„Política é quase tão excitante quanto a guerra, e quase tão perigosa. Na guerra você é morto uma vez, mas, em política, várias vezes.“

Politics are almost as exciting as war, and quite as dangerous. In war you can only be killed once, but in politics many times.
The Churchill wit - página 5, Sir Winston Churchill, Bill Adler, Editora Coward-McCann, 1965, 85 páginas

Última atualização 21 de Maio de 2020. História
Winston Churchill photo
Winston Churchill115
Político britânico 1874 - 1965
Editar

Citações relacionadas

Winston Churchill photo
Pedro II do Brasil photo
Mao Tsé-Tung photo

„A política é uma guerra sem derramamento de sangue, e a guerra uma política com derramamento de sangue.“

—  Mao Tsé-Tung político, teórico e revolucionário chinês e 1° Presidente da República Popular da China. 1893 - 1976

Marquês de Vauvenargues photo
Clarice Lispector photo
Karl von Clausewitz photo

„A guerra nada mais é que a continuação da política por outros meios.“

—  Karl von Clausewitz 1780 - 1831

Der Krieg ist eine bloße Fortsetzung der Politik mit anderen Mitteln.
Leben des generals Carl von Clausewitz und der Frau Marie von Clausewitz geb. gräfin von Brühl: Volumes 1-2 - página 494, Karl Schwartz - F. Dümmler, 1878

Agatha Christie photo

„Ganhar uma guerra é tão desastroso quanto perdê-la.“

—  Agatha Christie escritora, romancista, contista, dramaturga e poetisa britânica 1890 - 1976

Cornelia Funke photo
Ambrose Bierce photo
Leonid Brejnev photo

„É loucura para qualquer país construir a sua política com um olho para uma guerra nuclear.“

—  Leonid Brejnev 1906 - 1982

It is madness for any country to build its policy with an eye to nuclear war.
citado em "Indefensible weapons: the political and psychological case against nuclearism" - página 224 - por Robert Jay Lifton, Richard A. Falk - History - 1982

Vergílio Ferreira photo
Ludwig Wittgenstein photo
Mariana Ianelli photo
Padre Antônio Vieira photo
George Orwell photo
Julio María Sanguinetti photo

„Todo político em busca da reeleição é um animal perigoso.“

—  Julio María Sanguinetti 1937

Fonte: Revista Veja http://veja.abril.com.br/030997/p_015.html

Tópicos relacionados