„O homem não deve nunca parar de estudar, mesmo no seu último dia de vida.“

Última atualização 27 de Abril de 2018. História

Citações relacionadas

Moisés Maimônides photo
Nicholas Sparks photo
Paulo Bonfá photo
François de La  Rochefoucauld photo
Alexandre Dumas, Filho photo

„A vida é o último hábito que se deve perder, porque foi o primeiro que se tomou.“

—  Alexandre Dumas, Filho 1824 - 1895

La vie est la dernière habitude qu'on veut perdre, parce que c'est là première qu'on a prise.
Théatre complet de Al. Dumas fils‎ - Volumes 1-2, Página 40 http://books.google.com.br/books?id=KZQGAAAAQAAJ&pg=PA40, Alexandre Dumas - Michel Lévy frères, libraires éditeurs, 1868

Benjamin Franklin photo
Sófocles photo
Walt Disney photo

„Um homem nunca deve negligenciar sua família pelos negócios.“

—  Walt Disney Cofundador da The Walt Disney Company 1901 - 1966

A man should never neglect his family for business
citado em "How to Get a Life": Volume 2 - Página 67, Lawrence Baines, Daniel McBrayer - Humanics Publishing Group, 2004, ISBN 0893343994, 9780893343996 - 216 páginas
Atribuídas

Sócrates photo
Marcial photo
Cícero photo

„O homem nunca deve humilhar-se a ponto de se esquecer de que é homem.“

—  Cícero orador e político romano -106 - -43 a.C.

Variante: Um homem nunca deve humilhar-se tanto, que chegue a esquecer-se que é homem.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Eleanor Roosevelt photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Thomas Alva Edison photo

„Eu nunca trabalhei um dia da minha vida, foi tudo diversão.“

—  Thomas Alva Edison inventor, cientista e empresário dos Estados Unidos 1847 - 1931

Honoré De Balzac photo

„O bom marido nunca deve ser o primeiro a adormecer à noite nem o último a acordar pela manhã.“

—  Honoré De Balzac, livro Physiologie du mariage

Un mari ne doit jamais s'endormir le premier ni se réveiller le dernier.
Physiologie du mariage: ou, Méditations de philosophie éclectique sur le bonheur et le malheur conjugal‎ - Página 61, de Honoré de Balzac - Publicado por Calmann-Lévy, 1868 - 430 páginas

Tópicos relacionados