„Nasce-se incendiário e acaba-se bombeiro.“

—  Dino Segre

Última atualização 18 de Janeiro de 2019. História
Tópicos
bombeiro
Dino Segre photo
Dino Segre18
1893 - 1975

Citações relacionadas

José Luiz Datena photo
Bill Maher photo
Charles Bukowski photo
Harrison Ford photo

„[em ser um ator principal] "Sou como bombeiro. Quando saio num chamado, eu quero apagar um grande fogo, eu não quero apagar um fogo numa caçamba."“

—  Harrison Ford Ator norte-americano 1942

[On being a leading man] "I'm like a fireman. When I go out on a call, I want to put out a big fire, I don't want to put out a fire in a dumpster."

Warren Farrell photo

„Durante o julgamento de Mike Tyson por estupro, por exemplo, o hotel onde o júri estava hospedado pegou fogo. Dois bombeiros morreram tentando salvar os ocupantes do prédio. O julgamento de Tyson nos tornou conscientes a respeito do homem estuprador, mas a morte dos dois bombeiros não nos tornou mais conscientes do homem como um salvador de vidas. Prestamos mais atenção num homem que praticou o mal do que em dois que praticaram o bem; no homem que ameaçou uma mulher (a qual não morreu) do que nas dezenas de homens que salvaram centenas de homens e mulheres (para não falar nos dois que morreram).“

—  Warren Farrell, livro The Myth of Male Power

"The Mike Tyson trial. The hotel in which the jury is sequestered goes ablaze. Two firefighters die saving its occupants. The trial of Mike Tyson made us increasingly aware of men-as-rapists. The firefighters' deaths did not make us increasingly aware of men-as-saviors. We were more aware of one man doing harm than of two men saving, of one man threatening one women (who is still alive) than of dozens of men saving hundreds of people (and that two of those men died)."
Página 36.
The Myth of Male Power (1993), Parte 1

Will Self photo
Machado de Assis photo
Jon Stewart photo
Pablo Neruda photo

„Os animais foram
imperfeitos,
compridos de rabo, tristes
de cabeça.
Pouco a pouco foram se
compondo,
fazendo-se paisagem,
adquirindo manchas, graça, voo.
O gato
só gato
apareceu completo
e orgulhoso
nasceu completamente terminado,
caminha sozinho e sabe o que quer.

O homem quer ser peixe e pássaro,
a serpente queria ter asas,
o cachorro é um leão desorientado,
o engenheiro quer ser poeta,
a mosca estuda para ser andorinha,
o poeta tenta imitar a mosca,
mas o gato só quer ser gato
e todo gato é gato
do bigode até o rabo,
do pressentimento ao rato vivo,
da noite até seus olhos de ouro.

Não existe unidade
como ele,
nem têm a lua nem a flor
tal contextura:
é uma coisa só
como o sol ou o topázio,
e a elástica linhade seu contorno
firme e sutil é como
a linha da proa de uma nave.
Seus olhos amarelos
deixaram uma só
ranhura
para pôr as moedas da noite.

Ó pequeno imperador sem orbe,
conquistador sem pátria,
mínimo tigre de salão, nupcial
sultão do céu
das telhas eróticas,
o vento do amor
na intempérie
reclamas
quando passas
e pousas
quatro pés delicados
no solo,
farejando,
desconfiado
de tudo que é terrestre,
porque tudo
é imundo
para o imaculado pé do gato.

Ó fera independente
da casa, arrogante
vestígio da noite,
preguiçoso,
ginástico,
e alheio,
profundíssimo gato,
polícia secreta
das moradas,
talvez não sejas mistério,
todo mundo sabe-te e pertences
ao habitante menos misterioso,
talvez todos o creiam,
todos se creiam donos,
proprietários, tios
de gatos, companheiros,
colegas,
discípulos ou amigos
de seu gato.

Eu não.
Eu não concordo.
Eu não conheço o gato.
Tudo sei, a vida e seu arquipélago,
o mar e a cidade incalculável,
a botânica,
o gineceu com seus extravios,
o mais e o menos da matemática,
os funis vilcânicos do mundo,
a casca irreal do crocodilo,
a bondade ignorada do bombeiro, o atavismo azul do sacerdote,
mas não posso decifrar um gato.
Minha razão resvalou em sua indiferença,
seus olhos têm números de ouro.“

—  Pablo Neruda Escritor 1904 - 1973

Navegaciones y Regresos