma procura apaixonada do máximo que pode ser extraído da conjugação do uso do lápis, papel e pedra".

Citações Odilon Redon

„The artist lives only day by day, and is the recipient of the things that surround him; he transposes sensations from outside, according to what the fate reserves him, but transforms them relentlessly and tenaciously, in a manner determined by him alone.“

—  Odilon Redon
in Confidences of an artist (1894) published posthumously in Paris in 1922 as part of the book of memoirs To himself; as quoted by Paul Westheim in Confessions of Artists - Letters, Memoirs and Observations of Contemporary Artists, Propyläen Publishing House, Berlin, 1925: p. 82

„Like music my drawings transport us to the ambiguous world of the indeterminate.“

—  Odilon Redon
Quoted in Jean-François Guillou, Great Paintings of the World (2000), p. 190.