„Se não fossem a bexiga, o tifo, a malária, o analfabetismo, a lepra, a doença de Chagas, a xistosomose, outras tantas meritórias pragas soltas no campo, como manter e ampliar os limites das fazendas do tamanho de países, como cultivar o medo, impor o respeito e explorar o povo devidamente? Sem a disenteria, o crupe, o tétano, a fome propriamente dita, já se imaginou o mundo de crianças a crescer, a virar adultos, alugados, trabalhadores, meeiros, imensos batalhões de cangaceiros - não esses ralos bandos de jagunços se acabando nas estradas ao som das buzinas dos caminhões - a tomar as terras e dividi-las? Pestes necessárias e beneméritas, sem elas seria impossível a indústria das secas, tão rendosa; sem elas, como manter a sociedade constituída e conter o povo, de todas as pragas a pior? Imagine, meu velho, essa gente com saúde e sabendo ler, que perigo medonho!“

Tereza Batista: Home from the Wars

Última atualização 2 de Dezembro de 2021. História

Citações relacionadas

Ambrose Bierce photo
Carlos Drummond de Andrade photo
Monteiro Lobato photo
Havelock Ellis photo
Miguel Falabella photo
Chico Buarque photo
Luis Fernando Verissimo photo

„A índole pacífica e hospitaleira do nosso povo é realmente democrática, mas a inércia, decorrente do analfabetismo, da incultura e da falta de saúde, não lhe permite aspirar à responsabilidade. Aceita fatos consumados, é um povo fatalista.“

—  Mário Ferreira dos Santos Filósofo e Advogado Brasileiro 1907 - 1968

Hildebrando Paschoal, "Alguns pensamentos de Mário Ferreira dos Santos", Amazon editora, ASIN: B01MRRV8D0.

F. Max Müller photo

„A viagem das histórias, de povo em povo, de folclore em folclore, através de países e de séculos, é mais maravilhosa do que seu próprio enredo miraculoso.“

—  F. Max Müller professor académico alemão 1823 - 1900

no livro Vaqueiros e Cantadores, de Câmara Cascudo (Global).

Carlos Drummond de Andrade photo

„O povo bom e simples, suas cores vistosas, pelo campo… Tão Brasil!“

—  Carlos Drummond de Andrade Poeta brasileiro 1902 - 1987

Viola de bôlso novamente encordada‎ - Página 67, de Carlos Drummond de Andrade - Publicado por J. Olympio, 1955 - 125 páginas

Oscar Wilde photo

„O trabalho é a praga das classes bebedoras.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Raul Cortez photo
Heitor Villa-Lobos photo

Tópicos relacionados