„Sem remédio

Aqueles que me têm muito amor
Não sabem o que sinto e o que sou...
Não sabem que passou, um dia, a Dor
À minha porta e, nesse dia, entrou.

E é desde então que eu sinto este pavor,
Este frio que anda em mim, e que gelou
O que de bom me deu Nosso Senhor!
Se eu nem sei por onde ando e onde vou!!

Sinto os passos de Dor, essa cadência
Que é já tortura infinda, que é demência!
Que é já vontade doida de gritar!

E é sempre a mesma mágoa, o mesmo tédio,
A mesma angústia funda, sem remédio,
Andando atrás de mim, sem me largar!“

Publicidade

Citações relacionadas

Padre Antônio Vieira photo
 Propércio photo
Publicidade
Públio Siro photo
Florbela Espanca photo
Gabriel García Márquez photo
Sigmund Freud photo
Renato Russo photo
Leonardo Da Vinci photo
Publicidade
José Saramago photo
Marquês de Maricá photo
Publicidade
 Cícero photo
François de La  Rochefoucauld photo
Padre Antônio Vieira photo
Friedrich Hölderlin photo
Próximo