Frases do livro
O segundo sexo

O segundo sexo
Simone de BeauvoirTítulo original Le Deuxième Sexe (Francês, 1949)

O Segundo Sexo é um livro escrito por Simone de Beauvoir, publicado originalmente em 1949 e uma das obras mais celebradas e importantes para o movimento feminista. O pensamento de Beauvoir analisa a situação da mulher na sociedade.No Brasil foi publicado em dois volumes: "Fatos e mitos" é o volume 1, e faz uma reflexão sobre mitos e fatos que condicionam a situação da mulher na sociedade. "A experiência vivida" é o volume 2, e analisa a condição feminina nas esferas sexual, psicológica, social e política.


Simone de Beauvoir photo

„Não se nasce mulher: torna-se…“

—  Simone de Beauvoir, livro O segundo sexo

Simone de Beauvoir em "O segundo sexo" [Le deuxième sèxe] (1949)

Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir photo

„A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si mas relativamente a ele; ela não é considerada um ser autônomo.“

—  Simone de Beauvoir, livro O segundo sexo

Simone de Beauvoir em "O segundo sexo" [Le deuxième sèxe] (1949)

Simone de Beauvoir photo

„Stendhal, desde infância, amou as mulheres sensualmente; projetou nelas as aspirações de sua adolescência; imaginava-se de bom grado salvando de algum perigo uma bela desconhecida e conquistando-lhe o amor. Chegando a Paris, o que desejava mais ardentemente era "uma mulher encantadora; nós nos adoraremos, ela conhecerá minha alma"… Velho, escreve na poeira as iniciais das mulheres que mais amou. "Creio que foi o devaneio que preferi a tudo", confia-nos ele. E são imagens de
mulheres que lhe alimentaram os sonhos; a lembrança delas anima as paisagens. "A linha de rochedos aproximando-se de Arbois, creio, e vindo de Dôle pela estrada principal, foi para mim uma imagem sensível e evidente da alma de Métilde." A música, a pintura, a arquitetura, tudo o que amou, amou-o com uma alma de amante infeliz; quando passeia em Roma, a cada página, uma mulher aparece; nas saudades, nos desejos, nas tristezas, nas alegrias
que elas suscitaram-lhe, conheceu o gosto do próprio coração; a elas é que deseja como juizes. Freqüenta-lhes os salões, procura mostrar-se brilhante aos seus olhos, deveu-lhes suas maiores felicidades, suas penas; foram sua principal ocupação. Prefere seu amor a toda amizade e sua amizade à dos homens; mulheres inspiram seus livros, figuras de mulheres os povoam; é em grande parte para elas que escreve. "Corro o risco de ser lido em 1900 pelas almas que amo, as Mme Roland, as Mélanie Guibert…" As mulheres foram a própria subsistência de sua vida. De onde lhe veio esse privilégio? Esse terno amigo das mulheres, e precisamente porque as ama em sua verdade, não crê no mistério feminino; nenhuma essência define de uma vez por todas a mulher; a idéia de um "eterno feminino" parece-lhe pedante e ridículo. "Pedantes repetem há dois mil anos que as mulheres têm o espírito mais vivo e os homens, mais solidez; que as mulheres têm mais delicadeza nas idéias e os homens, maior capacidade de atenção. Um basbaque de Paris que passeava outrora pelos jardins de Versalhes concluía, do que via, que as árvores nascem podadas." As diferenças que se observam entre os homens e as mulheres refletem as de sua situação. Por exemplo, por que não seriam as mulheres mais romanescas do que seus amantes? "Uma mulher com seu bastidor de bordar, trabalho insípido que só ocupa as mãos, pensa no amante, enquanto este galopando no campo com seu esquadrão é preso se faz um movimento em falso." Acusam igualmente as mulheres de carecerem de bom senso. "As mulheres preferem as emoções à razão; é muito simples: como em virtude de nossos costumes vulgares elas não são encarregadas de nenhum negócio na família, a razão nunca lhes ê útil… Encarregai vossa mulher de tratar de vossos interesses com os arrendatários de duas de vossas propriedades; aposto que as contas serão mais bem feitas do que por vós." Se a História revela-nos tão pequeno número de gênios femininos é porque a sociedade as priva de quaisquer meios de expressão: "Todos os gênios que nascem mulheres estão perdidos para a felicidade do público; desde que o acaso lhes dê os meios de se revelarem, vós as vereís desenvolver os mais difíceis talentos." O pior handicap que devem suportar é a educação com que as embrutecem; o opressor esforça-se sempre por diminuir os que oprime; é propositadamente que o homem recusa às mulheres quaisquer possibilidades. "Deixemos ociosas nelas as qualidades mais brilhantes e mais ricas de felicidade para elas mesmas e para nós." Aos dez anos, a menina é mais fina e viva do que seu irmão; com vinte, o moleque é homem de espírito e a moça "uma grande idiota desajeitada, tímida e com medo de urna aranha"; o erro está na formação que teve. Fora necessário dar à mulher exatamente a mesma instrução que se dá aos rapazes.“

—  Simone de Beauvoir, livro O segundo sexo

The Second Sex

Autores parecidos

Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir80
Escritora francesa 1908 - 1986
Brigitte Bardot photo
Brigitte Bardot4
atriz e ativista francesa
Charles de Gaulle photo
Charles de Gaulle30
18° presidente da República Francesa, Líder da França Livre…
Jean Paul Sartre photo
Jean Paul Sartre105
Filósofo existencialista, escritor, dramaturgo, roteirista,…
Marie Curie photo
Marie Curie12
química e física polonesa naturalizada primeiro russa, e, e…
Autores parecidos
Simone de Beauvoir photo
Simone de Beauvoir80
Escritora francesa 1908 - 1986
Brigitte Bardot photo
Brigitte Bardot4
atriz e ativista francesa
Charles de Gaulle photo
Charles de Gaulle30
18° presidente da República Francesa, Líder da França Livre…
Jean Paul Sartre photo
Jean Paul Sartre105
Filósofo existencialista, escritor, dramaturgo, roteirista,…