„A solidão desola-me; a companhia oprime-me. A presença de outra pessoa descaminha-me os pensamentos“

Última atualização 8 de Julho de 2019. História
Fernando Pessoa photo
Fernando Pessoa931
poeta português 1888 - 1935

Citações relacionadas

Fernando Pessoa photo

„A solidão desola-me; a companhia oprime-me.“

—  Fernando Pessoa poeta português 1888 - 1935

"Autobiografia sem Factos". (Assírio & Alvim, Lisboa, 2006, p. 73)
Autobiografia sem Factos

Friedrich Nietzsche photo
Clodovil Hernandes photo

„Não sinto solidão, tenho a companhia de Deus.“

—  Clodovil Hernandes estilista, apresentador e político brasileiro 1937 - 2009

Programa Tom Cavalcante
Frases clássicas de Clodovil

Marquês de Maricá photo
Jean Paul Sartre photo

„Se você sente solidão quando a sós, está em má companhia.“

—  Jean Paul Sartre Filósofo existencialista, escritor, dramaturgo, roteirista, ativista político e crítico literário francês 1905 - 1980

Friedrich Nietzsche photo

„Odeio quem me rouba a solidão sem verdadeiramente me oferecer companhia.“

—  Friedrich Nietzsche filósofo alemão do século XIX 1844 - 1900

Variante: Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer verdadeira companhia.

Friedrich Nietzsche photo
Joseph Addison photo
Richard Bach photo
Nélson Rodrigues photo

„A companhia de um paulista é a pior forma de solidão.“

—  Nélson Rodrigues escritor e dramaturgo brasileiro 1912 - 1980

A Cabra Vadia
Fonte: A Cabra Vadia (novas confissões).: (novas confissões). - Página 168, de Nelson Rodrigues - Publicado por Eldorado, 1969 - 344 páginas

Chico Buarque photo

„No meu descaminho Diz que estou sozinho E sem saber de mim“

—  Chico Buarque compositor, cantor e escritor brasileiro 1944

Emilio Castelar photo

„O pensamento é a presença do infinito na mente humana.“

—  Emilio Castelar 1832 - 1899

el pensamiento, que es la presencia de lo infinito en la humana mente.
Discursos politicos y literarios‎ - Página 32, de Emilio Castelar - Publicado por Impr. de J. Antonio García, 1861 - 415 páginas

Pablo Neruda photo

„Amor, quantos caminhos até chegar a um beijo,
que solidão errante até tua companhia!“

—  Pablo Neruda Escritor 1904 - 1973

Amor, cuántos caminos hasta llegar a un beso, qué soledad errante hasta tu compañía!
sonete "Mañana", em "Cien sonetos de amor" - Página 12, de Pablo Neruda - Publicado por Editorial Losada, 1960 - 124 páginas

James Allen photo
Érico Veríssimo photo